COP 28: Amapá apresenta manejo florestal sustentável como modelo de bioeconomia e geração de empregos na Amazônia

Governador Clécio Luís mostra na COP 28 modelo de exploração sustentável que mantém a floresta em pé

Nesta segunda-feira, 4, o Amapá apresentou durante a 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 28) o modelo aplicado no estado de manejo florestal sustentável, que une iniciativa privada e comunidades como uma ferramenta de fomento da bioeconomia.

A palestra foi liderada pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema), e teve a participação da empresa TW Forest, que aplica o modelo no Amapá desde 2018. A iniciativa gera os chamados empregos verdes na Amazônia, que são aqueles postos de trabalhos que contribuem de forma considerável para preservar ou restaurar a qualidade do meio ambiente, minimizando os impactos.

“O que nós estamos propondo é uma alternativa sustentável para manter a floresta em pé, com dignidade para aqueles e aquelas que moram sob essas florestas, que têm o direito a sonhar e gerar sua renda. Além das compensações justas, mantendo o santuário preservado, nós queremos também promover atividades econômicas que gerem ascensão social. Nós temos segurança técnica de que esse é um modelo de manejo sustentável com base comunitária para o mundo, como um serviço para o planeta e para a humanidade”, afirmou o governador Clécio Luís.

A apresentação contou com as contribuições do senador Randolfe Rodrigues, e ainda de representantes da Nature Conservancy, do Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA) e do ICLEI  Colômbia, que é uma associação mundial de governos locais e subnacionais dedicada ao desenvolvimento sustentável.

A experiência amapaense é uma demonstração clara de que é possível gerar a preservação da Amazônia, mantendo os indicadores ambientais, e, ao mesmo tempo, gerar desenvolvimento social e econômico para quem mora dentro da floresta.

Manejo florestal que dá certo

A primeira concessão florestal foi assinada em 2016, proporcionando a atividade à TW Forest, na região do município de Mazagão (Projeto Agroextrativista Maracá). A produção de madeira legal gera 300 empregos diretos, arrecadando mais de R$ 3 milhões por ano, numa área sob constante monitoramento remoto (satélite), fiscalizações e rigor na rastreabilidade.

A previsão é que, até 2025, com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), sejam lançados editais que ampliem a área de concessões florestais do Amapá dos atuais 67 mil hectares para 670 mil hectares. Esse salto prevê gerar aproximadamente 3 mil empregos diretos, produzir mais de 550 mil metros cúbicos de madeira legal, aumentando as áreas a serem negociadas dentro do mercado de carbono.

“Essas características demonstram que o Estado do Amapá possui as florestas mais produtivas do Brasil, onde há uma estratégia de desenvolvimento econômico pensando também na divisão de bens com que vive nas florestas. Os novos editais virão dentro de uma nova modelagem, com mais segurança jurídica e técnica, onde o Banco traz toda a sua expertise para o novo modelo de negócio no Estado. O manejo florestal sustentável no Amapá é um grande indutor de geração de empregos, de renovação para a própria floresta que já é muito antiga e que precisa ser manejada com responsabilidade social”, declarou Marcos Almeida, diretor de Desenvolvimento Ambiental da Sema.

O painel foi acompanhado por representantes de diferentes países, assim como da comitiva do Amapá, integrada por secretários de Estado, de representantes dos poderes Legislativo e Judiciário, e do Sebrae, atentos às agendas de desenvolvimento sustentável e que buscam inserir os amazônidas nos debates.

“Viemos mostrar na COP que é possível preservar, rejuvenescendo a floresta, gerando riqueza e fazendo o social na Amazônia Brasileira. Esse projeto está fundado em um tripé, onde nós temos o cuidado com a sustentabilidade, o social e o econômico. Temos o apoio do Governo, da comunidade local em um modelo para tantos outros a serem copiados nas florestas da América do Sul”, ressaltou o empresário Wellington Rogério Conci, da TW Forest.

Os convidados do painel citaram a possibilidade de melhorar o modelo a partir da adesão de iniciativas que já existem na região, como no caso do Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA), ampliando o beneficiamento e gerando produtos para o mercado externo.

“Eu acho que o estado do Amapá traz pra nós um exemplo concreto de como associar soluções baseadas na natureza, com bioeconomia e manejo sustentável, contribui pra manter a floresta em pé e ao mesmo tempo gerar emprego e renda. Essa é a diferença que nós precisamos nos modelos de desenvolvimento na Amazônia, que nos permita justamente trazer esse diferencial”, opinou Karen Oliveira, da Nature Conservancy.

No debate, o senador Randolfe Rodrigues citou que o manejo já é realizado na Amazônia como uma atividade comum, no entanto, ressaltou que o modelo precisa ser considerado na construção das políticas públicas.

“O manejo precisa ser economicamente viável, ecologicamente correto e socialmente justo. As instituições públicas, com o apoio do Congresso Nacional, têm que se voltar para isso, porque viabiliza uma sociedade justa, geração de renda e de riquezas para comunidades como a do Maracá. É este o modelo que nós temos que apresentar como alternativa concreta de desenvolvimento”, afirmou o senador Randolfe Rodrigues.

Para fortalecer a imagem do Amapá como referência em práticas ambientais responsáveis e inovadoras, o Governo do Estado destaca a mais de 190 países, na COP 28, iniciativas de uso sustentável das riquezas naturais do meio ambiente.

Governador do Amapá, Clécio Luís propõe ao BRICS a criação de financiamento para iniciativas de manejo florestal sustentável

Dilma Rouseff recebeu a equipe do Amapá, em Brasília, neste domingo, em encontro articulado pelo senador Randolfe Rodrigues.


A sustentabilidade foi o principal assunto do encontro entre o governador do Amapá, Clécio Luís e a presidenta do Novo Banco do BRICS, Dilma Rouseff, em Brasília, neste domingo, 20. A agenda possibilitou a apresentação da proposta de uma nova linha de financiamento para que o banco invista em projetos de manejo florestal sustentável, além de créditos para programas de desenvolvimento no Amapá.

Articulado pelo líder do Governo Federal no Congresso, o senador Randolfe Rodrigues, o encontro gerou reflexões sobre os caminhos que podem levar ao desenvolvimento econômico da Amazônia.

“O mundo todo discute a Amazônia, e é importante que ele discuta, mas queremos que ele nos ouça, que enxergue as vidas humadas que moram nela. Nós que vivemos na Amazônia sabemos os principais problemas e sabemos apontar soluções. Queremos um estado com sua floresta respeitada e preservada, mas também um estado rico, com um povo vivendo com dignidade, e para isso precisamos lidar melhor com a nossa floresta em pé, pensando em alternativas para gerar desenvolvimento econômico e social”, declarou o governador.O Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) do BRICS é uma instituição financeira fundada em 2014, com a missão de promover o desenvolvimento sustentável, reduzir desigualdades econômicas e fortalecer a cooperação entre economias emergentes. Sao 8 países-membros: Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul, Uruguai, Emirados Árabes Unidos e Bangladesh.

Atualmente, o Banco financia apenas projetos de reflorestamento de estados que já desmataram o meio ambiente, mas não possui um financiamento para manejo ambiental de estados preservados, que é o caso do Amapá. A ideia da criação dessa linha é justamente garantir que projetos envolvendo o manejo sustentável das florestas recebam apoio financeiro.

Para o Governo do Amapá, a abertura dessa linha de crédito é fundamental para a preservação da biodiversidade, regulamentação climática e prosperidade socioeconômica.

Participaram do encontro os secretários de Comércio e Relações Exteriores do Amapá, Lucas Abrahao; o de Representação do Governo do Amapá em Brasilia, Aziel Araújo, e Welinton Conci, sócio da TW Forest, empresa que atua no municipio de Mazagao com manejo florestal sustentável.