Governo do Estado anuncia Plano de Ações para a Saúde

O Governo do Amapá anunciou nesta terça-feira, 5, decreto que institui Estado de Emergência no setor de saúde do Estado. A medida se fez necessária para contrapor as atitudes de alguns médicos especialistas, pertencentes ao contrato administrativo, que optaram pela demissão voluntária na manhã desta terça, por não concordarem com o novo modelo de fiscalização adotado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), para pagamentos de plantão, onde só será efetuado após os serviços cumpridos.

Várias tentativas de diálogos e acordos entre o governo do Estado e Sindicato dos Médicos foram mediadas pelo Poder Judiciário e Ministério Público do Estado, para que os médicos plantonistas entendessem que a medida adotada, em fiscalizar os pagamentos de plantões, além de exigida pela população, que muitas vezes recorriam aos hospitais e não encontravam os médicos plantonistas, sana outros fatores administrativos, onde o pagamento será efetuado após a execução do trabalho oferecido.

Dentro das propostas do governo, a principal apresentada foi de que no primeiro mês, os médicos plantonistas recebam 20 dias do mês trabalhado, no segundo mês já receberão 30 dias normalmente, sendo 10 dias do mês anterior mais 20 dias do mês trabalhado, a partir de então os plantões seriam computados no período de 21 do primeiro mês a 20 do mês seguinte e seriam pagos sempre ao fim do mês, juntamente com a folha regular. Mesmo assim, nenhuma proposta foi aprovada nas assembleias do Sindicato dos Médicos do Estado do Amapá.

Para solucionar, outra medida emergencial teve que ser adotada pelo governo do Estado: acionar as Forças Armadas com o objetivo de receber auxílio dos médicos militares, para evitar que a população fique sem os atendimentos essenciais nos hospitais da rede estadual. “O quantitativo de médicos que optaram pela demissão não é grande, mas acaba afetando alguns serviços essenciais no atendimento de urgência e emergência, por isso nós antecipamos com algumas medidas também urgentes”, esclareceu o secretário de Estado da Saúde, Lineu Facundes.

A publicação de Edital Emergencial para a contratação de médicos especialistas fora do Estado também é uma das medidas tomadas para sanar o problema da falta de médico plantonista – após o anúncio de demissão de alguns desses profissionais. “Todas as medidas anunciadas pelo governo do Estado começam a ser adotadas ainda esta semana”, finalizou.

O secretário da Saúde, Lineu Facundes, explicou que a insatisfação dos médicos plantonistas não é meramente pela alteração na data de pagamento dos plantões, mas porque uma parcela desses profissionais é contrária ao controle mais rigoroso que a Sesa adotou para acompanhar de fato o cumprimento efetivo dos plantões médicos. A partir desta medida, a Sesa vai poder acompanhar e fiscalizar a escala dos plantões desde o planejamento até o cumprimento da escala, haja vista que existem muitas reclamações de usuários do SUS de médicos que sequer cumprem o plantão.

Ascom/Sesa

  • PLANTÕES

    De fato o que está em jogo não é a imposição dos plantões e sim o risco da perda da mamata $$ dos plantões $$ por parte dos médicos que não cumprem os cumprem, simples assim.

    No ano de 2011, os 50 maiores salários pagos a servidores foi para 50 médicos, houve médico que recebeu R$ 57.177,10.

    Com plantões foram pagos valores que vão de R$ 36 a 48 mil mensal. Quer saber como foi feito isso e quem são os detentores dos maiores salários pagos em 2011?

    Acesse http://transparencia-ap.info/, click em “Grandes valores” e depois em “Maiores valores brutos já pagos” e marque 2011. Voilá.

    Aqui sim existe transparência.

    COLABORAÇÃO

    Como sugestão para moralizar e melhorar a saúde (e o serviço público em geral) de nosso estado deixamos a dica:

    COLOCAÇÃO DE PONTO ELETRÔNICO BIOMÉTRICO NOS HOSPITAIS (E EM TODOS SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL) COM ACESSO PELA INTERNET LIVRE PARA QUE QUALQUER CIDADÃO POSSA SABER SE O SERVIDOR ESTÁ FAZENDO JUS OU NÃO AO SALÁRIO QUE RECEBE.

    Movimento Mãos Limpas
    Twitter: @mmaoslimpas

    • a idéia do ponto eletrônico é boa porém,eu acho que uma boa parte vai bater o ponto e vai embora depois aparece dizendo que estava no hospital,com a fiscalização acredito que vai ficar mais complicado para ´passear´ durante o horário de trabalho

  • Já falei anteriormente, a atitude dos médicos de interromperem suas escalas de plantões, coloca a população em risco de morte, o que é um absurdo. Acho que os médicos deveriam procurar outra forma de protesto.

  • O governo esta corretissimo. Sempre achei um absurdo a forma de como eram feitos e pagos esses plantoes, pois os medicos faziam a festa, muitos sequer apareciam para trabalhar e no final do mês recebiam seus proventos recheados, muitos chegando a 35 mil…um ABSURDO. Falo isso com convicao, pois já trabalhei no PS e no PAI sou “enfermeira”. E digo mais, muitos deles quando eram chamados em suas casas ( pois estavam em suas casas qdo deviam estar no hospital ) Chegavam depois de 2 horas , reclamando e dando patadas em todos pq haviam sidos chamados, sem contar com o péssimo atendimento ao paciente, por tanto e por conhecimento de causa. Mais uma vez afirmo. O governo esta corretissimo.

  • O Governo Está Correto. Esses caras recebem os maiores salários do Estado e talvez da Amazônia e não querem trabalhar. So pensam em grana. Além do mais durante oito anos do Governo Waldez, mamaram a beça, sucatearam o setor com suas criminosas omissões e agora ainda querem receber adiantado por um serviço que não prestam, salvo honrosas exceções, o quando prestam é de péssima qualidade. Pela quantidade de médicos existentes, grande parte com dois contratos, plantões pra caramba (que recebem até quando estão de férias, licenças, etc..) sobre-aviso ducacete,e outas mamatas mais o Amapá deveria ter um atendimento padrão. Finalmente é bom lembrar que um plantão hoje é R$ 1.000,00, ou seja, uma vez e meia o que ganha um trabalhador por mes e que sangram os cofres do EStado em mais de R$ 6.000.000,00 por mes. Duvida? vai no site transparência do AP.
    Carlos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *