Startup20 no Amapá vai debater novas tecnologias para promoção da sustentabilidade mundial

Startup20 vai reunir representantes de vários países em debates sobre o futuro do planeta, com foco nas perspectivas, ambiental, social e governança

Com objetivo de impulsionar novas práticas de sustentabilidade e empreendedorismo bioeconômico, a Associação Brasileira de Startups (Abstartups) em parceria com o Governo do Amapá e o Sebrae, promove a partir desta sexta-feira, 23, o evento mundial de tecnologia e inovação, Startup20, que vai reunir representantes de vários países em debates sobre o futuro do planeta, com foco nas perspectivas, ambiental, social e governança.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO DO STARTUP20 NO AMAPÁ

Para o secretário de Ciência e Tecnologia do Amapá, Edivan Andrade, a primeira edição do Startup20 no Brasil, tendo como porta de entrada o Amapá, estado mais preservado do país, promete ser um marco histórico na geração de oportunidades e de divulgação das riquezas inigualáveis da Amazônia.

“O Startup20 é uma oportunidade para mostrar ao mundo os grandes potenciais que temos, que vai desde negócios inovadores até um setor turístico único. Mas, além disso, o evento fortalece a política do Governo do Amapá de  consolidar os grandes eventos como ação estratégica para desenvolvimento do Estado”, pontuou o secretário.

As delegações dos 5 continentes, além de tratar de assuntos sobre o desenvolvimento verde e sustentável, também irão debater sobre transições energéticas de acordo com a compreensão do potencial revolucionário da bioeconomia.

A presidente da Abstartup, Ingrid Barth, destaca que o Startup20 é uma oportunidade muito próspera para as startups do Brasil, especialmente do Amapá, que apresentam soluções inovadoras e sustentáveis.

“A gente está recebendo todas estas delegações e, a ideia é, aprender com todas elas, mas também mostrar o trabalho que a gente vem fazendo com relação à tecnologia, inovação e criação de startups. O Amapá é um estado muito promissor onde muita gente vem fazendo coisas com tecnologia. E neste grande evento é isso que a gente espera, frutos muito prósperos”, ressaltou Barth.

Os temas a serem tratados no encontro, também evidenciam um compromisso com a preservação do planeta. O evento mundial faz parte das ações do Grupo de Engajamento Startup, criado pelo G20, organização que reúne as maiores economias do planeta, mais outras nações da União Europeia e Africana.

O Startup20 terá plenárias com discussões temáticas que irão abordar ecossistemas de startups com palestras de especialistas, painéis de discussão e workshops interativos.

Startup20 no Amapá

O Amapá é sede do maior evento de inovação e tecnologia do mundo, o Startup20, promovido pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) em parceria com o Governo do Estado e o Sebrae. O evento internacional, inédito no Brasil, reúne autoridades e representantes de vários países para debater alternativas inovadoras para o planeta.

Em 2023, durante a 52ª Expofeira do Amapá, o Governo do Estado, que desenvolve políticas públicas de incentivo à inovação, empreendedorismo e a bioeconomia, assinou uma Carta de Intenção que formalizou a realização, em solo amapaense, do encontro que abre oficialmente uma série de eventos do Startup20, que ocorrerão no país, durante o ano.

Sebrae e Governo apresentam Pavilhão de Bioeconomia do Startup20

Expositores conhecem estrutura física e as oportunidades de negócios do Pavilhão da Bioeconomia do maior evento de inovação e tecnologia do mundo

A superintendente do Sebrae, Alcilene Cavalcante, a diretora técnica, Suelem Amoras, e equipe da Unidade de Soluções Inovadoras (Unic), acompanhados da equipe do Governo do Estado (GEA) e da Associação Brasileira de Startups (ABStartup) apresentaram, na sede do Sebrae, nesta terça-feira (20), às 16h, o Pavilhão da Bioeconomia, aos expositores de produtos, serviços e startups do Amapá que participarão do Startup20. O evento acontece no período de 23 a 26 de fevereiro, na sede do Sebrae, com a presença de delegações de 19 países dos cinco continentes.

“A partir de sexta-feira, o Amapá irá sediar o encontro de Startups do G20. Vamos receber aproximadamente 400 representantes de diversos cantos do mundo, empresas nacionais, internacionais, autoridades com influência global e nacional, que estarão participando de debates sobre startup, inteligência artificial, ecossistemas e tecnologia”, declarou a superintendente Alcilene Cavalcante.

Pavilhão

Os expositores receberam informações sobre o evento e tiveram acesso a orientações para uso dos espaços. No Pavilhão, haverá 93 estandes para startups, empresas certificadas pelo Selo Amapá, empreendedores do ramo de artesanatos, empresas de manejo florestal e batedeiras de açaí.

Na ocasião, os expositores realizaram visita técnica à estrutura do Pavilhão de Bioeconomia instalada na sede do Sebrae. Entre os expositores, está Mapige Gemaque, grupo que reúne 18 artesãos que vão apresentar produções indígenas e quilombolas dos municípios de Oiapoque, Macapá e Mazagão.

BactoLac

A empresa BactoLac será uma das expositoras no evento, o empreendimento surgiu com a proposta de isolar e desenvolver probióticos a partir de microrganismos autóctones que promovem a melhoria da imunidade, da resistência contra patógenos, melhor absorção de nutrientes e redução da taxa de conversão alimentar na produção de peixes nativos como o tambaqui. O CEO da BactoLac, Antônio Carlos Freitas, relata as expectativas sobre o evento.

“Esse evento traz uma grande visibilidade para o estado do Amapá, para a Amazônia e principalmente para as startups amapaenses. A BactoLac vai estar com um estande em parceria com o Sebrae e a ABStartup. Nosso objetivo é demonstrar o que estamos produzindo de tecnologia para novos investidores, e destacar a tecnologia de ponta desenvolvida na região norte do Brasil”, contou o CEO Antônio Carlos Freitas.

AmazTrace

A AmazTrace é uma AgTech que fornece todo o espectro de ferramentas e soluções para permitir que cadeias de suprimentos completas rastreiem produtos, com o objetivo de agregar valor nas produções da Amazônia, por meio da garantia de certificação de origem rastreável. O CEO da AmazTrace, Victor Monteiro, destaca o evento como uma grande oportunidade para a empresa e para o setor de inovação sustentável no Amapá.

“É um evento de grande importância pois oportuniza visibilidade a todas as empresas do norte e mostra que conseguimos fazer tecnologia de forma sustentável, com bioeconomia e com valor agregado. A nossa expectativa é alavancar a empresa, através das oportunidades de investimento internacional e tornar a AmazTrace uma startup referência tanto no estado do Amapá quanto no aspecto global”, contou o CEO Victor Monteiro.

Sebrae no Amapá
Unidade de Marketing e Comunicação:

Startup20: Amapá vai receber delegações dos 5 continentes para o maior evento de inovação, sustentabilidade e tecnologia do mundo

O encontro internacional inédito no país tem apoio do Governo do Estado e segue até segunda-feira, 26, no Sebrae

A partir de sexta-feira, 23, os representantes de países dos cinco continentes vão se reunir no Amapá, um dos estados mais preservados do Brasil, para o maior evento de inovação, sustentabilidade e tecnologia do mundo: o Startup20. O encontro internacional inédito no país tem apoio do Governo do Estado e segue até segunda-feira, 26, no Sebrae.

A iniciativa global teve sua primeira edição na Índia, em 2023, como parte das ações do Grupo de Engajamento Startup 20, que integra o G20, organização internacional das maiores economias do mundo.

Até o momento, 19 delegações já confirmaram presença no Amapá: Índia, Alemanha, Arábia Saudita, Bangladesh, Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Indonésia, Omã, Portugal, Suíça, Rússia, Turquia, União Africana, Austrália, Itália, Japão e África do Sul. Entre os estrangeiros, estão empreendedores e agentes públicos.

Para o secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Edivan Barros, o momento é de compartilhar informações e de mostrar para o mundo as potencialidades do Amapá, com incentivo de políticas sustentáveis e localização geográfica privilegiada, devido à fronteira entre Brasil e França.

“Temos certeza que tanto as delegações estrangeiras trarão experiências e conhecimento para compartilhar conosco, como os representantes da Amazônia, e muito especialmente do Amapá, poderão trocar experiências sobre ciência, tecnologia e inovação”, pontuou Barros.

O gestor também acrescentou que, hoje em dia, diante das mudanças climáticas, torna-se ainda mais necessária a cooperação entre as nações.

“Vamos ter debates sobre um mundo mais sustentável, sobre financiamentos para incentivar o surgimento de mais startups inovadoras e soluções para o serviço público”, avaliou Barros.

O Startup20 também vai possibilitar que as delegações estrangeiras conheçam negócios inovadores do Amapá, desde empresas dedicadas ao melhoramento do açaí e empreendimentos de criação de softwares educacionais.

Representação do Startup20 no Amapá

A Abstartups estará representada pela presidente, Ingrid Barth, pela CEO, Mariane Takahashi, pelo vice-presidente Felipe Matos, pelo CFO, Fabrício de Paula, pelas diretoras de Políticas Públicas, Barbara Furiati, de Programas Especiais, Cláudia Schulz, e pelo diretor de Marketing e Vendas, Paulo Buso.

Entre as autoridades governamentais e regionais, estão o governador do Amapá, Clécio Luís, o secretário de estado da Ciência e Tecnologia, Edivan Barros, o secretário executivo do Ministério do Empreendedorismo da Micro e Pequena Empresa (MEMP), Renato Ferreira, e o presidente do Sebrae Amapá, Josiel Alcolumbre. Após o Amapá, o Startup20 ainda terá agenda em Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo.

Startup20 no Amapá

O Amapá é sede do maior evento de inovação e tecnologia do mundo, o Startup20, promovido pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) em parceria com o Governo do Estado e o Sebrae. O evento internacional, inédito no Brasil, reúne autoridades e representantes de vários países para debater alternativas inovadoras para o planeta.

Em 2023, durante a 52ª Expofeira do Amapá, o Governo do Estado, que desenvolve políticas públicas de incentivo à inovação, empreendedorismo e a bioeconomia, assinou uma Carta de Intenção que formalizou a realização, em solo amapaense,, do encontro que abre oficialmente uma série de eventos do Startup20, que ocorrerão no país, durante o ano.

A iniciativa global, que teve sua primeira edição na Índia, faz parte das ações do Grupo de Engajamento Startup 20, criado pelo G20, organização das maiores economias do mundo, que conta também com outras nações da União Europeia e Africana.

‘Mostramos a potência que é o Carnaval do Amapá’, celebra governador na abertura do desfile das escolas de samba

Governador Clécio Luís celebrou as escolas de samba na Avenida Ivaldo Veras

No Carnaval 2024 – Amapá 80 Anos, o governador Clécio Luís celebrou na pista a primeira noite de desfiles das escolas de samba do Amapá na sexta-feira, 9. Para o gestor, o investimento público reconhece e evidencia a festa por sua grandiosidade cultural, artística, econômica e histórica.

“Neste fim de semana, a Avenida Ivaldo Veras é o berço da alegria, da felicidade, de um espetáculo maravilhoso. Mostramos a potência que é o Carnaval do Amapá, que segue sendo um dos melhores do Brasil”, destacou Clécio.

O desfile no Sambódromo de Macapá é promovido pela Liga Independente das Escolas de Samba do Amapá (Liesap) em parceria com Governo do Estado, senador Davi Alcolumbre e Sebrae.

Uma das maiores festas do país, o Carnaval integra a economia criativa, envolvendo setores como a gastronomia, a indústria têxtil e os artistas. A cada R$ 1 investido, a expectativa é de R$ 4 a R$ 7 de retorno para o estado, em impostos, emprego e renda.

Para as festas carnavalescas em todo o estado, o Governo mobilizou as forças de segurança, com mais de 2,4 mil agentes e equipamentos tecnológicos. Também houve reforço da assistência em saúde, com mais equipes do Hospital de Emergências (HE) de Macapá e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu); além de trabalhar com ambulâncias de suporte avançado e ponto fixo de saúde.

“O Carnaval tem uma cadeia produtiva gigantesca, com muita gente empreendendo, desde a preparação do desfile até hoje, e que fomenta o comércio local. Além da felicidade, da alegria, da beleza, da geração de emprego e renda, da apoteose dessa festa, nós queremos um Carnaval de paz. Para isso nós organizamos todo um esquema de segurança, com muita tecnologia e um bom efetivo. Tudo foi preparado da melhor forma para o povo do Amapá”, pontuou o governador.

Carnaval 2024
Em 2024, o Governo do Amapá investe R$ 5,8 milhões no desfile das escolas de samba, fruto de articulação do senador Davi Alcolumbre. O investimento foi entregue diretamente às 10 agremiações em uma parcela única, por meio da Liga Independente das Escolas de Samba do Amapá (Liesap). A programação também conta com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Fique por dentro das notícias do Governo do Amapá no ==> Instagram e Facebook.
Tá no ZAP ==> Entre no grupo de WhatsApp e receba notícias em primeira mão aqui!

Governador Clécio Luís anuncia Amapá como subsede da COP 30, em 2025

Tratativas iniciadas em Brasília, garantiram o fortalecimento do desejo de Macapá, abrigar eventos relacionados a conferência do clima.

O governador Clécio Luís anunciou nesta quarta-feira, 31, no Palácio do Setentrião, durante a cerimônia de anúncio e posse dos novos secretários de Estado , que o Amapá foi confirmado como subsede da 30ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 30), que será em Belém (PA), em 2025.

“Quando estivemos com o presidente Lula, em Brasília, ele informou para irmos ao Itamaraty para tratarmos da proposta do Amapá, que está realmente integrado na COP da Amazônia, em Belém. Estivemos lá reunidos, na sexta-feira, 26, e recebemos a informação que o Amapá, mais precisamente Macapá, foi escolhida como subsede da COP 30, em 2025”, celebrou o governador.

O desejo do Governo do Amapá em fortalecer a COP na Amazônia, também esteve na pauta do encontro do governador Clécio Luís com embaixadores de 38 países, como Sérvia, Noruega, Suíça e Japão, também na capital do país. A iniciativa foi defendida pelo embaixador da Áustria, Stefan Scholz, que destacou que pela COP 30 ser em Belém, era necessário integrar os estados da região no evento mundial.

“Queremos dar aos outros estados da Região Amazônica, como o Amapá, a oportunidade de apresentar suas próprias estratégias para uma economia verde, pois precisamos envolver todos se quisermos ter sucesso e, para que a transição energética aconteça, com parcerias nacionais e internacionais”, destacou o diplomata.

Em novembro do ano passado, a representação do Amapá teve destaque na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, (COP 38), em Dubai. O estado apresentou suas potencialidades sustentáveis verdes e na bioeconomia, para o desenvolvimento ambiental na geração de riqueza.

“Estivemos na COP 28, que foi significativo e importante, e já estamos tratando da COP 29, mas a COP 30, não poderia ser apenas de uma única cidade. Não pode ser a COP da Amazônia se não tiver Roraima, Amazonas, e os demais estados da região. Então, Belém, que está em um esforço gigantesco pela COP 30, será a sede principal, mas com todo apoio de Macapá, que também será subsede desta cidade irmã que tenho tanto carinho em nossa região”, finalizou Clécio Luís.

Porto de Santana alcança movimentação recorde impulsionado por Commodities Agrícolas

 


O Porto Organizado de Santana (AP),
administrado pela Companhia Docas de Santana, fechou o ano de 2023 com movimentação recorde, a maior dos últimos 9 anos, com crescimento de 48,1% em relação ao ano de 2022.

Ao todo, o porto movimentou 3,623 milhões de toneladas de cargas, sendo 2,627 milhões de toneladas embarcadas e 996 mil toneladas desembarcadas.

O maior destaque entre as cargas movimentadas foram os granéis sólidos, especialmente os de origem vegetal, que incluem cargas como soja, milho, farelo de soja e cavaco de madeira (eucalipto), que cresceram 49,7% em 2023 em relação a 2022, sendo responsáveis por 82,2% do total movimentado no período.

*Commodities agrícolas ocupam lugar de destaque*

Dentre os destaques para o elevado crescimento registrado em 2023, estão as commodities agrícolas, milho, soja e farelo de soja, que aumentaram sua movimentação em 77,6% em 2023, em relação a 2022. Um total de 2,018 milhões de toneladas movimentadas, entre embarques e desembarques, contra 1,136 milhões de toneladas no ano anterior.

Cargas como milho e soja em grãos, impulsionadas pela evolução das exportações de grãos pelos portos do Arco Amazônico, registraram novos recordes históricos, superando a movimentação do ano anterior em 135,4% e 72,2%, respectivamente.

*Movimentação de Longo Curso*

No ano de 2023, 71 navios atracaram no Porto de Santana para embarque de cargas, movimentando um total de 2,627 milhões de toneladas, registrando um crescimento de 42,2% em relação a 2022. As principais cargas exportadas foram: cavaco de madeira (958.510 t), milho em grãos (514.303 t), soja em grãos (408.227 t), manganês (386.342 t), minério de ferro (194.646 t) e farelo de soja (111.820 t).

*Navegação Interior*

Em 2023, o Porto de Santana realizou 463 operações com barcaças para desembarque e transbordo de cargas, movimentando um total de 995,801 mil toneladas, um crescimento de 66,3% em relação a 2022. As principais cargas recebidas foram: milho em grãos (489.689 t), soja em grãos (382.236 t) e farelo de soja (111.513 t).

Os dados históricos de movimentação evidenciam, além da movimentação recorde, uma diversificação e mudança no perfil de cargas movimentadas pelo Porto de Santana, que passa a consolidar operações com granéis agrícolas, agregando-as às operações já consolidadas de cavaco de madeira, garantindo ainda espaço para outras operações como de granéis minerais e carga geral.

Mestrado em Desenvolvimento da Amazônia Sustentável seleciona novos alunos para a turma 2024

Inscrições já estão abertas e encerram dia 19 de fevereiro. Ao todo, estão sendo disponibilizadas até 22 vagas.

Estão abertas até 19 de fevereiro de 2024 as inscrições para o processo seletivo do Mestrado em Desenvolvimento da Amazônia Sustentável (PPGDAS), que irá selecionar alunos para a turma 2024 do programa de pós-graduação da Universidade Federal do Amapá (Unifap). A inscrição é gratuita, exclusivamente no link https://sigaa.unifap.br/sigaa/public/home.jsf.

CONFIRA O EDITAL DE SELEÇÃO

Ao todo, serão ofertadas 20 vagas mais 2 vagas supranuméricas. Para concorrer a uma das vagas, é necessário que o(a) candidato(a) tenha concluído curso de graduação (licenciatura, bacharelado ou tecnólogo).

Dentre as vagas ofertadas para o público em geral, 25% serão reservadas para negros (pretos e pardos), indígenas e pessoa com deficiência (PcD), incluindo-se aquelas com Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Além dos 25%, serão ofertadas 2 vagas em categoria supranumérica para indígenas, quilombolas, pessoas trans, populações do campo e pessoas em situação de deslocamento forçado ou migrantes internacionais em função de suas especificidades identitárias, de acordo com a Resolução n. 21/2022 do Conselho Universitário da Unifap.

O processo seletivo terá quatro etapas: prova escrita, a ser realizada no dia 27 de fevereiro de 2024; avaliação da proposta de pesquisa; entrevista, nos dias 21 e 22 de março; e avaliação do Currículo Lattes. O resultado final será divulgado no dia 27 de março deste ano.

Sobre o PPGDAS
Os objetivos do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento da Amazônia Sustentável (PPGDAS) são: estimular estudos críticos sobre significados e polissemia da categoria “desenvolvimento” e suas implicações nas análises sobre o território amazônico e amapaense; proporcionar formação com diversidade epistemológica e a devida articulação teoriaprática; capacitar para pesquisa e docência; promover a inserção social e estimular o protagonismo comunitário; desenvolver o pensamento crítico e rigor nas publicações científicas, inclusive na dissertação; e conferir ao candidato habilitado o título de Mestre em Desenvolvimento da Amazônia e Sustentabilidade.

As linhas de pesquisa são:

– Desenvolvimento e Planejamento Socioeconômico: acolhe estudos que contribuam para a compreensão dos processos de planejamento e de ocupação socioeconômica da Amazônia e do Amapá;

– Meio Ambiente e Planejamento: estimula a produção de conhecimentos sobre ecologia política, planejamento ambiental e territórios resilientes/áreas protegidas.

Saiba mais em https://www2.unifap.br/ppgdas/.

Serviço
Processo Seletivo de novos alunos para o Mestrado em Desenvolvimento da Amazônia Sustentável
Inscrições gratuitas até 19 de fevereiro de 2024, exclusivamente no link https://sigaa.unifap.br/sigaa/public/home.jsf. 22 vagas. A íntegra do edital de seleção está disponível no endereço eletrônico http://www.unifap.br/editais/edital-no-01-2024-ppgdas-unifap/.

Sebrae inaugura Auditório Campos do Laguinho e Espaço Integração


O presidente do Conselho do Sebrae, Josiel Alcolumbre; a superintendente, Alcilene Cavalcante; a diretora técnica, Suelem Amoras; e o diretor financeiro, Marcell Harb, receberam representantes das entidades empresariais e instituições, para a inauguração do ‘Auditório Campos do Laguinho’, com capacidade para mais de 200 pessoas; e do ‘Espaço Integração’, uma sala multiuso. A solenidade ocorreu na sede da instituição em Macapá/AP, nesta terça (23), às 18h.

Sebrae

Para o presidente do Conselho do Sebrae, Josiel Alcolumbre, o Auditório Campos do Laguinho e o Espaço Integração, agora num processo de unificação, com o Auditório Macapá e o estacionamento da instituição, a capital do Amapá, pode receber mais de mil pessoas com conforto, em eventos públicos e privados, o que representa todo o respeito do Sebrae pelo empreendedorismo e pela educação empreendedora, e pela educação que qualifica o empreendedorismo amapaense.

“A economia amapaense, é quase na totalidade composta por micro e pequenos empreendedores; no Brasil, representam 94% dos empregos da iniciativa privada; no Amapá, chegam aos incríveis 98%. Mais do que nunca os espaços são reconhecimentos e demonstram de forma muito clara a importância do setor empresarial para o estado. O Sebrae é a casa do empreendedor, a casa do empreendedorismo e mostra a disposição de continuar avançando. A entrega dos espaços, mostra de forma limpa e transparente que estaremos ao lado de quem empreende, de quem gera emprego, porque o melhor programa assistencial é a Carteira de Trabalho assinada, é o CNPJ, é o MEI constituído, isso gera emprego e principalmente, gera dignidade, e é na dignidade que reside o sentimento humano, de melhoria, de avanço e de busca pelas melhores condições”, declarou o presidente do Conselho do Sebrae, Josiel Alcolumbre.

Segundo a superintendente do Sebrae, Alcilene Cavalcante, essa entrega é a primeira e pequena parte de um projeto de expansão e modernização de um espaço digno de grandes eventos no Amapá, enquanto o estado ainda não tem um Centro de Convenções; a entrega dos dois novos ambientes marca o início das atividades do Sebrae no Amapá em 2024.

“Ainda este ano, vamos preparar parte do terreno dos escoteiros com cobertura e espaço multiuso. Acabamos de assinar um ‘suado’ contrato com o grupo de escoteiros do Laguinho, que permite ao Sebrae o uso de parte do terreno, por 10 anos. Vamos reformar e modernizar o Auditório Macapá, e no estacionamento, que também é o espaço de feiras e exposições, colocaremos uma cobertura sustentável e com conforto climático para empreendedores e visitantes”, destacou a superintendente Alcilene Cavalcante.

Ela, agradeceu ao diretor Marcell Harb, que diuturnamente cuidou da obra e dos detalhes, e à gerente de administração Maria Inês e equipe.

GEA

O vice-governador do Amapá, Antonio Teles Junior, ressaltou que o Sebrae é uma escola de saber do povo do Amapá. “Se produz muito conhecimento nessa instituição e muito daquilo que se produz é aplicado na prática, na economia do estado do Amapá, nos segmentos empresariais. Temos bons casos de sucesso no nosso estado e muito se deve a esse trabalho de anos de dirigentes e dos trabalhadores empreendedores do Sebrae, esse esforço, é um esforço de sociedade e do povo do Amapá. Parabéns, os empreendedores merecem esse auditório e esse complexo”, disse o vice-governador, Antonio Teles Junior.

Senado

O senador da República, Randolfe Rodrigues, disse que é tempo de prestigiar a inauguração do novo auditório do Sebrae, Campos do Laguinho, uma linda referência ao berço do Marabaixo, bairro do Laguinho. Um espaço digno e acessível para todos os empreendedores e aqueles que buscam conhecimento e qualificação para atuar no mercado local.

“Quero parabenizar especialmente o presidente do Sebrae Amapá, Josiel Alcolumbre, pelo trabalho que tem feito a frente da instituição, fortalecendo ainda mais os serviços já prestados à população amapaense. Parabéns também a querida Alcilene Cavalcante, por sua atuação brilhante como diretora do Sebrae. Tenho certeza que os novos espaços serão palco de muito conhecimento e incentivos ao desenvolvimento do Amapá”, menciona o senador Randolfe Rodrigues.

Auditório

O Auditório Campos do Laguinho, homenageia o lugar onde a sede do Sebrae está instalada e que foi um dos campos do simpático bairro do Laguinho, em Macapá, capital do Amapá/AP.

A iniciativa, registra e homenageia com respeito, as primeiras pequenas empresas de bairro em Macapá: quando a população negra veio ocupar os campos do Laguinho, empreenderam com amassadeiras de açaí, tabernas, oficinas de bicicleta, mecânicas de carros e motores, açougues, e tantos outros pequenos negócios, e onde os artífices, hoje o Empreendedor Individual (MEI), movimentaram a pequena economia do Amapá: eram carpinteiros, cozinheiros, alfaiates, tacacazeiras, músicos, costureiras, sapateiros e diversas empresas individuais e informais, belas e inclusivas.

Ao entregar esses espaços, se deseja que o conhecimento siga pleno e generoso com todos, que debates e planos de execução façam morada no Auditório Campos do Laguinho, e que todos possam trabalhar pelo desenvolvimento do Amapá pela via da pequena empresa e que seja uma casa de inclusão produtiva.

Integração

O Espaço Integração, é múltiplo, multiuso e onde cabem eventos diversos, entre eles, reuniões técnicas ou de autoridades, palestras, e eventos de construção conjuntas.

Programação

Com conceito regional, a solenidade de inauguração contou com a apresentação da Canção do Amapá, a performance da Canção Jeito Tucuju, hino cultural no Amapá, interpretado pela cantora com expressiva voz Patrícia Bastos, acompanhada dos músicos Nena Silva e Fabinho Costa.

O poeta Fernando Canto, eternizou a inauguração em palavras e versos no texto de autoria própria ‘Auditório Campos do Laguinho’.

O encerramento contou com a apresentação da Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesap).

Prestigiaram a inauguração do Auditório Campos do Laguinho e da sala de eventos Espaço Integração do Sebrae, o vice-governador do Estado do Amapá, Antonio Teles Junior; conselheira Nacional do Ministério Público, Promotora de Justiça, Dra. Ivana Cei; Desembargador do Tribunal de Justiça (Tjap), Dr. Rommel Araújo; Juíza Titular do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (TRT8), Núbia Guedes; presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Michel Houat Harb; senador da República pelo Estado do Amapá, Randolfe Rodrigues; Deputado Federal, Dorinaldo Malafaia; deputado estadual, Delegado Inácio Maciel; secretária de Estado da Cultura, Clícia Vieira; secretária de Estado do Turismo (Setur), Anne Monte; presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio), Ladislao Monte; presidente da Federação das Associações de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Amapá (Femicro/AP), Waldeir Ribeiro; assessor parlamentar, Charles Chelala; presidente da Liga das Escolas de Sampa do Amapá (Liesap), Jocildo Lemos; e diversos colaboradores do Sebrae.

Sebrae no Amapá/Unidade de Marketing e Comunicação

Governador Clécio Luís visita empresa com modelo inovador de manejo florestal sustentável, em Mazagão

O Projeto Agroextrativista Maracá é constituído por base comunitária, beneficiando cerca de 1,2 mil famílias da região.


O governador, Clécio Luís, visitou as instalações da empresa TW Forest/Ecoforte Bioenergia, que executa o maior plano de manejo florestal sustentável do Brasil, com o “Projeto de Assentamento Agroextrativista (PAE) Maracá”, no município de Mazagão, para ouvir as experiências dos moradores e dialogar futuras ações de fortalecimento a bioeconomia, como a produção da castanha.

Há 4 meses, o projeto ganhou a Autorização de Exploração Florestal (Autex), emitida pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) após tratativas com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O manejo é totalmente diferente do desmatamento. É a seleção, de forma inteligente e organizada, do uso da floresta dentro da legalidade. No Maracá são beneficiadas 1,2 mil famílias que usam a mata para a própria sobrevivência.

São 162 mil hectares para manejo sustentável com a preservação de várias espécies, entre elas, um angelim-vermelho de 83 metros de altura e 8 metros de circunferência. A árvore, com aproximadamente 600 anos, é considerada a 4ª maior do Brasil e está inventariada com outros 150 tipos presentes na floresta do Amapá.

Acompanharam a visita na segunda-feira, 22, o senador Davi Alcolumbre, um dos articuladores do projeto, e o CEO da Rede Amazônica, Phellipe Daou. Na ocasião, o diretor da empresa, Welinton Conci, apresentou a estrutura do assentamento. O método eficaz foi exemplo durante a participação do Amapá na COP 28, a conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para o governador do Amapá, Clécio Luís, o modelo representa a possibilidade de olhar a Amazônia não só a partir do seu ativo florestal, mas, principalmente, das pessoas que moram na floresta.

“Não podemos ver a Amazônia apenas pela copa das suas árvores, mas sabendo que aqui moram pessoas, que querem e desejam viver bem e ver o horizonte no futuro. Podemos replicar esse modelo, tanto no setor florestal quanto em outras áreas dessa bioeconomia. Nós podemos incentivar atividades sustentáveis com base comunitária, garantindo a permanência das famílias nas suas áreas e gerando riqueza, emprego, renda e desenvolvimento”, destacou o governador.

Amapá como referência no manejo florestal

O modelo inovador, onde a maior porcentagem do valor da madeira retirada é revertida em benefícios para a comunidade chama a atenção por ser único no mundo. Como medida compensatória, 98% são destinados ao pagamento do Bolsa Floresta no valor de R$ 1,013, permitindo renda para as famílias do assentamento.

Para o senador Davi Alcolumbre, o projeto está mudando efetivamente a vida das pessoas na comunidade do Maracá, apresentando um caminho econômico e sustentável que serve de exemplo para o Brasil e outros países.

“Nós estamos também dando exemplo para o mundo que fala em sustentabilidade, fala em preservação, mas fala também de desenvolvimento econômico, justiça social e de diminuição das desigualdades. Isso tudo está sintetizado nesse projeto do PAE Maracá, atendendo mais de mil famílias com essa receita mensal, fora os mais de 600 empregos diretos, fora os empregos indiretos que essa engrenagem está gerando na vida das pessoas”, afirmou o senador.

O CEO da Rede Amazônica, Phelippe Daou, ressaltou a importância do diálogo entre a iniciativa privada e o Governo do Estado para a efetivação de projetos que mostrem resultados à população e tragam oportunidade de desenvolvimento, que em muitos casos não ocorre por falta de apoio.

“A nossa empresa acredita no desenvolvimento da Amazônia a partir das pessoas, a partir de um olhar sobre as pessoas. É isso que está acontecendo aqui. E os resultados, dentro da nossa visão, são os melhores possíveis e com potencial grande de outros bons resultados virem, porque aí um projeto atrás do outro, como é o caso do asfaltamento da rodovia, dos novos empreendimentos na comunidade, enfim, as pessoas se animam”, pontuou o empresário.

Mudando vidas

O Projeto de Assentamento Agroextrativista (PAE) Maracá tem a previsão de ser executado por mais 14 anos. A cada final de mês, é injetado cerca R$ 1 milhão na economia de Mazagão, com o pagamento da Bolsa Floresta, que tem previsão de aumentar o valor este ano para R$ 1,4 mil, além de mais empregos diretos e indiretos para a comunidade.

Morador do Maracá há 14 anos, Wekcson Arruda, que trabalha como atendente de restaurante, conta que o plano de manejo foi um marco para a comunidade e abriu portas para outras matrizes econômicas além do extrativismo. Para ele, existe um Maracá antes e depois do plano de manejo.

“Antes desse projeto, a gente não tinha expectativa de economia, tirando o extrativismo que a gente ganhava muito pouco, com muito trabalho. Hoje a comunidade tem uma base mais que sustentável, não é desmatar, mas sim crescer a economia, trazer melhorias de vidas para mim, para os nossos pais, filhos e netos. Então, eu vejo as pessoas comprando aqui na nossa comunidade, coisa que não acontecia há um bom tempo. Foi uma melhora muito grande pra gente”, conta o morador de 29 anos.

Unifap lança processo seletivo 2024 nesta sexta-feira


A Universidade Federal do Amapá (Unifap) não aderiu ao Sistema de Seleção Unificado (Sisu), edição 2024, e por meio de seleção própria, ofertará 1.545 vagas distribuídas em 34 cursos de graduação dos campi Marco Zero do Equador, em Macapá (AP), e Santana. As inscrições para o Processo Seletivo 2024 poderão ser feitas no período de 25 de janeiro a 17 de fevereiro de 2024, no site do Depsec:

https://depsec.unifap.br/concursos/

As vagas serão divididas entre 31 cursos em Macapá e 3 cursos em Santana. Os demais Campus contam com processo seletivo próprio e divulgaremos mais informações posteriormente.  As inscrições serão gratuitas para estudantes da rede pública de ensino e para quem cursou em rede privada, o valor será de R$ 70,00. A seleção é feita a partir da nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Segundo o Pró-reitor de Graduação e reitor em exercício Christiano Ricardo dos Santos  “A distribuição de vagas obedecerá a lei 12.711 de 2012 e a Resolução nº21/2022 do CONSU/UNIFAP e contará, além de vagas por ampla concorrência, com vagas em políticas de cota para escola pública, renda, quilombolas e indígenas, totalizando 9 tipos de cotas, cujo os números dependerão da quantidades de vagas todas de cada curso”, explica Christiano.

O edital com todas as informações será lançado amanhã, 19 de janeiro, às 10hs da manhã, no site do Departamento de Processos Seletivos e Concursos.


ASCOM/Unifap

 

 

Campanha para recuperação da visão de Kleuson Costa


O autônomo Kleuson Costa, casado e pai de duas filhas pequenas, precisa fazer uma cirurgia para recuperar a visão. Ele, que sempre foi trabalhador, está com os dois olhos sem visibilidade alguma em razão da Diabetes tipo 2. O procedimento cirúrgico custará R$ 12 mil e a família pede ajuda para que ele seja submetido à operação médica, que consiste na raspagem da catarata agravada pela enfermidade.

Conheço o Kleuson há sete anos. O cara sempre foi virado para trabalhar, honesto, gente boa, prestativo e parceiro. As doações podem ser feitas via Pix: 96-981227307, em nome de Kleuson Miranda da Costa.

A atual condição de Kleuson o impede de trabalhar e o cara sempre foi arrimo de família. Portanto, pedimos a ajuda de todos que puderem reforçar essa corrente solidária para a recuperar da visão do amigo.

Até o momento, muitos amigos, colegas e conhecidos contribuíram, porém o valor arrecadado não chega a 20% do custo do procedimento cirúrgico. E, ainda, os exames pré-operatórios também são caros.

Qualquer doação é sempre manifestação de solidariedade ao próximo. Lembre-se que boas ações trazem paz ao coração e produzem sonhos felizes.

A família desde já agradece todos apoio em prol de Kleuson. Os amigos, como eu, também.

Elton Tavares

Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque sinaliza trilhas e instala novo mirante

Padrão adotado segue as determinações do Manual de Sinalização de Trilhas do ICMBio

A equipe do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, juntamente com comunitários do entorno da unidade de conservação, realizaram diversas ações em campo de sinalização e manutenção de trilhas. As trilhas têm níveis de acesso moderado e muito difícil.
Inicialmente foi sinalizada a Trilha da Copaíba, localizada na base Jupará. Nela o visitante poderá percorrer a distância de 2,250 quilômetros e poderá desfrutar da Corredeira do Jenipapo, localizada no Rio Felício.
Outra sinalização também foi realizada na Trilha Caminhos do Tumucumaque, que foi descoberta recentemente nas atividades de monitoramento da biodiversidade. A trilha está localizada no rio Amapari. O percurso, após uma viagem fluvial de cerca de 28km, tem aproximadamente 3 horas de duração, até chegar ao Mirante da Sumaúma, local implantando juntamente com a trilha. Lá o visitante poderá deleitar-se de um local exuberante e com grande beleza natural.
O turista poderá usufruir das corredeiras e da vegetação de várzea, mata ciliar, bosques, com possibilidade de avistamento de animais silvestres e de diversas espécies de árvores únicas da Amazônia (copaíba, andiroba, angelim, entre outros), proporcionando uma experiência única pra quem gosta de se aventurar, com direito a contemplação da natureza.
As trilhas têm poucas intervenções e um grau de rusticidade elevado e a sinalização está de acordo com o Sistema Nacional de Sinalização de Trilha em Unidades de Conservação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).
Estas ações visam otimizar o uso público do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, valorizando a conservação e abrindo espaço para geração de emprego e renda por meio do turismo ecológico.
Para chegar no parque, o visitante deverá contratar um condutor ou uma agência de turismo. O visitante poderá ficar acampado na base Jupará, uma estrutura rústica localizada na entrada do Parque, ou no meio da floresta. A visitação pública é somente permitida mediante prévia autorização da gestão.

Amapá será sede do encontro de startups do G20 na Amazônia em 2024

Agenda entre Sebrae, Setec e Abstartups reúne gestores públicos para fomentar o ecossistema de inovação, pequenos negócios e startups na Amazônia com a realização do Startup20


Em fevereiro de 2024, o Amapá vai sediar o Encontro Startup20, grupo de engajamento de Startups do G20. O estado vai receber delegações dos países mais ricos do mundo. Uma ampla parceria está se formando para a realização do evento. O Sebrae é um dos parceiros e na manhã desta quarta (13), a superintendente Alcilene Cavalcante e a diretora técnica, Suelem Amoras, receberam os representantes da Associação Brasileira de Startups (Abstartups), secretário de Estado da Ciência e Tecnologia (Setec), Edivan Barros, e equipes técnicas que estarão na execução do evento internacional no Amapá.

Segundo a superintendente do Sebrae no Amapá, Alcilene Cavalcante, o evento conta com o apoio do grupo das 20 maiores economias do mundo – G20. Criado sob a presidência da Índia no G20, o Startup20 é um fórum de diálogo com o ecossistema global de startups.

“Estamos trabalhando para promover a geração de riqueza, o empreendedorismo e desenvolvimento sustentável da região. Reconhecemos o potencial do Amapá como polo de inovação e tecnologia, e acreditamos que a realização do Encontro Startup20 em nosso território será um marco significativo para o cenário empreendedor no Brasil e posicionará o Amapá na vanguarda da inovação na Amazônia brasileira”, destaca a superintendente do Sebrae, Alcilene Cavalcante.

Agenda

A Agenda de Trabalho, é um desdobramento da Carta de Intenção assinada na 52ª Expofeira do Amapá, pela Abstartups, Governo do Estado do Amapá, por meio da Setec, e Sebrae.

De acordo com a diretora técnica do Sebrae, Suelem Amoras, nesse momento, os parceiros, a partir do Termo de Cooperação,  definem as responsabilidades no planejamento, divulgação e execução do encontro.

“Intitulado Startup20 Amazônia, o evento, vai reunir mais de 600 pessoas de todo o mundo para debater sobre a criação de startups na Amazônia, políticas públicas de incentivo e fomento, além do cenário para investimento em startups, aliando empreendedorismo com a agenda global de ESG”, disse a diretora do Sebrae, Suelem Amoras.

Dados

O Startups 20 foi criado focado em tecnologia, inovação e startups. As startups representam 15% do PIB do G20 Global. O evento na Amazônia será a maior oportunidade do Brasil para dar grande visibilidade aos empreendedores na região.

A agenda contou com as participações da superintendente do Sebrae, Alcilene Cavalcante; diretora técnica, Suelem Amoras; secretário de Estado da Ciência e Tecnologia (Setec), Edivan Barros; CEO da Abstartups, Mariane Takahashi; head de políticas públicas da Abstartups Bárbara Furiati; representantes de startups e equipe técnica da Unidade de Soluções Inovadoras e Competitivas do Sebrae.

Sebrae no Amapá/Unidade de Marketing e Comunicação

‘Amapá marcou presença protagonista na COP 28’, afirma governador Clécio Luís após integrar discussões na ONU

Comitiva integrada por Executivo, Judiciário, Legislativo e setor privado liderou discussões que evidenciaram o estado mais preservado do Brasil.


Foi ao longo de uma semana de compromissos na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 28), que o governador Clécio Luís liderou a comitiva do Amapá para mostrar mais sobre o estado mais preservado do Brasil.

A participação em debates e os encontros com autoridades de diferentes países indicou que o Amapá é exemplo em manejo florestal e bioeconomia, atua com responsabilidade sustentável e proteção da Amazônia, e merece viver um novo momento socioeconômico. Esse cenário tem sido traçado também em preparação à edição da COP 30, a COP da Amazônia, que será realizada em Belém, em 2025.

A comitiva do Amapá, liderada pelo governador, foi integrada por representantes das secretarias de Meio Ambiente, Povos Indígenas, Relações Internacionais e Comércio Exterior, Ciência e Tecnologia, Cultura e Comunicação, que demonstraram as estratégias de conservação da floresta em pé como indutor de desenvolvimento econômico, assim como projetos abertos à cooperação.

“Demonstramos que todo debate realizado sobre a Amazônia vai passar pelo nosso estado também, porque não aceitamos mais as discussões sobre nós, sem a nossa participação. Nós queremos, sim, medidas compensatórias por manter a floresta em pé, mas não só, queremos também ter o direito a nos desenvolver e gerar emprego, gerar renda e divisas para o nosso estado”, avaliou o governador Clécio Luís.

 

Ao longo dos diálogos, o Governo consolidou que o Amapá vai ser importante na COP 30, de Belém, porque pode sediar na Região Metropolitana de Macapá eventos antes e durante a Conferência de 2025.

Também integraram o grupo amapaense, o presidente do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), desembargador Adão Carvalho; o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae, Josiel Alcolumbre; os deputados estaduais Rodolfo Vale e Edna Auzier; e empresários.

A participação do Judiciário, do Legislativo e do setor privado enriqueceu as tratativas e evidenciou o comprometimento conjunto com um futuro com mais sustentabilidade e dignidade.

“Com a COP da Amazônia, nós queremos dois legados. Um deles é o desenvolvimento econômico, porque fizemos o dever de casa, temos os melhores indicadores ambientais, e queremos os melhores indicadores sociais e econômicos para o nosso povo. O outro legado é que, a exemplo de Belém, nós pedimos recursos para infraestrutura urbana, hoteleira e turística para preparar o Amapá para também receber participantes. Mostrando uma coesão grande com a Justiça, o Legislativo e o Sebrae, o Amapá marcou presença importante nessa COP dos Emirados Árabes e segue em preparação para a COP da Amazônia”, pontuou Clécio.

A comitiva se encontrou com representantes de países como Noruega, Finlândia e China, num diálogo por cooperações; e também tratou de investimentos com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).

Nos compromissos, o Amapá apresentou iniciativas de preservação baseadas na bioeconomia sustentável, que alia a floresta em pé e o desenvolvimento da economia e renda para a comunidade, com práticas ambientais responsáveis e inovadoras. O público conheceu projetos de sucesso como o “Selo Amapá” e o manejo florestal sustentável, método eficaz na gestão de florestas.

Foram tratados aspectos da bioeconomia no desenvolvimento econômico da região amazônica, o enfrentamento do aquecimento global, a redução no uso de combustíveis fósseis e sistemas agroalimentares.

A conferência, que é uma reunião anual entre os países-membros da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, acontece até terça-feira, 12, nos Emirados Árabes Unidos. A comitiva do Amapá segue acompanhando os debates na COP 28, com o objetivo de obter apoio internacional para novos modelos de desenvolvimento econômico para a Amazônia, assim como contribuir com soluções para conter o aquecimento global.

A COP 28 acontece após o sexto ciclo de avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que reforçou o senso de urgência e a gravidade da mudança do clima, bem como consequências perturbadoras para sistemas ecológicos e socioeconômicos.

Carbono Negativo: governador do Amapá defende na COP 28 compensações justas por florestas protegidas

Governador Clécio Luís defendeu compensações justas pelas florestas protegidas na Amazônia

Estado mais preservado do Brasil e considerado “Carbono Negativo”, pois captura mais CO2 do que emite para a atmosfera, o Amapá foi representado pelo governador Clécio Luís no debate do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Ao discursar na COP 28, o gestor defendeu compensações mais expressivas pelas contribuições que a Amazônia Legal têm proporcionado por ser o maior reservatório de carbono florestal do mundo.

“Estados como o Amapá e outros, que desmatam pouco, também precisam de incentivos para continuar conservando suas florestas e promover o desenvolvimento e a harmonia com o ambiente natural. Manter as áreas florestais e cumprir os padrões de carbono florestal requer investimentos contínuos, capacidade técnica e uma articulação política alinhada com a visão do desenvolvimento sustentável. Vemos nos mercados de carbono de alta integridade social e ambiental uma possibilidade real de financiar nossas políticas de conservação”, destacou Clécio Luís.

O governador do Amapá, juntamente com o chefe de Estado do Pará, Helder Barbalho, representaram os governadores da Amazônia Legal no debate sobre o “Mercado de Carbono e os desafios da Amazônia brasileira para obter financiamentos no PNUD”, que contou com a presença de ministros e do administrador global do PNUD, Achim Steiner.

É consenso entre os cientistas que o mundo precisa reduzir e eliminar as fontes que emitem gases do efeito estufa, como o dióxido de carbono (CO2). Nesse contexto, os créditos de carbono surgiram como uma forma de compensar as emissões, por meio da transferência de recursos que visam promover ações para enfrentar o aquecimento global e atingir as metas de redução de emissões.

Os projetos voltados especificamente para florestas são conhecidos pela sigla REDD+ (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal), sendo os mais comuns no Brasil. Mas, para o governador do Amapá, o mecanismo de REDD não tem beneficiado estados com alta cobertura florestal e baixa taxa de desmatamento, pois se concentra na redução das emissões de desmatamento.

“Temos sido penalizados por termos feito o dever de casa, que é preservar. E a pena é a mais dura para o povo que o preservou: a pobreza geracional. Apenas os estados que desmataram muito tem o potencial de receber esse financiamento, enquanto que estados que conseguiram manter as suas florestas em pé com esforços próprios não conseguem acessar o recurso do REDD, para implementar suas políticas e melhorar a qualidade de vida dos povos das florestas, ribeirinhos, indígenas, quilombolas ou da Amazônia Rural. A população do Amapá precisa de desenvolvimento, segurança alimentar, oportunidades econômicas e sociais”, pontuou o governador Clécio Luís.

Para manter a floresta em pé e protegê-la, a mensagem levada é a de que é necessário o apoio técnico e financeiro de todos aqueles que se beneficiam com a manutenção dela. Os mercados de carbono possuem alta integridade social e ambiental e são uma possibilidade real de financiar as políticas de conservação da Amazônia.

Confira a íntegra do discurso do governador Clécio Luís na COP 28:

Falarei aqui em nome do meu estado e, com a licença do presidente do Consórcio, em nome dos demais estados da Amazônia que desenvolvem e implementam seus planos estaduais para a ações de preservação e controle do desmatamento legal. As ações de fiscalização ambiental não são suficientes para garantir a conservação da região. Com cerca de 30 milhões de pessoas vivendo na Amazônia brasileira, é necessário promover atividades produtivas sustentáveis com a bioeconomia.

O mecanismo de REDD tradicionalmente não tem beneficiado estados com alta cobertura florestal e baixa taxa de desmatamento, já que esse mecanismo se concentra na redução das emissões de desmatamento. Temos sido penalizados por termos feito o dever de casa, que é preservar. E a pena é a mais dura para o povo que o preservou: a condenação tem sido a pobreza geracional.

Nas metodologias atuais, apenas os estados que desmataram muito tem o potencial de receber esse financiamento, enquanto que estados que conseguiram manter as suas florestas em pé com esforços próprios não conseguem acessar o recurso do REDD, para implementar suas políticas e melhorar a qualidade de vida da população, sejam os povos das florestas, ribeirinhos, indígenas, quilombolas ou da Amazônia Rural. Importante dizer a vocês que a nossa alta cobertura florestal não nos exime dos riscos e pressões sobre a floresta e seus serviços ecossistêmicos. A população do Amapá precisa de desenvolvimento, segurança alimentar, oportunidades econômicas e sociais. Além disso, existem ilícitos ambientais e questões fundiárias que aumentam as pressões sobre a floresta.

Portanto, os estados como o Amapá e outros, que desmatam pouco, também precisam de incentivos para continuar conservando suas florestas e promover o desenvolvimento e a harmonia com o ambiente natural. O projeto financiado pelo Governo da Noruega e com o apoio do PNUD e outros participantes têm apoiado essa iniciativa, trazendo a possibilidade de participação do Amapá em mecanismos internacionais de financiamento climático. Manter as áreas florestais e cumprir os padrões de carbono florestal requer investimentos contínuos, capacidade técnica e uma articulação política alinhada com a visão do desenvolvimento sustentável. Mesmo com o apoio internacional e multilateral, é necessário priorizar recursos financeiros e humanos em atividades que tenham perspectiva de sustentabilidade às ações do Estado.

Manter as florestas em pé é a melhor maneira de evitar que o carbono florestal seja liberado na atmosfera. E é uma necessidade urgente para as comunidades florestais e os ecossistemas que dependem das florestas intactas. Portanto, assim eu me despeço e quero agradecer a oportunidade de representar o estado do Amapá, assim como falar pelos estados da Amazônia Brasileira. Vemos nos mercados de carbono de alta integridade social e ambiental uma possibilidade real de financiar nossas políticas de conservação e esperamos continuar contando com toda essa colaboração. Muito obrigado!

COP 28: Amapá apresenta manejo florestal sustentável como modelo de bioeconomia e geração de empregos na Amazônia

Governador Clécio Luís mostra na COP 28 modelo de exploração sustentável que mantém a floresta em pé

Nesta segunda-feira, 4, o Amapá apresentou durante a 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 28) o modelo aplicado no estado de manejo florestal sustentável, que une iniciativa privada e comunidades como uma ferramenta de fomento da bioeconomia.

A palestra foi liderada pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema), e teve a participação da empresa TW Forest, que aplica o modelo no Amapá desde 2018. A iniciativa gera os chamados empregos verdes na Amazônia, que são aqueles postos de trabalhos que contribuem de forma considerável para preservar ou restaurar a qualidade do meio ambiente, minimizando os impactos.

“O que nós estamos propondo é uma alternativa sustentável para manter a floresta em pé, com dignidade para aqueles e aquelas que moram sob essas florestas, que têm o direito a sonhar e gerar sua renda. Além das compensações justas, mantendo o santuário preservado, nós queremos também promover atividades econômicas que gerem ascensão social. Nós temos segurança técnica de que esse é um modelo de manejo sustentável com base comunitária para o mundo, como um serviço para o planeta e para a humanidade”, afirmou o governador Clécio Luís.

A apresentação contou com as contribuições do senador Randolfe Rodrigues, e ainda de representantes da Nature Conservancy, do Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA) e do ICLEI  Colômbia, que é uma associação mundial de governos locais e subnacionais dedicada ao desenvolvimento sustentável.

A experiência amapaense é uma demonstração clara de que é possível gerar a preservação da Amazônia, mantendo os indicadores ambientais, e, ao mesmo tempo, gerar desenvolvimento social e econômico para quem mora dentro da floresta.

Manejo florestal que dá certo

A primeira concessão florestal foi assinada em 2016, proporcionando a atividade à TW Forest, na região do município de Mazagão (Projeto Agroextrativista Maracá). A produção de madeira legal gera 300 empregos diretos, arrecadando mais de R$ 3 milhões por ano, numa área sob constante monitoramento remoto (satélite), fiscalizações e rigor na rastreabilidade.

A previsão é que, até 2025, com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), sejam lançados editais que ampliem a área de concessões florestais do Amapá dos atuais 67 mil hectares para 670 mil hectares. Esse salto prevê gerar aproximadamente 3 mil empregos diretos, produzir mais de 550 mil metros cúbicos de madeira legal, aumentando as áreas a serem negociadas dentro do mercado de carbono.

“Essas características demonstram que o Estado do Amapá possui as florestas mais produtivas do Brasil, onde há uma estratégia de desenvolvimento econômico pensando também na divisão de bens com que vive nas florestas. Os novos editais virão dentro de uma nova modelagem, com mais segurança jurídica e técnica, onde o Banco traz toda a sua expertise para o novo modelo de negócio no Estado. O manejo florestal sustentável no Amapá é um grande indutor de geração de empregos, de renovação para a própria floresta que já é muito antiga e que precisa ser manejada com responsabilidade social”, declarou Marcos Almeida, diretor de Desenvolvimento Ambiental da Sema.

O painel foi acompanhado por representantes de diferentes países, assim como da comitiva do Amapá, integrada por secretários de Estado, de representantes dos poderes Legislativo e Judiciário, e do Sebrae, atentos às agendas de desenvolvimento sustentável e que buscam inserir os amazônidas nos debates.

“Viemos mostrar na COP que é possível preservar, rejuvenescendo a floresta, gerando riqueza e fazendo o social na Amazônia Brasileira. Esse projeto está fundado em um tripé, onde nós temos o cuidado com a sustentabilidade, o social e o econômico. Temos o apoio do Governo, da comunidade local em um modelo para tantos outros a serem copiados nas florestas da América do Sul”, ressaltou o empresário Wellington Rogério Conci, da TW Forest.

Os convidados do painel citaram a possibilidade de melhorar o modelo a partir da adesão de iniciativas que já existem na região, como no caso do Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA), ampliando o beneficiamento e gerando produtos para o mercado externo.

“Eu acho que o estado do Amapá traz pra nós um exemplo concreto de como associar soluções baseadas na natureza, com bioeconomia e manejo sustentável, contribui pra manter a floresta em pé e ao mesmo tempo gerar emprego e renda. Essa é a diferença que nós precisamos nos modelos de desenvolvimento na Amazônia, que nos permita justamente trazer esse diferencial”, opinou Karen Oliveira, da Nature Conservancy.

No debate, o senador Randolfe Rodrigues citou que o manejo já é realizado na Amazônia como uma atividade comum, no entanto, ressaltou que o modelo precisa ser considerado na construção das políticas públicas.

“O manejo precisa ser economicamente viável, ecologicamente correto e socialmente justo. As instituições públicas, com o apoio do Congresso Nacional, têm que se voltar para isso, porque viabiliza uma sociedade justa, geração de renda e de riquezas para comunidades como a do Maracá. É este o modelo que nós temos que apresentar como alternativa concreta de desenvolvimento”, afirmou o senador Randolfe Rodrigues.

Para fortalecer a imagem do Amapá como referência em práticas ambientais responsáveis e inovadoras, o Governo do Estado destaca a mais de 190 países, na COP 28, iniciativas de uso sustentável das riquezas naturais do meio ambiente.

COP 28: governador do Amapá celebra com presidente do BID financiamentos para os estados da Amazônia Legal

Governador Clécio Luís e demais chefes de Estado da região se encontraram como o presidente do BID na COP28

O governador do Amapá, Clécio Luís, e os governadores do Pará, Amazonas e Rondônia, se reuniram no domingo, 3, com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ilan Goldfajn, durante a 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 28), em Dubai. O chefe do executivo celebrou os investimentos feitos pela organização na Amazônia, em especial com os celebrados em prol do Amapá.

O Amapá conquistou a aprovação no Senado Federal para que o Estado contrate uma operação de crédito externo com o BID, no valor de até 30 milhões de dólares, para financiar o “Projeto de Modernização da Gestão Fiscal do Estado do Amapá – Profisco II”.

“Hoje foi um dia muito produtivo, de reuniões importantes com organismos que financiam o desenvolvimento sustentável da Amazônia. A operação de crédito vai fazer toda a diferença ao funcionamento da nossa máquina pública no Amapá. E eu vejo que, além dessa parceria, abre-se outra oportunidade: o que a gente está a bancar hoje vai ser realizada para comunicar que a COP 30 vai ser a COP da Amazônia, falando da região através de várias perspectivas, muito especialmente sobre a perspectiva dos amazônidas”, destacou o governador do Amapá.

A celebração de acordos que investem na região podem proporcionar uma nova perspectiva para as cidades da Amazônia, impulsionada pela realização da COP na capital do Pará, no ano de 2025.

“É muito importante para nós estarmos juntos. E aqui a presença de vocês todos nos mostra que, de fato, é algo muito relevante. Então eu queria só brindar. Normalmente a gente brinda quando a gente começa o projeto, depois que sai o resultado, e agora a gente está brindando uma parceria, que eu espero que comece agora e que fique pra sempre como a Amazônia merece”, afirmou o presidente do BID.

Amapá na COP 28

Para fortalecer a imagem do Amapá como referência em práticas ambientais responsáveis e inovadoras, o Governo do Estado destaca a mais de 190 países, na COP 28, iniciativas de uso sustentável das riquezas naturais do meio ambiente.

Com mais de 90% das florestas preservadas e 72% do território dedicado a unidades de conservação e povos originários, o Amapá possui um modelo global e exemplar de preservação baseado na bioeconomia sustentável, que alia a floresta em pé e o desenvolvimento da economia e renda para a comunidade.

O governador propõe o debate do papel da bioeconomia no desenvolvimento econômico da região amazônica, o enfrentamento do aquecimento global, a redução no uso de combustíveis fósseis e sistemas agroalimentares.

Ao longo da conferência, o Estado apresenta, ainda, projetos de sucesso como o Selo Amapá e o manejo florestal sustentável, método eficaz na gestão de florestas. Com isso, um dos objetivos é obter apoio internacional para desenvolver programas sustentáveis e modelos de referência no desenvolvimento econômico.

A delegação amapaense é composta ainda por representantes do Tribunal de Justiça do Amapá, Assembleia Legislativa e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-AP).

COP 28

A conferência é uma reunião anual entre os países-membros da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima. Nele, chefes de estados e outras autoridades governamentais debatem soluções para conter o aquecimento global e criar alternativas sustentáveis para a vida no planeta.

A 28ª edição da conferência ocorre em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, até o dia 12 de dezembro. Mais de 138 chefes de Estado e Governo são esperados para a conferência.

O encontro acontece após o sexto ciclo de avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que reforçou o senso de urgência e a gravidade da mudança do clima, bem como consequências perturbadoras para sistemas ecológicos e socioeconômicos.

COP 28: governador Clécio Luís defende que a COP da Amazônia deixe legado ao Amapá

Primeira agenda do governador Clécio Luís destacou os caminhos para a COP da Amazônia

O governador do Amapá, Clécio Luís, iniciou neste domingo, 3, uma série de debates na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 28), em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. O primeiro compromisso foi apresentar o que o Amapá está construindo para a versão do evento que será realizada em 2025, na cidade de Belém (PA).

Clécio Luís integrou o painel “Caminhos para a COP30: desenvolvimento socioeconômico sustentável para a Amazônia integrada e competitiva”, realizado no HUB da Amazônia Legal, espaço do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal no encontro.

No discurso, o governador do Amapá pontuou os elevados níveis de conservação ambiental dos recursos naturais e os desafios socioeconômicos que indicam a necessidade permanente de abordagens inovadoras e inclusivas.

“Estamos juntando os estados da região para traçar o que nós queremos para a COP da Amazônia. A meu ver, a COP 30 deve deixar para o Amapá dois grandes legados: a simetria entre os bons indicadores ambientais e os indicadores sociais e econômicos; e também deve trazer os investimentos para a infraestrutura urbana e, assim, melhorar a vida de quem está lá”, declarou Clécio Luís.

Com a iminência da COP 30 no estado vizinho, o Amapá vai direcionar esforços para se preparar e contribuir de maneira significativa para o evento, com uma abordagem colaborativa entre os estados da Amazônia Legal brasileira.

A realização de eventos pré-COP 30 no Amapá deve dinamizar a economia local e discutir estratégias sustentáveis, posicionando o estado como um protagonista na busca por soluções para os desafios enfrentados pela região amazônica.

“Estamos aqui construindo esses caminhos para que, daqui a dois anos, a gente possa colher esses frutos e realmente fazer uma discussão, além de mostrar a exuberância da Amazônia e de toda a nossa natureza viva, mas também de falar dos nossos problemas. A gente está num nível de pobreza que é incompatível com os nossos indicadores ambientais. Para a COP da Amazônia, temos que juntar todos os esforços, todo mundo tem que participar desse grande encontro que não pode, de maneira nenhuma, se transformar num festival, mas deve ser um encontro com conteúdo, de forma compatível com o que a Amazônia já oferece para o mundo”, acrescentou Clécio Luís.

Também participaram da agenda representantes dos demais estados da Amazônia Legal: a vice-governadora do Pará, Hana Ghassan Tuma; os governadores do Amazonas, Wilson Lima; de Roraima, Antônio Denarium; de Rondônia, Marcos Rocha; do Tocantins, Wanderlei Barbosa; e o prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues.

Amapá na COP 28

Para fortalecer a imagem do Amapá como referência em práticas ambientais responsáveis e inovadoras, o Governo do Estado vai destacar a mais de 190 países, na COP 28, iniciativas de uso sustentável das riquezas naturais do meio ambiente.

Com mais de 90% das florestas preservadas e 72% do território dedicado a unidades de conservação e povos originários, o Amapá possui um modelo global e exemplar de preservação baseado na bioeconomia sustentável, que alia a floresta em pé e o desenvolvimento da economia e renda para a comunidade.

O governador vai debater o papel da bioeconomia no desenvolvimento econômico da região amazônica, o enfrentamento do aquecimento global, a redução no uso de combustíveis fósseis e sistemas agroalimentares.

Ao longo da conferência, o Estado apresentará, ainda, projetos de sucesso como o Selo Amapá e o manejo florestal sustentável, método eficaz na gestão de florestas. Com isso, um dos objetivos é obter apoio internacional para desenvolver programas sustentáveis e modelos de referência no desenvolvimento econômico.

A delegação amapaense é composta ainda por representantes do Tribunal de Justiça do Amapá, Assembleia Legislativa e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-AP).

COP 28

A COP é uma reunião anual entre os países-membros da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima. Nele, chefes de estados e outras autoridades governamentais debatem soluções para conter o aquecimento global e criar alternativas sustentáveis para a vida no planeta. A 28ª edição da conferência ocorre em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, até o dia 12 de dezembro. Mais de 138 chefes de Estado e Governo são esperados para a conferência.

O encontro acontece após o sexto ciclo de avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que reforçou o senso de urgência e a gravidade da mudança do clima, bem como consequências perturbadoras para sistemas ecológicos e socioeconômicos.

Amapá recebe militares da Força Nacional para reforçar ações de combate à crise climática

Profissionais irão atuar, principalmente, em comunidades rurais que sofrem com incêndios

O Governo do Amapá recebe 37 militares da Força Nacional que irão reforçar as medidas para minimizar os impactos dos eventos climáticos que atingem o estado. O envio atende à solicitação do governador, Clécio Luís, junto ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).

Os militares irão dar suporte no combate aos incêndios em áreas florestais e rurais e no enfrentamento às pragas que atingem plantios de mandioca nas comunidades indígenas de Oiapoque. Os profissionais são dos estados da Bahia, São Paulo, Pará e do Distrito Federal e devem permanecer no estado durante um período mínimo de 15 dias.

Ainda como suporte da Força Nacional, está previsto que, na segunda-feira, 4, cheguem ao estado micro-ônibus e picapes de combate a incêndios, que permitem acesso a locais mais difíceis em meio à mata. Também serão entregues abafadores de fogo e bomba costal, uma ferramenta que funciona como um extintor à base de água nas operações de combate ao fogo, resfriamento, rescaldo e para construção de linhas frias.

“Esses militares estão aqui para apoiar as ações do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil no enfrentamento das diversas situações de emergências que o nosso estado está passando”, destacou o comandante geral do Corpo de Bombeiros e coordenador Estadual da Defesa Civil, coronel Alexandre Veríssimo.

Em 24 de novembro, o Governo Federal reconheceu o estado de emergência em que se encontra o Amapá, por causa da forte estiagem. O reconhecimento foi fundamental para a liberação de recursos de mais de R$10 milhões da União para as ações humanitárias e envio do apoio da Força Nacional.

Além do Amapá, outros estados brasileiros que enfrentam consequências de eventos climáticos também recebem o suporte da Força Nacional.

“Estamos aqui para auxiliar nas ações comunitárias que irão ocorrer em diversos pontos do Amapá”, declarou o coordenador da equipe da Força Nacional no Amapá, Capitão Lúcio Figueiredo.

Não é a primeira vez que o Governo Federal reforça o trabalho de combate às queimadas no Amapá. Neste mês de novembro, a operação Cabo Orange, com brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Corpo de Bombeiros do Amapá, empenhou esforços para combater os focos no Parque Nacional do Cabo Orange. O trabalho, que conta com auxílio da Força Aérea Brasileira (FAB), segue na região até o início de dezembro.

Força Nacional

A Força Nacional de Segurança Pública integra as Forças Armadas e é formada por policiais militares, bombeiros, policiais civis e outros agentes de segurança pública que passam por cursos de instrução e ficam à disposição do governo federal para atuar em situações de emergência e calamidade pública.

Luau da Samaúma celebra 80 anos da histórica árvore com atrações culturais, valorização do artesanato e gastronomia diversificada

A beleza da samaumeira foi evidenciada pela ornamentação, repleta de luzes coloridas

A celebração da música amapaense, do artesanato local e da gastronomia marcaram mais uma edição de sucesso do Luau da Samaúma, na sexta-feira, 1º. Com apoio do Governo do Amapá e do Sebrae, o evento homenageou os 80 anos da samaumeira, histórica árvore localizada em frente à Procuradoria-Geral de Justiça, no bairro Araxá, na Zona Sul da capital.

O Luau da Samaúma é realizado pelo Ministério Público do Amapá e, desde outubro de 2023, está de volta, com uma programação artística, cultural e diversa, totalmente gratuita para o público.

A árvore, conhecida como Rainha da Amazônia e Árvore da Vida, foi homenageada com uma salva de palmas. Além disso, o público acompanhou e celebrou com parabéns sua nova iluminação especial, que também será alterada para as festividades de final de ano. Ao longo de sua existência, a samaumeira tornou-se objeto de estudos que ajudaram a definir a idade da árvore.A programação cultural iniciou voltada para o público infantil. No palco montado pela organização do evento, a escritora e contadora de histórias Ângela Carvalho, conhecida como Angelita, embalou os pequenos com histórias e contos infantis de “A Menina de Cabelos Brancos”, que traz imaginação e criatividade. Em seguida, um cortejo artístico fez as crianças presentes dançarem e pularem, celebrando a alegria da infância.

A secretária de Estado de Cultura em exercício, Marina Beckman, destacou a importância de uma programação cultural diversificada e que atraia todos os públicos.

“Através desses eventos culturais, podemos fortalecer a economia criativa e engrandecer o trabalho feito por nossos artistas”, afirmou Marina.Em seguida, o grupo de samba Entre Amigos não deixou ninguém ficar parado. Iniciando sua apresentação com ‘Final Feliz’, de Jorge Vercillo, o público acompanhou em coro enquanto improvisava passos de samba. ‘Me Apaixonei Pela Pessoa Errada’, do grupo Exaltasamba, ‘Caça e Caçador’, de Fábio Jr, e ‘É Tarde Demais’ , do grupo Raça Negra,  também fizeram parte da coletânea de sucessos cantados e estilizados, celebrando o poder do samba brasileiro.

Paulo Celso Ramos, procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá, também reforçou a importância da celebração.

“No Luau da Samaúma, encontramos programações direcionadas para todos os públicos. Desde a criança, até pessoas idosas, todos vão se identificar com alguma atração musical, e assim, podemos ver toda a população feliz”, reforçou o procurador.

Celebrando as raízes do estado e o poder de transformar música em poesia, Zé Miguel e Mauro Cotta subiram ao palco montado em frente a árvore para cantar sucessos da Música Popular Amapaense.

O artista amapaense Zé Miguel embalou o público com sucessos que são consagrados. Em coro e em frente a samaumeira iluminada, o público cantou emocionado o refrão “eu amo você, terra minha amada, minha oca, meu iglu, minha casa”, da canção ‘Pérola Azulada’. Além disso, ‘Meu Endereço’ e ‘Jeito Tucujú’, canção de Joãozinho Gomes e Val Milhomem, também marcaram o show cultural do cantor.

“Eu sou um homem muito romântico, e poder estar aqui, tocando e celebrando com vocês a história e o nosso Amapá, é lindo demais”, disse o cantor emocionado.

Logo depois, Mauro Cotta subiu ao palco para cantar as marcantes. Ao som de ‘Evidências’, canção da dupla Chitãozinho & Xororó, ele abriu seu show e fez mais uma vez todos os presentes cantarem e dançarem, celebrando sucessos brasileiros, a história amapaense e os apaixonados.

Músicas como ‘Foi Assim’ e ‘Não Vou Mudar’, de Mauro, e  ‘Por Não Ter o Seu Olhar’, do cantor Teddy Max, trouxeram a nostalgia do gênero brega e fizeram os casais presentes improvisarem duetos de dança.

Henrick Santos, de 30 anos, conta que trouxe a família para um momento de lazer e amou a programação.

“Meu filho se divertiu muito com as atrações para a criançada, e também pudemos relaxar e comer algumas comidas típicas. Nos sentimos durante todo o evento, e são momentos assim que marcam a gente”, afirmou Henrick animado.

Durante o evento, o Gabinete Militar do MP-AP, com 22 policiais militares e um bombeiro, e as equipes da Companhia de Trânsito de Macapá, do Batalhão de Trânsito e do Corpo de Bombeiros estiveram presentes e garantiram a segurança da população.

Economia criativa e gastronomia

Com 19 estandes de alimentação e 20 para economia criativa, o fortalecimento do empreendedorismo foi uma marca registrada do Luau da Samaúma. Diversas comidas foram expostas e colocadas à venda, como hambúrgueres, doces artesanais, salgados, comidas típicas e bebidas.

Além disso, ao redor da samaumeira, itens de artesanato fabricados por artistas amapaenses também podiam ser encontrados e adquiridos. A ‘Oficina Mini Chefe’, realizada pelo Sebrae, orientada pela instrutora Cibele Iglesias e equipe de colaboradores, fez crianças de 5 a 12 anos aprenderem a confeccionar bolo de pote, estimulando sua criatividade.