Repiquete no Meio do Mundo

Um blog feito na esquina do Rio Amazonas com a Linha do Equador, no Amapá.

Inscrições para o concurso público do TJAP iniciam na segunda-feira (15)

Alcilene Cavalcante em 13 de setembro de 2014

As inscrições para o concurso do Tribunal de Justiça iniciam no dia 15 de setembro e encerram no dia 15 de outubro. A taxa é de R$ 112,97 para nível superior e R$ 92,97, para nível médio. As inscrições serão feitas exclusivamente pela internet, no site www.concursos.fcc.com.br

Estão previstas 100 vagas para os cargos de técnico e analista judiciário. As vagas são destinadas às treze Comarcas da Justiça do Amapá, além dos quatro Postos Avançados.

Debate

Alcilene Cavalcante em 13 de setembro de 2014

Universidade Estadual do Amapá realizou debate entre os candidatos a governador, na noite de quinta-feira.

Os candidatos Waldez Góes e Bruno Mineiro, não compareceram.

PRE/AP processa cinco por convocação ilegal de bombeiros para convenção do PSB

Alcilene Cavalcante em 13 de setembro de 2014

A Procuradoria Regional Eleitoral no Amapá (PRE/AP) representou, na quarta-feira, 10 de setembro, contra o ex-comandante geral do Corpo de Bombeiros Militar, Marcelo Corrêa, e o coronel Enéas Rosa. Eles usaram a máquina administrativa ilegalmente a fim de beneficiar a candidatura à reeleição do governador Camilo Capiberibe (PSB). Pela conduta vedada, também respondem ao processo o Governador do Estado, o candidato a vice, Rinaldo Martins, e o Partido Socialista Brasileiro.

Em 20 de junho, o coronel Enéas Rosa, diretor do Centro de Saúde do Corpo de Bombeiros Militar, expediu aviso determinando que os militares a ele subordinados comparecessem, no dia seguinte, à convenção do PSB. Segundo a representação, no meio militar, o “aviso” possui caráter convocatório e significa que todos devem obedecer à ordem, sob pena de punição. Em depoimento, o cel. Enéas Rosa afirmou que o documento foi afixado a pedido do então comandante geral, Marcelo Corrêa.

O PSB e os candidatos Camilo Capiberibe e Rinaldo Martins foram beneficiados com o ato ilegal ocorrido no Corpo de Bombeiros. Para a PRE/AP o ato afetou “a necessária isonomia que se deve preservar entre os candidatos nas eleições”. A penalidade pela prática da conduta vedada é a cassação do registro ou diploma dos candidatos e multa que pode ultrapassar R$100 mil.

Número para acompanhamento processual: 176273.2014.603.0000

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Eleitoral no Amapá

Amapá é primeiro lugar nas vendas do comércio varejista em julho de 2014, segundo a PMC

Alcilene Cavalcante em 13 de setembro de 2014

O Amapá foi o estado brasileiro que obteve a maior alta nas vendas do comércio varejista, em julho deste ano, em relação ao mês de junho, com taxa de 2,2% no volume de vendas e 3,1% para receita nominal (sem correções financeiras). Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira, 11, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com julho de 2013, o Amapá ficou em terceiro lugar, com crescimento de 7,5%, atrás do Acre (13,2%) e de Roraima (10,1%). O secretário de Estado do Planejamento, o economista José Ramalho de Oliveira, avalia que os números da PMC, ao longo de um ano, cujo acumulado nos sete primeiros meses do ano se estabelece em 8%, evidenciam que a economia amapaense está fortalecida, em especial, o setor comércio.

“Não é por acaso que vimos hoje uma transformação positiva no cenário do comércio local, com a abertura e a instalação de grandes empreendimentos no Estado e a expansão de redes de lojas e de supermercados. Isso descaracteriza a especulação que se faz hoje sobre a paralisia da economia local. Do contrário, o Estado não atrairia a atenção desses investidores”, pontua.

Petróleo no Amapá

Alcilene Cavalcante em 11 de setembro de 2014

* Marco Chagas. Geólogo. Professor. Doutor em Gestão Ambiental

Marco Chagas

A 11ª Rodada de Licitação promovida pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) contemplou blocos das bacias marítimas da Foz do Amazonas, alguns destes localizados na costa amapaense.

As empresas Total (grupo empresarial francês), Petrobrás, British Petroleum (britânica) e Queiroz Galvão venceram a maioria dos blocos licitados para pesquisa na Bacia da Foz do Amazonas e diante da possível viabilidade de ocorrência de petróleo e gás têm sinalizado interesse em dialogar com os Governos locais para antecipar oportunidades e prevenções.

O Bloco FZA-M-57 do Setor SFZA-AP1, localizado mais ao norte do setor, em águas profundas da costa amapaense, teve bônus de assinatura no valor de R$ 345.950.100,00 ofertado pelo consórcio vencedor liderado pela empresa Total (40%) e tendo a participação da Petrobras (30%) e British Petroleum (30%). Esse foi o maior bônus pago na 11ª Rodada da ANP.

A ANP, que detém dados históricos de pesquisas da bacia da Foz do Amazonas, estima existência de reserva (ainda não comprovada) da ordem de 14 bilhões de barris de petróleo e 1.132,8 bilhões de metros cúbicos de gás. Em termos comparativos, o montante de reservas do País provadas atualmente é de 15,6 bilhões de barris de petróleo, além de 458,2 bilhões de metros cúbicos de gás natural. Caso as reservas dos blocos da bacia da Foz do Amazonas sejam provadas, a produção do País poderá duplicar nos próximos anos.

Os blocos da costa do Amapá são classificados em termos de localização em: blocos de águas rasas (AR) e blocos de águas profundas (AP). Os blocos de águas profundas são os que apresentam maior expectativa de viabilidade econômica. São blocos afastados da costa (Offshore) que apresentam distância maior que 60 quilômetros da linha de costa e profundidade superior a 3.000 metros.

Um dos maiores problemas a ser enfrentado pelas empresas de petróleo para se instalar na costa amapaense é a vulnerabilidade ambiental dos ecossistemas e a expectativa de benefícios imediatos.

Quanto à questão ambiental, pareceres prévios emitidos pelo Governo Federal apontam lacunas de informações e a necessidade de levantamentos sobre os meios físico, biótico e socioeconômico para compor estudos de impactos ambientais. Além do mais, a região costeira do Amapá é preenchida por Unidades de Conservação de Proteção Integral, o que poderá dificultar a regularização ambiental dos empreendimentos.

A expectativa de benefícios imediatos é sintomática a empreendimentos que exploram recursos naturais em regiões carentes e de alguma forma impõe a necessidade de antecipação de diálogos e formação de competência local para a gestão de conflitos e, principalmente, aproveitamento de oportunidades direta e indireta dos negócios que envolvem a cadeia produtiva do petróleo e gás.

Deu na Veja

Alcilene Cavalcante em 11 de setembro de 2014

Radar On Line

Coluna do Lauro Jardim

A turma de Sarney

Sarney e seus aliados

José Sarney está vendo a hegemonia de seu clã ir para o vinagre no Maranhão. No Amapá, embora tenha desistido de tentar a reeleição por medo de ser derrotado, Sarney continua atuando.

Os principais aliados do peemedebista ostentam fichas criminais de respeito ou, na melhor das hipóteses, episódios para lá de constrangedores.

Na semana passada, Sarney posou para uma foto com sua turma da pesada em Macapá. Ao seu lado, da esquerda para a direita, estão:

* Moisés Souza (PSC), deputado estadual e candidato à reeleição. Como presidente de Assembléia Legislativa do Amapá, foi afastado da cadeira por suspeitas de corrupção;

* candidato a governador pelo PDT, Waldez Góes, preso numa operação da Polícia federal em 2010, acusado de integrar uma quadrilha de desvio de dinheiro da educação;

* Gilvam Borges, do PMDB, tenta voltar ao Senado. Borges, quando era senador, empregou sua mulher e sua mãe no gabinete e justificou a escolha: “Uma dorme comigo e a outra me pariu”;

* Roberto Góes, ex-prefeito de Macapá do PDT, que também foi preso pela PF no exercício do mandato, em 2010, e agora tenta uma cadeira de deputado federal.

Por Lauro Jardim

Vida

Alcilene Cavalcante em 09 de setembro de 2014

Prefeitura de Macapá começa a instalar esta semana mais uma série de semáforos de moderna tecnologia. Serão mais 58 conjuntos, instalados em 58 esquinas de Macapá.

Os conjuntos semafóricos foram adquiridos com recursos de emendas do deputado federal Luiz Carlos, e contrapartida da PMM.

Luiz Carlos elegeu como uma de suas prioridades nesse mandato, preservar vidas através de um trânsito mais seguro.

Mato Grosso. Dinheiro federal que veio pra arrumar essa rua foi roubado duas vezes

Alcilene Cavalcante em 09 de setembro de 2014

Dinheiro roubado. O recapeamento da rua Mato Grosso, uma das mais importantes para o acesso da Zona Norte para o centro de Macapá, está sendo executado com recursos próprios do estado e do município, pela “Operação Verão”.

Os trabalhos iniciaram na segunda-feira, 8, no trecho Avenida Pedro Américo/Ponte Sérgio Arruda, no bairro Pacoval.

Um chefe

Alcilene Cavalcante em 09 de setembro de 2014

Thomas Átila Guedes Sanches, filho dos querido amigos Thomas e Sônia, colou grau no curso superior de Gastronomia, em Fortaleza-CE.

Parabéns ao Thomas pela graduação e pela profissão escolhida.

Thomas-030

thomas-1-015

STJ rejeita recurso de Moisés Souza contra decisão do TJAP

Alcilene Cavalcante em 09 de setembro de 2014

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento ao recurso especial interposto pelo deputado estadual Moisés Souza contra decisão do Tribunal de Justiça do Estado (TJAP) de manter as ações de improbidade administrativa, movidas pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP) contra o parlamentar, em 1º grau de jurisdição.

Insatisfeito com a decisão da Câmara Única, o parlamentar recorreu ao Pleno do TJAP e argumentou que a ação de improbidade administrativa em um eventual inquérito civil ou ação civil pública, quando o investigado for presidente de Assembleia Legislativa, deveria ser presidido pelo Procurador-Geral de Justiça.

Antes de dar seguimento parcial ao recurso, o desembargador Luiz Carlos ressaltou que a defesa do parlamentar não conseguiu demonstrar que houve incorreta interpretação da legislação em relação a outros tribunais, posto que a matéria foi objeto de debate no Tribunal Pleno do TJAP.

No STJ, o ministro Castro Meira (relator) sequer conheceu o recurso especial e elencou as razões, dentre as quais, a de que não cabe recurso especial, quando o acórdão recorrido tem fundamentos constitucional e infraconstitucional, qualquer deles suficiente, por si só, para mantê-lo e a parte vencida não manifesta recurso extraordinário.

Não bastasse a ferramenta inadequada para questionar a decisão do TJAP, o ministro do STJ reforçou que a matéria já está pacificada no Supremo Tribunal Federal (STF). “Por fim, a tese recursal não encontra respaldo na Suprema Corte, que, reiteradamente, vem afastando o foro por prerrogativa de função em ações civis por improbidade administrativa”, elencou.

Dessa forma, as ações contra o presidente da Casa de Leis e os demais deputados estaduais seguirão nas Varas Cíveis da Comarca de Macapá, onde tramitam desde 2012, tendo produzido resultados práticos, como o bloqueio de bens dos requeridos, para eventuais ressarcimentos dos danos causados ao erário.

SERVIÇO:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá

Repiquete é Memória

Alcilene Cavalcante em 09 de setembro de 2014

Prefeito Domício Magalhães e Governador Barcellos, reinaugurando o Mercado (Central ou de Peixe¿). E o J. Ney na cobertura da inauguração.

Mercado-0616

Amapá

Alcilene Cavalcante em 08 de setembro de 2014

Araguary, o rio encantado, como canta Amadeu Cavalcante na música poema de Osmar Jr.

Araguary-JesielOliveira

Foto de Gesiel Oliveira. O professor e Pastor, que viaja e fotografa as belezas do Amapá.

O custo político de arrumar a casa

Alcilene Cavalcante em 08 de setembro de 2014

*Charles Chelala. Economista. Professor. Mestre em Desenvolvimento Regional.

Charles Chelala

Um dos maiores desafios do gestor público é o de “arrumar a casa”. É uma tarefa necessária e decisiva para o sucesso, mas traz consigo o ônus de ser desgastante politicamente, pois enseja corte de gastos, austeridade e rigor na arrecadação. Há 14 anos, quando foi promulgada a Lei de Responsabilidade Fiscal, seu espírito era o de exigir mais do que honestidade aos gestores do dinheiro público. A Lei trata de responsabilidade mesmo, punindo (inclusive criminalmente, com a “Lei dos Crimes Fiscais”) o prefeito, o governador ou o presidente que não tenha tido o cuidado necessário com o erário. Pena que a norma quase nunca tenha sido cumprida e seus rigores não aplicados.

Tomemos como exemplo a Prefeitura de Macapá: a atual gestão recebeu de seu antecessor a casa totalmente bagunçada. Dos 14 itens do CAUC (que é o SERASA dos órgãos públicos) a PMM estava inadimplente em 13. Os gastos de pessoal, que não podem ultrapassar 54% da Receita, estavam em 62%. Salários atrasados, consignados desviados e descaso para com a previdência municipal, só para ficar nos principais exemplos. Para se ter uma ideia, quando se tentou obter um financiamento de apenas 9 milhões de reais para pavimentação da capital, a Caixa Econômica negou a operação por analisar os balanços da PMM de 2009 a 2012 e concluir que a instituição não era digna de crédito. Classificou-a na letra “F” dos níveis de risco que vão de “A” a “G“.

Com muito esforço, a casa está sendo colocada em ordem. Em apenas sete meses a prefeitura saiu do SERASA e tem se mantido adimplente; os gastos de pessoal enquadraram-se nos limites; os salários foram atualizados, consignados pagos e previdência renegociada. A classificação de risco passou para a honrosa letra “C” e o financiamento para o asfalto será assinado nos próximos dias. Claro que, para tanto, está sendo pago um razoável desgaste por fazer a coisa certa.

Situação muito semelhante ocorre com o governo do Estado. O ex-governador enquadrou-se em praticamente todos os artigos da Lei de Responsabilidade Fiscal e da Lei de Crimes Fiscais, exigindo da atual gestão energia redobrada para organizar a casa. Basta citar a solução para a dívida da CEA, a duplicação dos fundo da previdência estadual (aliás, gestor irresponsável detesta pagar a previdência, por considerar gasto inútil) e a recuperação da capacidade de investimento. Igualmente, o atual governador paga um custo político alto pela escolha correta.

O que está acontecendo hoje no Amapá me recorda as eleições de 1998 para o governo de São Paulo, quando Mário Covas concorria a reeleição. Havia assumido o governo após as temerárias gestões de Quércia e Fleury e optou por arrumar a casa implantando austeridade fiscal. Levou uma surra de Maluf (32% a 22%) no primeiro turno e quase não vai ao segundo, ficando apenas 70 mil votos à frente de Marta Suplicy. No segundo turno, Covas desafiou o eleitor com a seguinte linha em seu programa eleitoral “não acredito que o povo de São Paulo vai me punir por eu ter feito a coisa certa. Arrumamos a casa, agora é hora de cuidar de quem vive nela”. Para a sorte dos paulistas, virou o jogo, ganhou apertado o segundo turno e se tornou um ícone de bom gestor.

Me parece que o mesmo dilema é colocado ao eleitor amapaense neste pleito: cair no conto do vigário populista ou reconhecer quem fez o árduo dever de casa, apesar do ônus pago por isso.

Sarney em Macapá. Ui!

Alcilene Cavalcante em 08 de setembro de 2014

Sarney-Bw-foxSIcAEqnp7.jpg large

Deputado Moisés Souza, Waldez Góes, senador Sarney, Gilvan Borges e Roberto Góes

Café com Notícia

Alcilene Cavalcante em 08 de setembro de 2014

Café com Notícia

*Ana Girlene

Mais Perto

Ouvidor-Geral do MP-AP, promotor Paulo Celso Ramos, mobiliza membros e servidores da instituição para uma série de atividades educativas, inseridas na campanha “MP + Perto”. Durante todo o mês serão realizadas ações dos programas de combate à corrupção e violência como “Conte até 10”, “Círculos Restaurativos” e “Eu não vendo meu voto”, além de atendimento móvel da Ouvidoria.

MP + Perto

Condenação

Juiz Federal da 4ª Vara, Togo Ricci, foi enfático ao condenar o ex-secretário de educação, Adauto Bitencourt, a quatro anos e três meses de reclusão iniciando no regime semiaberto, por superfaturamento em licitação, durante a realização de um pregão presencial para compra de gêneros alimentícios, no ano de 2006. “O réu agiu com culpabilidade reprovável”, assinalou.

Superfaturamento

Togo Ricci disse ainda, que a conduta do ex-secretário de educação é merecedora de elevada censura, “(…), pois, na condição de autoridade máxima daquela Secretaria de Estado, tinha alto domínio sobre as implicações decorrentes do crime. Nesse sentido, o réu, mesmo advertido das consequências negativas acerca da contratação da empresa que venceu o pregão (n.23/2006), homologou o referido certamente licitatório (…)”,

Improbidade

Ao negar recurso especial de Moisés Souza contra decisão do TJAP, ministro do STJ Castro Meira reforçou que as ações por ato de improbidade administrativa contra parlamentares, mesmo sendo presidente do Poder Legislativo, devem correr em 1º grau de jurisdição, tendo o Supremo Tribunal Federal já pacificado a matéria, afastando, portanto, a tese de foro por prerrogativa de função.

Violência

 

O relatório global sobre a violência contra crianças, realizado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), divulgado na última sexta-feira (05), revela que cerca de 120 milhões de mulheres jovens em todo o mundo, uma em cada dez, foi vítima de estupro ou violação até os 20 anos. A ONU informou que o estudo “Escondido à vista” é o maior já realizado e tem informações de 190 países.

Educação

Os dados do Índice Desenvolvimento da Educação (Ideb/2013) revelam que a educação no país não conseguiu atingir as metas estabelecidas pelo MEC. No ensino médio, a nota permaneceu estagnada em 3,7, quando a meta era 3,9. Nos anos finais do ensino fundamental, embora a nota tenha melhorado (passou de 4,1 para 4,20), não foi suficiente para atingir a meta de 4,4 pontos.

Educação II

O Ideb, indicador que mede a qualidade do aprendizado nas redes públicas e privadas, também estabelece metas por Estados e municípios, e, infelizmente, o Amapá não conseguiu superar nenhuma delas. Nas sérias iniciais do ensino fundamental ficou com a nota 3.8 (meta 4,2), nas séries finais do ensino fundamental a nota foi 3,4 (meta 4,4) e ensino médio 2,9 ( meta 3,2).

Delação

Promessa de alvoroço no Congresso Nacional após as declarações do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, preso durante a “Operação Java Jato” da PF. Em acordo de delação premiada, listou nomes como o do ministro Edson Lobão e dos presidentes da Câmara, Henrique Alves e Senado, Renan Calheiros, supostamente envolvidos em esquema de corrupção.

Providências

Após divulgação, pela revista Veja, do depoimento de Paulo Roberto, senador Randolfe (PSOL) cobrou providências imediatas. “O Senado da República não pode cruzar os braços para as graves denúncias contra seus membros. Pesa sobre nós, membros do Congresso Nacional, nesta hora grave da vida republicana, o dever de agir. Confirmadas as denúncias! É imperativo o afastamento!”, manifestou no twitter.

 

Expresso

 

“Nenhum candidato ousou nos discursos e projetos, na tentativa de recuperar terreno para o tempo perdido. Eles se deixam aparelhar pela obsessão partidária para se apequenar na política e na prática”, Padre Paulo Roberto em sua página no FB.

 

ONG Transparência Amapá lançou na sexta-feira (05) a campanha de combate à corrupção eleitoral intitulada. “Tá ruim? Se vender o voto vai ficar pior”. Mais informações na página da entidade no Facebook.

 

“Em um ano, flagramos 374 motoristas dirigindo sem carteira de habilitação e até 28 de agosto, infelizmente tivemos 62 mortes no trânsito. Ano passado, no mesmo período, foram 74 mortes”, tenente Uesclei Costa, coordenador da Operação Lei Seca, em entrevista ao Café.

 

“Precisamos de articulação da bancada federal para que o presidente do STF coloque o plano Collor em votação”, Aroldo Rabelo, presidente do Sinsepeap.

A delação de Paulo Roberto, da Petrobrás, pelas redes sociais

Alcilene Cavalcante em 08 de setembro de 2014

“O delator premiado é o da direita. Os delatados são os demais”. ( Engenheiro Ruy Smith, no twitter)

Edson Lobão, Roseana Sarney e Paulo Roberto

Edson Lobão, Roseana Sarney e Paulo Roberto

Sucesso o lançamento da nova edição da revista You, que já está nas bancas

Alcilene Cavalcante em 08 de setembro de 2014

A diretora da You, publicitária Viviane, recebeu clientes, parceiros, modelos e anunciantes, em uma noite de muito jazz com a banda CasaNova, no bar Apache

Y-1-IMG_1892

 

Edcleuza e Sérgio Paulo

Edcleuza e Sérgio Paulo

You-3-IMG_1876

Bianca, Cintia e Viviane

Bianca, Cintia e Viviane

y-5

y-6

y-7

Nota Psol Amapá

Alcilene Cavalcante em 05 de setembro de 2014

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) vem esclarecer que a informação divulgada pelo jornalista Nezimar Borges em seu blog  e pelo jornalista Luiz Melo em sua coluna From, no jornal Diário do Amapá é inverídica e não condiz com a atual conjuntura política. Não existe qualquer movimentação dentro da coligação da Frente Popular em Favor do Amapá, composta pelos partidos PSB/PT/PSOL e PC do B, a substituição do nome de Rinaldo Martins, vice na chapa, pelo nome do Economista Charles Chelala, nunca foi cogitada pelo Psol Amapá, como foi divulgado.

 

O companheiro Rinaldo Martins é do quadro politico do PSOL, iniciou sua militância em 1986 no movimento estudantil  e filiou-se ao PT em 1995 onde  participava ativamente de movimentos sindicais e em 2005 junto com Randolfe, Clécio e demais companheiros passou a integrar e construir o PSOL/AP. Foi fundador do sindicato de enfermagem no Amapá ( atual SINDSAUDE), é professor na UNIFAP, foi diretor do Sindicato de professores da UNIFAP e diretor nacional do sindicato de docentes de professores de nível superior , possui longa história política que nos dá total confiança na capacidade dele como candidato e enquanto futuro gestor.

 

O PSOL Amapá está à inteira disposição da imprensa amapaense para quaisquer esclarecimento a cerca do partido e suas figuras públicas.

 

 

Dejalma Teixeira do Espírito Santo

Presidente Estadual do Psol Amapá

Sanduiche de Mortadela

Alcilene Cavalcante em 05 de setembro de 2014

Mortadela-mercadoSP

Comida popular tradicional, que virou atração de turismo gastronômico em São Paulo.

Tenho vontade de escrever sobre a gastronomia tradicional, ou comidas típicas, que de repente, ganham o mundo.

Como foi com a pizza da Itália. Os sushis e sashimis do japão. O francês Petit Gateau. O nosso açaí. E tantas outras.

Mas me falta conhecimento na área, pra discorrer corretamente no tema.

 

Em 140 caracteres

Alcilene Cavalcante em 05 de setembro de 2014

Perfil do desembargador Raimundo Vales, presidente do TRE, é um dos que mais gosto no twitter.

Tweets bem humorados. E certeiros. Ou reflexivos.

Divido alguns com vocês

“Um ser humano bom é um plantador de sementes do bem; faz isso com seu modo diário de viver, conviver e resistir. Há muitos, anônimos!”

“Temos que evitar, a todo custo, que amizades sinceras não sejam abaladas por motivos banais, como política, por exemplo”.

“Perguntaram-me porque me exponho, se não preciso. Respondi: porque o mundo precisa mudar para melhor, porra…”

“Cumprir apenas seu dever não basta. Arrisque-se ao mais que a mudança do mundo reclama!”

“Vezes tenho dito que o bom direito, por ser lógica e proporção, reclama mais bom senso do que qualquer outra coisa. Fugiu, não é direito!”

“Sou por natureza e temperamento um segredeiro-mor: há coisas que só eu sei ou saberei; se alguém mais souber não fui eu quem contou. Ponto.”

“Calar não é confessar, admitir negar, prometer. Calar é, principalmente, criar mistério, deixar uma janela de fuga ou retorno. Inteligência”.

“A precisão, a concisão, a objetividade em português claro são os maiores méritos de qualquer argumentação jurídica. Arte pura”.

“Senhor operador do direito, se sua tese ou decisão tem suporte em súmula ou jurisprudência do STF, STJ por que mais nhenhenhém?”