Repiquete no Meio do Mundo

Um blog feito na esquina do Rio Amazonas com a Linha do Equador, no Amapá.

Waldez e Camilo disputam o segundo turno

Alcilene Cavalcante em 06 de outubro de 2014

Waldez teve 42,18% dos votos válidos e Camilo Capiberibe, 27,53% dos votos válidos.

Camilo-Wg_o

Davi eleito o novo senador do Amapá

Alcilene Cavalcante em 06 de outubro de 2014

Davi Alcolumbre foi eleito com 36,26% dos votos válidos

davi

O resultado oficial da eleição

Alcilene Cavalcante em 06 de outubro de 2014
TRE-AP finaliza apuração: Waldez e Camilo estão no segundo turno para o Governo do Estado
O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) finalizou a apuração das Eleições 2014. O resultado das urnas confirmou o segundo turno no estado. Os números para Governo são os seguintes: Waldez Góes (PDT) obteve 161. 550 votos (42,18%). Em segundo lugar,  Camilo Capiberibe (PSB), 105.447 votos (27,53%).  Os dois seguem na disputa. A Eleição será dia 26 de outubro. Em terceiro lugar, ficou o candidato Lucas Barreto (PSD) 53.079 votos; Bruno Mineiro (PT do B) 30.135 votos; Jorge Amanajás (PPS) 27.045 votos; Genival Cruz (PSTU) 5.306 e Décio Gomes (PSTU) 455 votos.
Davi Alcolumbre (DEM) foi eleito para o Senado Federal, com 131.695 votos. Cerca de 36,25% do eleitorado amapaense. Em segundo ficou candidato Gilvam Borges (PMDB), com 124.438 votos. Seguidos por Promotor Moisés (PEN) 48.136 votos; Dora Nascimento (PT) 38.919 votos; Pastor Jorvan (PRP) 7.443 votos; Coronel Palmira (PTC) 5.016 votos; Raquel Capiberibe (PMN) 3.545 votos; Professor Paulo Ricardo (PSTU) 2.558 votos e Marquinho Abreu (PRTB),com 1.486 votos
Os eleitos para a Câmara Federal foram: Roberto Góes (PDT) 22. 134 votos, Janete Capiberibe (PSB) 21.108 votos; Cabuçu (PMDB) 18.709 votos, Vinícius Gurgel (PR) 18.661;  Marcivânia (PT) 16.162 votos; André Abdon (PRB) 13.798 votos; Marcos Reátegui (PSC) 12.485 votos e Josi Rocha (PTB) 10.007.
Legislativo Estadual
Os eleitos para deputado estadual: Marília Góes (PDT) 11.747 votos; Dr. Furlan (PTB) 8.947 votos; Michel JK (PSDB) 8.678 votos; Júnior Favacho (PMDB) 7.187 votos; Dr. Jaci Amanajás (Pros) 6.965 votos; Max da AABB (PSB) 6.667; Pastor Oliveira (PRB) 6.486 votos; Cristina Almeida (PSB) 5.883 votos; Augusto Aguiar (PMDB) 5.803 votos; Jory Oeiras (PRB) 5.721 votos; Charles Marques (PSDC) 5.704 votos; Mira Rocha (PPB) 5.654 votos; Ericláudio (PRB) 5.616; Rosely (DEM) 5.480; Jaime Perez (PRB) 5.360 votos; Luciana (PHS) 5.146 votos; Moisés Souza (PSC) 5.111 votos; Edna Auzier (PROS) 5.058 votos; Maria Góes (PDT) 5.028 votos; Raimunda Beirão (PSDB) 4.874 votos; Kaká (PTdoB) 4.843 votos; Fabrício Furlan (Psol) 4.294 votos; Pedro da Lua (PSC) 4.168 votos; Professor Lemos (Psol) 4.105 votos. .
Foram 100% dos votos apuradas em 1.461 sessões eleitorais no Amapá Urnas 1.444 Eleitores que compareceram 407.846 (89,56%); Abstenção: 47.522;  Brancos: 6861. Nulos:7.704.
Serviço:
Tribunal Regional Eleitoral do Amapá
Assessoria de Comunicação e Marketing
Elton Tavares

Registro

Alcilene Cavalcante em 06 de outubro de 2014

Fiquei impressionada negativamente com o resultado da eleição da bancada federal.

Por conhecer o trabalho da bancada, lamento profundamente a não eleição dos atuantes Dalva Figueiredo, Milhomen, Bala Rocha, Luiz Carlos e Fátima Pelaes.

Parlamentares com boas atuações e que se mantiveram distantes dos escândalos de Brasília.

Que os eleitos, mantenham o nível do trabalho, e não envergonhem o Amapá e os amapaenses.

Que sistema político mais injusto esse do Brasil. A deputada Fátima Pelaes teve mais votos que quatro dos que se elegeram, e não entrou.

Passa no blog de Alcinéa

Alcilene Cavalcante em 06 de outubro de 2014

Notícias da eleição, lista dos eleitos, bastidores, crimes eleitorais, leia no blog de Alciná www.alcinea.com

Randolfe fala ao Repiquete

Alcilene Cavalcante em 05 de outubro de 2014

Depois da desistência da candidatura a presidente, o senador Randolfe Rodrigues esteve distante das eleições majoritárias.

Mas no sábado, às vésperas das eleições gerais no Brasil, Randolfe falou ao blog Repiquete no Meio do Mundo, sobre a neutralidade no primeiro turno e a atuação no segundo turno.

randolfe-rodrigues-no-poder-e-politica-1341530698031_956x500

 

Por que a neutralidade nas eleições para o governo do Amapá?

Em 2012 eu me envolvi com todas as forças na eleição do prefeito Clécio. Os atores políticos que apoiaram Clécio no segundo turno, principalmente Camilo e Lucas, solicitaram que eu não fosse candidato em 2014. E eu assumi esse compromisso. E acho que na política, como na vida, a gente tem que honrar os compromissos assumidos. Esse compromisso me levou a não ser candidato e também a não me envolver.

Neste domingo, às 17:01H, encerra um ciclo eleitoral, no qual honrei todos os compromissos políticos que assumi.

E o segundo turno?

Não sei quem será o segundo a se colocar na trincheira contra Waldez Góes no segundo turno, eu só sei que eu serei o primeiro. Estarei no palanque incondicionalmente, contra a volta ao poder daqueles que levaram o Amapá à maior vergonha e ao maior atraso de sua história.

Por que o sr desistiu, afinal, de ser candidato a presidente, tendo sido indicado pelo PSOL?

A minha pré-candidatura foi definida em dezembro passado, no 4º Congresso Nacional do PSOL. Obtive 53% dos votos congressuais sobre a própria Luciana Genro. Pretendia que a candidatura apresentasse um novo projeto democrático e popular, que reunisse os setores progressistas da sociedade brasileira e unificasse o PSOL. Mas entendi que o propósito da candidatura era produzir um rearranjo de forças dentro do PSOL e colocar uma candidatura que fosse à esquerda das esquerdas. Diante disso, percebi que não seria o meu nome que melhor cumpriria esse objetivo, e  devolvi a candidatura.

Coluna Café com Notícia

Alcilene Cavalcante em 05 de outubro de 2014

* Ana Girlene

Girlene-Cafe-G1-foto

Surpresas

Ao que tudo indica este domingo de eleições será emocionante até o final da apuração. Os números da última pesquisa Ibope, com um novo desenho na corrida ao Setentrião e o empate técnico entre Gilvan (PMDB) e Davi (DEM) na disputa por uma cadeira no Senado, eram os ingredientes que faltavam para tornar este 5 de outubro pra lá de eletrizante.

Emoção

A projeção de eventual 2º turno entre Waldez (PDT) e Camilo (PSB) agitou a militância dos dois candidatos, especialmente os pessebistas. Tão logo os números do Ibope saíram, Camilo (PSB) postou no Facebook: “(…) apesar de ter informações que não batem com nossas pesquisas internas revela um dado inquestionável: estamos no segundo turno. É bom lembrar que na última pesquisa aparecíamos com 15% e em terceiro lugar. Desta vez aparecemos com 23% e na segunda colocação”, comemorou.

Confiantes

Entre os pedetistas reina o discurso de que os números do Ibope estariam muito próximos das pesquisas de consumo interno, e que ainda é possível uma definição em 1º turno. Para isso, o candidato a governador WG teria que obter 50% mais um dos votos válidos na apuração oficial, quando são excluídos os votos brancos e nulos.

Desconfiança

Por outro lado, na campanha de Lucas (PSD), a análise é de que o Ibope traz números bem distantes da realidade. Consideram “impossível” o candidato ter estacionado em 17%. Ainda assim, debruçados sobre a projeção em 2º turno entre WG e LB, utilizam a margem de erro da pesquisa para defender empate técnico na tentativa de atrair o chamado “voto útil”.

Diabinho

Bruno Mineiro (PT do B) foi vítima do famoso “diabinho”, infelizmente muito comum em véspera de eleições. Uma carta postada nas redes sociais, sobre suposta renúncia do candidato, rapidamente se espalhou. Falsas notícias circulam numa velocidade alucinante, especialmente turbinada pela onda do whatsapp. Para diminuir o estrago, Bruno lançou nota de esclarecimento garantindo seguir firme na campanha.

Holofotes

A imprensa nacional está especialmente interessada na disputa local ao Senado. O site da revista Veja destaca que “No Amapá, opostos ideológicos se unem contra Sarney”, atribuindo ao senador a Randolfe (PSOL) a ideia de lançar Davi (DEM) para enfrentar Gilvam Borges (PMDB). A matéria é da jornalista Mariana Zylberkan, que veio acompanhar as eleições no Estado.

Corrupção

Em tempo, é sempre bom reforçar a campanha sobre as consequências do voto. “As pessoas deveriam estabelecer alguns critérios na hora de escolher o candidato: veja quem o financia, qual a sua vida pregressa, se responde por atos de improbidade, enfim, as pessoas precisam ter noção que o custo da corrupção é externamente alto. No Brasil são desviados R$ 130 bilhões/ano”, destaca o procurador de Justiça Márcio Alves.

Cérebro

Presidente do TRE, desembargador Raimundo Vales, vai direto ao ponto: “Sou totalmente contra o voto obrigatório. Assim como sou contra a pessoa ir para urna votar branco ou nulo. Eu quero que a população leve o dedo e o cérebro para votar. O cérebro, principalmente!”, disse em entrevista ao Café. Para os candidatos, um alerta: “Muito cuidado, pois podem perder tudo com boca de urna”.

Raimundo Vales

Rosa

Campanha “Outubro Rosa” intensifica os alertas sobre o câncer de mama. Médico mastologista Mauro Secco, vice-presidente Norte da Sociedade Brasileira de Mastologia, informa que especialistas indicam a mamografia para todas as mulheres a partir dos 40 anos. “Mas, infelizmente, o SUS só cobre o exame a partir dos 50 anos, o que atrasa o diagnóstico e dificulta o tratamento. Fazem isso para economizar, como se uma vida tivesse preço”, critica.

Expresso

“Em casos de corrupção, penso que o sujeito deveria ficar preso até que se resgatasse tudo o que foi desviado” Márcio Alves.

“Nada de relevante foi discutido. As questões periféricas dominaram o debate eleitoral ate aqui” Raimundo Vales sobre o nível dos debates até aqui.

Pesquisa Data Folha para Presidência da República revela que 40% dos eleitores não sabem o número de seu candidato. Sendo assim, melhor preparar sua “colinha”.

Pleno do TJAP recebeu, por unanimidade, mais uma denúncia do MP-AP contra deputados estaduais por uso ilegal de verba indenizatória.

 

MPE/AP apreende R$ 5 mil e encaminha familiares de Roseli Matos à PF

Alcilene Cavalcante em 05 de outubro de 2014

 

05/10/2014 – Abordagem aconteceu no bairro Elesbão, em Santana
MPE/AP apreende R$ 5 mil e encaminha familiares de Roseli Matos à PF

Material e dinheiro apreendidos durante abordagem de promotores eleitorais e PM

Por volta das 22h deste sábado, 4 de outubro, o Ministério Público Eleitoral (MPE/AP) apreendeu cerca de R$ 5 mil em dinheiro, agenda de contabilidade e material de campanha da candidata Roseli Matos (DEM). O valor e os objetos foram encontrados após abordagem a dois carros no bairro Elesbão, em Santana. Nos veículos, estavam, entre outras pessoas, familiares da deputada estadual.

Cerca de R$ 2 mil foram encontrados nos bolsos de dois dos cinco homens abordados. O restante, nos carros. A quantia estava separada em blocos de R$ 100. Questionados, não conseguiram explicar a origem do dinheiro. Um deles sequer sabia quanto carregava consigo. Na agenda, havia nomes de pessoas e anotações de valores e de municípios do Estado.

A abordagem foi feita pelos promotores eleitorais Elissandra Verardi, Gisa Veiga, Nilson Costa e Silvia Canela, com apoio de policiais militares. O material foi apreendido e as pessoas conduzidas para a Polícia Federal a fim de prestar esclarecimentos.

Denúncias – Durante toda a madrugada, até o fim do pleito, o MPE/AP recebe e apura denúncias. Para comunicar ilícitos, o cidadão pode ligar para (96) 3213 7888 ou mandar mensagem para o WhatsApp (96) 8414 0300.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Amapá
(96) 3213 7815
prap-ascom@mpf.mp.br
Twitter: @MPF_AP

Ibope aponta segundo turno entre Waldez e Camilo. Uma breve análise

Alcilene Cavalcante em 04 de outubro de 2014

Saiu ontem a última rodada de pesquisa do Ibope do primeiro turno, encomendada pela Rede Amazônica

Waldez (PDT) – 42%

Camilo Capiberibe (PSB) – 22%

Lucas Barreto (PSD) – 17%.

Bruno Mineiro (PT do B) – 9%

Jorge Amanajás (PPS) – 3%

Décio Gomes (PCB) – 1%

Genival Cruz (PSTU) – 1 %

Branco/nulo: 1%

Não sabe/não respondeu: 4%

No levantamento anterior, realizado pelo instituto nos dias 09 e 11 de setembro, Waldez tinha 37%, seguido por Lucas Barreto (17%) e Camilo Capiberibe (15%).

Senador

Gilvam (PMDB): 32%
Davi Alcolumbre (DEM): 30%
Dora Nascimento (PT): 12%
Promotor Moisés (PEN): 8%
Minha opinião sobre a pesquisa.

Não acredito que Waldez tenha 42%. Acho que tem menos. Não acredito que Genival esteja empatado com Décio com 1%. Acho que tem mais.

As urnas podem mandar para o segundo turno Waldez com menos do que aparece na pesquisa do Ibope, e Camilo vai com mais.

Gilvan e Davi estão tecnicamente empatados e percebo que Davi está levando a melhor nessas últimas horas que antecedem o pleito. As 16 rádios e TVs de Gilvan Borges estão fora do ar por decisão da justiça. Essas emissoras tem um enorme peso em desequilibrar o pleito a favor dos seus candidatos e em desfavor dos adversários.

E vejo um forte movimento entre os eleitores da coligação de Camilo Capiberibe, na direção de Davi, pra derrotar Gilvan e seu padrinho Sarney.

Segundo turno

Zera a eleição e começa de novo.

Penso que Camilo tem mais condições de arregimentar apoios. Ao começar a campanha e até hoje, ele conseguiu diminuir muito a rejeição, que era seu maior problema, e era trabalhada principalmente pelos veículos de comunicação de Gilvan Borges. Com o horário eleitoral e a campanha nas ruas, foi possível levar a rejeição a patamares normais, de quem está ou esteve no executivo. E Camilo tem o governo e a prefeitura aliada, para negociar espaços políticos com os que não forem eleitos, e também com proporcionais eleitos.

Vamos espiar que a eleição já é amanhã.

 

 

Reflexões sobre as eleições 2014

Alcilene Cavalcante em 04 de outubro de 2014

*Charles Chelala. Professor. Economista. Mestre em Desenvolvimento Regional

Charles Chelala

 

Pela sétima vez consecutiva chegamos às eleições gerais no Brasil, contando desde a redemocratização. Poderíamos até considerar esta a oitava, se incluíssemos a escolha de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral em 1985, após a histórica mobilização na campanha das “Diretas Já!”.

Nesta nova saga democrática, pode-se afirmar que evoluímos em muitas aspectos da politica nacional, mas retrocedemos em outras. Nas primeiras eleições deste ciclo os temas eram mais profundos e as matizes político-ideológicas dos candidatos mais bem definidas. Hoje, vejo a preponderância do marketing sobre a política, relevando-a a segundo plano conforme as estratégias de conquista da opinião pública. Ainda assim, desembrulhando a embalagem, é possível identificar o conteúdo político de cada candidatura.

Como escrevo esta coluna no sábado, véspera das eleições, gostaria de refletir com meus leitores alguns temas sobre o pleito. Nas eleições presidenciais, teremos a candidata à reeleição Dilma Rousseff no segundo turno contra Marina Silva ou Aécio Neves, na mais acirrada disputa pelo segundo posto desde 1989, quando Lula superou Brizola por menos de um ponto percentual, vindo a perder para Collor no segundo turno.

Em que pese a perda de capital político nos três mandatos do PT, este conseguiu se consolidar nas camadas menos favorecidas do tecido social e se afirmar em amplas regiões geográficas do país. Nestas eleições tem sido essencial o excelente desempenho em Minas Gerais, além de terem conduzido corretamente a “desconstrução” de Marina.

A candidata do PSB foi inflada pela comoção nacional após a tragédia de Eduardo Campos. A atual trajetória de queda revela que sua tarefa, caso passe ao segundo turno, terá de ser maior do que apenas arrebanhar os votos anti-PT, mas a de convencer o eleitor comum de que é capaz de liderar o país. Se couber a Aécio a vaga no segundo turno, caberá a ele aprofundar o tom que marcou sua campanha, em especial nos temas “economia” e “corrupção”, nos quais tem alicerçado suas posições.

Em escala local, a última pesquisa Ibope revela que deverão passar ao segundo turno Waldez e Camilo. Os três candidatos de terceira via não conseguiram se viabilizar, talvez porque neste pleito tenha ocorrido, ainda que tardiamente, uma polarização entre os dois partidos que se alternaram nos últimos governos. Tudo indica que o segundo turno deverá ser pautado pela comparação entre os governos e deverão vir à tona temas que ficaram menos evidentes no primeiro turno.

Finalmente, uma das definições mais emocionantes destas eleições é a acirrada disputa pelo Senado entre Gilvam e Davi. O hiato deixado pela ausência de Sarney concorrendo diretamente no pleito proporcionou esta interessante contenda, com um impressionante crescimento de Davi da última pesquisa um mês atrás. Como não há “segundo turno” para o Senado, já se observa claramente (nas ruas, discursos e redes sociais) migrações de voto útil, que serão decisivas na definição do eleito.

Um bom domingo de eleições a todos!

Nota de Esclarecimento do candidato Bruno Mineiro

Alcilene Cavalcante em 04 de outubro de 2014

A Coligação “Unidos pelo Amapá que queremos”, composta pelos partidos PT do B, PV, PSDC, PROS, PEN, PR, PHS, PRB e PTN e, que tem como candidato a governador Bruno Mineiro(PTdoB) e sua vice, Aline Gurgel(PR), vem a público, esclarecer que:

 

Sobre uma carta postada em redes sociais, atribuídas aos candidatos sobre suposta renúncia, É FALSA,  e não condiz com a postura da coligação e sua militância, que segue firme com o propósito de eleger Bruno Mineiro governador do Amapá.

 

Quanto à publicação apócrifa, cuja autoria sequer tiveram coragem de assumi-la, a coligação lamenta profundamente que tenham dado publicidade nas redes sociais, sem a autoria assumida, próprio do caráter de pessoas irresponsáveis.

 

A assessoria jurídica da coligação já está tomando as medidas necessárias que o caso requer, pois segundo o novo marco da internet, juntamente com os novos ditames da campanha eleitoral on-line, é vedado o escárnio público de qualquer candidato, sendo punível na esfera eleitoral, civil e criminal não só quem realizou a calunia, difamação ou falsidade ideológica, mas também quem propalou tal fato.

 

A Coligação esclarece ainda que, em momento algum manifestou apoio a nenhum partido, coligação ou candidato, com relação à segundo turno, por respeito ao eleitor e o processo eleitoral.

 

A Coligação “Unidos pelo Amapá que queremos” acredita na boa política e nos bons políticos  e continua com sua missão reafirmando a candidatura de Bruno Mineiro 70, candidato ao Governo do Estado do Amapá.

 

A coligação repudia atos desta natureza, por entender que além de criminosos, tais atos prejudicam o processo democrático em que vivemos.

Macapá, 04 de Outubro de 2014

Coligação Unidos pelo Amapá que queremos

 

Mensagem da ONG Transparência Amapá

Alcilene Cavalcante em 02 de outubro de 2014

NÃO VENDA O SEU VOTO

        O voto é um dos mais fundamentais direitos do cidadão. É por meio do voto que cada cidadão escolhe as pessoas que vão representar seus interesses no Poder Público. O processo de escolha do candidato nem sempre é fácil. E muitas vezes o eleitor é levado a escolher o “menos pior” e até votar em quem lhe deu ou prometeu dar alguma coisa.

O importante é que a escolha seja fruto da decisão com consciência por parte do eleitor. Em nenhuma hipótese o eleitor deve vender seu voto. O candidato que compra voto não defende os interesses do cidadão, mas sim os seus interesses particulares e os interesses de sua família.

Quem compra voto, não está fazendo isso por caridade. Com certeza, ele vai querer de volta todo dinheiro gasto na campanha. E como ele vai se ressarcir? Metendo a mão no dinheiro público, no seu dinheiro. Ele roubará você e toda sociedade.

Assim, aquele que vende o voto é duplamente penalizado. Primeiro porque o candidato eleito não vai defender os interesses dos cidadãos e sim seus próprios interesses. Segundo porque o candidato eleito vai roubar os recursos públicos, recursos que deveriam ser destinados à sociedade. Daí, o dinheiro que deveria ser usado na saúde, educação, segurança pública e outros, vai parar nos bolsos daqueles que compram votos.

Quem vende o voto pode até ter algum ganho no momento, mas depois vai passar pelo menos quatro anos sofrendo com a falta de políticas públicas. Receber benefícios de candidatos não significa que você está vendendo seu voto, porém votar em quem deu ou prometeu SIM. Então não vote em quem dá presentes, bens ou dinheiro, quem mais dá, mais rouba.

Cada um de nós é responsável pelo futuro do nosso estado e do nosso país. A situação só vai melhorar se você não vender seu voto e exigir seus direitos.

O voto é secreto e seguro, é impossível alguém saber em quem você votou.

 

Transparência Amapá

Outubro. E Rosa

Alcilene Cavalcante em 02 de outubro de 2014

Outros outubros virão

Outras manhãs,

plenas de sol e de luz.

(O Que foi feito Devera. Milton, o Nascimento)

Outubro-Rosa-480x270

Este blog apoia a campanha “Outubro Rosa”, de prevenção ao câncer de mama.

Por um Brasil onde TODAS as mulheres tenham acesso aos exames preventivos.

Macapá vai ter voo direto para Brasília

Alcilene Cavalcante em 02 de outubro de 2014

A TAM inaugura dia 01.11 o primeiro voo direto de Macapá para Brasília, sem aquela escala “obrigatória” em Belém.

O trecho BSB-MCP sairá às 10h50 com chegada às 13h45. O trecho MCP-BSB será feito às 15h13 com chegada prevista às 17h55. Serão 2h42 de viagem.

O debate da TV Amapá pelo twitter

Alcilene Cavalcante em 02 de outubro de 2014

Desde que surgiu o twitter, o melhor dos debates de eleições é acompanhar, comentar, zoar, pela rede de microblogs.

As redes sociais permitem que os internautas debatam junto com os candidatos e deem opinião, sobre TUDO. De maneira irreverente, principalmente.

Os “memes” com imagens dos candidatos e piadas de todo tipo, pipocaram na internet durante e após o debate. Os temas que geraram mais memes foram: a maquiagem do Jorge Amanajás, o preço da farinha, as marcas de espinha do rosto do Lucas e o Waldez dizer que, que se for eleito, não nomeará ex-ssecretários que foram presos.

Veja o que rolou no twitter, em algumas frases: (só as publicáveis, nesse respeitável blog).

 

Eu botei água no bairro do Jorge, esse ingrato! Ruy Smith, presidente da Caesa.

 

Waldez saiu sem nenhum arranhão do debate. Mostrou serenidade e foi firme nas respostas. Mas o destaque foi Jorge. Tirando a maquiagem. Rs. Patrick Almeida, jornalista.

 

Waldez se saiu bem. Evitou embates. Saiu da mira dos adversários. Estratégia eficiente. Camilo se saiu bem também. Foi o alvo do debate. Silvio Souza, jornalista.

 

Waldez fala em criar agência de desenvolvimento econômico do estado, mas seu governo faliu a AFAP, onde iniciou a corrupção de sua gestão. Paulo Silva, jornalista.

 

Minha opinião. Camilo foi melhor o debate inteiro. Waldez o melhor nas considerações finais. Eu

 

Waldez, para de mentir! Vc nunca fez nada pela Unifap. Alias deixou 1 divida enorme com o vestibular, quando disse que pagaria para alunos de escolas públicas. Rafael Lima, professor Universitário.

 

Há duas maneiras de o homem evoluir: pela sabedoria e pelo sofrimento… Pense… Rsrsrs. Pedro Leite, Promotor de Justiça.

 

Pronto. Bruno se propôs no debate a falar de propostas. E foi o que fez. Brigas ficam com os demais candidatos. Jean Alex Nunes, empresário

 

Colocou o MEU nome no SERASA. Professora Rejane, para Waldez, claro.

 

O lendário candidato Genival Cruz (PSTU) está fazendo uma enorme falta no debate da TV. #SomosTodosGenival. Ney, Pantaleão, jornalista.

Perdeu?

Alcilene Cavalcante em 02 de outubro de 2014

Pra quem perdeu o debate da TV Amapá, pode assistir pelo G1 Amapá nesse link

http://g1.globo.com/ap/amapa/eleicoes/2014/noticia/2014/10/candidatos-ao-governo-confrontam-propostas-em-debate-na-tv-amapa.html

Repiquete é Memória

Alcilene Cavalcante em 02 de outubro de 2014

Eleições de 1950

janarynunes2

Foto: Acervo Elson Martins

Federação da Indústria do Amapá é suspensa da CNI

Alcilene Cavalcante em 02 de outubro de 2014

Em reunião na última terça-feira, a Confederação Nacional da Indústria – CNI, decidiu pela suspenção da FIEAP de seus quadros.

O SESI e SENAI que eram administrados pela FIEAP estão em intervenção desde o ano passado, após a auditoria da CNI descobrir enormes desvios nos recursos da entidade.

As federações das indústrias de todos os estados são filiadas à CNI e tem direito a administrar os Ss da Indústria (SESI e SENAI). Agora o Amapá está suspenso, até a Federação conseguir arrumar a sua gestão.

Barca das Letras

Alcilene Cavalcante em 02 de outubro de 2014

Barca das Letras na Foz do Macacoari-AP

Outubro é um mês muito especial  para a Biblioteca Itinerante Infantil Barca das Letras em razão das datas comemorativas dedicadas ao Dia das Crianças, ao Dia Nacional da Leitura(12) e ao Dia Nacional do Livro(29). Em razão disso, a biblioteca Barca das Letras navegará pelas comunidades ribeirinhas da Foz do Macacoari, São Tomé e Igarapé Novo, localizadas ao longo dos rios Amazonas e Macacoari no município de Itaubal, distribuindo livros, gibis, brinquedos, brincadeiras, alegrias e poesias, no período de 3 a 9 de outubro.

Comandada pelo palhaço Ribeirinho, a biblioteca sempre atrai a atenção das crianças ribeirinhas que participam ativamente das atividades lúdicas, cujo objetivo principal é aproximar o livro da vida das crianças,  despertando o interesse para a leitura e literatura.  Com esta ação, espera-se beneficiar, pelo menos, cem crianças nas três comunidades. Além de propiciar alguns dias de muita alegria e aprendizados para as crianças e os voluntários da biblioteca.

A Barca das Letras é um projeto social do Movimento NossaCasa de Cultura e Cidadania que incentiva a leitura com as crianças ribeirinhas, quilombolas e indígenas do Amapá e Pará, principalmente, desde 2008. Idealizada pelo arte-educador amapaense Jonas Banhos, conta com a ajuda de voluntários e doadores de Brasília, Belém e Macapá. E sempre tem o apoio das lideranças/moradores/educadores das comunidades vivenciadas.

Olhares

Alcilene Cavalcante em 30 de setembro de 2014

Senador Randolfe Rodrigues e o neto Antonio Gabriel.

Randolfe-Antonio

Randolfe postou essa foto no instagram, com os versos de Tom Jobim:

“Quando a Luz dos Olhos meus e a Luz dos Olhos teus Resolvem se Encontrar”.

Tudo de Lindo

Foto capturada pela sensibilidade das lentes de Gê Paula.