Bloco “A Banda”, Patrimônio Cultural do Amapá, completa 56 anos de alegria e irreverência. Mas neste aniversário, não arrasta a multidão nas ruas

 

“Estava à toa na vida, o meu amor me chamou, pra ver a Banda passar, cantando coisas de amor”. E em 2021 por conta da pandemia não teremos pelas ruas de Macapá o som dessa tradicional marchinha e tantas outras, que milhares de foliões e amantes do carnaval lotavam às ruas e avenidas de Macapá nesta terça-feira gorda de carnaval, quando o maior bloco do Norte do país, “A Banda”, saía pelas vias arrastando uma multidão com irreverência e muita alegria.

O bloco é considerado Patrimônio Cultural do Município. Ele foi fundado em 1965, e este ano comemora 56 anos de existência, mas sem a famosa aglomeração que tanto amamos pelas ruas da cidade.

José Figueiredo de Souza, o “Savino”, fundador do bloco, disse que esse ano é atípico, pois é o primeiro ano que “A Banda” não saíra arrastando uma multidão. Infelizmente não teremos este ano a nossa “A Banda”, O bloco não é meu e nem de ninguém, é do povo”, que todos sejam vacinados e que em 2022 possamos voltar como nosso maior bloco para ruas de Macapá espalhando alegria.

A Banda é a cara do povo e da cidade de Macapá , faz parte da cultura, além de ser o patrimônio.



Fotos: Max Renê 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *