José de Arimathéa Vernet Cavalcante

Faleceu ontem em Belém, depois de lutar contra grave enfermidade, o advogado José de Arimathéa Vernet Cavalcante, nosso querido Ari.

Inteligente, brilhante e espirituoso, Arimathéa foi Procurador-Geral do Estado e secretário de Segurança Pública nos governos de Capiberibe e Nova da Costa.

Militou politicamente, sempre em defesa do Amapá e foi um dos fundadores do PSDB no estado.

Incentivador da cultura amapaense, Ari participava ativamente das manifestações culturais do Amapá.

Lamentável perda.

Arimathéa no bloco a Banda, com a esposa Dra Deyse Maria e Isabela.

 

Atualizando Informações

O corpo do dr José de Arimathéa chega a Macapá no vôo de meia-noite, hoje. E será velado na sede da OAB, instuição que ele foi um dos fundadores.

Mais informações, vamos postando aqui.

 

    • Senhor Vitor Valentin,
      Com o respeito que com certeza o senhor merece, não vejo nada errado na foto publicada. Mostra um momento feliz da família e do Sr. Arimathea. A morte, embora deixe-nos muito saudosos pela perda da convivência com a pessoa que parti, não apaga esses momentos e não deve ser motivo para esquecê-los, muito ao contrário, ajuda-nos a superar a dor e a saudade.

    • Essa foto é a cara do Arimatéia,sempre de bem com a vida e nos momentos de folga se divertindo.Não tem como apagar principalmente fatos felizes da vida de uma pessoa.Ele foi meu chefe na segurança pública quando fui assessora de comunicação, um chefe que sempre respeitou meu trabalho.Uma latinha na mão não faz mal a quem sabe beber.minhas fotos com copo e lata são muitas,ai de quem queira apagar esses momento da minha história!!Um brinde e um gole em homenagem á passagem do Ari por esta vida!!!

    • Hoje, ao final do velório do nosso Arimathea na sede da OAB/AP, o Preclaro amigo Wagner Gomes felicitou a Alcilene pela foto, que, segundo ele, é como o Ari Gostaria de ser lembrado, ou seja alegre, de bem com a vida! Se analisarmos bem, o Wagner tem razão, pq a morte não deveria ser fato a causar tristeza, mas, de alegria porque é “morrendo que se nasce para a vida eterna” (S. Francisco de Assis). E o Ari, deixou marcas indeléveis na História do Amapá e não seria uma foto portando cerveja que iria macular todas suas realizações. Ele adorava a Banda, da qual era fundador. Não vejo pecado algum na foto.

  • É grande a perda para o Amapá e principalmente para a família do Arimathéa, porém, descansou o companheiro, depois de anos de luta contra sua enfermidade. Creio que Deus, em sua imensa misericórdia e amor, acolheu o Arimathéa, para que se junte aos outros grandes pioneiros e irmãos que partiram. Meus sinceros pêsames a Deyse Maria e a toda sua família.

  • Uma grande perda para o Amapá!! trabalhei com o Dr. Arimathéia, pessoa íntegra, forte e competente! que DEUS o receba em sua morada. Um abraço a Dra. Dayse.

  • Tenho a absoluta certeza que o Pai Celestial já o recebeu de braços abertos e cheio de alegria. Descanse em Paz meu Querido Amigo Arimathéa. O Piratão que era uma de suas paixões está de luto, afinal o Ari dizia que por essa Escola era capaz de tudo na vida e vc Alcilene é testemunha disso. Condolências à Família e 1 grande abraço à Deyse Maria. Abs. Matta.

  • Lene,
    Não convivi com o Sr. Arimathea, mas conheço e gosto muito de sua esposa, D. Daysi, filho do saudoso “chefe” Clodoaldo, com quem tive o prazer de trabalhar na Prefeitura de Macapá e a pequena Isabela, coleguinha de meus filhos no Bartô. Neste momento, dirijo minhas preces e carinho à toda família.

  • Lamentável perda. O Ari era tudo isso e muito mais. Felizes os que tiveram o prazer da sua convivência como eu tive. Ele está na glória do Pai Celestial a quem peço conforto para a nossa querida Dayse Maria e toda sua família.

  • Minhas condolências aos familiares, especialmente aos filhos residentes em Belém.
    Que Deus seja o conforto e consolo para todos os amigos e parentes neste momento, na certeza de que o Dr. Arimathéa foi bem acolhido pelos anjos e santos e descansará em paz.

  • Recebi com muita tristeza a noticia da morte do seu Ari, pai do meu amigo Arizinho, q hj mora em Belem junto com suas irmãs. Que Deus receba em seu coração, este grande homem, que sempre preferiu a humildade.

  • Recebí com muita tristeza a noticia do falecimento do amigo Ari. Guardo boas lembraças dele ao tempo de Procuradoria do Governo, quando sempre tratava de forma amável os colegas. Trata-se de uma irreparável perda, de um homem de grandes qualidades e de imensos serviços prestados ao Ex-Território e ao novel Estado do Amapá. Com certeza, seu nome será lembrado, como um homem público, que contribuiu muito para o desenvolvimento do Estado. Rogo à Deus que DÊ força e conforto à familia enlutada. Descanse em paz junto à Deus, Anjos e Santos.
    Jonatas Cardoso/Brasilia/DF

  • Tive o privilégio de privar da amizade do Ari. Ele também foi fundador da Banda e da OAB/AP. Aquela, símbolo maior da alegria momesca; esta, instituição cuja respeitabilidade e luta pelo estado democrático de direito é de todos conhecida. Esses dois fatos demonstram a dimensão da personalidade do meu amigo.Durante o seu velório, seus amigos advogados, Wagner Gomes, Ronaldo Serra, Helder Ferreira, Emanuel Dante e eu, prestaremos uma homenagem “black” a ele, ao estilo de outras das quais ele participou conosco.

  • Externo as condolências à família do querido Arimathéa. O conheci quando eu ainda era criança, pois era amigo de minha mãe.
    Que Deus abençoe a sua família e o guie nesta passagem ao plano espiritual.

  • Tive a honra de ser amigo do José de Arimathea Vernet Cavalcanti, um dos homens mais honestos que conheci. Tive o prazer de trabalhar com ele na Secretaria de Segurança Pública e pode conferir de perto quanto era probo, zeloso, integro em relação a coisa pública, e muito inteligente. Como profissional do direito, sempre pautou pela ética, honrando sobremaneira o exercício de nossa profissão. Quando chegou formado em Macapá, em 1971, ocupou o cargo de Diretor de Pessoal da SAG. Depois foi procurador geral do Estado, por duas ou tres vezes, Delegado de Polícia, Secretário de Segurança Pública e, por fim, ocupava o cargo de Assessor Jurídico do IBAMA. Estou solidário a seus familiares: Dayse, Arizinho, Karime e Karina e todos os demais, e peço a Deus que os cconforme nesta triste hora da separação. O Ari foi um bom homem. Os bons homens não morrem, nascem para a vida eterna e, comcerteza, verão a Deus.

  • “Morre o homem fica a fama, e o coração de quem ama bate pra valer…” Essa latinha de cerveja na mão do Arimatéia, caracterizava a vivacidade em seus momentos de lazer.

  • “Morre o homem fica a fama, e o coração de quem ama, bate pra valer…” Essa latinha de cerveja na mão do Arimatéia, caracterizava a vivacidade em lazer e, em minha memória, essa é a imagem que guardarei eternamente, sem contar a casa da família às margens do Rio Araguari, em Ferreira Gomes, que carinhosamente é ou era cognaminada de ÁGUADOARI, se não me falha a memória, aonde Arimatéia curtia seus momentos de espairecimento em finais de semana. Descanse em Paz, no reino celestial! E, “ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE”.

    • Saudade daquela casa gostosa na beira do Araguary onde ia com meus filhos pequenos. O Ari colocava o dia inteiro a música Tarumã pra tocar. ” É um rio encantado, o Araguary, o Araguary o Araguary”. Vivemos bons momentos lá

  • Eu trabalhei com Arimathea durante 04 (quatro) anos no Conselho Estadual de Cultura, éramos conselheiros,e falar dele é muito fácil, figura de um carinho imensurável, e de uma ética sem tamanho.
    Defensor incontestável das coisas de nossa terra. Tanto, que muito lutou para publicar a Obra escrita por seu Pai, e que infelizmente não teve sucesso.
    Nosso Amapá, fica mais triste, nosso céu fica mais brilhante, pois com total certeza, esta boa alma que nos deixa, soma-se com as boas almas que brilham e zelam todas as noites, por nossa terra.
    Vai companheiro, te encontra com os teus e diga a eles, que pessoas aqui continuam tendo saudades de um momento que muitos não viveram.

  • QUERO DEIXAR EM FORMA DE POESIA A MINHA HOMENAGEM A0 COMPANHEIRO ARIMATÉIA:

    O GRANDE ENIGMA.

    EMBRIÃO DE FLOR. NÃO NASCESTES
    PARA FICAR. CRESCESTES
    (OH, TRISTEZA FATAL!)
    PARA NO OUTONO MORRER.
    TAL É SEMPRE NOSSO DESTINO:
    VIVEMOS PARA SOFRER
    E ALIMENTAR A VORACIDADE
    INSACIÁVEL DA MORTE.
    COMO E DE ONDE VIEMOS
    AO MUNDO?… PARA QUE OUTRO MUNDO IREMOS?
    ANTES DE VIVER, VIVÍAMOS?
    E DEPOIS DA MORTE,
    RESSUSCITAREMOS? E EM QUE TERRA?
    AÍ ESTÁ O MISTÉRIO INVIOLADO
    NO QUAL SE ENCERRA A VIDA
    COMO NUM COFRE SELADO.
    (FAUZI MALUF, SOBRE O TAPETE DO VENTO)

  • Amigo especial de convívio simplesmente repleto em tudo.
    O saldo de sua passagem é a enorme expressão da saudade que agora nos espanca.
    O certo é que se conheci um homem de bem, que deixou a especial lição de como é atravessar a vida de forma digna, sendo verdadeiro e feliz.
    Com certeza vai continuar brilhando para onde quer que tenha ido.
    SAUDADE IRMÃO ARI

  • COMO JA DISSE ANTERIORMENTE O COLEGA EVALDY MOTTA, IREMOS PRESTAR UMA HOMENAGEM AO COMPANHEIRO ARI,NA SEDE DA ORDEM DOS ADVOGADOS. E PARA REFLEXÃO DE TODOS NÓS, LEMBREI-ME DA POESIA “O GRANDE ENIGMA” QUE QUERO COMPARTILHAR COM TODOS OS AMIGOS:

    EMBRIÃO DE FLOR. NÃO NASCESTE
    PARA FICAR. CRESCESTE
    (OH, TRISTEZA FATAL!)
    PARA NO OUTONO MORRER.
    TAL É SEMPRE NOSSO DESTINO:
    VIVEMOS PARA SOFRER
    E ALIMENTAR A VORACIDADE
    INSACIÁVEL DA MORTE.
    COMO E DE ONDE VIEMOS
    AO MUNDO?… PARA QUE OUTRO MUNDO IREMOS?
    ANTES DE VIVER, VIVÍAMOS?
    E DEPOIS DA MORTE,
    RESSUSCITAREMOS? E EM QUE TERRA?
    AÍ ESTA O MISTÉRIO INVIOLADO
    NO QUAL SE ENCERRA A VIDA
    COMO UM COFRE SELADO.
    (FAUZI MALUF, SOBRE O TAPETE DO VENTO)

    MEU CARO ARI, O PRIMEIRO BRINDE É O SEU.
    VIVA A VIDA!!!ADEUS A MORTE…

  • Ismael Souza
    Quando entrei no serviço público em 1987, tive a grata satisfação de ter como chefe, no Cargo de Procurador-Geral do Ex-Território Federal do Amapá a figura do AMIGO ARI. Naquele instante, pude perceber a maneira equilibrada, generosa e competente em que comandava aquele órgão jurídico. Esse comportamento serviu como uma verdadeira lição para minha vida funcional.
    A nossa relação de amizade extrapolou as paredes da Procuradoria, e, juntamente com sua esposa DEYSE MARIA – amiga de todas as horas – passamos por inúmeros momentos de alegria.
    Que Deus de abençoe nesta nova caminhada e obrigado pela boa convivência que passamos nesta vida.

  • Perdi um amigo!!! E esse soube aproveitar a vida. Um profissional na essência da palavra, que sabia como ninguém separar o publico do privado, sempre muito justo e correto em suas decisões, leal e parceiro, serio e alegre nos momentos necessários. Quando me lembro de sua irreverência no âmbito político e social, de suas voltas de bicicleta. Suas idas para a Secretaria de Segurança nas manhãs e tardes tinham que passar pela orla que ele dizia que tirava suas forças da visão do rio. E de nossos finais de semana no Araguari… Nosso Estado perde muito com sua partida, pois, perde a cultura, perde a política e principalmente o povo que perde um defensor dos princípios éticos, morais e sociais. Aprendi muito com ele, duas coisas: Ser honrado sempre e nunca fugir de uma boa luta.
    Mantenha-se simples, bom, puro, sério, livre de afetação, amigo da justiça, temente aos deuses, gentil, apaixonado, vigoroso em todas as suas atitudes. Lute para viver como a filosofia gostaria que vivesse. Reverencie os deuses e ajude os homens. A vida é curta. (Marco Aurélio)

  • foi com muita tristeza q liguei p mamãe para dar a notícia do desencarne de um dos seus grandes amigos. Aproveito o espaço para deixar meus sentimentos a todos os famílliares do Dr. Arí, que Deus conforte seus corações.

  • Gostaria de externar a minha profunda tristeza pelo desencarne do meu amigo Arimatéa.
    Nossa amizade desde a infância se fortificou durante os anos, no ambiente de trabalho e fora dele também.
    Muitas vezes briguei com Zezinho (como chamávamos na infância) por pegar escondido minha bicicleta para dar voltas pelo quarteirão, e eu furiosa ia atrás, mas depois tudo virava brincadeira e riámos muito. Muitas vezes discutimos assuntos de trabalho, rimos, bebemos, brincamos, etc, lembranças que neste momento me enchem de saudade.
    Valeu amigo Ari!
    Que Deus conforte minha amiga Dayse e todos os seus familiares.

  • Agradeço imensamente o reconhecimento, o respeito, acima de tudo a amizade devotada por uma vida toda, onde nunca faltou honestidade, justiça,siceridade e cumplicidade. Obrigada aos amigos que sempre tiveram presentes em todos os momentos que compartilhamos, mesmo os mais difíceis. Aos amigos das tarde de domingo que juntamente conosco gozaram de tanta alegria, aos amigos do bar do abreu, xodó, norte das águas, da banda, de Ferreira Gomes (batizada tão poeticamente de Água do Ari) e de e muitos outros que mesmo no seu silêncio se faziam presentes. Aproveito o espaço para convidar aos amigos para a sua missa de 7º Dia de Falecimento que acontecerá na Igreja dos Capuchinhos as 19:00 horas.
    Daisy Maria

    • Querida Dedê..Um beijo muito grande em você. Que Deus conforte seu coração e lhe dê forças para suportar a dor da falta de seu amado Ari

  • tenho muitas lembranças boa do tio Ary,ferreira gomes que diga.tivemos dias maravilhosos eu dedê “dindinha” e o tio Ary,tomavamos banho 6:00hs da manhã para curar nossa resaca.hoje tem uma festa em ferreira gomes chamada carnaguary,mas tudo começou com um festival do caju idealizado por um grupo de pessoas e la se encontrava o Ary,é verdade ele gostava daquele municipio.tio saudades sua tenho certeza que DEUS LHERECEBEU DE BRAÇOS ABERTO.BEIJOS FICA COM DEUS.

  • Ontem ao chegar na casa dos meus pais, procurei o jornal e só tinha o jornal do dia 14 de junho e ao ler fiquei perplexa e muito triste ao saber que o Zezinho tinha falecido,ele foi o meu primeiro namorado,namoramos mais de 5 anos e tenho boas lembranças dele,sempre foi uma pessoa integra e de grande valores morais. Foi o Antenor(irmão), foi o Dr. Jarbas(pai), foi Dona Olga(mãe) e agora o Zezinho, para mim que compartilhei muitos anos com eles é muito triste tudo isso e fica a Ana Maria(irmã) para contar e lembrar dos bons momentos vividos. Meus sinceros sentimentos a Ana Maria(irmã) e sua familia. Liduina

  • Querida colega
    Daisy Maria,

    foi com profundo pesar que soube hoje da perda do Ari, de quem fui colega e cuja convivência foi muito boa. Para ti, sei que foi a perda do teu companheiro e do teu amor. Nesse momento difícil, rogo a Deus que te dê força bastante para dar continuidade aos sonhos de voces. Um abraço carinhoso da colega e amiga Marly – Caxias do Sul/RS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *