Subam para as colinas! Debandada na base do governo na AL

Insatisfeitos com política praticada pelo Poder Executivo com relação a setores como Educação, Saúde e Segurança Pública,  deputados da base governista manifestaram-se no Plenário da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (19), para informar que adotarão posição “independente” com relação ao governo.

Dentre os parlamentares que anunciaram inclusão no novo bloco, estavam os deputados Moises Souza e Pedro da Lua (PSC); Jory Oeiras, Jaime Peres e Pastor Oliveira (PRB); Júnior Favacho e Augusto Aguiar (PMDB); Dr. Furlan e Mira Rocha (PTB), Edna Auzier e Jacy Amanajás (Pros), Roseli Matos (DEM), Charles Marques (PSDC) e Raimunda Beirão (PSDB).

O deputado Dr. Furlan, disse que cansou das promessas não cumpridas. “Nesses dez meses de gestão, muito pouco se avançou no que foi prometido no sentido de solucionar os problemas que afligem a população. A saúde pública, permanece em estado de emergência e não se consegue detectar medidas projetando melhoras a curto prazo”, disse o parlamentar acrescentando que o executivo está equivocado quanto às prioridades. “As políticas que estão sendo usadas como prioridade, não merecem esse rótulo. Prioridade é saúde, educação, segurança pública. Dessa forma, vamos nos posicionar num bloco central independente. E, o PTB só vai votar a favor do que for prioridade para a população”, encerrou.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Moisés Souza, também se manifestou na sessão, para reafirmar o propósito de independência do Poder Legislativo e criticar a ação do Executivo, que considera uma ‘brincadeira’. Para o parlamentar, é necessário que haja respeito do governo com o Legislativo. “Talvez isso represente uma brincadeira do governo. Acredito que o governo tem brincado, sim, em muitos momentos. Este parlamento é soberano para agir, conforme a decisão da maioria de seus membros. Vamos convocar e, até destituir, se necessário, os secretários de Estado que não estejam agindo em consonância com as prioridades da população. Temos prerrogativas para isso, outorgadas pela Constituição. Este parlamento sempre foi independente e, hoje se distancia de um projeto que veio das urnas e foi referendado pelo voto do povo amapaense. A população disse que apoiava a proposta do governador Waldez Góes. Mas, distante do discurso está a prática. Está a forma de fazer política. E, principalmente, o distanciamento claro desta Casa. Esta postura não representa litígio ou guerra com o Poder Executivo, mas uma postura de independência pela falta de comprometimento com as metas traçadas pelo próprio Poder Executivo. Está claramente demonstrado que aquilo que o governador fala não acontece. O que ele diz hoje, não se escreve amanhã. Nosso posicionamento, como presidente desta Casa de Leis, é não mais sentar à mesa com o governador para o ouvir o que não tem consistência”, disparou, acrescentando que a ressalva é como chefe do Poder Legislativo, nessa condição poderá dialogar, mas apenas no campo institucional.

Com informações do Departamento de Comunicação – DECOM, da ALAP

  • Claro que isso é mimimi, encontraram uma forma de se descomprometerem com seus correligionários que estão inchando a esfera executiva com cargos e contratos, pra sobrar mais para os próprios bolsos.

  • O waldez fechou a torneira da propina e agora esses deputadinhos vêm dizer que é descompromisso com o povo o que o governador faz.

    Isso é mimimi!

    Se esses caras soubessem antes quem é a peça, que ja foi preso, que responde a porrada de processo, que ja foi chacota no CQC e no Marcelo Rezende (Cidade Alerta), a população não precisava passar por esse perrengue que é a saúde (citando uma de vários).

    Daqui a pouco ja estão de abraços e aperto de mão de novo, não me preocupo. Política é isso: jogo de interesse. “Toma aqui um cala a boca e ficamos resolvido”.

    A expofeira vai sair, queira sim qieira não, com seus 10 milhões. Os puxa saco dizem: “expofeira gera emprego, movimenta a economia”. Já os racionais pensam na cena de guerra nos corredores do HE, no bebê incinerado e poraí afora.

    Vai ter expofeira porque o Waldez não tá nem aí pra MP, pra Justiça, pro erário, pros doentes no HCaos e muito menos agora pra AL (tenho dúvidas quanto a este último)

    Ele peita mesmo, juiz, promotor, quem quer que seja. Não vai preso mesmo…

    O mais engraçado, pra não chamar de preocupante, é que nas rádios dos Borges, tudo está às mil maravilhas, não que eu os escute, mas deduzo pela bajulação que era.

    Eu falaria ainda da tentativa de ludibriar o cidadão com esse papo de cortar o salário, tacada de mestre, aumenta pra depois cortar o aumento e permanecer na mesma. Tem que acredite que ele reduziu o salario, mais isso já é pra boi dormir.

    Enfim, eu citaria horas de trambicagens, mas a vida é curta. Waldez reina hoje, amanhã e sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *