Polícia Federal apura fraude no lançamento de candidatura feminina nas eleições de 2020 no Amapá

 

Macapá/AP. A PF deflagrou na manhã desta segunda-feira, dia 14/06, a Operação Cilada*, com o objetivo de
reprimir os crimes de falsidade ideológica eleitoral e apropriação indébita de recursos eleitorais no pleito de
2020.Doze policiais federais deram cumprimento a três mandados de busca e apreensão nas residências dos
investigados, sendo dois em Macapá/AP e o outro em Itaubal/AP.


A investigação teve início após a apresentação à PF de uma notícia de crime feita pelo Ministério Público
Eleitoral, dando conta de um esquema fraudulento que funcionaria da seguinte forma: um dos investigados,
usando de artimanha, conseguiu os documentos de uma mulher para lançá-la como candidata nas eleições
de 2020. O objetivo seria atingir a cota de participação política da mulher. Para tanto, ele teria oferecido uma
quantia em dinheiro a ela.

No entanto, as investigações apontaram que os dados informados para registro de candidatura junto ao
Tribunal Regional Eleitoral eram de outra pessoa. A mulher investigada afirma que não foi candidata e não
fez nenhum ato de campanha. Em continuidade às investigações, observou-se que ela não teve um voto
sequer e nem apresentou prestação de contas, o que é comum em casos dessa natureza.
Os envolvidos responderão por falsidade ideológica eleitoral e apropriação indébita de recursos eleitorais,
com penas que podem chegar a onze anos de reclusão.

Cilada é uma referência à forma ardil que se utiliza para conseguir candidaturas femininas em casos como
o ora trabalhado.

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *