“Pelo Amapá Inteiro” – Por Yurgel – @CaldasYurgel

Por Yurgel Caldas, professor de Literatura da Unifap e do Programa de Pós-graduação em Letras (PPGLET) da mesma instituição


A expedição “Pelo Amapá Inteiro” – uma iniciativa do geógrafo e ex-prefeito de Macapá, Clécio Luís, no intuito de fazer uma imersão por diversas regiões do Amapá – percorreu, na primeira semana de setembro, um trajeto fluvial de Santana até Laranjal do Jari pela parte sul do estado. O trajeto basicamente se deu pelos rios Amazonas (Santana, Mazagão e Vitória do Jari) e Jari (Vitória do Jari e Laranjal do Jari), mas a expedição visitou diversas comunidades pelos rios Preto, Maracá, Ajuruxi, Ariramba e Cajari. Isso fez com que o percurso completo se desse em quatro dias de viagem de barco com a presença de jornalistas, pesquisadores e artistas.

Foto: Gabriel Flores

Em um trecho do rio Ajuruxi, na manhã do segundo dia da expedição, a mata é fechada e, mesmo num ambiente de campos alagados, muitos furos de óbvias margens estreitas acabam propiciando a formação de espécies de tuneis de vegetação, o que torna a visibilidade mais obscura – mesmo durante a manhã. Esse visual de obscuridade no trecho em questão resgata o entardecer melancólico pelos rios da Amazônia, fenômeno psicológico provocado pela monotonia da viagem (que pode durar dias, a depender do tipo de embarcação e dos destinos, obviamente), mas sobretudo pela luz que vai caindo para dar lugar à noite – movimento que convida à reflexão e à contemplação da própria paisagem.

Foto: Gabriel Flores

Mas essa monotonia é também uma experiência criativa quando visitamos os textos de Cenas da vida do Amazonas, Inglês de Sousa, projeto literário que o introdutor do Naturalismo no Brasil espelha em seu contemporâneo francês Balzac com sua Comédia humana. Nos textos do escritor obidense, podemos notar esse movimento monótono da natureza que molda o perfil psicológico de alguns personagens, indicando um ciclo do qual se tornaria uma tarefa suprema se retirar, como apontaria Euclides da Cunha em À margem da História.

Foto: Yurgel Caldas

Se Paris é a personagem predileta de Balzac, o Rio Amazonas e seus afluentes são os protagonistas de Inglês de Souza. E, assim como as reflexões de Euclides sobre a região amazônica no início do século XX, essa viagem ao vale do Jari costeando boa parte da reserva extrativista do Rio Cajari causou momentos de reflexão sobre a potencialidade econômica e, sobretudo, a riqueza humana existente e pulsante nessa parte sul do estado do Amapá. Trata-se de um movimento-convite para pensar o Amapá a fim de que o estado saia de um ciclo perverso que atinge centenas de comunidades ribeirinhas em nossa região: a falta de perspectiva ou aquilo que o escrivão Ferreira – personagem de O Coronel Sangrado (1877), de Inglês de Sousa – repetiria como o coro na tragédia grega (&ldqu o;É Sina!), e “com a maior filosofia do mundo”, no dizer do narrador do romance.

Foto: Yurgel Caldas

Assim, fugir da “Sina” inglesiana parece ter sido nosso intento enquanto amazônidas – um agrupamento simbólico de gente “à margem da História”. Quase uma horda cuja desorganização e a indolência – herança maldita do indígena preguiçoso, no estereótipo mais que perverso do discurso colonial e que ainda ganha eco no pensamento neoliberal contemporâneo – são o limite das ações do Estado, incapaz de levar o mínimo de dignidade a esses que insistem em nascer por essas bandas esquecidas pelo poder público.

Mas basta caminhar pelas estivas das comunidades ribeirinhas e perceber, antes da primeira saudação, que esse povo está longe de ser indolente ou preguiçoso. É só ver a criatividade do carpinteiro, a estratégia do comerciante, a comunicabilidade do pastor e muitos outros atributos que suplantam a mera visão colonialista que ainda persiste sobre essa gente. Dois exemplos de ações que ressignificam a Sina amazônica: Rangel – um carpinteiro/inventor da balsinha, que é uma pequena lancha de 3m x 80cm, muito comum nas comunidades da reserva extrativista do Cajari – e Mitiam – uma técnica de Enfermagem que atua no posto de saúde da comunidade de Paraíso do Cajari, autora da frase mais impactante da expedição: “os sonhos morrem aqui”. Esse re trato do descaso das autoridades com o bem público precisa ecoar nas mentes de quem se propõe pensar/agir sobre o Amapá.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.