Em relação a operação da Polícia Federal Diagnosis ocorrida na manhã desta terça-feira, 29, o Governo do Estado esclarece que:

1. A improbidade foi identificada em setembro de 2016 pela direção do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) que, imediatamente, tomou providências administrativas e legais contra a servidora em questão, entre elas: imediata exoneração, denúncia aos órgãos fiscalizadores como a Controladoria-Geral do Estado (CGE), Controladoria-Geral da União (CGU) e Polícia Federal (PF), uma vez que o recurso é proveniente do Sistema Único de Saúde.

2. Em abril de 2017, a CGE concluiu relatório de inspeção que foi enviado para conhecimento do Governador do Estado, o qual, autorizou as medidas legais apontadas no relatório;

3. Por fim, foram encaminhadas cópias do relatório de inspeção para a CGU e PF, além do Ministério Público Federal, Procuradoria-Geral do Estado, para fins de ressarcimento ao erário.