MP-AP protagoniza expansão da REDE-LAB para todos os MPs

Em Brasília, onde cumpriu extensa agenda institucional, o procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá, Roberto Alvares, reuniu  na sede do Ministério da Justiça (MJ), com Leonardo Terra, coordenador da Rede Nacional de Laboratórios de Tecnologia (REDE-LAB), para avançar na formalização do acordo de cooperação técnica que visa implantar Laboratórios contra Lavagem de Dinheiro nos Ministérios Públicos estaduais.
Roberto Alvares foi designado, pelo Conselho Nacional de Procuradores-Gerais de Justiça (CNPG), relator do projeto de expansão da REDE-LAB, cujo objetivo é apoiar a implantação dessa importante ferramenta de combate à corrupção nos MPs que ainda não o possuem.
O MP-AP foi um dos primeiros Ministérios Públicos a ter um Laboratório contra Lavagem de Dinheiro LAB-D, com tecnologia, servidores treinados e cooperação com o Ministério da Justiça.
PJG Roberto Alvares e o coordenador da REDE-LAB Leonardo Terra

“Atualmente, 11 Ministérios Públicos Estaduais: Roraima, Amazonas, Rondônia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Piauí, Maranhão, Pará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, não possuem Laboratório contra lavagem de dinheiro LAB-LD no âmbito de sua atuação, no entanto é perceptível o aumento da demanda relacionada a crimes desta natureza, em todo o Brasil, cuja ausência de recursos materiais e pessoais pode inviabilizar a realização do trabalho de apuração dos fatos, em grave prejuízo da sociedade em geral”, justificou o PGJ do MP-AP.
Durante a reunião, o PGJ solicitou a formalização dos Acordos de Cooperação Técnica com os MP´s citados, a fim de estabelecer parcerias que possibilitem o compartilhamento de conhecimentos, treinamentos, intercâmbio de informações, metodologias e recursos tecnológicos para a produção de informações estratégicas, necessárias à melhor utilização dos bancos de dados próprios e os compartilhados por instituições parceiras.
Leonardo Terra, que atua na Secretaria Nacional de Justiça, por meio do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional, reconheceu a necessidade de expansão da Rede, bem como a articulação em andamento. “Essa atitude do CNPG, coordenada pelo PGJ do Amapá, é de suma importância, tanto como ação administrativa , como estratégia para cobrirmos todos os MPs do Brasil. Daremos o apoio necessário”, assegurou.
Satisfeito com o andamento dos trabalhos e a sinalização positiva do Ministério da Justiça, Roberto Alvares acrescentou: “Essas medidas são fundamentais para o aprimoramento de ações conjuntas, que visam somar esforços para o combate ao desvio de recursoLeonardo Terra, coordenador da Rede Nacional de Laboratórios de Tecnologia REDE-LABs público no Brasil. O nosso propósito aqui é contribuir, de alguma forma, para melhorar o Estado brasileiro”, finalizou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *