Mobilidade urbana: com aplicação de tecnologia alemã, Prefeitura de Macapá inicia pavimentação na Rua Claudomiro de Moraes

Obras de mobilidade urbana avançam no bairro Congós. O Município iniciou os serviços de pavimentação nas ruas Benedito Lino e Claudomiro de Moraes. Por meio de tecnologia alemã, as vias receberam o tratamento para uma base resistente, com reaproveitamento do antigo pavimento e a colocação de uma geogrelha, o que dará mais durabilidade. Os trabalhos são referentes ao 1º eixo, que contou com a articulação do presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre. Nesta primeira etapa, o valor é de R$ 40.885.273,00, mais contrapartida do Município, de cerca de R$ 2.213.632,27.

A obra irá fazer a restruturação e organização do sistema de transporte urbano do município. Nesta primeira etapa, compreende o eixo – Rua Claudomiro de Moraes à Av. Clodovil Coelho; Av. Treze de Setembro, entre as ruas Claudomiro de Moraes e Hildemar Maia; Av. Clodovil Coelho, entre as ruas Claudomiro de Moraes e Santos Dumont; Rua Hildemar Maia, entre as avenidas Antônio Coelho de Carvalho e Treze de Setembro; e a Av. Santos Dumont, entre as avenidas Antônio Coelho de Carvalho e Clodovio Coelho.

Os trabalhos iniciaram no mês de novembro, sendo feito o alargamento da via e preparo das caixas coletoras para as tubulações do sistema de drenagem profunda, que fará a captação das águas pluviais. O sistema de drenagem nas duas vias já foi concluído e agora as vias começaram a receber o preparo da base e pavimentação, que ganhará um reforço com a tecnologia alemã, denominada geogrelha, que tem como objetivo dar mais resistência à massa asfáltica.

“Quem transitar por essas vias notará a diferença no pavimento. O Município está trazendo uma nova tecnologia, jamais vista aqui na cidade. O trabalho de reaproveitamento do pavimento antigo para o preparo da base e a colocação da geogrelha, deixando o pavimento mais resistente. Ela é equivalente à 12 cm de brita graduada, que dá resistência à base e também combate as trincas, pequenas rachaduras no asfalto”, explica David Covre, secretário adjunto de Gestão e coordenador do Plano de Obras do Município.

Até o momento, cerca de 420 toneladas de massa asfáltica já foi utilizada. Ao mesmo tempo que em um trecho da via está sendo feita a aplicação do pavimento, em outro trecho a recicladora e máquinas de compactação trabalham no preparo da base. Com olhar atento, o autônomo Francisco Dias observa o trabalho de pavimentação. “Eu pensei que não ia ver esse asfalto novo, mas, além de me surpreender com o novo asfalto, fiquei curioso de ver esse trabalho diferenciado. A máquina ia tirando o asfalto velho e já triturando e deixando para trás, e outra vinha compactando, não perde nada; e também essa tela, que ficará debaixo do asfalto. Estamos felizes que nossa rua é a primeira que está recebendo essa nova tecnologia, muito bom mesmo”, comenta.

Além da pavimentação, a obra contempla as vias com calçadas padronizadas, iluminação de LED e o canteiro central localizado na Rua Claudomiro de Moraes será transformado em um grande jardim, com a inclusão de ciclovias.

Secretaria de Comunicação de Macapá

  • A pavimentação com a utilização de geogrelha (que é constituída por elementos rijo à tração e absolutamente conectados com o intuito de fortalecer o solo, as geogrelhas tem formas vazadas para que as aberturas permitam maior interação e ancoragem em sua utilização. São indicadas para obras de engenharia, tais como: aterros, pavimentos, encostas íngremes e terraplenagem, este último para construção da subbase e base) busca apresentar a inclusão de materiais sintéticos entre as camadas da pavimentação, com a finalidade de reforçar o conjunto asfáltico. A utilização da geogrelha pode ser uma solução viável, trazendo benefícios quanto ao prologamento da vida útil dos pavimentos, e consequentemente a diminuindo os custos com a manutenção das vias e rodovias, haja vista que as patologias nesses pavimentos se tornarão menos frequentes. A geogrelha em contato com o material agregado cria um confinamento que absorve as tensões de tração aplicadas na superfície do pavimento, distribuindo melhor as tensões e exercendo uma grande função estrutural.

  • Muito bem dito, meu caro eng Ozeias.
    Aqui no Amapá esse artificio tecnológico foi usado pela primeira vez, no inicio do primeiro governo de Waldez Goes, quando era secretário de transporte meu colega e amigo, eng Odival Monterrozo, num atololeiro intransponivel, nas vizinhanças de Cojubim, Taratarugalzinho. Até hoje nunca mais deu problema.
    Esse conhecimento tem alguns anos. Alguns alfarrábios dão conta que os chineses empregaram principio idêntico na construção da grande muralha. Maravilhas da engenharia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *