Gilberto Gil – 80 anos

 

Embaixador da ONU, imortal da Academia Brasileira de Letras, ex-ministro e um dos artistas mais importantes da música brasileira, Gilberto Gil celebra seus 80 anos de vida neste domingo (26) em plena atividade.

Nascido em Salvador, em 1942, Gil passou parte da infância em Ituaçu, no interior da Bahia.

 

Foi lá onde o desejo de ser músico brotou no coração do menino que ouvia atentamente os sons dos sanfoneiros locais, das procissões pelas ruas da cidade e da música de Luiz Gonzaga tocada no rádio.

Uma frase do artista, registrada em seu site oficial, explica o início de sua relação com a música: “Eu soube que a música era minha linguagem, mesmo. Que a música ia me levar a conhecer o mundo, ia me levar a outras terras. Por que eu achava que tinha a música da terra e a música do céu”.

“Serei um ancestral. Tive muitos filhos, muitos netos, uma família grande. Isso vai se esparramar pelo mundo, se tornou uma coisa ampla através da música e da vida cultural. Não é só minha família, é uma família nacional, até internacional. O legado é esse, qualquer fragmento é parte da totalidade. De vez em quando me dizem – ‘você vai virar orixá’. Eu respondo: e qual é o problema? É deles que eu venho”.

Música mais tocada 

Segundo o levantamento feito pelo Ecad, a canção mais executada de Gil nos últimos 10 anos é “Vamos Fugir (Give Me Your Love)”, seguida por “Aquele Abraço”, “A Novidade”, “Não Chore Mais” e “Palco”. Já a composição com mais gravações é “Lamento Sertanejo”, parceria com o pernambucano Dominguinhos. Outra curiosidade apontada pelo escritório é que a palavra “amor” é a que mais aparece em títulos de músicas do artista, com 18 repetições.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.