O cara é “Todo Música” . Um pouco do que foi a live e documentário de Enrico Di Miceli

*Clara Vieira 

Na noite de sábado, 05/12, com a licença da chuva, típica do nosso inverno amazônico e sob a luz do luar, no Bebedouro do Jardim da Flor (lugar onde se bebe alegria), aconteceu a Live Documentário e Show Todo Música, de Enrico Di Miceli.

O Documentário, dirigido pela sensibilidade do cineasta Thomé Azavedo, contou com os olhos precisos e preciosos de Nildo Preto e assistência da competente Ana Vidgal. O documentário, gostoso de assistir, conta a história do primeiro disco solo do compositor e cantor. Desde o princípio, é uma teia de histórias de amigos e parceiros do músico. Histórias que falam sobre o disco e também histórias que falam de histórias que valem a pena serem ouvidas, apenas carimbaram o que todo mundo já sabia: Enrico é todo música, mas também é todo amigo, todo alma gentil. Enrico é todo amor que se derrama em música.

O show teve direção musical brilhante de Alan Gomes e foi produzido por Clícia Di Miceli, com seu olhar de águia, que pinça cada detalhe. Essa combinação não tinha como não dar certo.  O Bebedouro emanava energia boa, tudo em perfeita harmonia com a banda que sempre o acompanha: Hian Moreira na bateria, Nena Silva e Paturi na percussão, Juninho Romano no teclado, Fabinho Costa na guitarra, Esdras de Souza no saxofone e Alan Gomes no baixo, um time de peso e música!

Na véspera da eleição municipal, quando tudo é correria e tensão, Enrico, na contramão de tudo: cantou! O músico usava uma roupa colorida e divertida, que estampava a alegria que ele sentia, acho que a roupa foi feita sob medida para a alma do Enrico: feliz! O show contou com a participação mais que especial do Poetinha, Osmar Junior, seu parceiro na música “Pedra de Mistério” e foi bonito ver em como os dois estavam felizes. Enrico cantou para Clícia sobre o amor que vivem e o amor prevaleceu na serra de carinho dos dois. O show foi lindo por inteiro, foi cantado sorrindo, cantado brilhando e ele não merecia menos que isso. O cara é realmente todo música e “a música do cara, onde há males, ela espanta.” Em tempos difíceis de pandemia, o cara transmite na live amor em forma de música, afinal: a paz se dedicara a reinar quando ele canta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *