Repiquete é Memória

Os chalés da Mendonça Furtado.

O das fotos, antiga residência dos professores Diniz e Dinete Botelho, foi um dos últimos derrubados pra dar lugar para esses prédios de empresas, de arquitetura duvidosa.

Alguns poucos restam resistindo bravamente. Tem um a venda, que torço para o poder público comprar e preservar com algum memorial ou casa de cultura. Ou será mais um a ir ao chão dando lugar a alguma coisa de arquitetura pavorosa, dessas que gostam de fazer aqui. Infelizmente é verdade. Macapá é a cidade dos puxadinhos. E aqui, as empresas quando compram imóveis antigos, não sabem aproveitar fachadas. Derrubam tudo, na maioria das vezes pra fazer prédios estilo caixotes.

  • Puxa!!Lembro perfeitamente dessas casas. Passava em frente a caminho da casa de minha tia-avó (querida “mãe-velha”).
    Saudades!!!

  • Nesta vila conheci diversas pessoas pioneiras do Amapá, lembro de Daryl Pimentel (foi meu colega na polícia), Cabo Camilo, Avertino Ramos, Rivadavia (O Rivinha), Aristeu Ramos (func. público quefoi goleiro – irmão do Aristeu), família Pontes, Dr. Lauro Sodré.

    • adorei rever essas fotos….minha festa de 15 anos foi na casa da Prof.Dinete Botelho…Também fui muitas vezes na casa da d.Ivaneide e Agostinho Costa……

  • Arquitetura duvidosa, arquitetura pavorosa, prédios estilo caixote. Assino embaixo, não sem antes acrescentar, de extremo mau gosto. Como diria caetano, o mau gosto do mau gosto.
    Mas esse mau gosto não é exclusividade de Macapá. Aqui em Belém, também, e muito.
    Infelizmente, o belo perde para uma funcionalidade, como você diz, pavorosa. E tem mais: constroem-se ou reformam casas em forma caixas, que para proporcionarem mais conforto, passam a adotar um ambiente “climatizado”. Tradução: mais gasto de energia elétrica.
    Aloisio

  • Arquitetura duvidosa, arquitetura pavorosa, prédios estilo caixote. Assino embaixo, não sem antes acrescentar, de extremo mau gosto. Como diria caetano, o mau gosto do mau gosto.
    Mas esse mau gosto não é exclusividade de Macapá. Aqui em Belém, também, e muito.
    Infelizmente, o belo perde para uma funcionalidade, como você diz, pavorosa. E tem mais: constroem-se ou reformam casas em forma caixas, que para proporcionarem mais conforto, passam a adotar um ambiente “climatizado”. Tradução: mais gasto de energia elétrica.
    A memória da cidade se vai, e acabam-se as referências.
    Aloisio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *