Notas sobre o julgamento de Wellington Raad

Estamos acompanhando o julgamento via sms de fonte do blog que está no julgamento. Vamos atualizando conforme o julgamento for avançando.

– Pai de Marcelo e Vitória Konish veio do Japão para assistir o julgamento de Welligton Raad.

– O Ministério Público atua no caso com os promotores Iaci Pelaes e Afonso Guimarães. Os advogados de defesa são Mauricio Pereira e Américo Leal. O julgamento é presidido pelo juiz Luiz Nazareno Hauseler

– O delegado Prata, que foi ouvido ontem, disse que em seus 20 anos de polícia nunca tinha visto cena tão horrível como a que encontrou no local do crime.

– O delegado Prata disse que a confissão de Wellington foi feita e gravada no MP na presença de delegados, promotores e advogados. Ele disse que Wellington afirmou que matou Carol, Marcelo e Vitória Konish. Que não houve agressão a Wellington e que o mesmo estava calmo.

– Testemunha Mari, que era empregada da família, emocionou a platéia quando chorando muito contou como encontrou os corpos da família Konish, quando chegou para trabalhar. Mari disse que Vitória Konish não gostava de Wellinton e que Carol o achava inconveniente, mas o respeitava por que era amigo de Marcelo.

– O ex-jogador Aldo do Espírito Santo, pai de Wellinton Raad, prestou depoimento na manhã desta quinta-feira. Aldo diz que Wellington foi coagido a confessar. Disse que os verdadeiros assassinos e o mandante estão soltos, mas que ele não pode revelar quem são.

Carol: Assessora Jurídica do MP e professora direito
O sepultamento de Carol com os filhos Marcelo e Vitória, em Santa Catarina
  • Que lástima essa linda moça vir de tão longe dar sua contribuiçao para o desenvolvimento do nosso Estado e ser morta justamente por um amapaense. Que desperdício de vida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *