• Nessa época o Waldez Góes,ainda não tinha legalizado as invasões.Tudo era muito bonito,vejam as pessoas deitadas na grama.O Governo Waldez, inviabilizou esse ponto turístico,legalizando aquela invasão.Ele prometeu fazer 10 mil casas populares como não fez nenhuma,achou melhor fazer essa aberração,da mesma maneira que ele fez em frente a Expor-Feira,na entrada do Curiú e por aí afora.Observe a beleza dos seringais plantados no local.Tudo acabou !

  • O “Beleza” tem toda razão. Passo todo santo dia por este local e me pergunto como as autoridades fecharam os olhos para a invasão desta floresta ao entorno do monumento.

  • Gostaria de informar a pessoa que não se identificou “BELEZA” que a área foi que ela ta se referindo, já existia a invasão antes mesmo do governo atual assumir. Não to puxando a sardinha pra ninguém, apenas temos que ser realista.

  • Ah, mas agora ficou muito melhor com a “mega reforma” (tiraram a grade, jogaram uma borra de tinta) que custou mais de R$400 mil. Égua nada sai por menos desse valor, aquela cobertura na beira-rio, outros R$400mil, dava pra fazer um super prédio…Cade o MP…cade o MP…harmonizado!!!!

    • MP é o Ministério Publico é? Ah!! esse MP só sabe barrar a santa dos outros, porque santo bom é o “SANTO” dele, pense na tenda bonita que tem na estrada…Bem nutrida, pra que se preocupar com o Desgóesverno.

  • Você não prestou atenção no que comentei.Disse que quem legalizou a invasão foi o Waldez o que é especialidade de dele,inclusive as áreas de ressacas todas estão invadidas com aval dele.Olha o Lucas e o Roberto Góes,defendiam o não pagamento do IPTU para essas áreas,se tem decreto,isso significa Legalizar o Ilegal.Antonio a na linha do equador,vale tudo só não vale é a bandidagem ficar sem dinheiro.

  • O primeiro Marco Zero do Equador, situava-se no inicio da rodovia Macapá/Porto Grande. O que aparece ba foto, foi deixado pelo serviço de hidrografia da Marinha de Guerra,quando esteve aqui, o navio hidrográfico Rio Branco, ainda no governo Janary Gentil Nunes. Durante algum tempo todo avião de companhias aéreas, que cruzava a linha do Equador e o piloto, pela primeira vez fazia esse trajeto, era batizado com champagne. Faz parte da história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *