De Maria Lima e Adriana Vasconcelos, de O Globo:

Nove estudantes, inclusive dois menores, foram presos pela Polícia Legislativa nesta quinta-feira durante manifestação no Senado contra o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP).

Os estudantes só foram liberados no fim da noite, depois da intervenção dos senadores Cristovam Buarque (PDT-DF), Eduardo Suplicy (PT-SP) e José Nery (PSOL-PA). A manifestação foi realizada por cerca de 10 estudantes secundaristas e universitários.

O estudante Rodrigo Pilha, da UnB, conta que enquanto estavam presos e sendo intimidados a entregar os documentos força, um dos seguranças teria ligado para Sarney e relatado que eles estavam e continuariam presos para dar o exemplo.

– Eles ameaçaram nos processar e tentaram tomar nossos documentos a força. Arrancaram meu crachá e só devolveram quando os senadores entraram na sala. Antes um dos seguranças, o que agia com mais violência, ligou na nossa frente e conversou com o Sarney. Disse a ele que estávamos presos e que ia botar quente em cima da gente para dar o exemplo, para acabar de vez com as manifestações. Mas não vamos parar, vamos continuar mobilizando mais e mais gente para não deixar tudo como está – contou Rodrigo Pilha, por telefone, de dentro das dependências da Polícia Legislativa, onde uma cela começou a ser construída e depois a obra embargada.

O protesto começou com cerca de 100 manifestantes que tentaram entrar pela Câmara dos Deputados. Ali foram barrados, mas se espalharam e entraram separadamente em pequenos grupos.

Para entrar no Senado, onde todas as portarias estão fortemente vigiadas, alguns usaram crachás de servidores da Câmara. Um dos grupos que estava perto do plenário, onde Sarney presidia a sessão, começou a gritar palavras de ordem.

Os estudantes foram rapidamente contidos com sopapos e empurrões pelos seguranças.

– Estão prendendo estudantes como na época da ditadura! Prendam o Sarney – gritavam, balançando a no alto a Constituição.

Os seguranças que estavam na porta do plenário incitaram os colegas a usar de mais violência.

– Desce o cacete mesmo! Isso é culpa da Imprensa – gritou um deles, que mandou um jornalista ” tomar no c..” quando ele se aproximou com o gravador.

No trajeto das proximidades do plenário até a garagem, onde fica a Policia Legislativa, os estudantes foram agredidos com safanões e chaves de pescoço.

– Estão presos, detidos, no mínimo por perturbação da ordem. Tem funcionários da Câmara junto. Me admira que recebam do Congresso e venham aqui fazer isso – disse Pedro Araújo, diretor da Polícia Legislativa do Senado.