MPF recomenda à Caixa assegurar proteção de usuários para evitar disseminação da covid-19 no Amapá

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à Superintendência da Caixa Econômica Federal no Amapá que adote medidas de proteção aos usuários dos serviços bancários para evitar a disseminação da covid-19. Agências, casas lotéricas e correspondentes bancários também são orientados no mesmo sentido. A recomendação, que fixa prazo de 48 horas para resposta, foi entregue nesta quinta-feira (30).


No documento, o MPF enfatiza a necessidade de adotar medidas de distanciamento social nas filas internas e externas e de limitar o número de pessoas no interior das agências e lotéricas. “A formação de extensas filas nas ruas dos municípios, sem qualquer observância às distâncias recomendadas, coloca em risco funcionários e clientes das agências”, frisa trecho da recomendação. A ampliação do horário de funcionamento é apontada como alternativa para reduzir a aglomeração de pessoas.

O órgão salienta que atendimentos presenciais somente devem ocorrer em casos excepcionais, mediante agendamento, dando-se preferência e exclusividade à população idosa e a pessoas com doenças graves que integrem o grupo de risco para covid-19. A proteção de funcionários e clientes, também deve ser assegurada por meio da utilização de EPIs, para os primeiros, e fornecimento de álcool em gel para todos.

As medidas adotadas pelos estabelecimentos devem ser informadas aos usuários por meio de campanha publicitária e de cartazes nos locais. Se necessário, para fiscalizar o cumprimento da recomendação do MPF, a Superintendência da Caixa deve solicitar auxílio de agentes da Secretaria Municipal de Segurança, Transporte e Trânsito, da Guarda Civil Municipal e do Departamento de Vigilância Epidemiológica.

O MPF alerta que a infração às determinações do Poder Público destinadas a impedir a propagação de doença contagiosa configura crime previsto no artigo 268 do Código Penal. A omissão do dever de fiscalizar adequadamente as medidas de contenção e segurança previstas nos decretos estadual e municipais sujeitam os agentes à responsabilização, inclusive no âmbito da improbidade administrativa.

O descumprimento da recomendação pode acarretar na adoção de medidas administrativas e judiciais cabíveis. O documento é assinado por André Bica, procurador regional dos direitos do cidadão, e Pablo Beltrand, procurador-chefe do MPF no Amapá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *