STJ prorroga prisão de governador e de ex-governador do Amapá

Débora Santos e Nathalia Passarinho Do G1, em Brasília

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) João Otávio Noronha decidiu nesta terça-feira (14) prorrogar a prisão temporária do governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP), do ex-governador Waldez Góes (PDT), do presidente do Tribunal de Contas do Estado, José Júlio de Miranda Coelho, do secretário de Segurança, Aldo Alves Ferreira, do empresário Alexandre Gomes e do servidor do governo José Santos Bittencourt.

Todos os seis foram presos pela Polícia Federal com outras 12 pessoas na última sexta-feira (10) por suspeita de envolvimento em um esquema de desvio de recursos públicos no Amapá.

O G1 apurou que a prorrogação da prisão foi motivada por “fatos novos” surgidos durante a investigação que reforçam a suspeita de envolvimento dos acusados com o suposto esquema de desvio de recursos. Também teria havido intimidação de testemunhas e tentativas de se esconder provas, como a transferência para contas de terceiros de recursos supostamente obtidos ilegalmente.

  • Alcilene, verifique quais os 6, realmente, pois do ESTADÃO, diz a seguinte frase.

    Além do governador e do ex-governador, permanecerão presos Marília Góes, mulher de Waldez Góes e ex-secretária de Inclusão e Mobilização Social, José Adauto Santos, titular da Secretaria da Educação do Amapá até março de 2010, Aldo Alves Ferreira, secretário de Justiça e Segurança Pública, e Alexandre Gomes de Albuquerque, empresário.

    • Para dirimir qualquer duvida

      Você está em: Início > Sala de Notícias > Últimas
      Últimas
      Atendimento à imprensa:
      (61) 3319-8593
      Atendimento ao cidadão
      (61) 3319-6802/6803
      Informações processuais
      (61) 3319-8410
      A notícia ao lado refere-se
      aos seguintes processos:
      INQ 68114/09/2010 – 20h49
      DECISÃO
      Ministro João Otávio de Noronha prorroga prisões de investigados na Operação Mãos Limpas
      O ministro João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), acatou o pedido do Ministério Público Federal (MPF) para prorrogar a prisão temporária de seis pessoas investigadas por participação em um esquema de desvio de verbas no Amapá, alvo da Operação Mãos Limpas, da Polícia Federal.

      No pedido, o MPF afirma que a medida é necessária para garantir o andamento das investigações, de modo a não comprometer os depoimentos em curso e o andamento das investigações.

      O ministro, que preside o inquérito em trâmite na Corte Especial do STJ, prorrogou o pedido de prisão temporária por mais cinco dias para preservação dos processos investigatórios. Em relação aos demais envolvidos, o ministro determinou a expedição de alvará de soltura para que sejam liberados imediatamente.

      Com a decisão, permanecerão presos o atual governador do Amapá, Pedro Paulo Dias; o ex-governador e candidato ao Senado Antônio Waldez Góes; o presidente do Tribunal de Contas do Estado, José Júlio de Miranda Coelho; o ex-secretário de Educação José Adauto Santos Bitencourt; o secretário estadual de Segurança, Aldo Alves Ferreira, e o empresário Alexandre Gomes de Albuquerque.

      Coordenadoria de Editoria e Imprensa

      Esta página foi acessada: 1060 vezes

  • Com certeza os liberados trazem novidades para os demais que aqui ficaram (com seus respectivos fiofós não mão, lógico!)

  • Parabéns Alcilene pela cobertura só assim ficamos informados em tempo real.

    A justiça está sendo feita, há necessidade de mudança urgente, as eleiçóes estão nas portas e esse quadro há de mudar só depende de nós.
    FORÇA A TODOS NÓS, A SENSAÇÃO É DE VERGONHA E LUTO.

  • A rádio difusora tem informado que o governador foi à Brasília para resolver problemas administrativos. Uma rádio estatal não pode desinformar a população com risco de cair em total descredito. Os fatos estão sendo veiculado em rede nacional. Os nossos rebeirinhos tem parabólicas e sabem o que está ocorrendo.

  • Vc sabia que a prorrogação se deu por causa de denúncia anônima ao Ministério Público Federal às vésperas do Alvará de soltura, alegando cerceamento de testemunha. Como nesse matéria não se precisa de prova, o ministro do STJ resolveu então prorrogar a prisão. Parece que a oposição adotou a tática do “que está ruim pode piorar” (Gostou do trocadilho?). Os dois estão morrendo e já vão matar logo. A farsa está comprovada. E ai WG e PP acabaram.

  • Nossa que horror!!! Meu estado, que estava sendo mostrado com o maior prazer para o todo o mundo, agora é a vergonha nacional, que Deus nos ajude a superar isso e que a justiça seja feita e que apure com rigor tudo que eles estão fazendo com o nosso Amapá.

  • Embora todos nós saibamos que isso não vai dar em nada, pois nunca dá em nada, foi justa a prisão dessas pessoas que se apossam do dinheiro publico. Só estranho porque demorou tanto tempo e as vesperas de uma eleição. Mas embora reconheça que o ex governador trouxe muitos beneficios para o estado, mas também foi o governo mais corrupto que ja tivemos. É facil destacar isso, quando dias antes de assumir o governo seu sobrinho vendia lanches na esquina da boite arena e derepente virou uma pessoa de muitas posses. É discarado mesmo
    Um abraço

    • Era oque se dizia em Brasilia(caso Arruda),mas o povo foi às ruas e o resto já sabemos.Temos que ir às ruas tb clamar por justiça,são nossas vidas e o nosso dinheiro que esta em jogo.Façamos a nossa parte,pq a justiça esta cumprindo o seu papel.Os beneficios que vc diz que esse EX fez ao Amapá e seu povo,foi sentido na pele pelos menos favorecidos e os resultados estão ai.A elite sim,foi beneficiada,fato.

  • Nem as rezas deram jeito!fizeram uma missa em frente o Palacio,mas mesmos assim ficaram presos!Nem os Santos concordaram com a soltura do ditos cujos!

  • Infelismente alcilene não basta so a prisão,o que esta em jogo é o dinheiro da população,que provavelmente não vai ser devolvido e o povo vai continuar sofrendo com a falta desse dinheiro.Não basta so a prisão dos sitados eles tem que devolver o dinheiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *