O REPOUSO DO GUERREIRO

Por Wagner Gomes. Advogado

Dias atrás, num quiosque do Araxá, eu e Evaldy Motta, celebrávamos mais uma vez o dom da vida. Naquele instante mágico os amigos começavam a chegar. E por ser o natalício do Evaldy, os brindes se sucediam, quando o engenheiro Marcos, numa pausa, citando o escritor que mais vende livros no mundo, Paulo Coelho, pediu a palavra, e se dirigindo àquele a quem trata de “grande guerreiro” entoou:

[…]

Um guerreiro não precisa que ninguém lhe recorde a ajuda dos outros; ele se lembra sozinho, e divide com eles a recompensa.

Todos os caminhos do mundo levam ao coração do guerreiro; ele mergulha sem hesitar no rio de paixões que sempre corre por sua vida. O guerreiro sabe que é livre para escolher o que desejar; suas decisões são tomadas com coragem, desprendimento, e – as vezes – com uma certa dose de loucura.

Aceita suas paixões, e as desfruta intensamente. Sabe que não é preciso renunciar ao entusiasmo das conquistas; elas fazem parte da vida, e alegra a todos que delas participam.

Um guerreiro da luz nunca esquece a gratidão.

Todo guerreiro da luz já ficou com medo de entrar em combate. Todo guerreiro da luz já traiu e mentiu no passado.

Todo guerreiro da luz já perdeu a fé no futuro. Todo guerreiro da luz já trilhou um caminho que não era o dele.

Todo guerreiro da luz já sofreu por coisas sem importância. Todo guerreiro da luz já achou que não era guerreiro da luz. Todo guerreiro da luz já falhou em suas obrigações espirituais. Todo guerreiro da luz já disse sim quando queria dizer não. Todo guerreiro da luz já feriu alguém que amava.

 

Por isso é um guerreiro da luz; porque passou por tudo isso, e não perdeu a esperança de ser melhor do que era.

O guerreiro da luz aprendeu que Deus usa a solidão, para ensinar a convivência. Usa a raiva, para mostrar o infinito valor da paz. Usa o tédio, para ressaltar a importância da aventura e do abandono.

Finalizou sob aplausos.

 

Ao fundo, no Norte das Águas, se ouvia o som de Bossa Nova e de Vinicius de Moraes, quando o papo foi novamente interrompido, desta vez, por Pedro Taíbe, que festejando os cem anos do nascimento do “poetinha”, que se comemora este ano, e para homenagear o aniversariante, declamou a conhecida “Ilusões da Vida”, de Francisco Otaviano:

Quem passou pela vida em branca nuvem

E em plácido repouso adormeceu,

Quem não sentiu o frio da desgraça,

Quem passou pela vida e não sofreu,

Foi espectro de homem – não foi homem,

Só passou pela vida – não viveu.

 

E concluiu informando que sobre a influencia destes versos, o poeta Vinicius de Moraes, fez a composição: como dizia o poeta… que pediu para tocar:

 

Quem já passou por essa vida e não viveu

Pode ser mais, mas sabe menos do que eu

Porque a vida só se dá pra quem se deu

Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu

Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não

Não há mal pior do que a descrença

Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão

Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair

Pra que somar se a gente pode dividir

Eu francamente já não quero nem saber

De quem não vai porque tem medo de sofrer

Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão.

O bate papo corria solto no final da madrugada, e depois de muita Bossa Nova, uísque, cerveja, tira gosto e poesia, conferi que conheci o aquariano Evaldy Motta, na UFPA (Universidade Federal do Pará), como militante do antigo MDB de Ulysses Guimarães, que além de cursar Direito era estudante de Letras e fã de Pablo Neruda.

Com o nascer do sol no horizonte, resolvi baixar a minha Lei e fazendo uso de “É Proibido” do poeta chileno, decretei:

 

É proibido chorar sem aprender,

Levantar-se um dia sem saber o que fazer

Ter medo de suas lembranças.

 

É proibido não rir dos problemas

Não lutar pelo que se quer,

Abandonar tudo por medo,

 

Não transformar sonhos em realidade.

É proibido não demonstrar amor

Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.

É proibido deixar os amigos.

 

Não tentar compreender os que viveram juntos

Chamá-los somente quando necessita deles.

É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,

Fingir que elas não te importam,

 

Ser gentil só para que se lembrem de você,

Esquecer aqueles que gostam de você.

É proibido não fazer as coisas por si mesmo,

Não crer em Deus e fazer seu destino,

 

Ter medo da vida e de seus compromissos,

Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.

É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,

 

Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se desencontraram,

Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.

É proibido não tentar compreender as pessoas,

Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,

 

 

Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.

É proibido não criar sua história,

Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

 

Não ter um momento para quem necessita de você,

Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.

É proibido não buscar a felicidade,

 

Não viver sua vida com uma atitude positiva,

Não pensar que podemos ser melhores,

Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

Encerrando a comemoração e assistindo a mais um amanhecer, em frente ao Rio Amazonas, foi a vez de ouvirmos o aniversariante, que com um sonoro “JURO”, disse aceitar a minha LEI e cumprí-la – sem não menos lembrar de Alcineia Cavalcante – e frisar:

 

Juro que vou descobrir

Em que nuvem se esconde

O botão de acender estrelas

 

Feito isso

Não deixarei uma estrela apagada

– por menor que seja.

Fomos todos prá casa… Para o Repouso do Guerreiro. Também juro!

  • Quanta coisa bonita li aqui agora!Congratulações a esses dois guerreiros das letras Dr Evaldy, meu colega do curso primario no Barão do Rio Branco e, Dr Wagner, meu colega do curso colegial do Colégio Amapaense! Desejo a ambos muitas noites cheias de estrelas e de poesia.

  • Através do Wagner, agradeço a todos os amigos que homenagearam por mais um carnaval na vida, eu que por aqui cheguei na madrugada de um sábado gordo. Ao se referir a mim como um guerreiro, Wagner me faz lembrar que um guerreiro não se resume apenas em lutas e vitórias, mas, sim, que é um ser humano, com defeitos e virtudes, dosados na medida certo para não ser um diabo, nem um santo, mas um Homem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *