Por Raul Mareco *

Faz 187 anos que o então príncipe regente de Portugal D. Pedro, bradou, às margens do rio Ipiranga, dizem os historiadores, Independência ou morte! Desde então, o Brasil se livrou dos domínios monárquicos de além-mar e começou a construir sua própria identidade nacional, e mesmo aos trancos e solavancos seculares, vai salvaguardando sua história e seu povo.

No dicionário Houaiss, encontrei uma acepção a qual considero a mais relevante no significado da palavra independência: condição material capaz de ensejar uma existência agradável; bem-estar, fortuna, prosperidade. Direcionando o foco para o Amapá, estado que completará 21 anos no próximo 05 de outubro, me ocorre uma análise em que “bem-estar”, “fortuna” e “prosperidade”, não produzem qualquer traço de ressonância entre o povo tucuju.

Para elucidação, é preciso escrever-lhes um parágrafo à parte sobre uma ciência que foi caracterizada pelo matemático estadunidense Norbert Wiener (1894-1964) na década de 40, a qual foi utilizada para definir e explicar o processo de retroalimentação, ou o famoso feedback, ação existente tanto nos sistemas da robótica quanto nos psicossociais.

A Cibernética propõe o estudo sobre o retorno dos efeitos gerados por suas causas, algo como o fim justifica o início. O feedback é contextualizado por Wainer como um retorno positivo das ações mecânicas, no que diz respeito à robótica, e das ações sociais dos sujeitos, em relação à psicologia e à sociologia.

Portanto, afirmo-lhes que em todos os níveis de análise científica há uma constante “batalha” para se conquistar a ordem, a sinergia; pelo contrário, prevalecerá a entropia, ou o caos desenfreado que obstrui o desenvolvimento de quaisquer sistemas e sociedades. Assim o é no nosso querido Amapá, como alguns acontecimentos que cito abaixo.

Vivemos em um estado onde pseudo-cidadãos, animais irracionais, sem qualquer resquício de educação, assassinam seus pares em um trânsito desorganizado, onde cada buraco no asfalto produzido pelo tempo se transforma na própria cova sem lápide de pessoas inocentes. Em pleno século XXI, somos vítimas de uma pífia inclusão digital onde a nossa Internet “banda lenta” ajuda a naufragar o desenvolvimento de um estado que ainda se sustenta como promissor.

Estamos situados em uma região cobiçada pelo planeta e mesmo assim nossos governantes ainda não descobriram que, por sermos amazônidas, possuímos uma vasta cadeia de biodiversidade, a qual remete ao turismo, e que, por conseguinte, aqueceria a economia amapaense.

Não sabemos a que horas poderemos usufruir de água tratada, o que é um direito incomensurável do ser humano, pois o governo parece nunca solucionar os problemas da estatal Caesa, praticamente falida. É uma tremenda ironia que Macapá é a única capital banhada pelo grandioso Rio Amazonas, e a água nos falta nas torneiras.

Por falar em falência e má qualidade, a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), praticamente federalizada por conta dos rombos administrativos, está para nos fazer crer que voltaremos à época das lamparinas. E o que dizer de nossa cultura, tão diversa e ao mesmo tempo diminuída pelo amadorismo governamental imposto à nossa música, ao teatro, às artes plásticas, entre outros. Praticamente nada se produz culturalmente, e quando há, as pessoas não são devidamente incentivadas a procurar sequer um produto cultural que se distancia da maldosa Indústria Cultural.

Infelizmente, há tantas outras problemáticas a citar que, se Norbert Wiener estivesse vivo, desistiria de encontrar uma reorganização identitária no Amapá devido a tanto caos que estamos vivenciando há anos. É uma verdadeira “Era das Trevas”, compartilhada por políticos inescrupulosos (termo não generalista) que apenas almejam a troca de interesses particulares, comprando a consciência dos desvalidos e re-implantando a prática coronelista que prioriza a ignorância do povo.

Porém, é bom salientar que o Amapá é diametralmente superior a todos estes processos entrópicos acumulados, portanto, é dever de cada amapaense realizar uma reflexão crítica a respeito dos desmandos que vêm nos tirando o “bem estar”, a “fortuna” e a “prosperidade”, os significados reais de independência e re-ordenamento social.

É dever de cada cidadão não aceitar a dependência sistemática e contagiosa engendrada pelo governo, dependência nociva que causa práticas costumeiras e não-críticas sobre o papel dos governantes no comando do Amapá. É dever nosso mostrar aos governantes que eles é quem devem temer o povo, e não o contrário. É preciso reconstruir uma causa revolucionária que definitivamente promulgue nossa verdadeira Independência ou morte, bem ali, às margens do majestoso Amazonas.

*Gostaria de dedicar este artigo à jornalista, poetisa e blogueira Alcinéa Cavalcante, destaque da revista Época, quem sempre escreve com feedback positivo em prol dos amapaenses e na luta contra os desmandos.

*Raul Mareco, 31, é jornalista diplomado, especialista em assessoria de imprensa e articulista.