Incentivo à leitura: projeto do MP-AP e TJAP, em parceria com instituições públicas e privadas, arrecada livros e organiza polos de cultura na comunidade do Ambrósio, em Santana

 

O Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio do Núcleo de Mediação, Conciliação e Práticas Restaurativas (NMCPR) da Promotoria de Justiça de Santana, em parceria com instituições públicas e privadas, realizará, na área portuária de Santana, o projeto “Era uma vez…”, organizado pela equipe do NMCPR e coordenado pela promotora Sílvia Canela e a Juíza Carline Nunes. O trabalho consiste na organização de espaços físicos dentro da comunidade que funcionem como pontos de cultura.

Entre os parceiros da atividade estão: o Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP); empresa Amapá Florestal e Celulose S.A (Amcel); Secretaria Extraordinária da Juventude, pelo Programa Amapá Jovem (Sejuv); Livraria Leitura, DEV Mineração S.A.; Secretaria Municipal de Educação do Município de Santana (SEME); Federação do Comércio do Amapá – Fecomércio/AP, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e Serviço Social do Comércio (Sesc/AP) e Associação Comunitária da Área Portuária (ACAP).

O trabalho consiste na organização de espaços físicos dentro da comunidade que funcionem como pontos de cultura.

A ação contará com voluntários e lideranças de dentro e fora da comunidade do Ambrósio. As pessoas interessadas em fazer parte do projeto, poderão fazer doações de livros infanto -juvenis novos e usados que poderão ser entregues na Promotoria de Santana. O objetivo é auxiliar as crianças, na faixa etária de 4 a 12 anos de idade, que residem na localidade, no processo de leitura e escrita, compartilhar princípios e valores da Justiça Restaurativa, desenvolvida há anos pelo NMCPR no bairro, assim como também ofertar círculos de diálogos e contação de histórias para todos os envolvidos.

 

A promotora de Justiça Silvia Canela e a juíza Carline Nunes elucidaram que serão preparados cinco polos contendo recursos materiais como livros, revistas, lápis, pincéis, massa de modelar e papéis, esclarecendo que toda a estrutura está sendo doada pelos parceiros do projeto. Os pais poderão emprestar os livros, se assim desejarem. Esses pontos de cultura funcionarão nos turnos da manhã e tarde ou conforme disponibilidade dos monitores/facilitadores que atuarão voluntariamente.

De acordo com a coordenadora do NMCPR, foi firmada uma parceria com o programa Amapá Jovem, do Governo do Estado, que colocará monitores para auxiliar com as crianças nos polos. Silvia Canela também explicou que, além deles, o projeto contará com facilitadores voluntários. Todas essas pessoas envolvidas no “Era uma vez…” farão cursos de Contação de História, curso que será ofertado pela Fecomércio e de Práticas Circulares, ministrado pela equipe do Ministério Público para o desenvolvimento das atividades do projeto.

Segundo a membro do MP-AP, na comunidade do Ambrósio a pandemia agravou os obstáculos para o desenvolvimento do gosto e de habilidades de leitura, pois muitas crianças sequer têm acesso à tecnologia para acompanhar aulas on-line. Somado a este fato, há uma porcentagem considerável de pais analfabetos e/ou desprovidos de práticas de leitura e o único acervo literário é o livro didático.

“Pretendemos contribuir para que as crianças possam se beneficiar e usufruir de tudo que a prática e o hábito de leitura nos trazem, como desenvolver a imaginação e a criatividade, adquirindo mais conhecimento que possam ajudar a despertar suas habilidades e os dons de cada um, além de outros conhecimentos que contribuirão para a fixação de valores, como empatia, amor próprio e ao próximo, oportunidade para a construção de um futuro promissor, uma vez que o contato com os livros podem mudar o futuro de alguém. As crianças, seus responsáveis, facilitadores e toda a equipe do projeto terão vivência em círculos. A temática e objetivos dos círculos ocorrerão conforme a necessidade do momento”, pontuou Silvia Canela.

Projeto Comunidade Restaurativa

O Projeto Comunidade Restaurativa é realizado, desde 2017, no bairro do Ambrósio, e já promoveu transformações profundas no meio social daquela comunidade, localizada na área portuária de Santana. A ação, desenvolvida pelo NMCPR em parceria com o Juizado Especial Cível e Criminal da cidade, estabeleceu relações mais saudáveis, atuando na prevenção da violência, resolução de conflitos por meio dos círculos de diálogos, empoderamento das pessoas e a busca por despertar o senso de pertencimento entre os moradores do lugar.

E, ainda, com a resolução de antigos conflitos, formação de facilitadores e a pintura artística das casas, contribuindo para melhorar a estética das moradias e, com isso, criando um ambiente mais lúdico, que estimule a sensação de bem estar e eleve autoestima dos moradores.

Mais informações:

Núcleo de Mediação, Conciliação e Práticas Restaurativas: 96 99104-4057 (de 9h às 13h)

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *