Clima político esquentando. Menos, pessoal

Governador Camilo Capiberibe ficou indignado ontem, com setores da imprensa que o acusaram de acabar com o tal forrozão da Praça Barão.

Batalhao Ambiental tinha 12 reclamações contra a poluição sonora no evento. Segundo o comandante do Batalhão, Tenente Coronel Ailton, após medir o volume do som, os policiais pediram que fosse diminuído e os organizadores do evento não aceitaram, preferindo paralisar. A ocorrência foi logo politizada, virou polêmica e alguns aproveitaram, sim, para manipular a informação.

Agora ficamos nós  na torcida para que o Batalhão Ambiental atue em todo e qualquer local ou evento que essa cultura horrorosa de usar som esfolando esteja perturbando.

  • O que mts não perecebem é que a nossa tão moralista “imprensa” está determinada a fazer do governo atual um verdadeiro inferno, td santo dia tem alguma matéria contra o governador ou alguém proximo dele. Mamaram 8 anos na teta no governo passado, passavam mensalmente lá na amazoom pra pegar a bufunfa, e agora querem posar de santos. E eu pergunto, de quem são as inumeras rádios e emissoras deste Estado?? não precisa ser mt inteligente pra saber o que existe por tras desses bombardeios de reportagens, dá nojo ler esses jornais locais. OREMOS..

  • Essa cultura brega de esfolar o som é realmente “UÓ” aqui em Macapá,o batalhão ambiental tem que agir mesmo, p/cima desses folgados.Na orla da cidade ainda tem “neguin” que passa com o carro trepidando,um horror!

  • A condição de ser a casa do governador no outro lado agrava a situação da festa. Queira ou não, quem quer que seja, a pessoa que mora em frente é o chefe do executivo estadual, merece respeito. Não falei o nome do governador que podia ser Pedro, Zezinho, ou quem quer que seja.
    Ocorre que eu adoraria que essa eficiência do Batalhão Ambiental fosse em todo o estado.

  • PERGUNTAS:
    1- Se fosse festa oficial do gov. do estado a pol. ambietal teria vindo verificar?
    2- Nesse período o q + tem é festa junina c/ som alto. É a 1ª vez q vejo essa arrumação.
    3- nos “arredores” da pça tem praticamente só stabelecmento comercial.

    4- A cidad tá cheia d lugares em q o som está acima do normal: pq em 1 evento oficial da pref. a interdição?

    oBS:ñ votei nem nunk vô votá nesse prefeito q aí está ( ele foi preso na papuda ). Sei q tev uso politico, + o gov dizer q ñ tem nada c/ isso é qerer nos fazer de idiotas.

    OBS2: Ñ sô filiado a partido nemhum. O gov. tá só começando; esse pref. já vai pro espaço, pq o gov se desgastar à toa?

  • Engraçado: Ninguém veio diminuir a intensidade do som aqui próximo do sambódromo. Nem das inúmeras explosões de som que ocorrem por aí. Tenho um compadre que mora bem pertinho da AERC. Coitado: já fez umas 200 chamadas para o Batalhão Ambiental e ó, ó…top, top, top

  • Hei Blogueira!
    Não é este “Tal forrozão da Praça Barão”, é “O Forrozão da Praça do Barão”, evento este que é um sucesso. Temos que reconhecer que o Evento realizado lá no Sambódromo é uma Catástrofe chamada R$ 700.000 jogados fora, pois o público não participou.
    Humildemente a FEFAP juntamente com a PMM, fizeram o seu Forrozão e o povo foi em massa prestigiar.
    Prestem atenção, o Governo tem a responsabilidade de FOMENTAR a cultura do nosso Estado, mas o que se vê, é que o seu Camilo, o seu Zé Migal, esta acabando com a cultura popular, foi assim com o Carnaval, esta sendo assim com a quadra junina, esta sendo assim com o projeto das festas tradicionais, e por aí em diante.
    Governador! O Zé Migal é um excelente cantor e compositor, mas, se vossa excelência não exonera-lo, ele vai perder o respeito do público que o acompanhou, pois relacionado a Gestão ele é o pior da História da Cultura Amapaense.

    • Sou daqui..sempre frequentei, divulguei e prestigieia a cultura tradicional, e esse tal forrozão de tradicional nao tem nada..É a minha opinião. A sua pode pode ser diferente..

    • De professor você não deve ter nada, mande a Presidente da FEFAP fazer a prestação de contas dos quase Dois Milhões que ela pegou do governo passado e que ainda não prestou conta dessa dinheirama e ainda teve a cara de pau de entrar na Justiça para ver se conseguia pegar mais dinheiro, ora faça-me o favor, vá catar coquinho e mande a Presidente prestar conta do nosso dinheiro. Só falta o óleo de peroba passar nessa cara de pau de vcs.

  • O QUE JAMAIS SE PODE COLOCAR EM JOGO E A ATUAÇAO DO BATALHAO AMBIENTAL PORQUE ELES ESTAO DE PARABENS MESMO PELA BRILHANTE ATUAÇAO QUE FAZEM EM MACAPA PORQUE O NEGOCIO JA ESTA DEMAIS MESMO E MUITA PERTUBAÇAO DE SUSSEGO NAS NOITES DE MACAPA LOGICO NUNCA LEVAR PARA O LADO POLITICO NAO PORQUE E A CASA DO GOVERNADOR NAO SE FOSSE EM MINHA CASA CHAMARIA TAMBEM A AMBIENTAL ATE PORQUE NINGUEM GOSTA DE SER IMCOMODADO VI DE MANHA EM ALGUNS JORNAIS DIZERNDO QUE O GOVERNO MANDOU PARA A MUSICA PORQUE ESTAVA ALTA

  • Acho q quem diz q ao redor da praça do Barão só tem a residência do Governador, não deve morar em Macapá. Minha tia mora por lá também e foi uma das que reclamou do barulho. A imprensa no Amapá ta indo de mal a pior (não estou generalizando), devia ter um curso de reciclagem para esses q se dizem jornalistas. Se o governo fosse o q eles apoiaram, não estaríamos ouvindo/lendo tanta asneira nos jornais locais. Santa paciência!!!

  • Combater a poluição sonora é competência do Município. Desde 1941 a pertubação do sossego já era considerada contravenção penal, com prisão de 15 dias a um mês, mais multa. Cadê os vereadores? Já fizeram algo a respeito?

  • Moro próximo a praça do Barão e achei correto a atitude do batalhão ambiental. Quem critica são as pessoas que não moram perto do local ou tem outros interesses. Gostaria que os criticos de plantão passassem uma noite sem dormir em decorrência da barulheira infernal que estava na praça que certamente suas opiniões seriam outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *