PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

A propósito de matéria veiculada na Folha de São Paulo, na data de 19 de setembro do corrente ano, veiculada também no sítio www1.folha.uol.br, na mesma data, que vem titulada “Corrupção no AP envolve até Judiciário”, e sub-titulos, “Ao menos três desembargadores podem ter participado de esquema de  desvio de recursos público, segundo PF” e “Inquérito aponta que Secretaria Estadual de Saúde pagava aluguel de suposta amante do presidente do TJ”. Venho, como Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, esclarecer o seguinte:

1-    A matéria confunde o leitor quando cita o Vice-Presidente, Desembargador Gilberto de Paula Pinheiro como sendo a pessoa do Presidente do TJAP, e me acusa de ser, supostamente, amante de “Ana Paula Batifá”, nome citado na matéria tentando referir-se a Ana Paula Bacessart, irmã do Desembargador Gilberto de Paula Pinheiro, Vice-presidente do TJAP. Esclareço que tenho como mulher Apolônia Ferreira Neta, com quem tenho 3 filhos, e com quem vivo harmonicamente bem. Não tive, não tenho e nunca terei qualquer tipo de relacionamento amoroso com a senhora Ana Paula Bacessart.

2- No mesmo passo, a matéria cita: “Dôglas é citado em grampo no qual um homem diz que “ainda hoje” faria “o serviço de Dôglas do tribunal”, que “Paulo havia pedido”. Para a PF, “Paulo” é Paulo Melém, suposto “testa de ferro” do Prefeito de Macapá e primo de Waldez Góes, Roberto Góes”. O serviço a qual se refere tal matéria foi solicitado pelo Diretor Geral do Tribunal de Justiça, Veridiano Colares, diretamente ao Chefe de Gabinete do Prefeito de Macapá, Paulo Melém, para que a prefeitura, com seu maquinário, realizasse uma limpeza em área de propriedade do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, localizada na Rodovia JK, às proximidades do Distrito de Fazendinha, onde será construído o Complexo Administrativo do Poder Judiciário do Amapá e que havia sido invadida por movimentos populares. Após negociação com os invasores, eles deixaram a área. O serviço solicitado a prefeitura de Macapá, serviu para que a referida área fosse cercada, impedindo, assim, futuras invasões. Portanto, a relação estabelecida foi institucional entre dois órgãos públicos, TJAP e Prefeitura Municipal de Macapá, o que se contrapõe ao enfoque da matéria que tenta estabelecer possível favorecimento pessoal a minha pessoa.

3- Esclareço ainda que não possuo qualquer outro tipo renda além de  meus proventos funcionais, o que me serve para ajudar os meus 10 filhos e 5 netos em seus estudos e manutenção. Nos meus 66 anos de idade nunca me envolvi em qualquer tipo de falcatrua ou negócios escusos e nunca busquei enriquecer de forma ilícita. Quero morrer honesto.

4- Afianço que todos os membros do Poder Judiciário, desembargadores e juízes, trabalham com honestidade e honradez, colocando o Poder Judiciário amapaenses como um dos mais céleres do Brasil.

5- Agradeço, antecipadamente, a sua gentileza em publicar esta nota de esclarecimento, obrigado.

Des. DÔGLAS EVANGELISTA RAMOS

Presidente do TJAP.