Publicidade

Repiquete no Meio do Mundo

Um blog feito na esquina do Rio Amazonas com a Linha do Equador, no Amapá.

Revista Época. Sobre lançamento de satélite na Guiana.

Alcilene Cavalcante em 30 de março de 2017

BÁRBARA LOBATO – Revista Época

 

A data de lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) ao espaço depende, entre outros fatores, da agenda do presidente Michel Temer, que deseja acompanhar o evento na Guiana Francesa. Inicialmente, o equipamento, que terá uso civil e militar, além de permitir a ampliação da banda larga no Brasil, seria lançado na quarta-feira (22), mas uma greve geral na Guiana Francesa frustrou a programação. A expectativa é que o lançamento ocorra em abril.

Os investimentos no satélite, adquirido de uma empresa francesa, passam de R$ 2 bilhões.

Leia aqui

Deixar um comentário

Entre a Tortura e a Matinta Pereira

Alcilene Cavalcante em 29 de março de 2017

É nessa sexta-feira o lançamento do tão esperado livro do Advogado, Historiador e Doutor, Dorivaldo Santos, o amigo Ney.

O prefácio do livro foi escrito por  Cristina Buarque de Holanda,  Professora do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da  Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ).

Vejam o que a professora Cristina Buarque diz sobre o livro:

“O livro de Dorival da Costa dos Santos compõe exemplarmente este vigor narrativo sobre as práticas de perseguição política da ditadura. E o faz sob novo ângulo, esvaziado do viés “sulista” que atravessa historiografia e consciência nacionais. Dorival convida o leitor a conhecer os bastidores da ação repressiva no Amapá…

Dorival observa, por exemplo, o modo como os governos autoritários afetaram a vida de funcionários públicos – parte significativa da mão de obra economicamente ativa do então território do Amapá. Ao investigar a ação de um improvável Centro de Investigação Sumária (CIS), que devassava a “vida pública e privada de opositores ao regime” e provocava demissões políticas em nome de supostas “irregularidades no serviço público”, este livro investiga uma prática corrente (e pouco comentada) da ditadura no Brasil: o cerceamento ou mesmo a extinção dos meios de sobrevivência material de cidadãos e suas famílias, condenados à miséria econômica pela impossibilidade de reinserção laboral…

Além da expressão particular de um recurso generalizado pelo país afora, o autor também observa uma feição idiossincrática da ditadura no Amapá, entrelaçada ao repertório simbólico local. Ele observa o modo como o Estado se imiscuiu no imaginário popular de seres fantásticos para disseminar o medo e a estigmatização de “comunistas”. Foi assim que os “engasgadores”, nos revela Dorival, se somaram ao “panteão de entidades mitológicas” locais. Em meio ao “curupira”, ao “matinta pereira”, à “cobra Sofia” e à “mãe do rio”, despontaram como figuras entre humanas e fantásticas. Sua ação noturna, combinada a sistemáticas quedas de energia em horários de fluxo de estudantes, instituiu um ambiente de insegurança e pânico generalizados”.

O autor Dorival Santos

 

 

 

2 comentários »

Corram para as montanhas! Caiu quase todo o TCE do Rio de Janeiro

Alcilene Cavalcante em 29 de março de 2017

Da Veja On Line

Nova operação da PF mira TCE do Rio e Jorge Picciani

As ações foram determinadas pelo ministro Félix Fisher do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Cinco dos sete conselheiros são alvos de prisão temporária

Agentes da Polícia Federal (PF) voltam às ruas na manhã desta quarta-feira. Dessa vez, os alvos são conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) e o presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani (PMDB), pai do ministro dos Esportes Leonardo Picciani (PMDB). Jorge é alvo de mandado de condução coercitiva, quando o investigado é levado a depor.

As ações foram determinadas pelo ministro Félix Fisher do Superior Tribunal de Justiça (STJ) por se tratar de uma investigação de membros de um Tribunal de Contas Estadual (TCE). A investigação tem por base a delação de Jonas Lopes, ex-presidente do TCE, que fechou acordo com a Procuradoria Geral da República (PGR) e seu filho, o advogado Jonas Lopes de Carvalho Neto, alvos da Operação Descontrole, deflagrada em dezembro do ano passado.

Cinco dos sete conselheiros do TCE são alvos de prisão temporária – são eles: Aloysio Neves, presidente do TCE; Domingos Brazão, vice-presidente; José Maurício Nolasco; José Gomes Graciosa e Marco Antônio Alencar. A conselheira Mariana Montebello é a única integrante do tribunal que não está entre os alvos da operação. Cerca de 150 agentes cumprem mais de 43 mandados no Rio de Janeiro e nas cidades de Duque de Caxias e São João do Meriti, na Baixada Fluminense.

Deixar um comentário

Press Trip Lençóis Maranhenses e São Luiz. Parte I

Alcilene Cavalcante em 28 de março de 2017

 *Marileia Maciel

Um grupo de nove jornalistas aceitou o desafio e foi conhecer Maranhão no inverno, e descobrir as belezas e atrações do nordeste brasileiro nesta época, pouco prestigiada por turistas, e saímos de lá com as melhores indicações. Representando o blog amapaense Repiquete no Meio do Mundo, a convite de Alcilene Cavalcante, fui a única do norte do Brasil a participar deste do Press Trip muito bem organizado por empresas agenciadoras de turismo.      

No Centro Histórico

Maranhão, no inverno ou verão, sempre uma alternativa para quem quer conhecer São Luis, ou se embrenhar nas aventuras das dunas, rios e trilhas ecológicas

 

O inverno no estado do Maranhão guarda para os turistas muitas surpresas, entre os casarões do Centro Histórico, dunas dos pequenos e grandes Lençóis, rios de água preta e limpa, e as trilhas arenosas, onde a vegetação sobrevive à chuva e ao sol. Em quatro dias o visitante pode aproveitar um roteiro inesperado, e curtir o Maranhão fora da alta temporada, abrindo uma nova rota no período chuvoso. Gastronomia regional, pessoas, paisagem, pousadas, beleza, aventuras e relaxamento, podem ser aproveitadas tanto no verão quanto no inverno, e ser uma atraente opção de turismo, mais em conta e com mais tranquilidade em grupo, com família ou sozinho.

 

Centro Histórico de São Luis

Caminhar pelo Centro Histórico de São Luis, é como acordar em um livro ou filme antigo, e com o céu cinza do inverno, o passeio ganha uma aspecto mais atraente . Mesmo com os personagens atuais, é possível voltar no tempo ouvindo os relatos e entrando nos casarões e sobrados, cerca de 5 mil,  a maioria preservados ou em obras. Alguns atualmente são órgãos públicos, outros, foram adquiridos e transformados em agradáveis espaços históricos, mas que os compradores podem consentir uma visita nestes museus particulares.

 

Patrimônio

 

Transformado pela Unesco há 20 anos, em Patrimônio Cultural da Humanidade, o Centro Histórico é também conhecido como Cidade dos Azulejos, por ter muitas paredes dos imóveis do período colonial e imperial, revestidas por estes pedaços de história, marcas das ocupações francesas, holandesas e portuguesas, sendo que as peças de Lisboa predominam.  As ruas, calçadas com pedras de cantaria, que chegaram no Maranhão como lastros de navios portugueses, e a sombra das figueiras e mangueiras, favorecem os passeios pelo chamado Projeto Reviver, criado em 1987 para cuidar do patrimônio arquitetônico e revitalizar o Centro Histórico, localizado na Região da Praia Grande.

 

Mesmo com prédios em obras e fechados, o Centro é um balaio vivo da memória. A arquitetura portuguesa, permitiu prédios com sacadas, janelas que facilitam a ventilação, paredes largas e rebocadas com o lendário óleo de baleia. Um bom lugar e gostoso de ser apreciado, mesmo que de fora, é a Casa Frankie, propriedade do dinarmaquês Frankie, que há 15 anos comprou e restaurou o imóvel, de 1860, que no passado era um cabaré e hoje é uma pousada.  Assim como a maioria dos casarões, a Casa Frankie e a Pousada Lavínia, também outrora bordel, todos os ambientes são ventilados, devido a preservação das janelas e forros antigos, e têm um charme retrô, nos quartos, com camas de estilos clássicos, às salas, decorados com móveis de uma época glamorosa.

 

Tudo é história

 

Nas ruas do Centro também podemos ouvir as verdadeiras e bem humoradas histórias contadas por gerações. Os detalhes chamam a atenção pelo contexto histórico, como o curioso Beco da Bosta, uma ladeira estreita, calçada, que termina na água, que a falta de esgoto, no período colonial levava os escravos a passarem por lá com excrementos das casas dos senhorios. Entre as ricas estruturas arquitetônicas, muitas memórias, e assim como os antigos casarões habitados por imigrantes estrangeiros, o turista pode visitar no Centro Histórico a Igreja Nossa Senhora da Vitória, padroeira dos maranhenses, e o Palácio dos Leões, sede do Governo.

 

 

O antigo e o moderno

 

As ruas também têm particularidades interessantes, que juntam épocas diferentes, sem descaracterizar. A iluminação do Centro é com fiação aterrada, e os postes seguem modelo antigo, com luzes amarelas, que deixam as noites românticas, propícias para sentar um dos bares e restaurantes, ou em uma das esquinas cujas casas  desabaram, e por falta de informação arquitetônica para  serem restauradas, foram transformadas em praças para preservar o espaço.  A arquitetura se adapta, e antigos prédios, mesmo ganhando contornos modernos, como vidraçarias, não brigam com o tradicional. A insegurança generalizada no país, não atrapalha o passeio pela história, que pode ser feito com um pouco mais de tranquilidade,  as ruas são monitoradas 24 horas, e o policiamento, em viatura ou à cavalo, pode ser acionado pelos botões eletrônicos. O turista pode ainda entrar em uma das inúmeras lojas que vendem artesanato e voltar para casa com uma réplica de azulejo, ou artesanato regional.

Serviços de Recepção:

Taguatur Turismo e Eventos

www.taguaturonline.com.br

Facebook: taguaturturismoeeventos

Instagram: taguaturturismo

(98) 2109-6400

(98) 9801-1888 (Dayana Barbosa)

 

Brisamar Hotel

Rua São Marcos – 12 – Ponta D’Areia – MA

Telefone: (98) 2106-0606

Deixar um comentário

Sem água no Cabral – Atualização

Alcilene Cavalcante em 28 de março de 2017

Moradores do Conjunto Cabralzinho têm reclamado diariamente, nas redes sociais, de falta de água

E ontem, o descaso da CAESA com os moradores aumentou: Ficaram na seca o dia inteiro e a noite também.

Misericórdia

Os moradores do conjunto Cabralzinho continuam sem água. Já são mais de 24 horas sem o que é indispensável para o funcionamento de uma casa e para qualidade básica de vida.

Mal humor do povo do Cabral deve estar nas alturas.

 

2 comentários »

Repiquete interativo

Alcilene Cavalcante em 27 de março de 2017

 

Participe do blog com notícias, informações, denúncias, reclamações e artigos.

Você pode participar através do link ao lado, clicando em cima do banner “Você Repórter”.

Ou pelos e-mails

[email protected]

[email protected]

Contato comercial através do link “anuncie aqui”, dos e-mails acima e do e-mail [email protected]

 

2 comentários »

Famílias vítimas de enchente em Calçoene recebem ajuda do Governo

Alcilene Cavalcante em 27 de março de 2017

 

Famílias vítimas da inundação ocorrida no município de Calçoene, distante 374 quilômetros da capital, receberam neste domingo, 26, gêneros alimentícios e colchões. A entrega foi feita por equipes da Defesa Civil Estadual, militares do Corpo de Bombeiros e da Secretaria de Estado da Inclusão e Mobilização Social (Sims).

No município, o rio chegou a subir mais de três metros acima do limite normal e afetou 299 famílias, sendo 264 na área urbana e 35 na área rural, o que corresponde a cerca de 1.200 pessoas. Cerca de 19 famílias ficaram desalojadas. Segundo a secretária de Estado da Inclusão e Mobilização Social, Nazaré Freitas, os bairros mais afetados foram da Cea, Beira Rio e Comunicações, tendo este último cerca de 100 famílias afetadas pela inundação.

 

Deixar um comentário

Vem aí a 12° edição do Brasil Sabor, o maior festival gastronômico do planeta!

Alcilene Cavalcante em 27 de março de 2017

Para 2017 o tema é “Original do Brasil”, um jeito único de se fazer gastronomia valorizando ingredientes encontrados na própria região do empreendimento gastronômico.
Em Macapá/AP, as programações estão previstas para acontecer nos dias 02, 03 e 04 de junho no SEBRAE/AP, e conta com o Tour Gastronômico com 25 opções de degustações ao preço de R$ 10,00 que vão desde a culinária regional, a cozinha internacional, passando pelos doces, sobremesas, lanches, hambúrgueres artesanais, sorvetes e alimentação funcional.
Na área de conhecimento, as oficinas de gastronomia, como a dos “mini chefs”, as PANC’s (plantas alimentícias não convencionais) e muitas outras novidades em pesquisas culinárias.


O Palco Tucupi trará o melhor da música regional amapaense nos três dias de evento, além do sorteio de brindes e degustações nos empreendimentos participantes.


Pelo segundo ano consecutivo, o Enchefs Amapá, com a escolha do melhor Chef de Cozinha numa disputa deliciosa.


As inscrições para as empresas do setor de alimentação fora do lar podem ser feitas na Abrasel AP ou no fone (96) 981357900 até o dia 07/04. No Amapá, o evento gastronômico é realizado pela Abrasel AP em parceria com o Sebrae/AP, e conta com o apoio do Governo do Estado do Amapá e da Prefeitura Municipal de Macapá. 

Msc. Turº Sandro Bello

Executivo Abrasel AP

Deixar um comentário

A (re)volta da Secretaria de Coordenação da Amazônia

Alcilene Cavalcante em 27 de março de 2017

*Marco Chagas. Doutor em Gestão Ambiental

“O Ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, anunciou que na próxima semana, dia 30 de março 2017, estará no Amapá”. Recebi essa notícia no meu e-mail e gostaria de expressar minha indignação quanto às últimas gestões do Ministério do Meio Ambiente (MMA) que descontruíram todas as políticas públicas integradas para a Amazônia, tornando o MMA mero “abafador” de incêndios, literalmente.

Na primeira gestão de Sarney Filho a frente do MMA, a Amazônia recebia especial atenção dentro da estrutura ministerial. A Secretaria de Coordenação da Amazônia (SCA), instância do MMA criada em 1993 para gerir e integrar as políticas para a região, foi a responsável pela articulação do maior programa de cooperação internacional para o fortalecimento da gestão ambiental na Amazônia, o PPG-7. Os recursos investidos pelo programa na implementação de projetos na Amazônia foram da ordem de U$ 500 milhões.

Todos os estados da Amazônia receberam recursos para estruturar políticas ambientais e capacitar recursos humanos. Somente um dos subprogramas do PPG7, voltado para o fortalecimento dos órgãos estaduais de meio ambiente da Amazônia, investiu no Amapá mais de R$ 10 milhões entre os anos de 1995 a 2002. Meu mestrado e de mais 19 profissionais do Amapá, realizado pela UNIFAP e UnB, recebeu apoio financeiro do PPG7 e do Governo do Amapá.

Outro importante programa concebido no âmbito da SCA foi o “Áreas Protegidas da Amazônia”, conhecido como Programa ARPA. Após o PPG7, o ARPA foi o maior programa de cooperação do planeta para o fortalecimento das áreas protegidas da Amazônia. O ARPA apoiou a elaboração dos planos de manejos de muitas áreas protegidas criadas na Amazônia, bem como a estrutura mínima possível para que os servidores do ICMBio heroicamente desenvolvessem suas atividades profissionais.

O legado da atuação da SCA é muito maior que o PPG7 e o ARPA. A SCA foi extinta na gestão da Ministra Marina Silva sem uma explicação convincente para tal. Sarney Filho no Amapá poderia revigorar sua gestão a frente do MMA anunciado a volta da SCA e concurso público para a área ambiental, principalmente para o ICMBio, órgão responsável pela gestão das áreas protegidas criadas pelo Governo Federal, que somente no Amapá responde por algo em torno de 6 milhões de hectares ou simplesmente 50% da área total do estado.

Para quem conhece como as “coisas” funcionam em Brasília, taí uma pauta para os eleitos que receberão o Ministro Sarney Filho para mais um sobrevoo sobre as paisagens bíblicas do Amapá com rasantes sobre monoculturas, hidrelétricas, pontes e muita pobreza.

1 comentário »

Discurso de posse do desembargador João Guilherme Lages

Alcilene Cavalcante em 24 de março de 2017

Preparei-me bastante para este momento. Ao longo dos últimos anos trabalhei focado nas diretrizes traçadas pelo CNJ o que me possibilitou galgar a ascensão por merecimento.

Ao longo deste processo de promoção lutei incansavelmente para que os critérios objetivos da Resolução nº 106/2010 fossem observados e prevalecessem ao final.

Consegui o que pretendia e esta vitória traduz o coroamento de quem acreditou, desde o início, que merecimento não é sinônimo de amizade, apadrinhamento ou troca de favor, mas conquista do mais produtivo e presto, daquele que procura aperfeiçoar-se tecnicamente em prol da judicatura e por um serviço público de qualidade.

Porém, com a experiência de quem enfrentou duas vezes as agruras de um procedimento para aferir mérito de magistrados nos moldes deste que possuímos no Brasil, asseguro que as etapas são desagregadoras e destroem nossas vidas como também a vida daqueles que nos são mais próximos. Todos sofrem, e, no fim, nenhum de nós é o mesmo ser humano que era no início do certame de maneira que melhor seria existir apenas o critério de antiguidade ou se pretenderem outro mais, pensemos alternativamente no critério de provas e títulos, mais adequado para avaliar a capacidade técnica de juízes concorrentes.

Enalteço a postura e o elevado grau de capacidade de todos os candidatos. Todos eles, sem exceção, magistrados competentes, provenientes do primeiro concurso realizado neste rincão, com uma bagagem invejável de serviços prestados que possibilitou a construção da nossa Justiça como ela é, além do reconhecimento de melhor tribunal dentre os pequenos tribunais do País.

Em nome de todos exalto especificamente o Juiz Dr. Rommel Araújo de Oliveira, dileto parceiro de guerras vencidas, combatente impávido e imbatível. A ti, meu irmão, a mim e a nós dois enfim, que também temos filhas e esposas que nos viam sofrer e sofriam conosco caladas, sem nada poder fazer em nosso favor, resta o gosto da glória, que eu sei que tú sentes, porque eu também sinto, aquela sensação de que é preferível vinte e cinco anos de luta contra abuso e opressão do poder ao invés de uma vida confortável propiciada aqueles que não ousam desafiar o sistema. O caminho para juízes como nós dois é muito mais árduo e difícil, mas, o que fazer se somos da geração coca-cola, Rommel, uma geração que fez e faz revolução sem armas.

Dr Rommel assistindo a posse de Lages

Resta os agradecimentos e o faço em primeiro lugar aos Desembargadores Avaliadores, que, enfim, fizeram prevalecer a objetividade preconizada pela norma do CNJ. Não vou decepcioná-los e tenho a plena convicção de que o perfil de magistrado independente e contra majoritário, que construí ao longo do tempo chega para somar à respeitabilidade que este tribunal de justiça goza em nossa sociedade.

Agradeço ao Presidente Carlos Tork pela sensatez com que concluiu este certame, assegurando, inclusive, prazo para recursos com todos os seus consectários aos concorrentes derrotados.

Quero de público registrar meus profundos agradecimentos a todos que se juntaram a esta cruzada, a todos que acreditaram num projeto de mudança paradigmática, a todos que esperam que a justiça faça justiça deixando a política lá fora do tribunal para políticos cuidarem dela.

Agradeço a minha família, minha mulher, minhas filhas, minha mãe e irmãos, ora presentes, que são o esteio moral de minha existência, meu ninho confortável, a quem peço a compreensão para não me estender demais em citá-los porque senão é natural as lágrimas. Nessas cerimônias quando chegamos aos entes queridos choramos porque passa na cabeça toda a história de vida vivida juntos. Não quero e não vou chorar agora, porque não basta ser forte, tem de parecer forte diante do Estado de Direito.

Por fim, não por esquecimento, mas pelo grau de importância deixando por último os mais importantes, louvo a Deus neste momento, o Juiz Supremo, dizendo que quando a politicagem sobrepôs-se ao direito neste processo de escolha, o milagre operou-se e pude testemunhar o quanto somos pequenos e insignificantes diante da grandeza divina, de Jesus Cristo, de Nossa Senhora de Fátima e todos os arcanjos do céu. Eles propiciaram este momento e são eles que nos comandam.

Obrigado.

3 comentários »

Prefeitura de Macapá notifica autoescolas por uso indevido do espaço público

Alcilene Cavalcante em 24 de março de 2017

Visando o ordenamento da capital com prioridade para a mobilidade urbana, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitacional (Semduh) faz ação de fiscalização nas praças de Macapá que estão sendo utilizadas indevidamente para aulas práticas de autoescolas. As empresas devem ter locais privados para as aulas, o que não acontece em Macapá. Elas acabam tomando conta de vagas de estacionamento, espaços de praças e calçadas para fazer as atividades.

 

“As autoescolas usam a ocupação do solo de forma irregular. Por isso, estão sendo notificadas e terão que retirar imediatamente os materiais deixados nas praças e calçadas”, alerta a titular da Semduh, Telma Miranda. Nesta semana, estão sendo fiscalizadas as praças Chico Noé e Poeirão, e nas proximidades da Colônia dos Pescadores. Devido a várias reclamações da população, a ação será mais intensa e constante. Nos últimos três dias, quatro autoescolas foram notificadas e tiveram que retirar os materiais utilizados para as aulas.

 

Patricia Leal

Assessora de comunicação/Semduh

1 comentário »

É sexta-feira e tem Patrícia Bastos & Dante Ozzetti

Alcilene Cavalcante em 24 de março de 2017

Depois do lançamento de seu 6º disco, Batom Bacaba, em novembro passado, Patrícia Bastos volta aos palcos do Amapá, junto com Dante Ozzetti, com o show que fez São Paulo descobrir toda sutileza e talento da caboca amazônica. Nesta sexta-feira, 24, a dupla estará na casa de show Vitruviano deleitando o público com músicas de Dante Ozzetti, e dos  discos Zulusa e Batom Bacaba, de Patrícia Bastos. Oneide Bastos, Enrico di Miceli, Brenda Melo e Fabinho Costa são os convidados especiais.

Toda sonoridade e delicadeza impressos na voz “iárica”, como citado pelo poeta Joãozinho Gomes, de Patrícia, estará interpretando canções de diversos parceiros compositores que ganharam arranjos de Dante Ozzetti, também responsável pela produção musical dos dois discos. A mistura perfeita de ritmos regionais como marabaixo, batuque, cacicó e zouk, com as batidas eletrônicas, fazem a diferença que vai fazer o público a namorar, se sentir sensual e dançar.

 

Patrícia Bastos

É a consagração da música amapaense em tempos de pouco investimentos em arte e cultura. Contrariando o comum, ela desliza em águas novas e aposta em seu talento e parcerias, o que a levou a conquistar espaços por caminhos alternativos. Dos programas musicais da infância e juventude, aos bares, da fase adulta, e da casa, onde sempre conviveu com música, ela ganhou respeito em festivais nacionais, gravou discos e dividiu o palco com artistas como Lô Borges, Vitor Ramil, Nilson Chaves, Boca Livre, Lula Barbosa, Aluísio Laurindo Jr., Sebastião Tapajós, Dante Ozzetti, Natan Marques e Manoel Cordeiro.

Os discos cantados no show Patrícia Bastos &Dante Ozzetti, foram produzidos por Dante, e reconhecidos e premiados nacionalmente. Em 2014 Zulusa conquistou o 25º Prêmio da Música Brasileira, nas categorias “Melhor Cantora Regional” e “Melhor Álbum Regional”, e deu a Patrícia a indicação na categoria cantora Revelação. Zulusa recebeu ainda o prêmio Embrulhador, como  o Melhor do Ano. Batom Bacaba foi mais uma grande conquista, ele foi viabilizado através do edital Natura Musical de 2015, no qual o projeto foi selecionado, concorrendo com muitas músicas de igual valor.

Serviços:

Show Patrícia Bastos & Dante Ozzetti

Data: 24 de março

Hora: 23h

 

Mariléia Maciel

Assessora de Comunicação

Deixar um comentário