Relato de uma cidadã amapaense

Cara Alcilene

Hoje (04.11.12), de madrugada, eu e minha família sentimos na pele a insegurança pela qual passa a nossa cidade de Macapá.

Estávamos dormindo, quando por volta das 04:00 horas fomos  surpreendidos pela invasão de um marginal na área externa de nossa residência.O indivíduo estava armado,pois, o víamos pela vidraça da janela.O marginal,com o auxílio de um cabo de vassoura,afastou os fios da cerca elétrica e pulou o muro.O meliante andava pela área a procura de algum bem de valor para subtrair.Não contente,tentava a qualquer custo arrombar as janelas da casa,ficava tentando olhar para dentro de casa pra ver, com certeza,se via alguma coisa de valor que o impulsionasse,ainda mais,a entrar em casa.

Como qualquer cidadã liguei pro 190 buscando socorro. Foi ai que senti na pele o quão desprotegidos estamos!

A primeira ligação foi feita pelo meu filho, anotaram tudo!Endereço!Nome!Dizendo que estavam mandando uma viatura!O tempo passou e nada de viatura!Liguei pela segunda vez e o mesmo procedimento foi adotado!Mais tempo se passou e nada!Liguei pela terceira vez e o atendente me perguntava se eu conhecia o meliante!Pode uma coisa dessas¿!E dessa vez ele já me disse que estavam atendendo mais de 80 ocorrências e que não tinha viatura pra mandar até minha residência!Que eu esperasse!Na quarta vez que liguei, a atendente me disse, já irritada, que não tinha viatura!Desesperada, eu pedia quase pelo amor de Deus que me ajudassem, pois, o bandido ainda estava na área de casa tentando entrar em minha residência!O fato começou 04 horas e o relógio já marcava 05h20min horas!O pior é que meu marido e meu filho estavam olhando se o marginal iria entrar para travarem com ele uma luta que provavelmente terminaria em tragédia!

Nesta ligação para o 190, eu desesperada perguntei para a atendente se pra polícia vir até minha casa eu teria que pedir ajuda pro Governador!E ela prontamente disse “pode ligar senhora! fique a vontade para ligar pro Governador!”.

Nossa!Fiquei pasma!Tremia de medo!Pensei que realmente iria acontecer uma tragédia!Estávamos à mercê de um marginal armado e sem a proteção do Estado!!A última ligação que fiz foi por volta de 06h20min Horas e novamente recebi a informação de que não vinha nenhuma viatura aqui em casa!Por providência divina, pois, só podemos contar com ela, o marginal resolveu ir para a casa do vizinho, que estava sem ninguém, e lá fez miséria!Entrou na casa e revirou tudo!Não sei o que furtou de lá!O dia clareou, deixamos a hora passar, pois, tínhamos receio de que o marginal pudesse estar em nossa área ainda, e quando o relógio marcava 08h00min horas, resolvemos sair de casa e olhar o estrago que ele tinha feito!

O prejuízo material foi pequeno!Roubou apenas um aparelho de tocar cd que estava na área!Mas o prejuízo psicológico foi enorme!Minha tia, pessoa de idade, quase teve um ataque cardíaco!Meus filhos, principalmente o de dez anos de idade, estão extremamente receosos de ficar em casa e o bandido voltar!Principalmente porque a polícia não veio!Aqui quero registrar e externar meu ato de repúdio contra atendimento do 190 que em nenhum momento me tranquilizou, pelo contrário, me fez dobrar o medo que sentia e ainda estou sentindo!E principalmente pedir ao Governo do Estado, através de sua Secretaria de Segurança Pública, que tome providências urgentes, pois, os cidadãos de bem estão presos em casa, jogados a própria sorte e a mercê da bandidagem que toma conta de nossa cidade!

Obs: Através do blog vocês podem enviar um ALERTA para o 190 ou a quem compete quando o assunto é SEGURANÇA PÚBLICA. Obrigada e que Deus proteja todos nós.

Ana Francelina

  • Isso já aconteceu comigo…
    Liguei para o 190 e nada de resolverem…
    Vamos esperar! faltam só 2 anos para mudarmos esse quadro de insegurança pública em nosso Estado.

  • É triste o relato, mas é a realidade do nosso Estado. Enquanto pessoas despreparadas ocuparem cargos de Secretário de Estado, objetivando fins políticos, esses fatos serão frequentes, infelizmente.
    Todos somos reféns do medo e da insegurança.

    • Concordo com voce Miguel, não entendo porque o esse Sr Roberto continua com o cargo de Secretario de Seguranca, ele deveria estar na sala de aula se é que ele sabe dá aula, por que ele como secretario é uma negação. Enquanto ele continuar com o cargo ficaremos a merce dos bandidos, ele não sabe o que é isso porque tem segurança na porta de sua casa pagos com o nosso dinheiro.

  • A teoria do monopólio da jurisdição parece que não funciona. Pois somos obrigados a fazer justiça com as próprias.

  • Isso é sempre assim ja liguei em vários momentos em algumas situações: suspeitos andando na rua, cheira cola procurando casa pra arrombar, invasores de casas vazias e nada. sempre a polícia nunca chega a solução é comprar uma arma e esperar o ladrão chegar e depois ligar pra polícia tecnica pra levar o corpo do vagabundo. Esse Estado esta ficando refem da segurança pública, nunca tem viaturas, nunca tem combustível etc. ta feio.

  • triste realidade a do brasileiro..a quem recorremos nestas horas? por isto os cuidados que devemos tomar na medida do possível: cerca elétrica, cachoros, sensores nas portas e janelas…morl da história, estamos presos em nossas próprias casas..situação de insegurança total…pior de tudo, é no Brasil como um todo!!

  • A Sra. ai não relatou nenhuma mentira,é a real,o 190 é assim mesmo,pior,pagamos p/ainda ouvir desaforos de “puliça”,muitos sem preparo algum p/exercer suas funções.Maioria são marrentos c/os cidadãos e cidadãs de bem,os quais pagam seus salários,mas com bandidos,são gentis.Uma vergonha,pagamos impostos e estamos à mercê de bandidos.O estado deve tomar providências urgente.

  • É absurda e lamentável a situação vivida por esta família, que por força do Estado somos todos obrigados a não ter armas em casa para defender nossos entes e nossas propriedades. Conscientes disto os bandidos ‘armados ou não’ invadem nosso lar e propriedades com segurança de não encontrar resistência.
    Como também são cientes do despreparo das forças de segurança em socorrer o cidadão com eficiência e presteza. Basta ver os jornais para ver que este tipo de ocorrência aumentou em quantidade e em grau de violência em todo o País desarmado. O mesmo tipo de violência invasão de domicílios não acontece na Suíça, por exemplo, não que tenha bandidos por lá, tem sim, mas sabem que todos os cidadãos ao atingirem a maioridade, são treinados e recebem do Estado um ‘rifle’ para defesa do seu lar e País se for necessário.
    O lado outro nefasto ínsito neste traumático relato versa sobre o atendimento do 190. O problema se inicia pelos diversos números que os cidadãos têm que ter em mente, 190, 192, 192 e por ai vai, quando para um melhor atendimento e gerenciamento das chamadas e ocorrências deveria ter-se um único número com os atendimentos centralizados e com atendentes especializados.
    Eu já vi acidentes serem socorridos pelos bombeiros e durante os procedimentos chegar uma ambulância do SAMU para atender o mesmo chamado, que significa gastos de recursos humanos e matérias depreendidos desnecessariamente e que com toda certeza outra ocorrência ficou sem atendimento. E não cabe aqui culpar o cidadão ou os cidadãos, que desesperados pela ocorrência tenham ligado para os órgãos na tentativa de socorrer seus semelhantes.
    O atendimento preventivo como pretendia e era o caso da família sitiada em casa, parece que não consta nos manuais de atendimento do 190. Lembro que nas confusões do desabastecimento de combustível, ao solicitar a ajuda policial pelo mesmo 190 para por ordem na iniciada convulsão social instalada no posto, o atendente queria saber se vi alguma ‘vias de fato’ invés do bate boca e da confusão generalizada nas filas e ordem de abastecimento. No mesmo sentido no caso da família, parece que os atendentes do 190 esperam pelo pior para efetuar o atendimento, quando seria tão mais fácil e seguro enviar uma viatura que só pela proximidades das luzes e/ou sirenes poderiam afastar o meliante sem vítimas ou prejuízos de bens e de sentimentos de abandono e insegurança, e para restabelecer a paz e a ordem e dar a segurança que a família tanto ansiavam.
    É indigno o silencio dos que tem que prestar os serviços de socorro para a sociedade e na hora que algum cidadão precisa e liga, é avisado que não possui viaturas disponíveis ou estas estão sem combustível. Ora mandar o cidadão ligar para o Governador! Se não podes prestar os serviços para o qual estudastes e concorrestes, mesmo sem culpa direta pela falta de estrutura para prestar estes serviços para a população, avisem antes que estes precisem dos atendimentos, calar os tornam cúmplices pela omissão, revoltem-se e chamem a atenção da sociedade para estes problemas estruturais, o silencio os fazem também responsável do descaso.
    Hipoteco meus votos de franco restabelecimento pela dor do desamparo e que a insegurança implantou no seio desta família.

  • Gravíssima essas denúncia/relato dessa cidadã, Ana Francelina. Tal relato deveria se transformar em uma Boletim de ocorrência e se ser alvo de procedimento, seja no CIOSP, seja na Corregedoria da PM, seja na Ouvidoria do Estado. Não se pode admitir que homens públicos que deveriam tratar a população com mais zelo e atenção, fiquem brincando com a segurança pública. Urgente se faz que se mude a direção do CIODS e faça remanejamento de pessoal. Não só ali mais também nos homens que comandam viaturas e não estão prestando serviço de segurança pública à sociedade, caso soubessem da demanda e, por relaxamento, não a terem atendido. PASMEM!PASMEM!PASMEM!! Será que tem gente querendo sabotar a gestão do sr. governador do Estado? muito estranho! Mudanças tem de ocorrer de maneira urgente na segurança pública do Estado do Amapá

  • Isso é uma vergonha pra nossa cidade, que Deus nos proteja sempre pois so podemos contar com a segurança dEle.

  • É uma vergonha pra nossa cidade. só podemos contar com a segurança divina, pois não adianta termos segurança pública nessa cidade…Que Deus proteja todos nós….

  • o sofrimento dessa familia mostra, quanto familias de bem estão entregue somente proteção DEUS.

  • Cara senhora, vou falar uma verdade, o Estado não defende seus interesses, nunca defendeu e nem pretende defender. E tente exercer a auto tutela pra ver. Esse é o Estado que todos construímos, por ação ou omissão. Tá demorando pra nos mexermos, não?

  • A aflição desta familia é incontestavel, porém é uma injustiça tentar culpar a atendente do CIODS por não ter uma viatura disponivel para atender o cidadão. É escroto, mas é a verdade! Tão querendo crucificar a atendente do CIODS. Será que e ela quem compra viaturas?

  • HÁ dois anos atrás,me lembro como se fosse hoje ao lado do teatro das Bacabeiras o governador Camilo entregando trinta e poucas viaturas que são alugadas e prometendo que a cada ano a frota seria renovada utilizando o mesmo sistema de aluguél,até hoje são as mesmas viaturas , todas sucateadas,racionamento de combústivel para as viaturas é a coisa mais normal, o helicópitero prometido ficou também só na mentira, já são dois anos , não dá mais pra ficar culpando o governo passado, 4 milhões pra gastar em propaganda e se autopromover existe,mas pra resolver os problemas básicos da sociedade não têm.

  • A revolta e grande, pois já pensei duas vezes em adquirir uma arma, mas é provável que você seja presa e o ladrão solto, pior se o infrator for de menor haja processo.

  • O pior é que muitos de vocês aí que estão reclamando votaram, acreditaram na tal da mudança.
    Eramos menos infelizes e não sabiamos.
    Que Deus na sua infinita bondade nos proteja.

  • lamento por essa família. mas se fosse em meu quintal que este marginal tivesse entrado e com todo esse tempo que ele passou lá eu poderia até está no IAPEN mas ele com certeza já estaria no inferno e nunca mais ia invadir residencia aleia.

  • Já liguei algumas vezes para o CIODES, na primeira e segunda vez sempre dizem “já estamos indo”, na terceira “não temos viatura”, na quarta vez “não vamos”… e simplesmente não aparecem e a PM fica na rua de minha casa. Só Deus para nos protegermos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *