30 anos sem o genial Cazuza

 

Como assim tem 30 anos que “aquele garoto que ia mudar o mundo morreu” e é tão presente entre nós?

É que as obras dos gênios não envelhecem. E a poesia, a música, o estilo e as posições politicas de Cazuza continuam incrivelmente atuais.

A charmosa rebeldia do muso louco de Ipanema e do Leblon, que com sua poesia, voz rouca, que misturava rock, blues e bossa nova, conquistou um Brasil que renascia para a democracia.

Gilberto Gil sobre Cazuza, no twiter

Momento sublime. Codinome Beija-flor, vídeo do inicio da carreira solo de Cazuza, após deixar o Barão Vermelho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *