Congresso do CNS: governador e ministros ouvem reivindicações de extrativistas

Os trabalhos do III Congresso Nacional das Populações Extrativistas iniciaram na terça-feira, 6, no auditório do Cetal Ecotel, em Macapá (AP). Um público de mais de 400 representantes de comunidades extrativistas das florestas e das águas assistiram aos pronunciamentos do governador do Amapá, Camilo Capiberibe, dos ministros de Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, de Meio Ambiente, Izabella Teixeira e do presidente do Conselho Nacional de Seringueiros, Manoel Cunha.

O evento, que é coordenado pelo Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS), em parceria com os governos federal e estadual, por meio do Instituto Estadual de Florestas (IEF), foi marcado por reivindicações, assinaturas de portarias, contratos e protocolos de intenções que irão beneficiar a população extrativista.

 

O governador do Amapá, Camilo Capiberibe, utilizou seu pronunciamento para agradecer a presença dos ministros e extrativistas que estão no Amapá. Ele ponderou o compromisso do governo estadual com a pauta e que o momento é propício para construir mecanismos para desenvolver uma política clara para os extrativistas.

Ele destacou ainda o sucesso dos trabalhadores amapaenses com o extrativismo do açaí (fruto da região), que vem gerando renda para os produtores do campo e na cidade com a venda e exportação.

“Com o PAC das Florestas, todos os governos unidos podem costurar ainda mais políticas públicas não só para o Amapá, como para toda a Amazônia, onde residem essas populações extrativistas”, disse o governador.

Fabíola Gomes/Secom

  • Ei!! Vamos acordar!!! O Amapá não produz 5% da farinha que consome, menos ainda de açaí, que vem das ilhas do Pará. Nossa produção é pífia, não existe. Vamos acabar com essa história de extrativismo como solução economica para política de estado. No máximo quebra o galho do caboclo, para não morrer à mingua.
    Dá discurso e um dinheirinho no bolso de pequenos grupos que se aproveitam da situação e aparecem como salvadores da pátria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *