MP-AP apresenta experiência de construção Cadeia de Valor Integrada e do Planejamento Estratégico da instituição

Em live promovida pela Associação Internacional de Profissionais de Gerenciamento de Processos de Negócios (ABPMP) – Brasil, na noite da última quarta-feira (24), o Ministério Público do Amapá (MP-AP) compartilhou a experiência exitosa de estruturação da sua governança institucional, a partir da construção da Cadeia de Valor Integrada – CVI e do Planejamento Estratégico Institucional – PEI.

O evento, transmitido via youtube, foi mediado pela mestre em gestão pública e vice-presidente ABPMP, Nicir Chaves, e a experiência do MP-AP foi apresentada pelo promotor de Justiça João Paulo Furlan, coordenador da Comissão de Planejamento Estratégico – CPE/MP-AP, e o técnico do Departamento de Planejamento – DEPLAN, Fredson Alves, servidor do MP-AP. O objetivo foi contribuir para o debate sobre os desafios colocados à transformação das organizações públicas visando promover políticas que atendam com eficiência às demandas da sociedade.

“Um grande diferencial nosso foi o envolvimento de todos, incluindo a alta liderança, com participação ativa da administração superior, chegando aos demais membros, servidores, colaboradores e clientes do MP-AP, ou seja, o cidadão. Havia certa resistência aos conceitos muito rebuscados sobre planejamento estratégico. Quando assumi a presidência da Comissão foi um enorme desafio. Durante o processo, fui procurando desburocratizar e desconstruir um monte de conceitos técnicos que tínhamos, fazendo um link com a nossa realidade e nos apaixonamos pelo resultado que trouxe para a nossa instituição. Hoje, me questiono: como uma empresa ou organização consegue viver sem PE?”, iniciou o promotor Furlan.

Na sequência, foram apresentadas as etapas percorridas para organizar um PE capaz de atender à missão do MP-AP, que é promover a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses públicos, para o bem-estar de todos e pela justiça social. “O caminho é realmente esse. Vimos que a cadeia de valor é o insumo para o PE, e faz toda a diferença. Cada entrevista, cada fala, cada informação levantada nas pesquisas tiveram impacto sobre a cadeia. Tudo foi agrupado, refletindo nos interesses e desejos dos que fazem a instituição acontecer cotidianamente. E, desse caminho, foram surgindo os nossos objetivos estratégicos”, acrescentou Fredson.

A partir desse trabalho coletivo, foi possível mapear os macroprocessos e processos. “É muito trabalho sim, mas agora temos um norte, um caminho traçado com início, meio e fim. O nosso valor público é justamente a entrega dos nossos serviços em busca do cumprimento da nossa missão institucional e da nossa visão, ou seja, o que queremos ser daqui a dez anos: reconhecidos pela sociedade como uma instituição de excelência na busca por justiça social. Para isso, definimos as entregas ao cidadão e os processos para chegar a esses objetivos”, explicou o promotor.

Outro aspecto muito relevante do processo de construção democrática do PE do MP-AP é a busca incessante pelo envolvimento de todos que ajudam a construir a instituição. “A gente queria que membros, servidores e a sociedade nos dissessem o que deveríamos fazer e como atuar no MP. Assim foi muito mais fácil engajar. Creio ter sido – como eu disse anteriormente – o nosso grande trunfo. Tornou-se, portanto, um processo altamente participativo de construção do Mapa Estratégico e da nossa Cadeia de Valores Integrada (CVI)”, frisaram.

Na apresentação, todas essas etapas foram detalhadas: curso de BSC (balanced scorecard), ferramenta utilizada para definição dos indicadores de resultado; análise normativa e capacitação online; pesquisa online; entrevistas externas; entrevistas presenciais; oficinas; aprovação da CVI e do PEI e, por fim, e elaboração do Plano Geral de Atuação 2020-2021. O MP-AP está agora na fase de desdobramento e alinhamento das ações, com elaboração de projetos estratégicos.

“O Mapa Estratégico foi aprovado no final do ano passado pelo Comitê Gestor. Abriu o orçamento em 2020 e veio a pandemia. Ainda falta executarmos alguns poucos projetos, devido o atual contexto, mas evoluímos muito no mapeamento de processos e definição de indicadores e metas. Haverá mais participação coletiva, para que o MP-AP tenha credibilidade e seja reconhecido por todos, nas mais diversas áreas, apontando a melhor forma de medir a sua produtividade e, dessa forma, possamos abraçar a busca por esses objetivos”.

Após a exposição houve debate com perguntas enviadas pela mediadora e internautas. Ao final, a consultora Nicir Chaves, que vem prestando assessoramento técnico ao MP-AP, reconheceu o belo trabalho realizado na instituição. “Vocês estão realmente de parabéns. O envolvimento da alta liderança, com a participação dos demais atores que fazem girar as engrenagens do MP, foi realmente um grande diferencial. Tenho certeza que os avanços serão muito significativos para todos”, finalizou.

A live foi gravada e está disponível aqui: https://www.youtube.com/watch?v=T8lH6NLw23M&t=3446s

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *