Dona Joaquina Jacarandá: os 60 anos da mestra de Mazagão Velho

Por Gabriel Penha

 

Cordão das Pastorinhas


Uma mulher abnegada. Uma senhora que se devota em nome da fé e da cultura de Mazagão Velho. A mestra da terra de São Tiago. Uma pessoa capaz de representar como poucas a simplicidade e simpatia da comunidade que atravessou o Atlântico.

 

Neste dia 31 de agosto, dona Joaquina da Silva Jacarandá completa seis décadas de vida. Ela é filha de um casal pioneiro da velha Mazagão: dona Olga Jacarandá, hoje com 101 anos de idade, e seu Acendino Jacarandá, que já partiu para o Plano Astral. Das várias irmãs, “Tia Joca”, como é conhecida pelos muitos amigos e admiradores, é a única que abraçou com afinco o legado de dona Olga: cuidar das festas religiosas da igreja de Nossa Senhora da Assunção.

 

Dona Joaquina pode ser descrita como uma síntese da fé e da cultura do povo mazaganense. É foliã de São Gonçalo, devota da Padroeira, Nossa Senhora da Assunção – e dedica atenção especial à igreja que leva o nome da Santa – é uma das principais organizadoras da parte religiosa da Festa do Divino Espírito Santo, em agosto, e mestra do premiado Cordão das Pastorinhas. Mas, claro, dança e se diverte quando se junta às amigas nas rodas de marabaixo e nas poucas festas que vai.

 

É cena comum dona Joca iniciando os cânticos religiosos entoados nas missas e novenas em Mazagão Velho. E essa voz também já foi emprestada para a gravação dos diversos CD’s que eternizam o batuque e o marabaixo mazaganenses, além de presença constante nas apresentações dos grupos em Macapá.

 

Por falar em São Tiago, durante o mês de julho, dona Joaquina abre mão de ficar ao lado da família para se dedicar com esmero à preparação de nossa maior manifestação cultural. Está sempre à disposição para colaborar para que o festejo do Glorioso saia o melhor possível. Também demonstra simpatia e bom humor invejáveis para dar informações e depoimentos aos visitantes.

 

Aliás, que sorriso capaz de irradiar alegria! Desde garoto, não lembro de ter visto dona Joaquina mau humorada, aborrecida. Ou ao menos demonstrando isso. E é dessa forma singela e carinhosa que sempre cuidou do marido, José da Conceição (Zé Cardinho), dos filhos André Luiz, Ana Luiza e Nazaré Jacarandá, dos muitos filhos de coração e dos netos Eduardo e Anderson; talvez seja dessa energia positiva que tire fé e forças para lidar com a perda do primeiro neto, Aluísio Neto, que ainda criança foi chamado por Deus.

 

Joaquina da Silva Jacarandá se traduz em uma linda figura humana. Se traduz em amor, fé, em uma supermãe, super avó, super irmã, super tia, super sogra, enfim, uma super amiga. É amada e respeitada, uma unanimidade em Mazagão Velho. Tanto que os amigos e familiares reúnem para festejá-la, numa noite que promete muita surpresa e emoção.

 

Mais do que homenagear dona Joaquina, a ocasião é para agradecê-la. Peço licença para falar em nome da comunidade de Mazagão Velho e dizer “obrigado” à dona Joca, por tudo o que já fez e ainda vai continuar fazendo em nome dde identidade, nossa fé e nossa cultura. Parabéns, mestra Joaquina, pelos seus 60 anos!


  • É cena comum dona Joca iniciando os cânticos religiosos entoados nas missas e novenas em Mazagão Velho. E essa voz também já foi emprestada para a gravação dos diversos CD’s que eternizam o batuque e o marabaixo mazaganenses, além de presença constante nas apresentações dos grupos em Macapá.

  • muito legal dona Joaquina Jacaranda é uma dádiva de deus para nossa comuidade e de sua importancia para mazagão velho…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *