Corram para as montanhas (parte milésima)

Abuso e retaliação da Assembléia Legislativa do Amapá no Jornal Nacional

Com direito aqueeela cara que só Willian Bonner sabe fazer e matéria de Arilson Freires, a Assembléia Legislativa do Amapá mais uma vez esteve no Jornal Nacional na edição de ontem, sexta-feira

Veja matéria aqui http://g1.globo.com/jornal-nacional/

O texto da matéria

Willian Bonner – O Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais considerou ameaçadora e ilegal uma decisão da Assembleia Legislativa do Amapá. Os deputados vão tentar destituir do cargo a procuradora-geral de Justiça do estado. Ela apurou fraudes e irregularidades graves na assembleia em denúncias apresentadas no Fantástico e no Bom Dia Brasil.

Arilson Freires – Sob o comando da procuradora-geral Ivana Cei, o Ministério Público do Amapá abriu oito inquéritos para apurar denúncias de corrupção na Assembleia Legislativa. Os deputados são acusados, por exemplo, de fraudar o uso da verba indenizatória de R$ 50 mil mensais para custear despesas do mandato com notas fiscais frias, principalmente de viagens.

O Ministério Público também levantou que em 2011 os 24 parlamentares receberam R$ 3,4 milhões só em diárias. Outra acusação é a contratação superfaturada de empresas que teriam ligações com os deputados. A MFX, que fornece mão de obra, foi contratada por R$ 800 mil, mas uma ex-assessora do presidente da assembleia, Moisés Souza, é quem teria recebido o dinheiro.

Em 2011, a assembleia pagou mais de R$ 3 milhões a uma cooperativa de aluguel de carros. O diretor financeiro da Cootram, Sidney Jorge Gonçalves, diz que teve a assinatura falsificada em cheques de pagamento e que não tinha conhecimento do contrato: “A Cootram não tem contrato com nenhum órgão público atualmente”.

No dia 22 de maio, uma operação do Ministério Público cumpriu 20 mandados de busca e apreensão e recolheu dezenas de documentos da Assembleia Legislativa. No mesmo momento, os deputados resolveram aprovar a criação de uma CPI para investigar o Ministério Público.

Em seguida, o presidente da assembleia apresentou ao legislativo um pedido de destituição da procuradora-geral do cargo. Os parlamentares vão precisar modificar o regimento interno da assembleia para garantir a destituição.

“Se houver qualquer denúncia contra a assembleia, nós queremos responder e sabemos que podemos com clareza fazer isso. Mas nós não vamos deixar de aplicar a lei e mostrar que o Ministério Público está sob a égide da lei como qualquer outro ente, qualquer outro poder”, destaca o deputado estadual Moisés Souza (PSC), presidente da Assembleia Legislativa.

A procuradora diz que as decisões da assembleia são uma manobra para tentar impedir as investigações contra o legislativo: “É muito fácil você falar para tentar tirar o foco do que o realmente o Ministério Público está fazendo, que são as investigações contra a Assembleia Legislativa. Vamos continuar fazendo. Nós não temos nada a esconder, nós não temos que nos envergonhar de nada que estamos fazendo”, afirma Ivana Cei.

O Conselho Nacional de Procuradores-Gerais de Justiça considera o pedido de destituição uma ameaça: “O que não se pode fazer é tentar destituir o chefe de uma instituição, de maneira ilegal, por parte de quem não detém esta iniciativa. Por isso, é fundamental a atenção neste momento, para que o Ministério Público possa continuar a realizar investigações diretas. Para que notícias como estas, que envolvem supostas fraudes na Assembleia Legislativa, não fiquem impunes”, diz Cláudio Soares Lopes, presidente do CNPG.

tópicos:

  • Quando o MP chegar na roubalheira da época do “JORGE AMANAJÁS”, é que ele ver os MILHÕES desviados. NA ALEA, se gritar pega ladrão…

    • Xará o nosso pensamento parece igual, porém somos diferentes na grafía, um com a maiúsculo o outro minúsculo.

  • O Mais bacana é ouvir o progrmama “o estado é notícia”, com aqueles jornalistas “meia-boca” se esforçando em defender esses deputados. os deputados do Amapá e os jornalistas amapaenses estão de parabens

  • O problema é que em Macapá não tem montanhas, é melhor dizer corram para as baixadas, como os bandidos fazem!

  • Defendo a idéia de que o MP deve mesmo investigar a AL. Só não entendi até agora (e me desculpem a ignorância), porquê o MP não se manifestou de forma incisiva no governo passado. Não houve denúncias? O MP não sabia de nada, nadinha, nadica de nada do que estava ocorrendo?

    • Tudo depende do procurador geral para investigar os outros poderes, naqueles tempos bicudos. Eram outros procuradores, então a pergunta de ser dirigida a eles.

  • Parabens Doutora Ivana, esta ALAP é um elefante branco no Amapá, este estado não anda socialmente e nem financeiramente em face de tanto dinheiro indo pelo ralo por esses deputados, tenho informações concretissimas que a Deputada Sandra Oana deu um carro de R$ 200.000,00 de presente de aniversário para o seu filho e foi agora na época de escandalos da verba indenizatória e foi divulgado muito no facebook. Esses deputados estão cada vez mais ricos, milionários e o povo do Amapá cada vez mais pobre, que o povo esteja do lado da Doutora Ivana Ce mais como estamos em um país aonde o Sistema é incorompivél e a lei proteje bandidos de colarinho branco isto pode não dar em nada…

    • Não deveria ser o contrário? O estado do Amapá que poderia “pensar”: ” Meus filhos vocês ainda me matarão de vergonha”.
      Todos nois somos culpados do que acontece aqui.
      Um abraço.

      • Moises, certamente, sim. E, procuro contrariar essa hipótese da forma que posso, ao fazer as minhas críticas à essa pouca-vergonha que se repete no Amapá, através de meu blog (http://ernanimotta.zip.net), porquanto não resido em Macapá. Daí, a minha frase, que na verdade quer dizer “esses políticos amapaenses ainda me matam de vergonha”. Um forte abraço.

    • Cabôco, bons tempos, quando eramos território federal. Não existia esse apendice chamado assembleia, inútil no organismo, como aquele pedaço que carregamos no final dos intestinos.
      Não existe nada de mais nocivo e inútil neste Amapá, que a assembleia e seus deputados. Nada.

  • ACORDA SOCIEDADE. BASTA VER OS ESTADOS VIZINHOS COMO EVOLUIRAM NA ÚLTIMA DÉCADA E O NOSSO POBRE ESTADO CONTINUA O MESMO. TEM QUE HAVER UMA REVOLUÇÃO DA SOCIEDADE PARA DAR APOIO AS POUCAS INICIATIVAS DE MORALIZAR NOSSO ESTADO. ESSES DEPUTADOS SÃO UMA VERGONHA NACIONAL. BASTA VER AS INDICAÇÕES PARA O PRIMEIRO ESCALÃO DE GOVERNO E VER A RIQUEZA EM POUCO TEMPO, PRINCIPALMENTE AS INDICADAS PELOS DEPUTADOS. PARA ESSE POVO NÃO EXISTE LICITAÇÃO E SIM NEGOCIAÇÃO. CHEIO DE EMPRESAS FANTASMA DETECTADAS PELO MP DA DRA. IVANA CEI.

  • A verdade quem foi nk mais deve voltar, fk no CARRO DO BENFIKA… melhor aquele carro que nk sai…
    O que deixaram mesmo foi vergonha nacional… agora apontam os dedos como se fossem o melher no meio da politica local,posam de coitadinhos achando que o pouco tempo longe dos holofotes foram esquecidos…kkkkk
    Se hj fizesse uma pesquisa em quem se votaria para deputado no Amapa… kkkkk
    na certeza que os que ocupam as cadeiras atuais… tinham passagem comprada no CARRO DO BENFICA…

  • Meu caro Marcelo,apenas como esclarecimento. O procurador da época não venceu a eleição para o cargo, mas foi nomeado pelo governador da epoca e devia a ele o favor da nomeação. A procuradora Ivana foi, por duas eleições seguidas, a mais votada e foi a nomeada com Justiça, sem precisar barganhar o cargo, daí a liberdade que ela tem para atuar. Um abraço

  • Está faltando, agora, tão somente, a ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAPÁ ter a ousadia em deflagrar GREVE, no sentido de que seja apurada todas essas mazelas financeiras entre eles. os “DEPUTADOS”, claro! Né?

    A(F)VE MARIA!

  • As eleições municipais estão chegando e não se esqueçam que quase todos os vereadores são “filhotes” dos deputados. Olho neles!

  • O meu querido Amapá não me mata de vergonha; ele sofre com o mal caratismo de alguns maus filhos seus. O maior consôlo é sonharmos que tudo isso vai passar e que cada um ensine ao seu filho que o Brasil e o Amapá têm jeito sim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *