Promotoria da Saúde fiscaliza locais de vacinação no Município de Macapá

Na manhã desta quinta-feira (6), o Ministério Público do Amapá (MP-AP) averiguou as condições disponibilizadas pelo Município de Macapá para aplicação da segunda dose da vacina Coronavac para idosos, conforme divulgado. A promotora de Justiça de Defesa da Saúde, Fábia Nilci, foi até a Unidade Básica de Saúde (UBS) São Pedro, localizada no bairro Beirol, e constatou que a Secretaria Municipal de Saúde de Macapá (Semsa) não organizou o local para que os idosos pudessem manter o distanciamento.

Fábia Nilci conversou no local com a secretária da Semsa, Karlene Lamberg, que era inadmissível a situação em que se encontravam os idosos, com alguns sentados ao chão e sem espaço demarcado para que possam receber o imunizante de acordo com as medidas de prevenção da Covid-19.

A gestora do município justificou a aplicação da segunda dose da coronavac apenas na UBS São Pedro por ter sido a que apresentou o maior número de idosos vacinados com a primeira dose.

Na última sexta-feira (30/04), em reunião com a secretária da Semsa, o MP-AP, o Ministério Público Federal (MPF/AP) e a Defensoria Pública do Estado (DPE-AP), antes da confirmação de envio pelo Ministério da Saúde (MS) de novas doses da Coronavac, orientaram para que o chamamento dos idosos fosse feito por data agendada para recebimento da D2, e não por nome, e que houvessem mais pontos para atendimento de um maior número de pessoas que precisam completar o esquema vacinal.

A promotora de Justiça disse que mais uma vez o Município de Macapá descumpre orientação das instituições que fiscalizam a execução do Plano Nacional de Vacinação.

“É triste a situação que nos deparamos na UBS São Pedro, com idosos se aglomerando em busca da vacina, sendo que alguns relataram ter vindo cedo, de outros bairros distantes, por estarem com a data atrasada para recebimento da D2. Nós orientamos que a vacinação fosse feita em outras UBS, não só na São Pedro, e que as pessoas fossem chamadas por data de segunda dose não cumprida”, manifestou Fábia Nilci.

A Promotoria da Saúde também esteve nos outros postos de vacinação e “drive thru”, onde está ocorrendo a vacinação de outros grupos prioritários. Todos sem nenhuma intercorrência.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá

  • O último baluarte do cidadão é o Ministério Público. Em qualquer parte deste país. Mas quando o poder constituído passa a escamotear suas orientações, tem alguma coisa errada. E muito.
    Nesse episódio de imunização a PPM tem sido coroada com incompetência e descaso. Especialmente quando trata-se de idoso. Maus tratos, desleixo, em suma tudo de ruim aplicado sobre os velinhos. Como se esse turma fosse “ad eternum”.
    Eu, cá no meu buraco, desisti da segunda dose da tal Coronavac. É perda de tempo me estressar buscando o improvável. Meu dia seria 22.04.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *