Governo do Estado lança campanha para incentivar comercialização de produtos certificados com ‘Selo Amapá’

Todos os estabelecimentos participantes terão uma gôndola com a exposição dos produtos genuinamente amapaenses

Nesta sexta-feira, 10, o Governo do Estado lançará mais uma edição da campanha “É do Amapá, é da Nossa Gente”, para incentivar a comercialização de produtos feitos com matéria-prima local em supermercados, atacadões, mercantis e miniboxes espalhados em 14 dos 16 municípios do estado. A estratégia está alinhada ao Plano de Governo, que estabelece o fortalecimento das atividades econômicas do estado.  

A iniciativa vai disponibilizar mais de 1 milhão de cupons para o sorteio de 300 vales-compras, cada um no valor de R$ 1 mil, para os consumidores que adquirirem ao menos dois produtos certificados com o Selo Amapá. A campanha é coordenada pela Agência de Desenvolvimento Econômico (Agência Amapá), em parceria com a Associação Amapaense de Supermercados (Amaps).  Todos os estabelecimentos participantes terão uma gôndola com a exposição dos produtos genuinamente amapaenses. O sorteio será realizado no final de agosto, em Macapá. Quanto mais compras, maiores serão as chances de ganhar.  

De acordo como o diretor-presidente da Agência Amapá, Jurandil Juarez, este ano serão mais de 1.100 variedades de produtos que possuem o selo, e estarão disponíveis para que o consumidor possa adquirir e participar da campanha.  

“Ano passado eram menos de 500 produtos cadastrados, e esse ano o número quase triplicou, e esperamos produzir cada vez mais e valorizar os produtos 100% amapaenses, pois queremos que os Selo Amapá ganhe cada vez mais força e aqueça a economia do estado”, destacou o gestor.  O presidente também destacou que a expectativa é injetar mais de 10 milhões para a economia amapaense, além de gerar emprego e renda para a população.    

“Temos o desafio de mudar o perfil do nosso consumidor, pois nós antigamente importávamos tudo o que íamos consumir. Mas hoje temos uma mudança no cenário de nossa economia, e precisamos gerar mais empregos e renda para as famílias, e a nossa campanha tem esse objetivo. A expectativa é gerar mais de mil empregos através do Selo Amapá”, destacou o presidente.  

A campanha conta com investimentos de R$ 540 mil, fruto de articulação do senador Randolde Rodrigues, em parceria com a Amaps , Sebrae Amapá e mais contrapartida do Governo do Estado.    

Selo Amapá  

O certificado emitido pelo Governo do Estado assegura o uso de matéria-prima amapaense e garante que a produção respeita o controle de qualidade e as leis ambientais e trabalhistas. Mais de 150 empresas já fabricam itens certificados com o Selo Amapá, entre os produtos estão: farinha e goma de tapioca, chips de macaxeira, mel, sorvete, picolé, polpas de açaí, pimenta, temperos para carne, entre outros.  

Plataforma digital  

Ainda em 2023, o Governo do Estado lançou o Sistema Selo Amapá, que modernizou a solicitação da certificação da origem dos produtos tucujus. Com a plataforma, empreendedores de qualquer lugar do estado, com acesso à internet, poderão acessar o site e dar entrada no documento para obter o certificado. O atendimento é em tempo real e possibilita o acompanhamento de todas as fases do processo.  

Embrapa Amapá elabora manual de bebida fermentada de açaí


A Embrapa Amapá está elaborando um manual de Boas Práticas de Fabricação de bebida fermentada de açaí, a partir da experiência do empreendimento Flor de Samaúma na produção do “AçaíTinto” e os requisitos da legislação para produtos seguros. O objetivo é disponibilizar conhecimentos de forma gratuita para os públicos de interesse, especialmente comunidades agroextrativistas que produzem o fruto de açaí e potenciais produtores e consumidores da bebida, agregando valor a este produto abundante na biodiversidade da Amazônia.   

Foram realizadas duas etapas do processo para a validação técnico-científica do processo artesanal de produção da bebida. Inicialmente os empreendedores João Capiberibe e Janete Capiberibe, demonstraram no Laboratório de Biologia Molecular da Embrapa Amapá, os insumos e princípios da produção artesanal de bebida fermentada de açaí. “Usamos um garrafão de 20 litros, desses que vêm com água mineral, fizemos o mosto; é assim que chamamos a mistura de polpa de açaí, água, açúcar e levedura. Em seguida, lacramos o garrafão”, recordou Capiberibe.

A pesquisadora Valeria Bezerra participou do processo, registrando e analisando parâmetros como avaliação da densidade do xarope, do mosto e da bebida finalizada, representada pelo teor de açúcar, que é expresso em  °Brix, medido pelo equipamento refratômetro e por sacarímetro. “Também fizemos avaliação da cor da bebida final, pelo equipamento colorímetro Konica Minolta”, explicou a pesquisadora, autora do manual em elaboração.

Após 23 dias de fermentação, a bebida foi finalizada pelos processos de filtração, envase em garrafa de vidro âmbar e fechamento com rolha de cortiça e lacre. A equipe conferiu a cor, aroma e sabor do fermentado de açaí.  Em seguida, como parte da atividade, foi realizada a degustação da bebida entre funcionários da Embrapa Amapá, com anotações para posterior planejamento do teste sensorial.

O trabalho é realizado sob a supervisão da pesquisadora Valeria Bezerra, doutora em Ciência dos Alimentos, e conta com atuação do supervisor de Laboratórios da Embrapa Amapá, analista Leandro Damasceno, e do assistente Raimundo Nonato Teixeira Moura. “Esta iniciativa faz parte de uma proposta mais ampla, que é uma ação de transferência de tecnologias para que comunidades agroextrativistas produtoras de açaí possam produzir a bebida para consumo próprio e também para comercialização. Nossa perspectiva é de que o manual esteja disponibilizado em nossos canais digitais no segundo semestre deste ano”, destacou Valeria Bezerra.

O AçaíTinto é a marca comercial da bebida fermentada da polpa de açaí, produzida pelo empreendimento Flor da Samaúma, localizado em Macapá (AP). De acordo com testes laboratoriais realizados pela Embrapa Agroindústria Tropical (Fortaleza/CE), o produto apresenta características físico-químicas e sensoriais semelhantes a alguns vinhos tintos https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/82051916/fermentado-de-acai-tem-propriedades-similares-as-do-vinho-tinto). O relatório aponta que tanto os perfis físico-químicos revelam esta proximidade entre as duas bebidas, quanto a partir de análise s ensorial com 50 provadores, consumidores habituais de vinho, ficou demonstrado que há uma atitude positiva de compra do produto.

 

Dulcivânia Freitas

Jornalista – Embrapa

Amapá é o 1º do Norte a receber fibra ótica subfluvial que irá conectar 1,5 milhão de pessoas

A iniciativa integra o programa Norte Conectado, do Governo Federal


O governador do Amapá, Clécio Luís, participou nesta sexta-feira, 3, da entrega da Infovia 03 junto com o ministro das Comunicações, Juscelino Filho. A novidade leva cabos de fibra ótica de Belém a Macapá, passando por cidades do interior do Pará. A obra vai permitir que 1,5 milhão de pessoas tenham acesso à internet de alta velocidade em regiões remotas, como comunidades ribeirinhas, aldeias, assentamentos e localidades rurais. A iniciativa integra o programa Norte Conectado do Governo Federal.

O ministro Juscelino Filho  destacou o interesse da União em melhorar a comunicação e a infraestrutura necessária para a inclusão digital do Norte do país. “É um programa fundamental para o desenvolvimento social e econômico de uma região, são 12 mil quilômetros de cabos de fibra ótica lançados pelos rios da Amazônia, todos as capitais dos estados do Norte do país terão uma infovia como essa, mas a primeira é Macapá, graças ao trabalho da Bancada Federal e do governador Clécio Luís”, destacou o ministro Juscelino Filho. Segundo o governador Clécio Luís, a reconexão vai além da qualidade da internet, representa um retorno das boas relações institucionais com os entes federativos.

“A União se reconciliou com a federação, e o Amapá, muito particularmente, vive um momento extraordinário aproveitando todas as oportunidades que essa relação permite. A presença de mais um ministro de Estado aqui, fazendo entregas concretas para a população é uma mensagem muito clara do que isso representa. Com esse investimento, o setor privado vai aumentar sua conectividade e o público vai apresentar um serviço melhor, ou seja, isso também vai gerar emprego e renda”, reforçou o governador Clécio Luís.A entrega é mais um importante marco para a região, beneficiando comunidades remotas e trazendo desenvolvimento ao Norte do Brasil, onde ao todo serão mais de 10 milhões de pessoas alcançadas. O projeto vai conectar 40 escolas, sete prefeituras, 12 pontos do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cinco pontos de saúde, três pontos de defesa (Exército, Marinha e Aeronáutica) e dois centros de pesquisas, além de possibilitar que operadoras ofereçam pacotes de internet para os moradores.

Infovia 03

A estrutura em contêiner, onde estão instalados os cabos de fibra ótica, fica na região da Fazendinha. O contêiner é denominado de Centro Móvel de Alta Disponibilidade e foi projetado especialmente para a Região Norte por ser resistente a altas temperaturas. O local possui todos os equipamentos eletrônicos, refrigeração e, a partir dessa unidade, todo o Amapá receberá a conexão de internet banda larga. Até o final do ano serão instaladas outras 40 unidades na Região Norte, de acordo com o Governo Federal.
Norte Conectado

O programa vai expandir a infraestrutura de comunicações na Região Amazônica, por meio da implantação de 12 mil quilômetros de cabos de fibra ótica submersos em rios. O investimento é de R$ 1,3 bilhão e vai beneficiar 10 milhões de pessoas e 59 municípios no Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima. No total, a implantação da rede pelos rios do programa vai preservar 68 milhões de árvores, tornando a operação mais sustentável.

Cada Infovia é feita de cabos compostos por 24 pares de fibra ótica. Cada par possui capacidade de até 20 terabytes por segundo, ou seja, pode transmitir simultaneamente o equivalente a 200 mil vídeos de streaming em alta definição.

Os cabos foram feitos para durarem pelos menos 25 anos submersos nos rios. No total, serão viabilizadas 28 infovias no país. O objetivo da iniciativa é ampliar a capacidade de tráfego de dados e a disponibilidade de banda larga em municípios de difícil acesso. Conhecido também como “estradas digitais”, o projeto conta com um investimento total de R$ 1,9 bilhão pelo Novo PAC.

O edital do projeto de extensão Recicla Amazônia já está disponível, as inscrições iniciaram no dia, 03 de maio, e seguem até o dia 31

O edital do projeto de extensão Recicla Amazônia já está disponível, as inscrições iniciaram no dia, 03 de maio, e seguem até o dia 31.

Serão ofertadas 100 vagas imediatas para os cursos de formação nas áreas de sustentabilidade, empreendedorismo e gestão de resíduos.

Para acessar o Edital link: http://www2.unifap.br/unifapdigital/files/2024/04/EDITAL-RECICLA-_AMAZONIA-_01_2024_.docx.pdf

Para se inscrever, basta acessar o link:
https://forms.gle/3gNNfneLdeBcVent5

Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional anuncia Lançamento do Projeto Recicla Amazônia


Em um compromisso contínuo com a sustentabilidade e a inovação na região amazônica, o Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MIDR) tem o prazer de anunciar o lançamento do projeto Recicla Amazônia, realizado em parceria com a Universidade Federal do Amapá (UNIFAP). Este importante projeto será oficialmente apresentado durante a Caravana Federativa Amapá, evento que contará com a presença do Ministro Waldez Góes, que destacará as iniciativas do Ministério para promover a economia circular.

O projeto inicia com o lançamento do edital de seleção para o Recicla Educa, primeira fase do Recicla Amazônia, focada na ideação de projetos sustentáveis. Esta fase é destinada a estudantes e comunidades locais interessadas em desenvolver habilidades e idealizar projetos que utilizem princípios de economia circular.

Sobre o Recicla Amazônia

O Recicla Amazônia é um projeto inovador realizado pelo Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional em colaboração com a Universidade Federal do Amapá, destinado a promover a economia circular dos resíduos sólidos e fomentar o empreendedorismo sustentável no Amapá. Com duração de cinco anos e dividido em três etapas estruturais, o projeto visa capacitar cerca de 1500 amapaenses através de cursos e atividades de capacitação, desenvolvimento de projetos, e formação de uma comunidade de prática em economia circular. A iniciativa, que abrange desde cursos focais sobre sustentabilidade e gestão de resíduos até mini-cursos sobre logística reversa e tecnologias 4.0, é desenhada para oferecer conhecimento aplicável, incentivar o trabalho em equipe, e resolver problemas locais relacionados a resíduos sólidos, proporcionando também certificação do aprendizado e contínuo apoio através da UNIFAP.

Saiba mais sobre o Edital Recicla Educa:

Objetivo: Capacitar participantes e idealizar projetos que promovam a reciclagem e o reuso de materiais, integrando práticas sustentáveis à vida diária das comunidades da Amazônia.

Inscrições: As inscrições estarão abertas a partir de 03/05/2024 até 31/05/2024.

Como se inscrever: https://www2.unifap.br/unifapdigital/2024/04/25/edital-01-2024-recicla-amazonia-unifap-digital-proeac-dex-unifap-de-03-de-maio-de-2024/
Instagram: www.instagram.com/reciclamazonia/

Para mais informações sobre o projeto Recicla Amazônia, visite www.instagram.com/reciclamazonia/

 

Finéias Nelluty e Enrico Di Miceli estão em Senegal participando do Dialaw Festival


A música amapaense mais uma vez atravessa o atlântico e chega ao continente Africano, representada por Fineias Nelluty e Enrico Di Miceli, únicos brasileiros que participam do Dialaw Festival-Rythmes et Formes du Monde – Festival Ritmos e Formas do Mundo, que está acontecendo em Senegal, na vila Toubab Dialaw, na beira do oceano Atlântico. Os artistas foram convidados pela produção do evento, que está em sua 12ª edição. As apresentações serão individuais e acontecerão no mesmo palco nesta sexta-feira, 26, acompanhados por músicos do Amapá e Senegal.

O festival teve inicio no dia 24, em Toubab Dialaw, com uma série de atrações artísticas africanas, com música, dança e teatro.

Além dessas apresentações, foram produzidos três videoclipes: um de Enrico Di Miceli com a participação da cantora senegalesa Citha, da música “Dançando com a Sereia”, de Enrico Di Miceli e Joãozinho Gomes; outro de Fineias Nelluty, da música Brasil-Senegal, com participação do cantor Senegales Dao Maximum e de crianças e jovens, sendo esses vídeos gravados em Dakar. O terceiro vídeo é da música chamada Teranga, com referência a Ilha de Gorrée, uma parceria de Fineias Nelluty, Enrico Di Miceli e Joãozinho Gomes.

Nesta sexta-feira, 26, Enrico Di Miceli estreia no palco do Dialaw Festival, na companhia de Ian Moreira, percussionista amapaense, e dos músicos senegalenses Cisse (baixo); Abdou Ngom (percussão); Cissokho (teclado); El Hadji (harpa africana). Em seguida, Fineias Nelluty faz seu show com a mesma formação musical. No repertório, composições que já são sucesso de público no Brasil, autorais ou de parceiros musicais, e que já são conhecidas internacionalmente. Para coroar a participação no festival, Fineias Nelluty e Enrico Di Miceli sobem juntos no palco para uma homenagem à Senegal, com a música Teranga.

O intercâmbio cultural entre o Brasil e África começou a ser construído no Amapá Jazz Festival, que tem como característica a apresentação de músicos estrangeiros e brasileiros, uma interação entre nações que acontece nos palcos, nas oficinas e jam session, que fazem parte do evento. O entrelaçamento musical que Fineias estimula com a mistura de canções com ritmos caribenhos e guianeses, com os sons da Amazônia, levou o artista para o estrelato internacional. O álbum Africaribe Amazon e a turnê em Cabo Verde, são alguns dos exemplos dessa afinidade, que agora tem continuidade no Dialaw Festival.

Esta experiência positiva em intercâmbio cultural deu uma nova modelagem para o Amapá Jazz Festival, evento patrocinado pelo Governo do Estado do Amapá (GEA), que dá a largada com a presença dos artistas no Dialaw Festival. A segunda etapa da 17ª edição é o Jazz na Calçada, e o ápice, no segundo semestre de 2024, é o festival.

Enrico Di Miceli, que também já iniciou os passos na carreira internacional com uma turnê na Guiana Francesa, percorreu diversos estados brasileiros através de projetos e editais nacionais. No Dialaw Festival, Enrico leva na bagagem três álbuns gravados, prontos para mostrar a sua versatilidade enquanto melodicista que vive com um pé na sua aldeia e antenado para o mundo.

Mariléia Maciel

Queremos o direito de nos desenvolver respeitando a floresta’, enfatiza governador Clécio Luís sobre a COP30 durante evento em São Paulo

Chefe do Executivo foi um dos protagonistas do seminário Brasil Hoje, que reuniu lideranças para debater os desafios para o país.


Falando sobre os potenciais do Amapá para o mundo, durante evento em São Paulo, o governador, Clécio Luís defendeu a necessidade de considerar a proteção das florestas como oportunidades de negócios para as populações da Amazônia. O chefe do Executivo estadual foi um dos protagonistas do painel “COP da Floresta” no seminário “Brasil Hoje – diálogos para pensar o país de agora”, nesta segunda-feira, 22.
“A COP é uma grande oportunidade de transformar a Amazônia em um local ainda melhor de viver, com a preservação da floresta e, também, um lugar que gera negócios. A gente não pode romantizar a Amazônia, tampouco permitir que os de fora nos pautem. A Amazônia tem que ser vista além das copas das árvores. Nós queremos cumprir o nosso papel na preservação, mas queremos ter o direito de nos desenvolver com respeito ao meio ambiente e a floresta”, destacou o governador.

Desde que o Brasil foi anunciado como sede da COP30 de 2025, a Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), que será em Belém, o governador do Amapá tem integrado debates pelo país sobre os temas que serão tratados no encontro mundial.

Além disso, Clécio Luís tem tratado com o Governo Federal a preparação do estado para receber eventos antes e durante a COP30, traçando estratégias para garantir os investimentos necessários para abrigar os debates sustentáveis. Ao lado do Pará, o Amapá, estado mais preservado do país, também busca mostrar suas potências.

O seminário, promovido pela Esfera Brasil, reuniu lideranças políticas e empresariais em discussões sobre os desafios e as oportunidades para o país com base no contexto atual, como segurança pública para gerar estabilidade econômica, concessões, parcerias público-privado, além da integração e inovação nas cadeias produtivas do agronegócio.

“Nosso desafio é agregar a nossa origem à nova economia. Como diz o Clécio, nós tivemos que olhar para a floresta, mas também para as pessoas. É um desafio se preparar para o maior evento político do planeta, por isso a COP precisa deixar um legado, gerando investimentos públicos e privados para trazer soluções para a cidade. Eu não tenho dúvida de que nós faremos um belo momento, será uma oportunidade de fazer com que a COP seja um divisor para o país. O Brasil só pode ser líder global se for uma liderança ambiental”, falou o governador do Pará, Helder Barbalho.

Esfera Brasil

Fundada em 2021, a Esfera Brasil é uma organização que promove debates de alto nível e propostas para o futuro do país, reunindo em eventos as principais autoridades político-econômicas, dos setores público e privado.

Também participaram do seminário “Brasil Hoje” palestrantes como o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski; o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira; ministrados dos tribunais de Justiça e Eleitoral; o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto; e os governadores de São Paulo, Tarcisio Freitas, e de Goiás, Ronaldo Caiado.

Divino Amazonas: restaurante flutuante se engaja na defesa do Rio Amazonas


O restaurante Divino Amazonas, reconhecido por sua conexão com a natureza e compromisso com a sustentabilidade, demonstrou mais uma vez seu apoio às iniciativas ambientais ao sediar e apoiar o evento “Kitesurf em Defesa do Rio Amazonas”. Organizado pela Associação de Velejadores do Amapá (AVAP), em colaboração com a Fundação Mamíferos Aquáticos (FMAS) e outros parceiros, o evento ocorreu nos dias 19, 20 e 21 de abril.

A programação foi diversificada, incluindo workshops, debates sobre iniciativas ambientais e um ato simbólico que destacou o compromisso com a preservação do Rio Amazonas. Um dos momentos mais marcantes foi o ato de retirada de lixo do rio, que não apenas simbolizou a preocupação com o meio ambiente, mas também teve um impacto tangível na conservação do ecossistema local.

“Como empresa privada, damos o nosso melhor. Acreditamos que, por sermos o único restaurante flutuante do estado do Amapá, devemos dar exemplo. O nome do nosso estabelecimento, Divino Amazonas, foi escolhido justamente para exaltar esse amor que sentimos pelo Rio. O restaurante foi inaugurado em 25 de dezembro, mas antes mesmo de iniciarmos nossas atividades, tivemos a preocupação e fizemos questão de instalar a nossa rede de tratamento de esgoto para não poluir nosso recurso natural”, destacou Lázaro Gaya, administrador do Divino.

A segunda edição do evento, intitulada “Kitesurf em Defesa do Rio Amazonas”, foi encerrada neste domingo, 21, com uma mesa redonda composta por representantes de universidades, institutos e do poder público estadual e municipal. Todos puderam dar sua contribuição para a atualização da “Carta em Defesa do Rio Amazonas”, documento criado e assinado há 11 anos durante a primeira edição.

Retirada de lixo

No sábado, os praticantes de kitesurf uniram-se em prol de um ato simbólico, porém de grande relevância: a retirada de lixo das margens do Rio Amazonas. Além dos atletas, o grupo “Manas do SUP”, que pratica Stand Up Paddle, também esteve engajado na ação, contando ainda com o apoio da Zeladoria Municipal.

“A nossa conduta como seres humanos continua ruim. Já retiramos aqui nessa ação pneus, descartáveis em geral, muitas garrafas pet, e infelizmente as pessoas não estão cuidando do meio ambiente. Esse ato é uma forma de chamar a atenção para esse problema que ainda existe. Cada um de nós, seja membro da sociedade, poder público, ou iniciativa privada como o Divino Amazonas, devemos assumir responsabilidades”, destacou Eliton Franco, presidente da AVAP.

“Deixa-nos preocupados ver jogados em nosso rio desde marmitas, sacos plásticos, até tampas de geladeira flutuando neste píer. Agora o Divino também abraça essa causa junto com todas as entidades que integram essa luta em defesa do nosso Amazonas. O flutuante é mais uma voz que clama e a AVAP e seus parceiros não estão sozinhos nessa luta, assinada em carta”, pontuou Lázaro.

A iniciativa também sensibilizou as crianças. A pequena Kiara Macedo Franco, de 10 anos, destacou a importância do trabalho de limpeza e conservação.

“Esse ato é muito importante por causa dos animais que precisam ser protegidos e também por causa da poluição. Muita gente joga lixo aqui e essa ação busca deixar o mundo mais limpo”.

Docente da graduação e mestrado em História recebe prêmio de organização estadunidense

Alexandre Guilherme da Cruz Alves Junior foi premiado pela Organização de Historiadores Americanos por artigo que aborda a ocupação da Ilha de Alcatraz, nos Estados Unidos, por ativistas indígenas norte-americanos. É a primeira vez que um pesquisador de uma universidade sul-americana ganha o prêmio.


O docente da Licenciatura em História e do Mestrado em História da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Prof. Dr. Alexandre Guilherme da Cruz Alves Junior, é o primeiro pesquisador proveniente de uma universidade da América do Sul a ganhar o Prêmio David Thelen, concedido pela Organization of American Historians (OAH), dos Estados Unidos, ao melhor artigo sobre a história daquele país escrito em língua não-inglesa, no biênio 2022-2024. A cerimônia de premiação ocorreu no dia 12 de abril, na cidade de Nova Orleans, em Louisiana (EUA).

O artigo vencedor, intitulado “A Ocupação de Alcatraz e o Movimento Indígena nos Estados Unidos (1969 – 1971)”, foi publicado em 2022 na Revista “Tempo”, do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF). O docente inscreveu o artigo no concurso da OAH em 2023 e recebeu a notícia da premiação no início de abril.

O pesquisador recebeu com surpresa a notícia que havia ganhado o prêmio. “Mais importante do que a premiação individual é a contribuição que este prêmio terá na avaliação do curso de Licenciatura em História e na consolidação do Mestrado em História, assim como para a pós-graduação na Unifap”. Uma universidade que, na sua concepção, tem potencial para produzir conhecimento sobre o estado Amapá, mas também sobre o mundo”, avalia o Prof. Dr. Alexandre Cruz.

Prática em sala de aula amadureceu a temática do artigo

Segundo o Prof. Dr. Alexandre Cruz, a ideia da pesquisa que resultou no artigo premiado surgiu durante uma aula no curso de Licenciatura Intercultural Indígena, ofertado no campus Binacional do Oiapoque (AP).

“Dando aula no Oiapoque, a professora de História da Licenciatura Intercultural Indígena, Carina Almeida, junto com seus estudantes indígenas, pediram para que eu fizesse uma aula sobre a história indígena nos Estados Unidos, aí fui preparar essa aula. É uma temática pouco conhecida, então deu muito trabalho para formular essa aula e, durante a organização dessa aula, eu conheci esse evento que foi a ocupação da Ilha de Alcatraz por estudantes indígenas nos anos 1960, reclamando a ilha como território indígena. A gente conhece bastante o movimento por direitos civis nos anos 1960 né, por conta do movimento feminista, movimento negro, entre outros, e o movimento indígena praticamente não aparece naquele contexto. Então eu decidi pesquisar mais sobre essa ocupação”, explica o docente.

Em 2021, o pesquisador foi aceito como pesquisador visitante na Universidade de Harvard (EUA), para desenvolver pesquisa sobre o assunto. Em solo estadunidense, o docente teve a oportunidade de acessar documentos diretamente nas fontes de pesquisa e ir na Ilha de Alcatraz. Ao retornar, escreveu o artigo premiado.

A reivindicação da Ilha de Alcatraz como território indígena

O artigo analisa os pronunciamentos e as ações realizadas pelos ativistas indígenas que ocuparam a ilha de Alcatraz entre novembro de 1969 e junho de 1971. Na ocasião, um grupo de estudantes chegou à antiga prisão federal norte-americana, intitulando-se “Indígenas de Todas as Tribos”, com o objetivo de reclamar o território para a fundação de um centro cultural e uma universidade indígenas.

A pesquisa desenvolvida pelo Prof. Dr. Alexandre Cruz buscou compreender, por meio da análise de dois manifestos públicos feitos pelo grupo de universitários à época da ocupação, como uma leitura própria do passado foi utilizada tanto como instrumento de legitimação das ações políticas de ação direta não violenta visando a soberania dos povos indígenas nos Estados Unidos, como também instrumento para forjar uma agenda interétnica que pudesse reverter as péssimas condições sociais dos povos nativos nos centros urbanos e nas reservas estadunidenses.

O artigo relata as dificuldades encontradas pelo “Indígenas de Todas as Tribos”, que ocupou a ilha, tanto para se manter no local como para articular apoio de organizações indígenas para a ocupação e as reivindicações do grupo, em nível externo, e dirimir os conflitos internos entre os próprios manifestantes.

O pesquisador aponta, no artigo, que, apesar das reivindicações não terem sido atendidas pelo governo federal estadunidense à época, inspirou, nos anos subsequentes, outras gerações de ativistas indígenas a promover, em diferentes esferas políticas e sociais, os interesses indígenas a partir de perspectivas indígenas

“O artigo ilumina como a ocupação da ilha reverberou no país inteiro, fazendo com que o movimento indígena alcançasse leis em prol da autodeterminação dos povos indígenas nos Estados Unidos”, conclui.

O artigo pode ser lido em https://www.scielo.br/j/tem/a/3PrJDqmcP96XJCjhm5kF4nq/.

Startup20: com negociações iniciadas durante o evento, empresa do Amapá assina contrato internacional

Empresária Karla Gonçalves diz que celebração do contrato irá incentivar outras empresas amapaenses a se certificarem e a população a consumir esses produtos

Com o apoio do Governo do Amapá, a empresa representante do estado no Web Summit, ocorrido na última semana, no Rio de Janeiro (RJ), assinou um contrato com uma investidora norte-americana, no sábado, 20. No mercado amapaense há 56 anos, a Sorveteria Santa Helena é parte dos mais de mil empreendimentos com a certificação do Selo Amapá.

O Selo é feito pela Agência de Desenvolvimento Econômico do Amapá (Agência Amapá) que capacita empreendedores e promove os produtos que cumprem os requisitos legais para o funcionamento das atividades empresariais, como a produção de bens dentro do estado.

O contrato com a empresa internacional, focada em produtos e inovações nos gêneros alimentícios, vai possibilitar a promoção da indústria local com a distribuição dos sorvetes amapaenses para o exterior. A negociação ocorreu depois de uma articulação com a delegação norte-americana durante o Startup20, que ocorreu em fevereiro no Amapá.

“Isso, com certeza, favorece não só a minha empresa a expandir, mas também a nossa economia, pois são muitas partes envolvidas nesse processo. Esses são apenas os nossos primeiros passos e ainda temos muito trabalho pela frente”, explica Karla Gonçalves, responsável pela sorveteria.

A empresária teve a oportunidade de representar o estado novamente no Web Summit do Startup20, no Rio de Janeiro. Certificada pelo Selo Amapá desde 2019 e com o apoio do Governo do Estado, a empresa conseguiu o primeiro grande investimento, além de mais visibilidade e oportunidades, destacou Karla.

“Tudo isso só aconteceu por sermos uma empresa certificada. Participamos do primeiro evento do Startup20 em Macapá e foi o ponto principal para que pudéssemos ser notados pela delegação dos Estados Unidos. Sinto um orgulho imenso por ser uma empresa pertencente ao Selo Amapá e com isso mostrar o potencial que o nosso estado tem. Sei que agora vamos incentivar outras empresas amapaenses e a própria população a consumir esses produtos”, celebra a empresária.

Startup20

Em fevereiro, o Amapá sediou o maior encontro de Startups do mundo, reunindo as maiores economias no coração da Amazônia para debater economia verde, sustentabilidade e desenvolvimento tecnológico. O evento foi uma prévia do encontro que ocorreu entre os dias 15 e 18 de abril, no Rio de Janeiro, onde reuniu representantes de startups, agentes públicos, setor privado e referências de inovação em todo o mundo.

Em São Paulo, governador Clécio Luís apresenta iniciativas do Amapá que são exemplo de sustentabilidade para o mundo

Evento Brasil Hoje, nesta segunda-feira, 22, reúne lideranças para debater os desafios e oportunidades para o país e a COP30.

O governador do Amapá, Clécio Luís, será um dos protagonistas do seminário “Brasil Hoje – diálogos para pensar o país de agora”, que será realizado nesta segunda-feira, 22, em São Paulo. Em sua apresentação, o governador vai destacar iniciativas que dão exemplo de sustentabilidade para o mundo e como o estado tem se preparado para a COP30 que será na Amazônia, em 2025.
“O Amapá é o estado mais preservado e protegido do Brasil, com centenas de negócios que respeitam a floresta por meio da bioeconomia, e com pessoas que precisam mudar de vida. Nós queremos e precisamos mostrar ao mundo que os nossos excelentes indicadores ambientais e os nossos bons exemplos podem puxar também os nossos índices sociais e econômicos. Debates como este são importantes”, enfatiza o governador.

O seminário, promovido pela Esfera Brasil, reúne lideranças políticas e empresariais para debater desafios e oportunidades com base no contexto econômico atual, como segurança pública para gerar estabilidade econômica, concessões, parcerias público-privadas, além da integração e inovação nas cadeias produtivas do agronegócio.

Desde que o Brasil foi anunciado como sede da COP30, Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), que será em Belém, o governador do Amapá tem integrado debates sobre os temas que serão tratados no encontro mundial. Além disso, Clécio Luís tem tratado com o Governo Federal a preparação do estado para receber eventos antes e durante a COP30, traçando estratégias para garantir os investimentos necessários.

Além do governador Clécio Luís, protagonizam as discussões do painel “COP da Floresta” o presidente da Petrobras, Jean-Paul Prates; o governador do Pará, Helder Barbalho; a copresidente e CEO do Sigma Lithium, Ana Cabral; e o diretor de sustentabilidade do grupo Ambipar e executivo referência em ESG, Rafael Tello. A mediação será feita pela jornalista Thais Herédia, analista de economia da CNN Brasil.

Também participam do seminário “Brasil Hoje” palestrantes como a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF); o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski; o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Esfera Brasil

Fundada em 2021, a Esfera Brasil é uma organização que promove debates de alto nível e propostas para o futuro do país, reunindo em eventos as principais autoridades político-econômicas, dos setores público e privado.

Momento histórico marca grito da resistência em celebração ao Dia dos Povos Originários, no Meio do Mundo

Marco Zero do Equador foi palco do tradicional ‘Turé’, que celebrou o encontro inédito de dois dias com o governador Clécio Luís.


O governador Clécio Luís participou nesta sexta-feira, 19, Dia dos Povos Indígenas, da celebração do Turé no Meio do Mundo, realizado por lideranças presentes durante a programação do “Abril da Resistência Indígena”, promovido pelo Governo do Amapá.

A comemoração aconteceu no monumento do Marco Zero do Equador e foi um agradecimento pelos dois dias de diálogos realizados diretamente com o governador do Estado.

“Depois deste dia, aumentou a nossa responsabilidade. Eu agradeço às lideranças pela honestidade nos diálogos. O nosso compromisso foi firmado e será feito com responsabilidade, dentro do possível, para garantir o que é direito desses povos, fruto de muitas lutas. Vamos fazer chegar aos nossos técnicos do Governo a importância da política pública para acolher a cultura e costumes dos nossos povos indígenas que é mantida viva”, reforçou o governador. Pela primeira vez lideranças indígenas de todo o estado têm a oportunidade de serem ouvidas diretamente por um gestor estadual. A programação reuniu cerca de 90 caciques e cacicas, homens e mulheres indígenas de todas as idades, das regiões do Amapá e Norte do Pará.

Crianças, jovens, adultos e idosos trouxeram a apresentação de danças e manifestações tradicionais como forma de agradecimento pela acolhida do Governo do Estado. Durante a programação, os indígenas dançaram o Turé, uma tradição ancestral indígena, que acontece apenas em momentos de alegria, agradecimento, comemoração pela época da colheita e pela cura de doenças.

Ancestralidade

Com cantos que enaltecem a natureza e os espíritos sagrados, os indígenas celebraram, agradeceram e fortaleceram o grito de resistência pela valorização e reconhecimento de direitos. Dieimisson Sfair Karipuna, da aldeia do Manga, em Oiapoque, é professor da escola indígena. Ele afirma que o momento é de muita emoção.

“A gente está aqui no Meio do Mundo, neste momento histórico para nós, compartilhando um pouco de nossos conhecimentos. Isso é muito forte, gratificante e emocionante. Agradecemos ao Governo do Estado por esta oportunidade e apoio”, ressalta Dieimisson.

Entre lideranças indígenas estiveram presentes 20 alunos da Escola Estadual Indígena Jorge Ieaparrá, em Oiapoque.

‘Vamos transformar políticas em ações práticas’, reforça governador Clécio Luís ao receber indígenas

 

Caciques de aldeias de todo o estado e Norte do Pará acompanharam o acender de luzes vermelhas no Palácio do Setentrião, durante o ‘Abril de Resistência Indígena’.


O governador Clécio Luís recebeu no Palácio do Setentrião caciques de todo o estado do Amapá e Norte do Pará, nesta quinta-feira, 18, para falar sobre políticas públicas. O encontro marcou o acender de luzes vermelhas na sede do Governo em alusão à campanha “Abril de Resistência Indígena”, mês de lutas pelos direitos dos povos originários.

“O Abril da Resistência significa respeitar a nossa história, a ancestralidade de quem estava aqui antes dos portugueses e europeus. Receber essas lideranças aqui, ter estes diálogos com as Secretarias, onde eles podem expressar as necessidades, significa reconhecer a importância dos indígenas do Amapá. É um mês inteiro de entendimentos e diálogos transformando as políticas públicas, de acordo com os protocolos de consulta, em ações práticas nas terras indígenas”, ressaltou o governador.

No encontro, Clécio Luís destacou que sempre buscou o diálogo aberto e franco com os povos indígenas e que, ao assumir o Governo do Estado, os projetos se consolidam respeitando, sobretudo, os diálogos diretos com as etnias. A programação contou com o acender das luzes vermelhas no Palácio, que recebeu a iluminação especial simbolizando o respeito, a resistência, a cultura e a história dos indígenas.

Considerada histórica, a escuta de demandas será feita também na sexta-feira, 19, Dia dos Povos Indígenas. Participam da programação em Macapá quase 90 caciques da região de Oiapoque, Pedra Branca do Amapari e do Norte do Pará, que representam aproximadamente 11 mil indígenas.

“Estamos aqui para agradecer e pedir que o governador continue como uma liderança que ouve os indígenas e que nos dá oportunidade de ocuparmos os nossos espaços”, afirmou o presidente do Conselho de Caciques dos Povos Indígenas do Oiapoque, Edmilson Oliveira, cacique do Povo Karipuna.

“Estamos aqui para dizer o que queremos. Viemos de aldeias distantes, muitas de difícil acesso, por isso esse momento é importante, porque estamos sendo ouvidos”, citou Davi Kaxuyana, representante do Povo Tiriyó, da região do Norte do Pará.

Uma programação em espaços públicos será feita na capital até o dia 27 de abril, com diálogos, momentos culturais, feiras de artesanato, rodas de conversa com mulheres e apresentações tradicionais.

Investimentos do Governo

Em um 1 e 4 meses, o Governo do Estado realizou uma série de investimentos e ações para beneficiar as populações indígenas, inclusive ampliando as políticas públicas de respeito e promoção da cultura indígenas. O governador criou a Secretaria Colegiada dos Povos Indígenas, com representação das regiões indígenas Waiãpi, Oiapoque e Parque do Tumucumaque. Com a situação de emergência fitossanitária, atendeu os indígenas que enfrentaram pragas nas plantações de mandioca, com entregas de sementes de manivas, farinhas e kits com alimentos.

Na saúde, levou a ação “Mais Sorriso” para os povos indígenas Wajãpi e entregou enfermarias adaptadas em unidades de saúde. Foram atualizadas as cotas de combustível de aldeias do Oiapoque e criada a Cartilha Maria da Penha escrita em línguas indígenas. Na educação, concluiu os cursos de formação para 152 novos professores indígenas das etnias Wajãpi e Tiriyó; e reformou a Escola Estadual Leide dos Santos na BR-156.

Entre as ações futuras, o Governo do Amapá planeja a realização de concurso público para profissionais da educação em áreas indígenas e reconstruir escolas indígenas.

‘Queremos construir novos caminhos com produtos da Amazônia’, destaca governador Clécio Luís na abertura da Startup20 Rio

O governador do Amapá, Clécio Luís, foi uma das autoridades públicas que discursou na cerimônia de apresentação das delegações que participam da Startup20 Rio.

O governador do Amapá, Clécio Luís, foi uma das autoridades públicas que discursou na cerimônia de apresentação das delegações que participam da Startup20 e Web Summit, nesta terça-feira, 16, no Rio de Janeiro. O evento internacional de inovação e tecnologia é organizado pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) e reúne representantes dos países que fazem parte do G20, bloco das maiores economias do mundo.

Em seu discurso, o governador destacou que os debates são uma continuidade das discussões realizadas na primeira edição, que ocorreu em fevereiro, no Amapá, e teve como foco assuntos sobre o desenvolvimento verde e transições energéticas com base no potencial revolucionário da bioeconomia.

“Queremos construir novos caminhos e possibilidades de negócios com produtos da Amazônia através das startups. Temos os melhores indicadores ambientais do Brasil e queremos que sejam associados a indicadores econômicos e sociais do nosso povo. Para isso, estamos propondo juntar inovação, tecnologia com meio ambiente para gerarmos produtos, serviços e iniciativas que garantam emprego e renda para o Amapá”, destacou o governador, Clécio Luís.O Amapá apresenta mais de 100 startups e é um dos estados do país com maior número de startups de sucesso, sendo que 90% dessas empresas possuem o Selo Amapá, que identifica os produtos que usam matéria-prima, genuinamente amazônica, para comercialização.

Também participam do encontro as Secretarias de Ciência e Tecnologia, Infraestrutura, Planejamento, Habitação, Comunicação e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Amapá (Fapeap).

Startup20 Rio

O segundo encontro do Startup20, em 2024, no Brasil, tem como sede a cidade do Rio de Janeiro, e ocorre no período até quinta-feira, 18, dentro do Web Summit Rio, que é um dos maiores eventos de tecnologia e inovação do mundo. O evento é organizado pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) e reúne delegações dos países que fazem parte do G20.

No Amapá, o Startup20 reuniu 19 delegações dos cinco continentes para tratar de assuntos sobre o desenvolvimento verde e sustentável, transições energéticas de acordo com a compreensão do potencial revolucionário da bioeconomia.

Web Summit Rio

Com expectativa de reunir cerca de 30 mil participantes, a segunda edição do Web Summit no Brasil ocorre no Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro, e terá mais de 600 palestrantes.

Considerado um dos maiores encontros de tecnologia e inovação do mundo, o evento vai reunir nomes importantes que vão da política até o setor tecnológico. Serão realizados debates em 18 trilhas temáticas.

Startup20 Rio: governador Clécio Luís apresenta experiências sustentáveis da Amazônia para as maiores economias do mundo

O debate é uma continuidade das discussões realizadas na primeira edição do Startup20, que ocorreu em fevereiro, no Amapá

O governador do Amapá, Clécio Luís, está no Rio de Janeiro, para apresentar durante a Startup 20 e a Web Summit Rio, encontros mundiais de tecnologia e inovação, as experiências e resultados do desenvolvimento econômico sustentável no Amapá e na Amazônia para as maiores economias do planeta que compõem o G20. 

No encontro, que iniciou na noite desta segunda-feira, 15, o governador vai debater a sustentabilidade, inovação e tecnologia, baseadas nas políticas públicas para garantia de preservação ambiental. 

“A partir do encontro da Startup 20, realizado no Amapá, que foi inédito no país, fomos convidados para vir ao Rio de Janeiro mostrar que o estado virou uma vitrine de oportunidades para negócios sustentáveis, inovação e tecnologia para o mundo. E é isso que nós queremos, desenvolver o Amapá gerando emprego e renda de forma ética e sustentável”, enfatizou o governador. O debate é uma continuidade das discussões realizadas na primeira edição, que ocorreu em fevereiro, em Macapá, e teve como foco assuntos sobre o desenvolvimento verde e transições energéticas com base no potencial revolucionário da bioeconomia. 

“Ninguém mais vai discutir Amazônia, meio ambiente, desenvolvimento sustentável, proteção, inovação e crescimento, sem o Amapá, e também a própria Amazônia, nesse país e no mundo”, destacou Ingrid Barthdo, presidente da Associação Brasileira de Startups (Abstartups) e organizadora do evento no Brasil.  

Nesta terça-feira, 16, o governador Clécio Luís participa do painel “Horizontes Sustentáveis: moldando o Futuro do ESG em Startups de Tecnologia e Inovação”, para debater sobre políticas de meio ambiente, responsabilidade social e governança, que envolvem o setor.  

O Amapá é um dos estados da Amazônia e do país com maior número de startups de sucesso. A empresa do Selo Amapá, Sorveteria Santa Helena, irá integrar a programação no Rio de Janeiro, apresentando a tradição e a tecnologia como pontos fundamentais para sustentação de um empreendimento na Amazônia.  

Também participam do encontro as Secretarias de Ciência e Tecnologia, Infraestrutura, Planejamento, Habitação, Comunicação e Fundação de Amparo à Pesquisa do Amapá (Fapeap). 

Startup20 Rio 

O segundo encontro do Startup20, em 2024, no Brasil, tem como sede a cidade do Rio de Janeiro, e ocorre no período até quinta-feira, 18, dentro do Web Summit Rio, que é um dos maiores eventos de tecnologia e inovação do mundo. O evento é organizado pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) e reúne delegações dos países que fazem parte do G20. 

No Amapá, o Startup20 reuniu 19 delegações dos cinco continentes para tratar de assuntos sobre o desenvolvimento verde e sustentável, transições energéticas de acordo com a compreensão do potencial revolucionário da bioeconomia.  

Web Summit Rio 

Com expectativa de reunir cerca de 30 mil participantes, a segunda edição do Web Summit no Brasil ocorre no Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro, e terá mais de 600 palestrantes. 

Considerado um dos maiores encontros de tecnologia e inovação do mundo, o evento vai reunir nomes importantes que vão da política até o setor tecnológico. Serão realizados debates em 18 trilhas temáticas. 

 

Selo Amapá: sucesso de empreendimento amapaense há 56 anos será apresentado durante Web Summit do Startup20, no Rio de Janeiro

Empresária Karla Gonçalves diz que Selo Amapá trouxe ainda mais visibilidade e reconhecimento

Um caso de sucesso que une tradição e modernidade será a representante do Amapá no Web Summit do Startup20, que acontecerá de 15 a 18 de abril, no Rio de Janeiro. Há 56 anos no mercado, a Sorveteria Santa Helena faz parte dos mais de mil empreendimentos que possuem o Selo Amapá, certificado pelo Governo do Estado.

A certificação é feita pela Agência de Desenvolvimento Econômico do Amapá (Agência Amapá), que qualifica empresas e promove os produtos locais e que cumprem requisitos legais para o funcionamento das atividades empresariais.

A empresária Karla Gonçalves, responsável pela sorveteria, foi apresentada durante o encontro do Startup20, que ocorreu em fevereiro no Amapá. Agora, ela representará o estado novamente e vê a oportunidade com muita responsabilidade.

“É uma empresa tradicional e familiar que já está na terceira geração. Termos sido escolhidos para estar lá é grandioso. As expectativas são muito grandes e, claro, as melhores possíveis. No evento que houve no Amapá nos deu outra leitura, inclusive para outros mercados”, diz Karla.Selo Amapá

A empresária destaca, ainda, a importância de políticas de valorização do mercado local, como propõe o Selo Amapá. Segundo Karla, a certificação trouxe ainda mais visibilidade e reconhecimento ao empreendimento.

“A gente nunca imagina onde pode chegar. Que tudo isso que o Selo trouxe para nós e para outras empresas incentive mais empreendimentos a aderirem à certificação. Só estar aqui não é suficiente, é possível sonhar alto, sonhar em ganhar o mundo”, celebra.

Startup20

Em fevereiro, o Amapá sediou o maior encontro de Startups do mundo, reunindo as maiores economias no coração da Amazônia para debater economia verde, sustentabilidade e desenvolvimento tecnológico, sendo uma prévia do encontro que ocorre na próxima semana,  no Rio de Janeiro.

Durante o encontro, estarão na capital fluminense representantes de startups, agentes públicos, setor privado e referências de inovação em todo o mundo, que irão participar de painéis sobre inovação e empreendedorismo, além de visitas técnicas a hubs de inovação, universidades e centros de pesquisa.

Sebrae conhece experiências de sucesso no desenvolvimento de lideranças na Bélgica e Holanda

Missão Internacional acontece até esta quinta-feira (11) e é chefiada pela diretora de Administração e Finanças, Margarete Coelho

Dirigente das unidades do Sebrae Acre, Amazonas, Amapá, Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, Rio Grande do Norte, Roraima e Tocantins seguem até esta quinta-feira (11) em missão internacional na Bélgica e na Holanda. O objetivo da visita aos dois países é conhecer de perto ações de desenvolvimento de lideranças realizadas em instituições europeias. A diretora de Administração e Finanças do Sebrae Nacional, Margarete Coelho, é quem chefia a delegação. A missão é uma iniciativa do Polo de Liderança do Sebrae, realizado por meio de uma parceria entre unidade paranaense e a representação nacional da entidade.

“Essa é uma rica oportunidade de conhecermos experiências bem-sucedidas nos campos de inovação, políticas e processos de ESG e liderança empresarial baseadas em valores de sustentabilidade e diversidade. Os europeus já têm um comportamento mais consciente nesse sentido, pois preferem produtos e serviços de empresas que tenham essas pautas na sua governança”, destacou a diretora de Administração e Finanças do Sebrae, Margarete Coelho.

A diretora do Sebrae lidera a missão na Europa. Foto: ASN.

A transição para a economia verde e pautas de inclusão e sustentabilidade são um caminho sem volta e precisamos dominar as melhores práticas.

Margarete Coelho, diretora de Administração e Finanças do Sebrae.

O roteiro da missão internacional teve início na segunda-feira (8) por meio de um encontro com a delegação do Brasil na União Europeia e com o embaixador Pedro Miguel Costa e Silva. Em um seminário foi discutido o quadro de relacionamento Brasil – União Europeia para Inovação, Desenvolvimento e Empreendedorismo. No período da tarde, a comitiva foi recebida pelo eurodeputado Javier López, presidente da Comissão das Relações da União Europeia com a América Latina, e conheceu o Parlamento Europeu.

Ao longo dos próximos dias, os dirigentes do Sebrae trocarão experiências e visitarão algumas instituições que servem como modelo em inovação, empreendedorismo, além serem centros de referência em liderança como o Cambridge Institute for Sustainability Leadership (CISL), o Centro de Liderança Criativa, a Escola de Administração de Negócios de Rotterdam – Universidade Erasmus e a Academia de Liderança de Amsterdã.

https://agenciasebrae.com.br/cultura-empreendedora/sebrae-conhece-experiencias-de-sucesso-no-desenvolvimento-de-liderancas-na-belgica-e-holanda/

Prêmio Sebrae Startups abre inscrições e vencedores recebem até R$ 950 mil

A competição é o maior investimento da instituição para o ano de 2024 e visa dar visibilidade para startups brasileiras


O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Amapá (Sebrae) promove o lançamento da 1ª edição do Prêmio Sebrae Startups. A iniciativa oferta diversos benefícios para empresas e empreendedores, como retorno monetário, exposição de soluções no Startup Summit 2024, conexão com especialistas e participação em eventos do ecossistema de tecnologia e inovação. As startups interessadas devem realizar a inscrição até o dia 16 de maio, por meio do site oficial da competição https://premiosebraestartups.com.br/.

De acordo com o gerente da Unidade de Soluções Inovadoras e Competitivas do Sebrae no Amapá (Unic), Bruno Castro, a seleção será dividida em cinco (5) etapas, e a primeira consiste na inscrição dos interessados.

“A expectativa mínima da competição é atrair 3 mil inscritos; após isso, as empresas serão avaliadas de forma objetiva para chegar ao número de 1 mil negócios selecionados. Em seguida, as startups serão apoiadas para participar do Summit 2024, maior evento de startups promovido pelo Sebrae no Brasil e serão ranqueadas por Top 100, Top 30, Top 10 e a etapa final, onde será anunciado o grande vencedor. Quase todo esse processo ocorrerá de forma simultânea ao Startup Summit, e cada fase possui uma premiação e um desafio diferente”, explica o gerente Bruno Castro.

A gestora do Projeto Startup Amapá, Josseli Pantoja, aponta que a competição está relacionada com diversos eventos e programas do ecossistema de inovação e tecnologia do Sebrae.

“A competição busca suceder o ‘Desafio Sebrae Like a Boss’, um evento tradicional da instituição, que conecta empresas inovadoras ao mercado nacional e internacional; além disso, o Prêmio Sebrae Startups, também incorpora o Programa 1K, que facilita a comunicação e a seleção das empresas para o Startup Summit 2024. A expectativa para o estado do Amapá é promover inovação e chegar vitoriosos até a etapa final do prêmio, mostrando toda a força e performance das startups amapaenses e o impacto positivo que possuem no cenário econômico local e também nacional”, disse a gestora Josseli Pantoja.

Elegibilidade

As Startups inscritas precisam possuir CNPJ ativo, um produto ou MVP funcional, as empresas devem, obrigatoriamente, estar enquadradas como pequeno negócio na classificação por porte empresarial, com receita bruta anual de até R$ 4,8 milhões. É necessário estar em operação, buscando aumentar o faturamento ou captar investimento. Cada empresa deve definir uma pessoa responsável pela participação e liderança no Startup Summit 2024.

Etapas

A primeira etapa, consiste na inscrição dos interessados. Entre os inscritos, serão selecionadas mil Startups viáveis, que recebem credenciamento para participar do Summit 2024.

A segunda etapa, é a Seleção do Top 100, no qual as startups recebem o direito a personalização do estande no Startup Summit, com o selo de Top 100, e seguem para a próxima fase.

Na próxima etapa, ocorre o anúncio das 30 melhores startups, sendo três (3) de cada uma das 10 categorias: Agro e Negócios do Campo; Neoindustrialização e Produtividade Industrial; Meio Ambiente, Energia e Tecnologias Verdes; Inovação Financeira; Transformação Digital e Conectividade; Cidades e Poder Público; Defesa e Segurança Cibernética; Educação e Desenvolvimento Humano; Saúde e Biomedicina; e Comércio e Serviços. Nesta etapa, as startups selecionadas recebem o prêmio de R$ 10 mil, além do direito de apresentar o Pitch durante o Summit 2024.

Para o Top 10 Startups de destaque, serão selecionadas uma (1) empresa por categoria, integrando o grupo de Campeãs Nacionais do Sebrae. Essas startups recebem o prêmio de R$ 40 mil.

A etapa final, ocorre no terceiro e último dia do Startup Summit, e a empresa vencedora recebe o valor de R$ 250 mil e a oportunidade para acessar serviços de conexão com o mercado nacional e internacional.

Diversidade

 

Para promover maior acesso e pluralidade no ecossistema de inovação da competição, o Sebrae destinou 40% das vagas a pessoas que se identificam com o gênero feminino, pessoas negras – pretas e pardas, pessoas indígenas e quilombolas, Pessoas com Deficiência (PcD) e para a comunidade LGBTQIA+.

Coordenação

A 1ª Edição do Prêmio Sebrae Startups no Amapá é coordenada pelo gerente da Unidade de Soluções Inovadoras e Competitivas do Sebrae no Amapá (Unic), Bruno Castro, e pela gestora do Projeto Atendimento Startup, Josseli Pantoja.

Sebrae no Amapá/Unidade de Marketing e Comunicação

PF combate garimpo ilegal no Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque


Nos dias 06 e 07 de abril, a Polícia Federal deflagrou a Operação Ancestrais, em região de garimpo ilegal próximo ao município de Calçoene/AP, no estado do Amapá.

A ação teve o objetivo de combater a extração ilegal de ouro e demais crimes ambientais cometidos no Estado, bem como localizar e inutilizar os maquinários usados pelos garimpeiros.

Além das áreas diretamente desmatadas, os danos ambientais causados pelos garimpeiros impactam a cadeia ambiental em até 300 km do curso dos rios da região, com danos que podem ser considerados irreversíveis.

A ação com a atuação de mais de 30 Policiais Federais, incluindo operadores especializados em explosivismo, bem como da Polícia Civil do Amapá, Grupo Tático Aéreo – GTA, ICMBio e IBAMA, os quais, em ação integrada, destruíram 2 PCs, 10 motores, 1 trator e apreenderam 1 moto, com um prejuízo para os criminosos estimado em 2 milhões de reais.

Os investigados poderão responder pelos crimes de usurpação de bem da união, poluição, desmatamento. Em caso de condenação, poderão pegar uma pena de até 13 anos de reclusão, além do pagamento de multa.

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

Centro de Referência em Doenças Tropicais oferta tratamento para mais de 20 patologias dermatológicas, em Macapá

Entre as principais estão a hanseníase, leishmaniose, dermatofitoses, acne e câncer de pele.

O Governo do Amapá oferta tratamento em diversas especialidades no Centro de Referência em Doenças Tropicais (CRDT), entre as principais, está a dermatológica, que cuida de mais de 20 patologias no ambulatório.

As principais patologias recebidas na unidade são: a hanseníase, leishmaniose, dermatofitoses, acne e diagnóstico de câncer de pele. De acordo com a dermatologista Natália Guerreiro, alguns sintomas e sinais devem ser observados com atenção.

“Qualquer anormalidade na integridade da pele, como feridas, bolhas, presença de dor, sangramento e coceira devem ser observadas de forma atenta e com a devida importância, porque podem ser um indicativo para procurar atendimento médico”, afirma a dermatologista.

Os serviços podem ser acessados através da marcação presencial de consultas, que acontecem nas terças, quintas e sextas-feiras, na própria unidade. Para marcar um atendimento é necessário que o paciente apresente cartão do SUS, CPF, encaminhamento médico, comprovante de residência e um número para contato.

O CRDT não é uma unidade de livre demanda, portanto, os usuários precisam, indispensavelmente, de um encaminhamento médico da atenção primária de saúde, para acessar os serviços ofertados pelo Centro, como explica o diretor Leonardo Pereira.

“O paciente precisa primeiro passar por uma Unidade Básica de Saúde, ter o encaminhamento e depois nos procurar. A população pode chegar aqui nos dias indicados para marcação, sem precisar se aglomerar ou antecipar. Nossos profissionais farão o direcionamento para o serviço especializado”, enfatiza.

Confira as patologias tratadas no CRDT:

  • Acne grave (graus 3 e 4), rosácea e dermatite seborréica grave;
  • Alopecias (perda de cabelo ou de pelo em qualquer parte do corpo);
  • Ceratodermias palmoplantares (doenças hereditárias raras);
  • Dermatite atópica – formas moderadas a graves;
  • Doenças cutâneas de origem genética;
  • Doenças exantemáticas da Infância;
  • Hanseníase – complicações e estados reacionais;
  • Hemangiomas (conjunto de pequenos vasos sanguíneos que se aglomeram em determinado ponto do corpo);
  • Herpes Simples; Herpes Zoster e complicações;
  • Hidradenite supurativa (aparecimento de caroços);
  • Infecções Sexualmente Transmissíveis;
  • Leishmaniose Cutânea;
  • Líquen Plano, Estriado, Nítido e Aureus (inflamação na pele ou mucosas);
  • Lúpus Eritematoso Cutâneo Crônico;
  • Esclerodermia Circunscrita (doença autoimune);
  • Dermatopolimiosite.
  • Manifestações cutâneas relacionadas às drogas medicamentosas;
  • Psoríase – Parapsoríse, Pitiríase Rósea, Pitiríase Liquenóide (escamas espessas no couro cabeludo);
  • Suspeitas de câncer de pele;
  • Tuberculose Cutânea;
  • Urticárias;
  • Vitiligo.

Serviço

O CRDT está localizado na Rua Professor Tostes, nº 2212, no bairro Santa Rita, em Macapá. O local funciona das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira.