Mais Visão já ultrapassou 16 mil atendimentos em Oiapoque e comunidades indígenas da região

Os pacientes com outras doenças que afetam a retina e casos de glaucoma são encaminhados para o Centro de Promoção Humana Frei Daniel de Samarate (Capuchinhos), em Macapá.

Em pouco mais de um mês, o Programa Mais Visão, do Governo do Amapá, já ultrapassou 16 mil atendimentos na sede do município de Oiapoque e nas comunidades indígenas da região. Desde o início de novembro, a estratégia efetivou 15.993 atendimentos na cidade e 781 nas aldeias Kumenê e Manga, adjacentes ao município.

Em Oiapoque, as triagens e cirurgias acontecem na Escola Estadual Joaquim Caetano, que fica na avenida Coaracy Nunes, 40, Centro. A estimativa era realizar aproximadamente 3 mil intervenções cirúrgicas, mas, desde novembro, 3.848 procedimentos de catarata e pterígio já foram feitos.

Os atendimentos em Oiapoque acontecem até a próxima sexta-feira, 17. Em fevereiro, a equipe do Mais Visão retornará para seguir o acompanhamento pós-operatórios dos pacientes que fizeram cirurgias no final de novembro e início de dezembro.

Na tenda, que foi montada nas dependências da escola, são executados procedimentos de catarata, pterígio e estrabismo. Os pacientes com outras doenças, como as que afetam a retina e casos de glaucoma, são encaminhados para o Centro de Promoção Humana Frei Daniel de Samarate (Capuchinhos), em Macapá.

Povos indígenas

As equipes do Mais Visão se deslocaram até as aldeias de Manga e Kumenê, onde ofertaram 388 consultas oftalmológicas para os povos indígenas. O restante dos atendimentos nas aldeias se refere à testagem para covid-19.

As cirurgias nestas comunidades têm expectativa de início para meados de janeiro de 2022 e acontecerão em cada um dos polos indígenas, com auxílio técnico do Núcleo de Saúde do Indígena (Nesi) da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) e do Distrito Sanitário Especial Indígena (Disei).

O coordenador geral do programa Mais Visão, Jacimone Siqueira, afirma que as ações em municípios distantes da capital e nas comunidades indígenas asseguram assistência a quem precisa, mas enfrenta dificuldades de acesso devido à distância.

Desta forma o Governo do Estado aproxima o serviço da população, beneficiando mais pessoas. Assim, conseguimos promover mais saúde e bem-estar ao povo amapaense“, concluiu.

Mais Visão

O programa é uma parceria do Governo do Amapá com o Centro de Promoção Humana Frei Daniel de Samarate (Capuchinhos), e conta com recursos destinados pelo senador Davi Alcolumbre e Tesouro Estadual.

Em 1 ano e 3 meses, o Mais Visão já realizou 270.905 mil atendimentos, entre consultas, cirurgias e acompanhamento pós-cirúrgico. Entre os procedimentos, foram 36.398 cirurgias de catarata, 18.979 de pterígio, 19 de catarata congênita e 108 vitrectomias.

O programa descentralizou os atendimentos e, além de Macapá, já levou ações de saúde ao município de Santana, Mazagão, Laranjal do Jari, Vitória do Jari, Amapá, Calçoene, Oiapoque e comunidades indígenas Kumenê e Aldeia do Manga. Para realizar os atendimentos em segurança, foram aplicados mais de 100 mil testes de Covid-19.

Teleatendimento

Todos os contatos disponibilizados são para atendimento via WhatsApp:

A orientação do serviço de oftalmologia é que toda a documentação necessária seja enviada e o usuário aguarde a vez, pois as mensagens são respondidas por ordem de recebimento. Se várias mensagens forem enviadas em dias alternados, o usuário do serviço vai parar no final da fila.

Os documentos necessários para atendimento são cartão do SUS e documento de identificação oficial com foto. Os pacientes com idade inferior a 55 anos necessitam de laudo médico.

Caso o paciente não possua acesso a Whatsapp, é possível marcar os procedimentos presencialmente no setor de oftalmologia do Hospital de Clínicas Alberto Lima (Hcal), localizado na Avenida Fab, 69, centro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.