Carlinhos Brown se torna embaixador do Marabaixo do Amapá

O evento faz parte da programação do Ciclo do Marabaixo, que conta com apoio do Governo do Estado.

O multiartista e ativista social baiano, Carlinhos Brown, que está no Amapá em intercâmbio cultural, aceitou o convite do governador Clécio Luís, para ser o embaixador do Marabaixo do Amapá, no Brasil e no Mundo. A proposta aceita pelo músico, aconteceu durante as celebrações do Cortejo da Murta e Levante dos Mastros, nesta quarta-feira, 8. O evento faz parte da programação do Ciclo do Marabaixo, que conta com apoio do Governo do Estado.

“Em nome das marabaixeras e dos marabaixeiros e como governador do Amapá, convidamos Carlinhos Brown para ser embaixador do Marabaixo do Amapá, a fim de divulgar nossa história e cultura ancestral. O Brasil e o mundo vão nos conhecer ainda mais. Nosso Marabaixo é isso, indumentária, adorno, canto, poesia, fé, bailado, toque das caixas, é tradição popular e afro amapaense”, exaltou Clécio Luís.Carlinhos Brown retornou ao Amapá, após passagem em fevereiro durante a festa de aniversário de Macapá, para uma imersão na cultura afro-amapaense. O músico e pesquisador foi nomeado pelo governador por sua relevância internacional como representante da cultura negra brasileira, com uma história de ativismo de mais de 40 anos.

“Está aceito o convite e vou trabalhar incessantemente para honrar a confiança que foi depositada em mim. Vou me esforçar para gerar resultados, sobretudo para as crianças. Muito obrigado, estou honrado. De Chiquinha a Biló, o Marabaixo não anda só, anda bem acompanhado por essa ancestralidade, cuidada e sentida por cada marabaixeiro”, declarou Carlinhos Brown.Defensor e difundo da cultura afro-brasileira

Carlinhos Brown é multi-instrumentista e artista visual brasileiro reconhecido internacionalmente por sua contribuição na cultura e música popular brasileira. Foi o primeiro brasileiro a receber os títulos de Embaixador Ibero-Americano para a Cultura e Embaixador da Justiça Restaurativa da Bahia e a fazer parte da Academia do Oscar.

Ao longo da carreira, desenvolveu significativas conexões com suas raízes ancestrais, participando na criação de arranjos que originaram o axé music e o samba-reggae. Formou mais de 15 mil músicos espalhados pelo mundo, e recebeu diversos prêmios como dois Grammy ‘s Latinos e o troféu em reconhecimento à sua atuação como arte-educador pela Sociedade Internacional de Educação Musical (Isme).

Carlinhos Brown é reconhecido por projetos sociais como “Tá Rebocado”, que recebeu o Certificado de Melhores Práticas do Programa de Assentamentos Humanos das Nações Unidas/UN-Habitat. Outros projetos contam com parcerias como do Ministérios da Educação e do Trabalho e da Unesco.

Pelo engajamento com as questões sociais e culturais afro-brasileiras, Carlinhos Brown já recebeu diversos prêmios, como o europeu, “12 meses, 12 causas”, promovido pelo Telecinco, importante canal de TV espanhol. Ciclo do Marabaixo 2024

Com o tema “O rufar dos tambores para além da tradição”, o Ciclo do Marabaixo é um encontro de gerações e reúne a comunidade para momentos de fé e resistência. A tradição é fomentada pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e Fundação Estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Fundação Marabaixo).

O Marabaixo é patrimônio cultural brasileiro desde 2018, certificação dada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A atribuição reconhece a presença das ancestralidades africanas na formação social e cultural do Amapá e da Amazônia. Além disso, assegura condições de transmissão e reprodução dessa manifestação

Governo do Amapá celebra cultura e tradição com abertura da 2ª Central do Marabaixo, em Macapá

A celebração continua nesta segunda-feira, 25, com outras intervenções artísticas e atrações para o público

A tradição, a cultura e a ancestralidade afro-amapaenses foram celebradas pelo Governo do Estado na abertura da Central do Marabaixo, no domingo, 24. Com direito a muita música e dança, o evento encantou o público no Centro de Cultura Negra Raimunda Ramos, em Macapá, e marcou em grande estilo o início da festa, que segue até esta segunda-feira, 25.

Com a segunda edição da Central do Marabaixo, o objetivo é aproximar a população dos ritos e costumes desta manifestação cultural tão importante para a identidade amapaense. A iniciativa está alinhada ao Plano de Governo, que tem como compromisso fortalecer a cultura popular e consolidar uma política pública voltada ao marabaixo.

No espaço, os amapaenses e turistas podem conhecer a história e os elementos da cultura negra do estado, como a gengibirra, o cozidão, bandeiras, mastros, a murta e outros símbolos da expressão cultural criada e mantida pelas comunidades. A celebração continua nesta segunda-feira, 25, com outras intervenções artísticas e atrações para o público. A Central é coordenada pela Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e pela Fundação Marabaixo, em parceria com a União dos Negros do Amapá (UNA) e apoio do senador Randolfe Rodrigues. o evento conta a história dos seis barracões que mantêm a tradição secular do Ciclo do Marabaixo.

“Nem todo amapaense sabe contar a história do marabaixo, então tomamos essa decisão política de criar a Central, para aproximar as informações que pertencem ao povo amapaense, para que cada um se aproprie disso e comece a contar com naturalidade essa tradição tão linda”, ressaltou a secretária de Cultura, Clicia Vieira di Miceli.

Oportunidades

Para a gestora da Fundação, Josilana Santos, a Central do Marabaixo também é importante pois abre oportunidades para os empreendedores afro-amapaenses comercializarem seus produtos e artesanatos.

“Nós temos um compromisso diário com o nosso povo de celebrar a cultura e identidade amapaense. Este é um momento de festa, mas também de aprender. As pessoas que estão vindo aqui hoje, que nunca foram nos barracões, precisam ter a curiosidade para ir até eles. Somos 82% desse estado, e nossas caixas vão soar todos os dias em homenagem à nossa história”, celebra Josiane.A marabaixeira Antônia do Carmo Costa, de 80 anos, foi uma das homenageadas durante o evento, como um símbolo vivo da importância de celebrar a cultura e história dos povos pretos do Amapá. Agora, Antônia conta como preservar essa tradição é dever de toda a sociedade.

“Sou da localidade de Campina Grande, e fiz questão de vir pra Macapá participar desse evento maravilhoso. A gente tem que apresentar o Marabaixo pras novas gerações, mostrar as nossas raízes, chamar as crianças. Vim com meus filhos, netos e tataranetos e fiz questão de envolver todos no Marabaixo”, conta Antônia.

O marabaixo é reconhecido como um patrimônio imaterial do Brasil, e representa uma manifestação cultural e religiosa que resistiu ao preconceito e à invisibilização. Com a Central, a população tem a oportunidade de conhecer melhor a prática, às vésperas do início do Ciclo do Marabaixo, que começa no dia 30 de março.

Confira a programação da Central do Marabaixo nesta segunda-feira, 25

  • 16h – Visitação dos alunos das escolas da rede pública estadual aos estandes dos barracões;
  • 17h – Intervenções artísticas (poesia e teatro);
  • 18h – Ladainha cantada em latim;
  • 19h – Apresentação dos grupos de Marabaixo com todos os barracões e grupos convidados;
  • 21h – Show com a Banda Tambores Tucujus;
  • 22h30 – Apresentação de DJ

Tem roda de marabaixo nesta Quarta-feira da Murta do Divino Espírito Santo no Barracão do Mestre Pavão

Os louvores para o Divino Espírito Santo chega em seu momento de maior significado, quando os mastros são enfeitados e levantados com a bandeira, no Barracão do Mestre Pavão. É a Quarta-feira da Murta do Divino Espírito Santo, 17 de maio, que inicia com o ritual da “quebra da murta” e encerra na aurora da Quinta-feira da Hora. Continuando os louvores para o Divino, no dia 18 inicia a novena, e no dia seguinte, acontece o 1º Baile dos Sócios.

Os festejos para o Divino e a Santíssima Trindade fazem parte do calendário do Ciclo do Marabaixo, que neste ano é realizado em seis barracões, nas casas de famílias tradicionais de descendentes de pioneiros na cultura do Amapá. Somente no bairro Laguinho festeja-se o Divino Espírito Santo, onde as cores vermelha e branca predominam, e no entardecer desta Quarta-feira da Murta os marabeixeiros e devotos fazem o Cortejo da Murta nas ruas, segundo os costumes, para afastar o mau-olhado, e no retorno para o barracão do Mestre Pavão dá-se início à Roda de Marabaixo.

Ainda antes do amanhecer da quinta-feira da Hora, 18, os marabaixeiros ornamentam com os ramos de murta os dois mastros, que foram retirados no último sábado, no Curiaú, e às 6h começam a levantá-los em meio a “ladrões” de marabaixo e toque de caixas. Logo após os mastros serem erguidos, os devotos seguem para o oratório da família, onde são rezadas as orações de agradecimento e pedidos de graças.

Neste mesmo dia, às 18h, inicia a novena para o Divino Espírito Santo, que são rezadas no mesmo horário, durante 9 dias. No dia 19, sexta-feira, o barracão abre para o 1° Baile dos Sócios do Divino, às 22h, e a festa segue até 2h da manhã.

Endereço: Rua José Tupinambá entre Jovino Dinoá e Leopoldo Machado.

PROGRAMAÇÃO DO CICLO DO MARABAIXO 2023 – BARRACÃO DO MESTRE PAVÃO

17 de maio – Quarta-feira da Murta do Divino Espírito Santo
16h – Cortejo da Murta do Divino Espírito Santo
18h – Roda de Marabaixo até amanhecer da Quinta-feira da Hora, quando os mastros do Divino são levantados.

18 de maio
18h – Início das novenas do Divino Espírito Santo

19 de maio
22h – 1º Baile dos Sócios do Divino Espírito Santo

26 de maio –
22h – 2º Baile dos Sócios do Divino Espírito Santo

28 de maio – Domingo do Divino Espírito Santo
7:30 – Missa na igreja Jesus de Nazaré
9h – café da manhã no barracão do Mestre Pavão
13h – Almoço
16h – Marabaixo da Murta da Santíssima Trindade, até o amanhecer do dia seguinte, quando os mastros da Santíssima Trindade são levantados.

29 de maio
18h – Início da novena da Santíssima Trindade

02 de junho
22h – Baile dos Sócios da Santíssima Trindade

04 de junho – Domingo da Santíssima Trindade
07:30 – Missa da Santíssima Trindade na igreja Jesus de Nazaré
09h – Café da manhã no barracão do Mestre Pavão

07 de junho
22h – Baile de Corpus Christi

11 de junho – Domingo do Senhor
17h – Marabaixo do Senhor, derrubada dos mastros e encerramento do Ciclo do Marabaixo 2023.

Mariléia Maciel