Petês

A tendência “PT Lutas e Massas” (PTLM) lança candidatura casada do deputado Joel Banha, para estadual e do vereador Luizinho para deputado federal. A decisão é da coordenação nacional da tendência, em acordo com os candidatos.

Em Santana também tem dobradinha no PT com Marcivância para federal e Zé Luiz para estadual, candidatos do Prefeito Nogueira.

A tendência de Dalva Figueredo, que eu não sei como se chama agora (Já foi Articulação e Campo Majoritário), tem dois candidatos a deputado federal: Dalva e o advogado e superintendente do Incra, Evandro Gama, que dizem ter o apoio de Zé Dirceu e do ministro Alexandre Padilha, queridinho de Dilma Roussef.

Tem ranger de dentes no meio da turma de Dalva.

Cuidado Dalvinha pra tua batata não assar sozinha.

  • Acho que esse quadro é apenas para forçar a Dalva a pensar melhor. O grande x da quesTão é saber com quem o PT vem coligado. Será o PP, PDT, PTB ou o PSB?

  • Mais um vez o PT vem rachado nestas eleições. Vai depender em muito da coligação e assim fazer o candidato da Dalva, Joel e Nogueria!!

  • Acho ruin que cada liderança tenha seu candidato porque poderá ocorrer rachas no Partido. Porém com uma atuação belissima que a deputada Dalva tem feito acho dificil ela não voltar. E ainda toda essa galera vai fazer coeficeinte pra Dalva e Joel.

  • Deputada Dalva afirma compromisso com a questão indígena

    O município do Oiapoque irá receber um centro de atendimento às comunidades indígenas. As instalações serão custeadas por meio de emenda parlamentar de R$ 1 milhão da deputada Dalva Figueiredo. Esse centro terá a finalidade de promover ações que visem à preparação das lideranças, com a realização de cursos complementares em vários níveis para servir de apoio aos jovens que fazem cursos superiores.

    Nesta terça-feira (23) a deputada Dalva visitou à Funai, órgão executor da obra, para tratar do projeto inicial do centro, além de discutir a reestruturação da coordenadoria da instituição no município e reforma das pistas de pouso nas aldeias da região. Durante a reunião, a parlamentar solicitou ainda uma contrapartida da Fundação para atender a Secretaria Extraordinária dos Povos Indígenas do Amapá. O recurso, no valor de R$ 100 mil, visa a aquisição de lanchas e rádios para a secretaria.

    A deputada Dalva, juntamente com um representante da Funai, se reunirá com o Ministério da Defesa/Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (Comara), para uma possível parceria para reforma das pistas.

    Sobre a renovação da Fundação, a diretora de Administração e Gestão, Francisca Picanço, afirmou que as mudanças que ocorrerão na estrutura da Funai/Oiapoque não serão apenas físicas. “A Reestruturação será para qualificar o atendimento à população indígena, de forma que a gestão concentrada acontecerá na coordenação regional, em Macapá,” afirmou. Para a coordenadora geral de Promoção dos Direitos Sociais, Irânia Marques, essa reestruturação acontecerá também porque a Funai “quer envolver os indígenas no processo decisório”, numa tentativa de descentralizar a gestão no órgão.

    A deputada Dalva defendeu a possibilidade de flexibilização da gestão de recursos por meio da desconcentração da equipe técnica de acordo com as necessidades locais, para que as equipes da unidade do Oiapoque tenham condições de dar respostas rápidas às necessidades iminentes.

    Em tempo – No dia 28 de dezembro de 2009 o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou o decreto 7.056 que autorizou a renovação da Fundação Nacional do Índio. A principal mudança está na substituição das Administrações Executivas Regionais (AER) e Postos Indígenas por Coordenações Regionais e Coordenações Técnicas Locais, respectivamente. Criadas ainda no período do Sistema de Proteção ao Índio (SPI – 1910/1967), tanto as AER’s como os Postos Indígenas tinham como principal objetivo assistir aos povos.

    De acordo com a nova concepção, as Coordenações Regionais e Locais prestarão atendimento mais de perto, saindo dos centros urbanos para mais próximo das Terras Indígenas (TI) e terão como principal atribuição promover e executar as políticas públicas voltadas aos indígenas que estão sob jurisdição. O Decreto prevê, ainda, a criação de um Comitê Gestor paritário (50% indígena, 50% servidor), para cada Coordenação Regional, o que garantirá o protagonismo dos povos indígenas na implementação e execução das políticas públicas.

    Pelos próximos dias a deputada Dalva Figueiredo deve apresentar um requerimento na Comissão da Amazônia para realização de audiência pública para discutir a reestruturação da Fundação com a presença do presidente Márcio Meira.

  • Pela puxação o Raul deve ser assessor para assuntos aleatórios da Dalvinha. A verdade que ela anuncia milhões e só chega tostão, quando chega. Dá pra enganar o povão, mas não dá pra enganar quem acompanha a execução orçamentária pelos meios de comunicação e pelo portal da transparência. É Pífia!

    • João, sou simpatizante do PT, já ouvi algumas entrevistas da dalva, inclusive, já ouvi ela falar uma coisa que, se possível, gostaria que a blogueira Alcilene Cavalcante investigar, pois é um absurdo. Parece que as prefeituras estão quase todas inadimplemtes, menos CUTIAS.

  • Com o PSB,o pt tucujú não coliga, pois o pt nacional virou apêndice do que pior esiste na política brasileira o PMDB, partido fisiologista e governista. Hoje apoia o pt. Amanha se o Serra ganhar vai se bandear para os lados tucanos. Quem viver verá….

  • A batata ta assando mesmo,´para quem nao sabe, o dep. joel banha e o prefeito nogueira estao caminhando juntos, além de terem a maioria na executiva estadual do PT, acabaram de fechar mais um acordo, dep. joel banha e seu grupo que inclui o ver. luizinho apoiam a candidatura da professora marcivania para dep federal, o PT amapá nao bate mais continencia a dalvinha.

  • Não te falei, Dalvinha, que quem tem pressa come crú. Tú, nessa de querer ser mais esperta que todo mundo, foi a primeira que se abraçou com um candidato, o PP. Agora, mana, que o PP corre o risco de não ser mais candidato, diminuindo o risco que o povo corre nessa eleição e, pior que o Jorge vai assumir o lugar do PP, me diz, como é que tú vais sobreviver? O Jorge não te gosta, muito pelo contrário, e na oposição não tem cargos, fofa.

  • O Joel Banha está parece passarinho bêbado,a cada instante ele está de um lado.Acho que em 2010 ele vai voltar para Pedreira.

  • O Elson Martins não pode descartar ninguém, muito menos o PT. Não sei se é somente diabinhos ou alguma coisa do gênero, mas, há comentários que Lula, Sarney e Gilvan estão tentanto uma coligação com o PSB, vindo CAPI candidato a Governador e Gilvan a Senador. Será verdade?

  • Dá um tempo ricardo, vê se marcivânia tem cacife pra ser candiata a deputada estadual. Essa candidatura é só na cabeça fantasiosa do maridinho dela Odair Freitas. Não seu elegeu vereadora de santana em 2008, alvará deputada federal.

  • Marcos, em política nós só não vimos boi voar.Mas ia ser hilário ver dois inimigos, pois a rivalidade extrapola o campo das idéias,em um mesmo palanque. Já pensou Capi,Bigode, Gilvan e Gervásio, lá no bar da Flora na Fortaleza, traçando as estretégia de campanha? Ainda bem que tem as lanchas do SAMU, por perto….

  • Querida blogueira, tenho profunda admiração pela seriedade com que vc procura colocar as notícias ao debate das pessoas que por aqui passam. Sou entre outras coisas, membro do diretório estadual e da executiva municipal do PT – MCP. Digo que essa analise de que “o PT entra rachado nessas eleições” já ouço desde que entrei no começo da década de 90. Isso está cansativo. Outra falsa polêmica é a de que o PT (do Amapá) é levado a reboque por ali ou por aqui. Que fique claro que somos um partido nacional, que amadurecemos muito no assunto “governabilidade”, por isso o governo Lula deu outro formato no modo de relação com os estados e municípios brasileiros (sem falar no papel estratégico do Brasil no mundo). Política é a arte de compreender cada cenário. As vezes podemos arvorar dar vôos mais altos (como fizemos em 2002 com Dalva), em outros momentos optamos em fazer alianças políticas para garantir nossa sobrevivência. Me parece ingênuo também o purismo que pessoas levantam sobre a ocupação de cargos em espaços institucionais. Todos os partidos aqui e na Conchichina fazem isso. Partidários e Partidos disputam poder e isso é uma regra da política. Também é do folclore polítco que em um ano de eleição haja muita especulação. E olha que esse ano tem “di um tudo” (como dizia minha finada vô), governador que hora saia outra não sai, candidato e candidata que as vezes nem sabe dessa condição e ainda, candidatura que é lançada lá em Brasília e hora ou outra deve aterrizar no Amapá (inclusivo o fax do PT tá ligado esperando inscrição de candidatura de filiado e filiada que não aparece há anos por lá). Por fim, acho extremamente injusto e sem nível alguns comentários, que vez ou outra, leio sobre algumas personalidades da política. Tirando o fato dessa personalidade está envolvido com COMPROVADO ILÍCITO, julgo ser necessário separarmos avaliação crítica da leviandade maldosa. Por isso, na condição de companheiro de partido e admirador da Deputada Dalva Figueiredo, que por ver vezes é alvo de leviandades e conceituações pequenas, quero recuperar sua importância na política amapaense, pela sua condição de mulher pois a política ainda é um espaço extremamente maxista e por isso as críticas a ela (dalva)e a nossa pré-candidata à presidente (Dilma) tem uma tonelada de preconceito. Assim com devem sofrer as Deputadas Janete, Fátima e Lucenira. Não surgiu pra política naquela velha condição feminina “como aquele que esteve sempre por tráz de um grande homem”. Dalva se afirmou na sua opção e desejo de ser professora, na sua luta pela democratização da educação (pois pra quem não sabe, a primeira escola de educação popular foi uma iniciativa de Dalva – Escola Paulo Freire), nasceu das lutas do Sindicato dos Professores e construiu um histórico que a credencia como uma das Parlamentares mais dinâmicas da atual bancada. Nessa atual condição (Dep. Federal), teve coragem de emplementar suas emendas parlamentares de forma participativa ouvindo as necessidades do povo em cada município (Emenda participativa). Então que as mulheres que lutam por mais espaço na vida e na política estejam representadas pelas Dilmas, Dalvas, Janetes, Fátimas, Luceniras e porque que não dizer, pelas Alcilenes que bem representam a perfeição e imperfeição mulher amazonida-brasileira. Por fim, creio na democracia da opinião (pois essa aqui é apenas uma em muitas), entretanto opinião política é coisa séria!

    Abraços e considerações aos que levam a sério o papel desse blog…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.