Banzeiro do Brilho-de-fogo comemora 10 anos e faz cortejo de abertura do réveillon em Fazendinha

Banzeiro do Brilho-de-fogo comemora 10 anos e faz cortejo de abertura do réveillon em Fazendinha


O Banzeiro do Brilho-de-fogo comemora dez anos com o tradicional cortejo, que vai abrir a programação do Réveillon 2024, promovido pelo Governo do Estado do Amapá (GEA). No dia 30 de dezembro, o cortejo dá início à festa no Balneário de Fazendinha, no entardecer, aquecendo para os shows com artistas nacionais e locais. Os ensaios para este cotejo já iniciaram, e estão disponíveis vagas para novos integrantes da ala dos batuqueiros, Cordão das Açucenas e Jardim do Banzeiro. 

O projeto é gratuito e aberto para todos

Os ensaios para batuqueiros estão acontecendo no pátio da Casa do Artesão, a partir de 19h, nos dias 08, 09, 15 e 16. No dia 23 de dezembro os batuqueiros do Banzeiro participam da programação da casa do Artesão, com premiação e shows. Nos dias 26, 27 e 28, são realizados os ensaios com todos os músicos e integrantes de alas.

Para se inscrever é necessário ir até o local de ensaio e procurar um membro da coordenação do projeto. A taxa de inscrição e as camisas para participar do cortejo são gratuitas.

O projeto Banzeiro do Brilho-de-fogo faz parte da vida dos amapaenses desde 2013, levando música, alegria, cores e cultura para as ruas. Ele é a realização de um planejamento de artistas e produtores de cultura, que buscavam popularizar os sons, instrumentos, músicas e roupas que identificam a cultura do marabaixo e batuque. Jovens, adultos e crianças participaram das primeiras oficinas de iniciação musical, confecção de instrumentos e de adereços, ministradas por mestres da cultura popular e músicos, que foi a preparação para a estreia do Banzeiro.

Os cortejos são a apresentação do resultado do projeto, um desfile com caixas de marabaixo personalizadas, indumentárias coloridas, estandartes, que se dividem nas alas dos Batuqueiros, Cordão das Açucenas e Jardim do Banzeiro. O repertório é uma seleção de músicas cantadas nas rodas de marabaixo e bandaias de batuque, músicas de autoria de compositores amapaenses, e autorais do projeto Banzeiro. Misturados neste desfile festivo, também participam dançadeiras de marabaixo e artistas circenses.

Banzeiro em todos os municípios

O projeto tem o apoio do Governo do Estado (GEA), uma continuação da parceria iniciada na gestão do governador Clécio Luis enquanto prefeito de Macapá. Clécio foi um dos militantes da cultura que esteve à frente do sonho de criação do projeto, e como gestor municipal, apostou na ideia como movimento importante para que moradores de Macapá participassem e conhecessem sobre a cultura tradicional do Amapá. Como governador, a parceria continua e o projeto será levado para todos os municípios do estado.

Em 2023 o projeto voltou após os quatro anos de interrupção devido a pandemia, como atração das comemorações do Amapá 80 Anos. O primeiro cortejo deste ano aconteceu em setembro, e este segundo, marca o retorno do desfile de dezembro, quando o projeto é festejado. No final da tarde do dia 30 o cortejo do Banzeiro do brilho-de-fogo estará na rua principal do balneário de Fazendinha.

Marileia Maciel
Fotos: Dylan, Alain e Uaná Mkt Digital

Com apoio do Governo do Estado, Circula Funarte debate políticas culturais com produtores culturais do Amapá

A primeira etapa do programa traz fomentos por meio de editais para os setores das artes visuais, teatro, dança, circo e música.


Com o apoio do Governo do Amapá, o programa “Circula Funarte – Políticas para as artes em diálogo” levou para trabalhadores culturais do estado um bate-papo ampliado sobre conomia criativa e como acessar fomentos disponíveis nos editais da Fundação Nacional das Artes (Funarte), ligada ao Ministério da Cultura. O encontro aconteceu no sábado, 2.

Lançada no dia 10 de julho, a primeira etapa do programa Circula Funarte traz fomentos por meio de editais para os setores das artes visuais, teatro, dança, circo e música. Os editais contam com investimento de R$ 52 milhões.

O projeto já percorreu diversos estados brasileiros e encerra sua primeira etapa no Amapá. O programa é aberto a todos os públicos, integrando as ações da fundação para retomada artística e cultural brasileira.

CONFIRA OS EDITAIS AQUI

Para a secretária de Estado de Cultura do Amapá, Clicia Vieira Di Miceli, a presença da Funarte do Amapá é mais um momento de oportunizar que o país veja a região norte e toda sua potência cultural.

“Este é um momento realmente importante para a cultura amapaense; o Brasil precisa parar de olhar para a Amazônia com uma visão aérea, mas sim olhar para quem mora nesse território e a forma como esses agentes se organizam culturalmente. O Governo do Amapá tem trabalhado para abrir o diálogo junto com o Governo Federal nesse novo momento de reestruturação do Ministério da Cultura; agora estamos aqui, conversando, dialogando e o principal, chamando a sociedade civil para participar e ser ouvida”, destaca a secretária.

Retomada Cultural

Com a presença da presidente da Funarte, Maria Marighella, e a equipe técnica da instituição, foi debatida a importância de descentralização de recursos e o alcance aos trabalhadores culturais de segmentos diversos através de uma política coletiva e participativa. Foram apresentados os programas abertos ao público, como Funarte Retomada, que conta com cinco editais setoriais e que estão com inscrições prorrogadas até segunda-feira, 4.

“Nós lançamos algumas linhas, primeiro uma linha setorial, que é o programa Funarte Retomada, com recursos divididos regionalmente, uma distribuição que, pela primeira vez, segue uma diretriz de política pública, ou seja, essa transferência à cidade, com o mesmo cálculo que nós usamos para a Lei Paulo Gustavo, então é o momento de dialogar, estabelecer esse canal aberto com o fazedor de cultura e alcançar todo o Brasil”, pontuou Maria.

Do extremo norte do estado, a artista digital Keyla Palikur, do povo Palikur-Arukwayene, enfrentou oito horas de viagem do Oiapoque até a capital amapaense para ter a oportunidade de falar e ser ouvida. Ela pretende submeter um projeto a um dos editais da Funarte.

“Vim de longe porque sempre tive o sonho de alcançar um edital e quero participar, é o momento onde vemos que qualquer espaço cultural pode pertencer e estar, então quero levar a minha arte e cultura para um edital nacional”, conta animada.

Esteve presente no encontro também a diretora de Difusão e Fomento da Funarte, Aline Vila Real, a diretora-presidente da Fundação Marabaixo, Josilana Santos, o presidente do Conselho Estadual de Política Cultural, Cirley Picanço e os representantes do Escritório do Ministério da Cultura no Amapá, Rayane Penha e Otto Ramos.

“É um momento de estarmos presentes, debater e participar desse processo, por isso que ter o Ministério da Cultura aqui, pessoalmente, nos ouvindo, é ter a certeza de que estamos fazendo a nossa parte para garantir a memória dos que nos antecederam, dos que estão e daqueles que virão”, reforça a produtora cultural e cantora de Mazagão Velho, Verônica dos Tambores.

Circula Funarte e Funarte Retomada

A Fundação conta com inscrições abertas para outros editais como o Bolsa Funarte, Funarte de Mobilidade Artística 2023, Prêmio Funarte Mestras e Mestres das Artes 2023 e Programa Funarte de Apoio a Ações Continuadas e programa Funarte Retomada.

52ª Expofeira do Amapá terá o tecnomelody da cantora Manu Bahtidão

Governo do Estado confirmou a 4ª atração nacional para o evento que será no Parque de Exposições da Fazendinha, em Macapá.


Governo do Estado confirmou a 4ª atração nacional para o evento que será no Parque de Exposições da Fazendinha, em Macapá.

Uma das maiores vozes do tecnomelody na atualidade, a cantora Manu Bahtidão é a quarta atração nacional confirmada na 52ª edição da Expofeira do Amapá, marcada para os dias 29 de setembro a 8 de outubro, no Parque de Exposições da Fazendinha, em Macapá.

A variedade musical é uma das marcas da programação, que já conta com os shows do cantor sertanejo Gusttavo Lima, a banda de rock NX Zero e Dennis DJ. O evento terá ainda toda a cultura regional com artistas de vários segmentos do Amapá.

Enfileirando um sucesso atrás do outro como “Garrafa de Gin” e “Quem Perde É Quem Trai”, a cantora alagoana, que se destacou no Pará, já teve parcerias notáveis durante a carreira de artistas nacionais como Tierry, Lucas Lucco, Mari Fernandes e Simone e Simaria. E de artistas amapaenses, como a cantora Leticia Auolly.

Na gravação do seu novo DVD, a cantora dividirá os microfones com artistas como Melody, Maira e Maraisa, Xand Avião e Maiara e Maraisa, tornando o gênero tecnomelody popular em todo o Brasil.

Trajetória musical
Emanuella Tenório Rocha, mais conhecida como Manu Bahtidão, é natural da cidade de Major Izidoro, no Alagoas. Aos 14 anos de idade, iniciou sua carreira como cantora profissional, realizando um sonho que almejava desde os 9 anos.

Em 2005, ela conquistou espaço no mercado após ter se tornado vocalista de uma banda do ritmo Calypso em Recife, Pernambuco. Em 2009, assumiu a Banda Batidão, que ficou conhecida por mesclar ritmos paraenses como o ‘melody’.

A banda se tornou um verdadeiro sucesso no país, e se tornou uma das maiores bandas de tecnomelody, com 3 CDs e 2 DVDs gravados – em 2021, o hit ‘Apaixonada’, ganhou uma regravação na voz de Pabllo Vittar, que faz parte do seu quarto disco, Batidão Tropical.

Apesar do sucesso, em 2015, a cantora decidiu investir em sua carreira solo, e permanece até hoje com milhares de fãs e seguidores, principalmente nas redes sociais.

 

A Expofeira voltou!
A 52ª edição da Expofeira do Amapá vai acontecer entre os dias 29 de setembro e 8 de outubro, em Macapá. As datas, investimentos e o show do Gusttavo Lima foram anunciados pelo governador, Clécio Luís, no dia 18 de agosto, durante a abertura da Central da Expofeira.

Realizada pela última vez em 2015, a maior feira de negócios do estado volta a ser realizada como uma grande vitrine de produção e inovação do setor primário do estado, oportunidade de fazer negócios e reunir serviços voltados para o empreendedorismo, esporte e lazer.

A Comissão de Organização e Execução da Expofeira foi criada em abril, no balanço dos primeiros 100 dias de gestão, e, desde então, o grupo de trabalho coordena ações para a realização da feira. A área do Parque recebe intervenções como serviços de limpeza, capina, revitalização e construção de novas estruturas.

Ciclo do Marabaixo 2023 encerra com derrubada dos mastros e escolha dos festeiros

O fim da celebração tem como ponto alto o dia 11 de junho, o chamado ‘Domingo do Senhor’.

A partir desta quinta-feira, 8, iniciam os festejos de encerramento do Ciclo do Marabaixo 2023. O ponto alto da celebração acontece no dia 11 de junho, o chamado “Domingo de Senhor”, logo após o feriado de Corpus Christi. Nesse dia, haverá a tradicional derrubada dos mastros e a escolha dos festeiros 2024 nos barracões dos grupos Zeca e Bibi Costa (Azebic), Berço do Marabaixo (Tia Gertrudes), Marabaixo do Pavão e Raimundo Ladislau, em Macapá.

Uma oficina de toque de caixas marca o início da programação, no barracão Gertrudes Saturnino, no bairro Santa Rita. Uma das coordenadoras do evento, Valdinete Costa, explica que a atividade serve para fortalecer a manifestação cultural.

“Nosso grupo, ao longo da programação, promoveu diversas atividades lúdicas para as crianças e, agora, iremos promover essa oficina, como uma forma de lapidar e incentivar os novos tocadores”, assinala Valdinete.

Em 2023, o tema do Ciclo do Marabaixo é “Fé, Tradição e Resistência”. A programação iniciou nos barracões no dia 28 de abril, com apoio do Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e da Fundação Estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Fundação Marabaixo).

“Este ano, o grande diferencial foi a Central do Ciclo, onde os grupos mostraram o que há de melhor em cada barracão, cada peculiaridade que fazem do marabaixo uma manifestação única. Também houve o apoio para as programações nos barracões. Assim, o Estado cumpre seu papel institucional de apoiar as manifestações culturais”, avalia a diretora-presidente da Fundação Marabaixo, Josilana Santos.

Confira a programação de encerramento do Ciclo do Marabaixo 2023:


Quinta-feira, 8

  • 14h – Oficina de toque de caixa –  Berço do Marabaixo.

Sábado, 10:

  • 18h – Derrubada do mastro e apresentações de marabaixo – Campina Grande.

Domingo, 11

  • 16h – Derrubada do mastro – Grupo Azebic;
  • 17h – Marabaixo do Domingo do Senhor, derrubada do mastro e encerramento do Ciclo do Marabaixo 2023 – Marabaixo do Pavão;
  • 17h – Marabaixo do Domingo do Senhor, derrubada do mastro e escolha dos festeiros 2024 – Grupo Raimundo Ladislau.

As atividades que aconteceriam no sábado, a partir das 18h, na zona rural de Macapá, foram canceladas no barracão Santíssima Trindade de Casa Grande, no Curiaú, devido ao falecimento de uma das matriarcas daquela região quilombola.