Da Agência Senado: O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) dedicou seu discurso nesta quinta-feira (29) à memória do primeiro governador do Amapá, o capitão Janary Gentil Nunes, que completaria 100 anos em 1º de junho de 2012. Ele também foi quem governou por mais tempo o então território por mais tempo (1943-1956).

O parlamentar anunciou que no final deste mês será iniciada uma série de homenagens ao centenário de nascimento de Janary Nunes, iniciando pela reedição da obra de 1962, “Confiança no Amapá: Impressões sobre o território”, escrita por diversos intelectuais, entre os quais Juscelino Kubitschek.

Escolhido pelo então presidente Getúlio Vargas em 1943, quando o Amapá foi transformado em território por decreto, Janary Nunes também presidiu a Petrobras, aumentando muito a produtividade da estatal durante sua gestão.

Segundo Randolfe – que recitou antigos versos de Marabaixo, manifestação cultural do Amapá, feitos em homenagem ao então governador -, Janary Nunes construiu cinco fazendas-modelo incentivando a pecuária, centros hortigranjeiros, escolas, aeroporto, as bases da companhia de eletricidade, a descoberta do manganês, cujos royaltiesutilizou para a construção da Usina Hidrelétrica do Paredão. Conforme o parlamentar, Janary Nunes soube valorizar o Amapá e a Amazônia.

O senador comparou o governo de Janary Nunes no território ao do presidente Juscelino Kubitschek (1902-1976) nos anos 50. O senador informou que no período de Janary Nunes foi instalada a estrutura estatal no Amapá. A população do Amapá, que era de apenas 2.800 habitantes, cresceu para 25 mil pessoas.

Randolfe ressaltou a elegância com que Janary Nunes enfrentou ataques da imprensa e destacou sua capacidade visionária de perceber que o minério de manganês, riqueza do então território, deveria ser beneficiado no país. Já naquela época, disse o senador, Janary Nunes criticava o desconhecimento da imprensa sobre a Amazônia, que, segundoRandolfe Rodrigues, mantinha “o Brasil de costas para o Brasil”.

O senador também mostrou os números da produção e receita da Petrobras, que demonstram a boa administração de Janary Nunes: saltou de 6.800 barris/dia para 86 mil barris/dia. A receita bruta em cruzeiros antigos saltou de 3,6 bilhões em 1955 subiu para 27 bilhões em 1958. Já o lucro liquido saltou de 107 milhões em 1955 para 1,8 bilhões em 1956, 3,8 bilhões em1957 e5,3 bilhões em 1958.

Ao final de seu discurso, o parlamentar anunciou que no final deste mês serão iniciadas uma série de homenagens ao centenário de nascimento de Janary Nunes, iniciando pela reedição da obra de 1962, “Confiança no Amapá: Impressões sobre o território”, escrita por diversos intelectuais, entre os quais Juscelino Kubitschek.

Da Redação / Agência Senado