Sobre terremoto no Marajó, sentido em Macapá. Relato de uma pesquisadora do Iepa

Por Valdenira F. dos Santos – pesquisadora do IEPA; Professora do PPGMDR-UNIFAP

14 de Maio de 2021.

17h59 – Depois de um seminário e precisando refrescar a cabeça me dirijo ao meu abrigo a céu aberto. Colho uma folhas de rúcula pensando naquela pizza. Pego o carro e retorno pela estradinha. Meio do caminho, recebo uma mensagem pelo WhatsApp. Pelo horário: fim da tarde de uma sexta, não deve ser algo trivial. Uma colega pesquisadora da área de biodiversidade dá a notícia de um tremor no seu prédio e da possibilidade de ter sido um abalo sísmico. Falo das possibilidades, explico nossos riscos a terremotos na região e da ausência de um sismógrafo no Amapá…. Remeto ao Instituto de Geociências na UFPA, ao observatório no país, e base da NASA no exterior. Trocamos impressões sobre o reflexo de abalos sísmicos e de mudanças no campo magnético sobre a biodiversidade…

19:37h – Remeto a ela as informações colhidas da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR-http://rsbr.gov.br/). Ela informa ter contactado ao grupo e ter obtido pronta resposta.

Coincidência ou não, abro o email. Eis a noticia da publicação de um artigo (https://www.mdpi.com/2073-4441/13/10/1371) onde contribuímos com um item dedicado as pressões antropogênicas e ameaças naturais na foz do Amazonas.

Dentre as ameaças naturais registramos, junto com os colegas, os terremotos. Se a Terra fosse considerada um ovo, estamos sempre viajando numa casca de ovo quebrada em vários pedaços, se movendo continuamente e não permite que amanhã estejamos exatamente no mesmo lugar.

Nessa viagem e preciso ter energia, que uma ora ou outra é liberada, e uma das formas de liberação geram os terremotos.
Não é fácil viver neste planeta, cheio de armadilhas, e onde somos apenas um viajante ainda conhecendo os perigos.
Por Valdenira F. dos Santos – pesquisadora do IEPA; Professora do PPGMDR-UNIFAP

O relato da pesquisadora do IEPA veio pelo link “Você Reporter” na coluna ao lado direito do blog, por onde os leitores podem mandar suas notícias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *