Durante encontro na Sejusp, ficou definido que os órgãos de defesa social intensificarão as ações conjuntas no enfrentamento aos principais crimes. Encontro reuniu representantes das esferas de Poderes e instituições que trabalham na manutenção da paz e combate à criminalidade

Ações integradas de combate à criminalidade deverão ser fortalecidas no Estado do Amapá. A estratégia foi definida durante reunião entre representantes das esferas de poderes do Estado e das instituições públicas que trabalham na manutenção da paz e combate à criminalidade. O encontro ocorreu na manhã desta sexta-feira, 4, no prédio da Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública (Sejusp), em Macapá.

Durante a reunião, foi exposto o atual cenário da segurança pública do Amapá, que serviu como base para as ações operacionais. De acordo com titular da Sejusp, coronel Carlos Souza, os crimes que mais afligem a população amapaense são homicídio, roubo, tráfico de entorpecente, crime infanto-juvenil e crime contra a mulher. “Se a gente conseguir reduzir o índice de casos desses cinco crimes, tenho certeza que teremos um Estado em uma situação muito boa em relação ao restante do país”, frisou.

Foto: Neto Lacerda

Para combater esses tipos de crime, ficou definido que os órgãos deverão intensificar ações conjuntas de enfrentamento. “Isso ocorre por exemplo na atuação da Polícia Rodoviária Federal e Batalhão Rodoviário Estadual que atuam nas rodovias. Ou também a ação da Polícia Civil, Polícia Militar e Polícia Federal no cumprimento de mandados e inquéritos de prisão para criminosos de alta periculosidade”, exemplificou o secretário.

O desembargador do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), Rommel Araújo de Oliveira, que coordena as Varas Criminais do Amapá, participou da reunião na Sejusp e comentou sobre a importância de discutir com os órgãos de segurança essas estratégias de combate ao crime. “Toda postura de união em relação à diminuição da criminalidade receberá o apoio da Justiça, visando o bem-estar da sociedade amapaense”, disse.

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Rodolfo Pereira, falou que a partir desse encontro será possível traçar melhor essas estratégias de combate ao crime. “A Polícia Militar terá condições de fazer um trabalho mais preventivo e auxiliar os outros órgãos, maximizando o serviço de inteligência no Estado, para aí, sim, poder traçar as melhores estratégias”, ressaltou.

Participaram da reunião representantes do Corpo de Bombeiros Militar (CBM/AP), Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen), Polícia Civil, Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF/AP), Tjap, Agência Brasileira de Inteligência no Amapá (Abin) e Exército Brasileiro.

Fronteira

O secretário Carlos Souza anunciou que a segurança pública do Amapá ganhará o reforço de oito homens da Força Nacional de Segurança. Eles deverão atuar na prevenção e repressão ao crime na área de fronteira do Estado, em conjunto com o Comando de Fronteira do Exército Brasileiro, na região fronteiriça do Amapá com a Guiana Francesa.

O comandante da 22ª Brigada de Infantaria de Selva (BIS), general Luiz Gonzaga Viana, disse que a tropa responsável pela defesa na faixa de fronteira dará sua contribuição para a segurança pública do Estado. “Vamos integrar essa missão de reduzir o crime no Estado, realizando o combate aos crimes de fronteira, como crimes ambientais, tráfico de pessoas, drogas e armas, garimpo clandestino e desrespeito aos limites de fronteira”, assegurou.

Gabriel Dias -Sejusp