Publicidade

Do site SelesNafes.com “Governador tem contas bloqueadas pela Justiça”

compra ilegal: Governador tem contas bloqueadas pela Justiça

Em decisão da 4ª Vara Cívil de Fazenda Pública de Macapá, as contas do governador Waldez Góes, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), ficarão bloqueadas até que se alcance o valor de R$ 1,5 milhão por conta da compra irregular de um terreno onde hoje se localiza o Bairro Marabaixo IV. A compra ocorreu em 2008 quando Waldez exercia seu segundo mandato como governador do Estado. A ação parte de uma denúncia do próprio governo do Estado do Amapá em 2012, quando o Executivo era administrado por Camilo Capiberibe, do Partido Socialista Brasileiro (PSB).

A condenação ocorreu por conta da transação feita por Waldez Góes e Alcir Figueira Matos, que na época era secretário de Infraestrutura e hoje é diretor da Agência de Desenvolvimento do Amapá (Adap), e o proprietário do terreno Sandro Luiz Azevedo Costa, que recebeu do governo do Estado R$ 1,5 milhão, para repassar a área para o nome do GEA. O objetivo era dividir a área em lotes para um projeto habitacional. Porém, a compra não pôde ser concretizada, mesmo após o pagamento, porque o terreno em questão estava hipotecado e encontrava-se sob o domínio do Banco da Amazônia por conta de uma dívida contraída em 1992 por Sandro Azevedo.

Ao final do processo o valor foi pago ao proprietário, mas não houve o repasse cartorial do título do imóvel ao governo, pois o mesmo pertencia ao BASA. Por conta do desvio, Waldez Góes e Alcir Matos foram condenados por realizar transação administrativa em nome do governo do Estado sem os meios lícitos, e a outra parte ré, no caso o dono do terreno, por agir de má fé na transação, porque mesmo sabendo que o terreno estava hipotecado recebeu o valor e finalizou a venda. O que segundo a decisão, causou grande perda aos cofres públicos. Apenas o governador Waldez Góes  não foi encontrado para ser notificado pelo oficial de justiça.

  • Essa é a maneira que eles encontram para fazer o “dinheiro circular” nas mãos de poucos, é claro. O Lobato fala que é o pingue pongue, pois o dinheiro vai e volta, rapidamente. Eita gente sem juízo.

  • Assim até eu faço o dinheiro circular no Amapá.
    Waldez deve explicação muito convicente sobre esta enrolada com nosso dinheiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *