Jornalista amapaense, Vanessa Gabriel, é curadora de exposição na COP26

Vanessa Gabriel é amapaense, jornalista formada pela UFPA com mestrado pela USP. Mora e trabalha em Londres desde 2011, onde já foi gerente de projetos no Conselho Britanico e gerente de inovação da Queen Mary University. Atualmente, Vanessa é gerente senior de projetos da Prefeitura de Londres, entregando os projetos de campanha do atual prefeito Sadiq Khan. Paralelo a isso, ela desenvolve projetos com foco na Amazonia, como a Bienal das Artes da Amazonia, a Escola Livre da Amazonia, e as atividades em Glasgow como parte da COP26.

Vanessa Gabriel

Veja matéria da Agência Brasil

 

Exposição na COP26 volta olhar sobre povos que habitam a Amazônia 

A partir da próxima segunda-feira (1º) os participantes da Conferência do Clima (COP26) poderão conhecer um pouco mais das faces e cores que compõem a diversidade da Amazônia.  É que durante a conferência, mais precisamente no espaço Brazil Climate Hub  (que vai promover uma série de eventos ligados à pauta da justiça climática, políticas financeiras sustentáveis e à preservação da biodiversidade), estará em cartaz a exposição “Para quem está por vir”.

Educação Escolar Indígena
Licenciatura Intercultural Indígena, por Nailana Thiely/ASCOM

Com curadoria de Eduardo Carvalho e Vanessa Gabriel-Robinson, a mostra trará 13 fotografias que mostram a população negra, indígena, urbana e ribeirinha da Amazônia. Os fotógrafos da região  Bruno Kelly, Marcela Bonfim e Nailana Thielly são os responsáveis pelas imagens que são uma forma de ajudar o público a refletir sobre a importância de manter esse ecossistema vivo, minimizar os impactos de sua exploração, mas principalmente sobre a diversidade cultural do local.

“A ideia principal era convidar artistas visuais contemporâneos da região e mostrar um outro olhar sobre a Amazônia. Um olhar jornalístico, local, em que as comunidades fossem protagonistas. Esses profissionais conhecem a realidade social, cultural e econômica de seus estados, e entendem a importância de retratar as comunidades considerando suas diferenças, sua diversidade, a maneira como se relacionam com seu ambiente.”, explica Vanessa, que também é natural da região.

Amazônia humana

“Decidimos evitar mostrar os problemas para mostrar a Amazônia humana”, disse Carvalho. Segundo ele, uma Amazônia urbana, indígena, preta, ribeirinha e feminina, que luta para preservar seus conhecimentos tradicionais, ao mesmo tempo que quer se beneficiar daquilo que a modernidade traz de positivo. “Uma Amazônia que tem voz e que quer ser ouvida. Que deseja transmitir para as futuras gerações – aqueles que ainda virão, como diz o nome da exposição – os segredos, as cosmogonias, as tradições, as relações com a natureza”.

Para Vanessa embora a região figure em diversos debates ninguém realmente se atenta e dá voz aos povos que lá habitam – que ficam alheios a essas discussões ou até mesmo não têm espaço para promover seu trabalho, por exemplo. “Sem escutar essas pessoas, sem dar espaço para a arte produzida na região, a discussão sobre o futuro da Amazônia nunca será completa”, diz.

A couple smiles from their house in the Nazaré community, district of Porto Velho, capital of Rondônia. Marcela Bonfim_2014.jpg
Um casal sorri em casa na comunidade de Nazaré – Marcela Bonfim/Direitos reservados

  • Notícias boas sobre o Brasil projetando o trabalho e capacidade de nossos compatriotas em atividades importantes em outros países.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.