Novo decreto de Waldez Góes contra a COVID. Dados apontam aumentos de casos entre crianças e agravamento da doença em não-vacinados

Covid-19: decreto mantém obrigatoriedade de uso de máscaras em escolas e unidades de saúde no Amapá

Dados epidemiológicos apontam para aumento de casos da doença entre crianças.

 

 

O governador Waldez Góes prorrogou, nesta terça-feira, 5, o decreto n°2637 de maio deste ano até o dia 25 de julho de 2022. A medida é para atender às necessidades do atual cenário epidemiológico do Amapá e reduzir os riscos de transmissão do novo Coronavírus.

Desta forma, o uso de máscara de proteção individual continua facultado em ambientes abertos e fechados, exceto em unidades de saúde e escolas públicas e privadas, onde continua obrigatório.

As medidas prorrogadas estabelecem ainda a fiscalização do cumprimento dos protocolos sanitários aos órgãos de fiscalização e segurança pública, assim como a continuidade da busca ativa para a vacinação, rastreamento de contatos e testagem de contactantes e familiares com casos positivos.

Fica facultado aos prefeitos de cada município a regulamentação das atividades comerciais, industriais e serviços localizados dentro das cidades.

Dados epidemiológicos apresentados pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (Coesp) apontam para um aumento na taxa de novos casos. Na semana de 12 a 18 de junho de 2022, a média móvel de casos foi de 6,43 novos casos por dia, mas este número subiu para 119,57 novos casos diários na semana de 26 de junho a 2 de julho, uma variação de 1760%, com tendência de alta nos últimos 14 dias.

 

 

“A manutenção desse decreto é de extrema importância considerando nosso atual cenário epidemiológico, onde temos uma mudança no perfil de pessoas que estão adoecendo pela covid-19”, explicou a superintendente de Vigilância em Saúde do Amapá, Margarete Gomes.

Pelo menos 14 municípios do Estado apresentam novos casos. Apenas Cutias do Araguari e Serra do Navio não registraram notificações.

“Se antes nossa preocupação eram os idosos, hoje passam a ser as crianças, que estão ocupando leitos clínicos e adoecendo com mais facilidade, por conta a falta de vacinação dos adultos e do público de 11 a 5 anos, que está com cobertura abaixo de 50%”, completa a superintendente.

 

Vacinação

Atualmente, o Amapá possui 74,35% de cobertura vacinal para a D1 e 59,62% para a D2+D. Em relação a dose de reforço, a cobertura do Estado está em 21,21%. Para o público de 5 a 11 anos, a cobertura de D1 é de 42,07% e D2 de 17,12%.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.