Uma Semana Gastronômica. Dos Tons de Cores à Sinfonia.

*José Bogéa. Advogado, enófilo e colunista do blog

A semana que passou foi gastronomicamente marcante. Digo isso porque houve dois espetaculares jantares realizados por dois grandes chefs de cozinha que atuam em nossa querida Macapá.

O primeiro deles foi um jantar festivo realizado pelo chef Orazio Cattani, em seu restaurante Il Giardinetto. O tema da noite foi uma homenagem à região do seu nascimento, o Vêneto.

bogea-noite

Há cinco anos no Amapá, Orazio viveu sua infância e estudou gastronomia perto da cidade de Verona, no famoso Instituto Alberghiero Artusi, e, após se formar, rodou por países como: Alemanha, Espanha, Rússia e Indonésia. Finalmente no Brasil, foi trazido para o Amapá pelo coração, pois sua esposa é amapaense e desejava retornar à terra natal.

“Una Notte Vicentina”, nome dado ao menu do jantar, foi oferecido apenas para convidados. Todos puderam ver e, especialmente, sentir, os sabores das lembranças da infância e da família do chef italiano, num desfile simples, porém, delicioso de pratos típicos vicentinos.

Entre bruschettas, um delicioso “Baccalà a Vicentina” (bacalhau sobre polenta) e uma inusitada torta “putana” (feita com farinha de trigo, milho e frutas secas), fui arrebatado em alegria pelo pappardelle com ragu de pato. Perguntei sobre a receita e descobri que não é complexa, mas guarda uma imensa quantidade de sabor. O chef fez questão de ressaltar que o ragu, espécie de cozido longo e desfiado, era servido em panelão aos montes nas festas de família. bogea-pato

Dos tons de cores serenos e policromáticos que apresentaram os pratos do Chef Cattani, como um belo quadro do renascentista veneziano Giovanni Bellini, passo para a sinfonia de aromas e sabores que o jantar da Chef Aline Lobo e Sebastian Contreras, do Delícia Saudável, proporcionou a um grupo de queridos amigos, em que me incluo.

Aliás, sinfonia me parece a perfeita sinestesia para definir os cinco atos do menu degustação proposto pelos chefs.

O primeiro deles, como uma suave sonata de Mozart, nos trouxe a leveza de um mix de folhas verdes, tomate assado com especiarias, damasco, nozes e queijo do Marajó. Em sequência, um tartar de salmão e manga com carpaccio de atemóia e, em seguida, um delicioso capellini, que conhecemos como “cabelo de anjo”, massa que vem sendo lembrada por grandes chefs nacionais, como Helena Rizzo do Restaurante Maní. Na versão tucuju, os chefs acrescentaram um delicado molho branco, camarões, flores e biscoito de parmesão, em uma apresentação comparada a uma obra de arte!

No entanto, mal sabíamos que o melhor ainda estava por vir, o gran finale, e como a virtuose de uma composição romântica, nos foi apresentado o filhote com sua própria defumação, mandioca confitada no vinagre balsâmico, acompanhado de quinoa e mini-legumes cozidos. Essa composição poderia muito bem estar em um restaurante estrelado, tamanha a perfeição da técnica e complementação dos sabores existentes no prato. Uma obra prima!

Bogea-filhote

O trio de sobremesa com mousse de limão siciliano, torta de banana e bombom de chocolate veio para adoçar o nosso estado de graça, encerrando o espetáculo, nos fazendo lembrar quão prazeroso é compartilhar a mesa com amigos e/ou a família, tanto faz o tipo ou estilo de cozinha, bastando ser a comida de qualidade e afetuosa.

Nesse sentido, fechadas as cortinas da semana que passou, podemos afirmar que temos talentos em nosso Estado, que merecem o nosso reconhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *