Com 43 anos de tradição, lanche do Aldemar é presença garantida no novo Mercado Central

 

Aldemar Pessoa Rêgo. Um nome comum que não remete lembranças, não é!? Mas, e se falarmos na Coxinha do Aldemar!? Aí certamente fica muito mais fácil de reconhecer o nosso personagem, que é dono de um dos lanches mais tradicionais do Mercado Central, que será reinaugurado este mês pela Prefeitura de Macapá. Seu Ademar, como é chamado carinhosamente por seus clientes, trabalha há 43 anos com a fabricação de salgados.

Natural de Abaetetuba, no Pará, veio a Macapá em busca de oportunidade de emprego. Mas com uma ideia fixa na cabeça, de ser seu próprio patrão. A vontade de ter o próprio negócio o fez desenvolver a massa que dá vida aos seus deliciosos salgados. “Minha mulher e eu cuidamos pessoalmente da fabricação da massa, em um processo todo artesanal. São 43 anos fazendo a mesma massa, mas o segredo do sucesso é o amor que a gente coloca na hora de produzir nossos salgados”, conta Aldemar.

O estabelecimento, que costumava a ser aberto a partir das 4h da manhã, era bastante frequentado por jovens que frequentavam as “baladas” da cidade, e que iam curar a ressaca com um salgado acompanhado das vitaminas, que, segundo Aldemar, “levantam o ânimo”. Essa proximidade com os jovens também o fez querer investir no futuro dos seus colaboradores. Com a venda de salgados, além de ter formado três filhos, ele ajudou cinco funcionários a terem ensino médio e superior.

 

“A minha maior recompensa é ver essas pessoas voltando aqui com seus filhos, família. A proximidade com os jovens me dá mais vontade de trabalhar, por isso já estou ansioso para a reinauguração”, completou. O cardápio da lanchonete é variado, são sucos, vitaminas, mistos e salgados variado. Mas o carro chefe, os mais pedidos por todos, segundo o proprietário, é a coxinha de frango e o pastel de carne. “Mais de 60% dos pedidos são de coxinha de frango e pastel de carne. Eu sempre digo que não temos nenhum ingrediente secreto, é só a nossa dedicação e força de vencer na vida”.

 

Mercado Central

 

Além da variedade de produtos tradicionais como verduras, frutas, peixes, carnes, ervas e especiarias, o local ganhará a inclusão da área para a comercialização de artesanato, espaço gourmet, chopperia, sorveteria, tapiocaria, hamburgueria, café, produtos fitness e batedeira de açaí.

 

Construído no governo de Janary Gentil Nunes e inaugurado no dia 13 de setembro de 1953, o Mercado Central foi considerado espaço de compras de alimentos e de encontros das famílias amapaenses por muito tempo.

 

A reforma, realizada com recursos oriundos de emenda parlamentar do senador Randolfe Rodrigues e contrapartida do Município, traz o conceito de Cidade Inteligente, que alia tecnologia, inovação e sustentabilidade ambiental a uma economia dinâmica e a potencialização do turismo local.

 

Fotos: Nayana Magalhães

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *