Silte Tucujuara

*Edivan Barros de Andrade. Historiador e Advogado, MSc em Des. Regional/UNIFAP*.

Com muita alegria, recebi o convite para participar do lançamento do livro *Rio Amazonas: suas riquezas e problemas* do conterrâneo Cristóvão Lins, realizado em 02.07 no SEBRAE/AP.

É a sexta obra publicada pelo historiador e engenheiro agrônomo. Aos 73 anos, seu novo texto, mostra todo o vigor de sua capacidade criativa e intelectual, com a força e relevância dos argumentos apresentados.

O texto é comprometido com o desenvolvimento sustentável da região. Sem dúvida, além de sua experiência teórica, sua trajetória profissional no Projeto Jari, o credenciam a apresentar uma obra, com reflexões sobre o futuro da Amazônia e sua contribuição ao desenvolvimento regional.

Em abordagem inovadora e pioneira, o texto discorre uma tese às possíveis causas do assoreamento da foz do Rio Araguari. Para o autor, os sedimentos em suspensão no Rio Amazonas, seria o fenômeno responsável pelo perecimento da foz de um dos mais importantes rios do Amapá e não pela ação da pecuária extensiva praticada na região e nem pela construção das hidrelétricas, teses debatidas, como causas daquele fenômeno hidrológico.

Na verdade, os sedimentos lamosos do Amazonas, nascidos nos Andes, foram uma das principais inspirações para a publicação do belíssimo texto do “Pinta Cuia” Cristóvão Lins. Os sedimentos em suspensão no Grande Rio, são ainda motivos de reflexão do autor, para os impactos econômicos dessas partículas na navegação, em especial no Rio Amazonas.

Nominado de Silte Tucujuara, o autor, submeteu amostras do material coletado a testes de laboratório na EMBRAPA e UFPA, além de ter sido objeto de dissertações de Mestrado, bem como, promoveu experimentos de campo com espécies da fruticultura, horticultura, silvicultura, floricultura e emprego na construção civil, para verificação de sua viabilidade prática. Além disso, patenteou o produto, junto ao INPI, – o que é um feito de grande reconhecimento -, pois as estatísticas indicam baixo percentual de produtos submetidos a patentes por pesquisadores do Amapá.

A relevância das produções acadêmicas e as contribuições de determinado estudo para o conhecimento humano e ao desenvolvimento, permeiam os debates acadêmicos e institucionais.

Neste norte, o livro, apresenta uma inovação tecnológica com originalidade singular, com evidência de seus resultados, os quais apontam possível aproveitamento econômico do produto, para incremento da socioeconomia de comunidades ribeirinhas do Amapá e na construção civil.

Silte, são “…minúsculas partículas detríticas menores que um grão de areia”. O Tucujuara, obtido dos sedimentos orgânicos e minerais em suspensão no Amazonas é rico em Fósforo, elemento necessário ao melhoramento dos solos.

Nascido nos Andes, os sedimentos, percorrem milhares de quilômetros, há milhares de anos, até desaguarem no Oceano Atlântico ou serem acomodados, pelo efeito da maré, no leito do Amazonas ou de seus tributários, formando várzeas, praias e ilhas.

Aí reside outra contribuição valiosa da obra de Cristóvão Lins. Os sedimentos, há milhares de anos, visitam todos os dias as múltiplas paisagens hídricas da região, e pelas mãos e mente renovadas de um “caboclo da Amazônia”, poderá ser convertido em produto de alto valor agregado, e impor, caso tenha a devida atenção de empresas, instituições de pesquisa, do poder público e da sociedade, uma nova realidade no manejo de solos, cultivos agrícolas, usos na construção civil, com desejáveis mudanças na socioeconomia do Amapá.

*Edivan Barros de Andrade. Historiador e Advogado, MSc em Des. Regional/UNIFAP*.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *