SESI Amapá promove seminário para tratar da importância da conscientização sobre Saúde e Segurança no Trabalho


Para concluir as ações do mês dedicado à conscientização sobre Saúde e Segurança no Trabalho (SST), o SESI Amapá promoveu nesta quinta-feira, 28, o Seminário Técnico Abril Verde. A programação teve como intuito dar visibilidade ao movimento, que tem como principal objetivo contribuir para a diminuição dos acidentes e das doenças laborais, além de marcar o Dia Mundial da SST e Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho.

A campanha também chama a atenção para a importância do cuidado com a saúde total do indivíduo e da necessidade de promoção de iniciativas focadas no bem-estar físico e mental dos trabalhadores.

A proposta do evento foi mostrar que por meio do investimento em ações de prevenção e promoção da saúde, as empresas ganham em produtividade, e consequentemente têm rentabilidade financeira. O encontro contou com mais de 70 participantes, entre profissionais de SST de diversas empresas do estado e estudantes.

O engenheiro do trabalho do SESI Amapá, Marconi Cruz, ressaltou a importância do movimento Abril Verde, sobretudo porque é uma oportunidade de tratar temas relevantes sobre a SST. “O seminário foi muito positivo, porque conseguimos reunir os profissionais e estudantes para a troca de informações. Aproveito para destacar a relevância do assunto, tendo em vista o advento do eSocial e as novas normas que vieram para ajudar ainda mais as empresas na atenção com a saúde e segurança do trabalhador”, completou.

Em sua participação no evento, o técnico de segurança no trabalho da empresa Você Telecom, Humberto Coelho, mencionou a parceria com o SESI e a importância de promover ações focadas da qualidade de vida do trabalhador. “Na empresa, já atuamos com iniciativas que visam a saúde e segurança das nossas equipes e, agora, com o apoio do SESI, conseguimos avançar ainda mais e envolver um grande número de colaboradores”, salientou.

Palestras

Na programação, que iniciou com um momento de ginástica laboral, foram ministradas cinco palestras. Prevenção de LER/DORT, pela fisioterapeuta ergonomista do SESI Amapá, Karla Guedes; A atuação da auditoria fiscal do trabalho na fiscalização do cumprimento das normas de segurança e medicina do trabalho, pelo auditor fiscal do trabalho, Tiago França.

Também foram abordados os temas Vigilância em saúde do trabalhador: princípios, avanços e desafios, pela médica do trabalho do CEREST/AP, Maria Helena. O monitoramento da saúde ocupacional como ferramenta de prevenção de doenças relacionadas ao trabalho, pela enfermeira do trabalho do SESI Amapá, Klingerly Leão; e PGR x insalubridade e periculosidade x LTCAT e eSocial, pelo engenheiro do trabalho do SESI Amapá, Marconi Cruz.

Assessoria de Comunicação/SESI

SESI inicia projeto de construção de escola de referência no Amapá


Uma escola moderna, com espaços de aprendizagem focados em favorecer a interação entre os alunos. Essa é a Escola SESI de Referência. Um novo modelo de estrutura física que chega ao Amapá com a missão de atuar cada vez mais forte no desenvolvimento do protagonismo do estudante, alinhado à proposta pedagógica da Rede SESI de Educação.

O projeto está na fase de licitação da empresa que será responsável pelos serviços de engenharia referentes à construção/ampliação da atual área da Escola SESI Amapá. A previsão é que a obra seja finalizada no primeiro semestre de 2023, a contar da assinatura do contrato. Com as adequações, tanto a capacidade instalada da escola quanto a taxa de ocupação serão ampliadas.

De acordo com a superintendente do SESI Amapá, Alyne Vieira, “a Escola de Referência traz, por meio da modernização dos ambientes de aprendizagem, uma nova forma de educar, com inovação, tecnologia e atenta às demandas do mercado de trabalho”.

Conceito Escola de Referência

Na Escola SESI de Referência, o modelo tradicional de organização das salas de aula será substituído por uma estrutura que permite o trânsito livre dos alunos e facilita o acesso a recursos e ferramentas de ensino e aprendizado, tanto por professores quanto estudantes, proporcionando novas experiências e contribuindo para o desenvolvimento pleno dos indivíduos.

Para isso foi criado um conceito arquitetônico e identidade visual para as salas de aula, organizadas por área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas tecnologias, Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e Matemática e suas tecnologias, Linguagem e suas tecnologias, além de sala de criação maker e de robótica.

Edital de licitação

Com sessão marcada para acontecer dia 26 de abril, o processo licitatório para contratação da empresa que vai conduzir a obra está aberto. Para quem deseja participar da concorrência, o edital pode ser consultado no site: http://licitacao.sesisenaiap.org.br/

Pioneiro na oferta do Novo Ensino Médio, SESI Amapá lança turma com itinerário formativo em Jogos Digitais

Concluir a educação básica e ao mesmo tempo obter uma habilitação técnica. Esse é o principal diferencial do aluno do Novo Ensino Médio e é a realidade vivida pelos alunos da Escola SESI Amapá. Pioneiro na oferta por ter formado, em 2021, os primeiros técnicos em Redes de Computadores dentro do modelo, este ano a instituição acrescentou a formação técnica em Jogos Digitais. O conteúdo de educação profissional é ministrado pelo SENAI Amapá.

Implantado na escola desde 2019, o SESI está totalmente adaptado ao novo modelo de ensino, que se tornou obrigatório para todas as escolas da rede pública e privada, conforme alteração na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB).

De acordo com a superintendente do SESI e diretora de operações do SENAI Amapá, Alyne Vieira, sair do Ensino Médio com uma profissão é o principal benefício dado ao estudante. “O Novo Ensino Médio proporciona aos adolescentes e jovens a chance de desenvolver suas competências e habilidades com foco no mundo do trabalho. Além disso, a maneira de ensinar e aprender tornou-se ainda mais integrada, e isso é essencial para o aprendizado, afinal, o aluno consegue perceber a aplicação do que estuda na vida real”, destaca a gestora.

O ensino técnico

Para garantir que, ao concluir, o estudante receba a certificação do Ensino Médio com a formação profissional, além dos conteúdos específicos da educação básica, ele deve se dedicar à parte técnica ao longo dos três anos. Para isso, há uma divisão na carga horária, focada em conhecimentos que o ajude a entrar no mercado de trabalho sem precisar de um diploma de formação superior.

No 1º ano, o aluno tem contato com o mundo do trabalho, com o objetivo de estimular o autoconhecimento. No 2º ano, cursa o módulo integrador, para que comece a ter contato com áreas do curso escolhido e trabalhe os fundamentos iniciais. Para concluir a certificação, no 3º ano, o foco é na habilitação técnica, com módulo voltado para a parte prática da ocupação profissional.

Gerência de Comunicação Corporativa SESI/SENAI – AP

SESI Amapá elabora plano de ação para apoiar empresas no atendimento às novas regras da Norma Regulamentadora 01


No início de 2022 entrou em vigor a nova redação da Norma Regulamentadora 01 (NR-01). A principal novidade que o documento traz é que agora as empresas são obrigadas a constituir o chamado Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR). Para apoiar os empreendimentos nesse processo de adequação, o SESI Amapá conta com uma equipe de profissionais preparada para traçar o plano de ação compatível com cada necessidade.

Além de ser um requisito normativo legal e obrigatório, o PGR se propõe em contribuir com a prevenção e a segurança das atividades. O propósito é minimizar ou até mesmo eliminar os riscos, a fim de promover a qualidade de vida no trabalho, bem como aumento da produtividade e redução de custos e prejuízos.

Com a chegada do PGR, o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) deixou de existir. Isso significa que além dos riscos ambientais físicos, químicos, biológicos, que já eram avaliados anteriormente, agora os associados à parte de higiene ocupacional, que engloba o risco ergonômico e de acidente, passaram a ser contemplados.

O engenheiro de Segurança do Trabalho do SESI Amapá, Marconi Andrade, alerta que, a não elaboração do Programa, além de caracterizar a omissão da empresa em gerenciar e controlar os riscos no ambiente de trabalho pode implicar em acidentes e adoecimento de trabalhadores. “Não atender às exigências da NR pode acarretar prejuízos com passivos trabalhistas e multas que variam de R$ 1.077,30 até R$ 8.428,59 por trabalhador prejudicado”, completa.

Apoio às empresas

Para atender a essas novas demandas, o SESI Amapá desenvolveu um plano de ação para apoiar as empresas no atendimento à normativa. Para saber mais, basta entrar em contato pelo WhatsApp (96) 98414-0537.

Gerência de Comunicação Corporativa SESI/SENAI – AP