Termos da cultura gamer

Gabriel Cavalcante Leão Dias – Design de Games

 

Sei que uso bastante termos nos posts, mas não tenho certeza se 100% das pessoas que leram compreenderam o que quis dizer. Tento aliviar isso colocando uma explicação breve, às vezes, sobre o que a sigla ou o termo que eu usei quer dizer mas ainda assim sei que não fiz isso para todos os termos que eu usei. Então fiz esse post para tentar esclarecer sobre alguns termos que posso ter usado ou vou usar no futuro. Tenha em mente que muitos termos que explicarei não são usados apenas por jogadores.

 

 

FPS – Decidi começar com a sigla FPS porque ela é comumente usada para duas coisas completamente diferentes e ambas são desse círculo de tecnologia e de jogos. Já usei esse termo antes no sentido de “jogos FPS”, neste contexto FPS quer dizer First-Person Shooter, jogos de tiro onde o jogador enxerga o mundo do jogo pela visão do personagem e comumente a percepção de mundo é compartilhada pelo jogador e pelo personagem logo o jogador só sabe o que o personagem sabe e isso pode criar experiências mais imersivas para o jogador.

 

Um exemplo de jogo FPS bem imersivo é a série Bioshock, a trama do jogo possui diversos mistérios que ambos o personagem e o jogador vão desvendando juntos e também gera muitos momentos de tensão por conta de não saber o que pode acontecer.

 

FPS no outro contexto quer dizer Frames Per Second(ou Frames por segundo, dá na mesma sigla), Frames por segundo quer dizer quantos frames estão sendo processados por segundo e é necessário no mínimo 24 FPS para que se tenha um vídeo claro, menos que isso e já é possível perceber alguns travamentos no vídeo ou no jogo. O que são frames? Um frame basicamente é uma imagem parada, imagine uma foto, aquela foto é um frame, se tirassem 24 fotos em um segundo daria um vídeo de um segundo. A quantidade de FPS máximo que seu monitor consegue mostrar é ditada pelos Hertz(Hz) do monitor, 1 FPS equivale a 1 Hz. Um pequeno fato interessante os olhos do corpo humano enxergam em 24 FPS.

 

DLC – Essa sigla quer dizer Downloadable Content, quando conteúdo adicional é lançado após o lançamento de um jogo ou separado de um jogo, esse conteúdo é um adicional que pode ser ou não do interesse do consumidor e quase sempre é necessário um pagamento adicional para poder ter acesso. Essas DLCs variam de jogo pra jogo mas o tipo mais comum de DLC hoje são as que oferecem itens cosméticos dentro do jogo, milhões de jogadores gastam dinheiro diariamente para deixar seu personagem favorito no jogo mais bonito, literalmente compra de roupas virtuais. Outras DLCs oferecem um conteúdo que dobra o aproveitamento do jogo, oferecendo uma história completamente nova e uma experiência ainda mais enriquecida para o jogador, apesar desse último caso ser a exceção, a maioria dos jogos oferece algo à mais que apenas complementa o jogo principal e nesses casos o jogo normalmente tem um “relançamento” onde o é vendido com todas as DLCs por um preço mais barato se o consumidor fosse comprar todas as DLCs separadamente. DLCs comumente são usadas para aumentar a vida útil de um jogo, fazendo com que meses após o lançamento picos de venda do jogo ainda aconteçam após o lançamento de conteúdo adicional e também são a principal fonte de renda de diversos jogos disponíveis de graça como League of Legends e Fortnite. DLC é algo que só se tornou possível na era digital, quando os jogos não mais eram restritos pelo CD-ROM e isso deu a liberdade para os desenvolvedores mexerem com o jogo mesmo após o lançamento, consertando uma coisa aqui e ali e melhorando o jogo após receber feedback dos jogadores. Isso é bom porque não se tem mais a necessidade de deixar o produto 100% no lançamento e dá a liberdade para os desenvolvedores experimentarem mais com seus produtos, mas por outro isso também faz com que muitos jogos sejam lançados inacabados, como foi com Cyberpunk 2077, e outros casos onde parte do conteúdo de um jogo é removido para ser vendido como DLC depois.

 

Eu pretendia falar de quatro ou cinco termos nesse post mas ficou bem grande então vou parar com apenas dois, muitas pessoas já têm esses termos memorizados e falam como se fossem já parte da língua portuguesa mas a maioria deles vem de palavras em inglês ou são termos em inglês mesmo.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *