• Dei uma olhadinha e só lamento os comentários degradantes à respeito do meu querido Estado.Infelismente o povo amapaense valoriza esses cocos que vão ai mostrar seus trabalhos(arrancar uma grana de quem é ávido e não tem opções de bons entretenimentos),os quais na maioria das vezes não são valorizados aqui no Sul e Sudeste p/serem de péssima qualidade,dai eles correrem p/Norte para não “morrerem de fome” por aqui.Moro no Rio onde tudo acontece,mas nem tanto,pq essa garota aqui não acontece,é inexpressiva a atuação dela p/aqui.Maioria desses tais artitas nem são nascidos por aqui.PARAIBAS (na giria carioca p/quem vem de outros Estados),tirando onda de SULISTAS.DEVERIAM no mínimo,ter respeito por quem os prestigia e acolhe.Tenho certeza que o povo do Amapá acolhe GENTILMENTE a todos indistintamente,é oque tem p/oferecer.Apesar de achar desnecessário tais comentários p/partes destes,é bom p/que nosso povo aprenda a VALORIZAR mais os ARTISTAS da Terra,os quais representam nossa CULTURA.Os meios de comunicações ai, deveriam divulgar mais os trabalhos de nossos artistas,dão muito IBOPE p/quem vai de fora,dai eles se “acharem”.UFA! falei.

  • Com isso percebemos o tamanho da ignorância do povo do sul, pois bem, não saber onde fica um Estado Membro da Nação, que escola cursaram? não ensinavam geografia?

    • Fiquei sabendo que ela já esteve ai e PAMEM,na frente dos meios de comunicações dai foi toda elogios p/com a cidade e o povo.É claro,ia falar mal de quem iria botar comida na mesa dela.Garota 100 graça…..tão “talentosa” que perdeu posto até p/a SURFISTINHA……..rsrsrsr

  • Na verdade não foi só essa talzinha que falou m….de Macapá,pq quem começou o papo no FACEBOOK foi o tal do Bruno Mazzeo (filho do Chico Anizio),um inexpressivo como todos os outros imbecis que o imitaram.Comentários lamentáveis e desnecessários, por quem depende do público para sobreviver.Os promotores de eventos,empresários e outros ai de Macapá, deveriam prestar mais atenção p/essas figurinhas que levam p/ai.Esses manés,prescisam valorizar e respeitar o povo amapaense.Muitos deles por aqui são só mais um na mutidão.Alguns vendem até água de coco na praia p/ganhar um qualquer e não passar fome.Chegam ai no Norte tirando onda de bacana.Uns m…..Desculpa ai,mas me revolta ver esses “ninguém” falarem mal da minha city.Fiquei tão indignada que “mandei ver”(comentei),no blog desse Bruno e se depender de mim,ele e os outros morrem de fome.Minha cultura não foi achada no LIXO.

  • Apóio o boicote. Aliás, a vontade é grande de entrevista-la e perguntar se ela conhece o talento. Mas com certeza, teria que explicar pra ela q TALENTO nao é uma cidade, nem um chocolate, é algo que ela não tem.

  • Com todo o respeito às várias opiniões, acho que não se deve boicotar a moça.

    Aqui, onde estamos acostumados apenas a coisas como “Bar Caboclo”, qualquer peça teatral – se me permitem – de verdade merece ser vista.

    • ESTAMOS ACOSTUMADOS? Leva à mal não,mas vc deve estar se referindo a vc quanto a sua falta de opções.E não é tb pela falta de diversidades opcionais,que temos que acatar e aplaudir qualquer bosta que vem p/cá. Ainda mais falando mal da cidade.

      • Ao falar “estamos acostumados”, me referi genericamente a quem mora aqui, no Amapá. Eu, pessoalmente, nunca vi nenhuma apresentação de “Bar caboclo”. Há certas restrições que imponho ao meu bom gosto. Mas enfim… Se você também não aprecia aquele espetáculo, parabéns!

        Sobre não aceitar o que vem de fora, melhor repensar… Não vi a apresentação da moça – nem sei se ela tem talento, ou não -, mas a peça (“Dores de amores”) é muito boa! É, inclusive, uma remontagem de outra estrelada, no passado, por Malu Mader. Vale a pena.

    • Camila, não houve comparação entre as atrizes. Apenas lembrei que o espetáculo em si não deve ser desprezado, pois se trata de uma obra conhecida e de ótima qualidade. Está tudo lá, claro como as águas de um riacho – não como as do rio Amazonas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *